Home Blindados Akrep II: primeiro veículo blindado elétrico turco na IDEF 2019

Akrep II: primeiro veículo blindado elétrico turco na IDEF 2019

3881
34

A empresa turca Otokar desenvolveu um novo veículo blindado elétrico batizado de “Akrep II” que será apresentado na exposição IDEF 2019, a ser realizada entre 30 de abril e 3 de maio de 2019 em Büyükçekmece, Turquia.

“É o primeiro veículo de combate blindado movido a eletricidade desenvolvido internamente no país. O veículo será testado em breve. Ele estará pronto para compra dentro de um ano ”, informou o Daily Sabah, citando o presidente da empresa, Serdar Görgüç, na quarta-feira.

Segundo Görgüç, o veículo é projetado com motores elétricos e diesel. “Uma versão totalmente elétrica será introduzida e a versão a diesel estará pronta para compra dentro de um ano”, acrescentou.

A baixa altura do veículo Akrep II oferece vantagens contra ameaças antitanque, enquanto também pode fornecer apoio para tropas de combate.

“O alcance do veículo que tem lugares para uma bateria tanto na parte dianteira quanto traseira também pode ser aumentado com baterias adicionais de acordo com as solicitações do cliente”, disse Görgüç.

Ele disse que o veículo leva três horas para recarregar depois que as baterias estão completamente drenadas.

O Akrep II foi concebido como uma plataforma modular para poder ser adaptado a diferentes tarefas. O alcance do veículo é atualmente de 250 quilômetros (155 milhas). “O alcance pode ser aumentado com novas baterias intensivas em energia”, acrescentou ele.

O novo veículo foi projetado para atender a um requisito do Exército Turco.

O blindado substituirá o veículo blindado Cobra e Akrep I em missões de reconhecimento.

A versão básica do veículo Akrep II fornece proteção total para a tripulação contra pequenas armas e estilhaços de projéteis de artilharia. Adição de blindagem em placas dá um certo grau de proteção contra granadas propelidas por foguetes. Também se espera que este novo veículo resista às explosões de minas antitanques sob as rodas.

Este carro escoteiro blindado pode ser equipado com uma estação de armas controlada remotamente, com armas de pequeno ou médio calibre. Versões mais leves, armadas com metralhadoras de 7,62 mm, 12,7 mm ou lança-granadas automáticas de 40 mm também estão disponíveis.

 

34
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
20 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
21 Comment authors
Camillo Abinadermendes souzaRenatoAntunes 1980FERNANDO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bardini
Visitante
Bardini

Off… pq ninguém vai ler na matéria dos MBT do UK:
https://thinpinstripedline.blogspot.com/2019/04/tanks-for-nothing-why-it-does-not.html?m=1
.
Boa leitura…

Carvalho
Visitante
Carvalho

Muito bom… Gostei especialmente do parágrafo: “Também vale a pena notar que muitas nações que aspiram a trabalhar no topo das operações militares reduziram significativamente suas participações de MBT nos últimos anos – a França, a Alemanha e a Alemanha (….). A tendência é cada vez mais para manter um núcleo relativamente pequeno de tanques, apoiado por um conjunto de veículos de médio alcance mais amplamente implantável” Ou seja, posso entender que isto justificaria mantermos nossos “320” Leo 1 (considerando que plenamente operacionais – nos aspectos de sistemas de fogo, motorização, comunicação e TRIPULAÇÃO, talvez não consigamos juntar 50) DESDE… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Acho que a grande questão é manter menos, mas manter melhor, em condições de operar e atualizado. Manter algum poder de choque para pronto emprego e fazer muito número com a Mecanizada, que é bastante multifuncional… . Por mim, vale muito mais ter menos, mas ter 2 “Brigadas Pesadas” bem arranjadas e estruturadas, com equipamento moderno e em dia. Coisa pra passar por cima de qualquer um sem dó… VBCCC, VBCI e demais blindados, incluindo também uma engenharia e logística bem equipada e estruturada. Tudo operando em rede, apoiado por helicópteros de ataque, UAVs (ISR, INSTAR, etc) e uma artilharia… Read more »

Recce
Visitante
Recce

Mas esse número implicaria em uma disponibilidade muito baixa considerando como o Exército Britânico opera sua frota de carros de combate, o que pode comprometer até mesmo sua capacidade de operar dentro de um coalização em um conflito de alta intensidade/maior duração. http://ukarmedforcescommentary.blogspot.com/2019/04/challenger-2-numbers-dont-waste-time-on.html This only adds to the already numerous doubts about the Army’s ability to ever realize its ambition of being able to resource a Division-level deployment with 100% of its armoured brigades. The British Army claims that, in the future, it will be able to deploy 3rd Division for a complex operation with 2 armoured and 1 strike… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Eu gosto muito de ler o italiano Gabriele Molinelli… Mas acho que o grande ponto é esse: . “While some people may not be happy that the number feels low, a better question to ask is how many of the nations in the rankings, how many can deploy a division anywhere in the world and operate it as part of an integrated force with the US in a coalition operation? Realistically the UK and US are the only nations that could deploy and sustain a division out there – saying the UK has less tanks than Cambodia is only an… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Sim Recce,
O artigo aborda esta preocupação, mas cita que menos de uma dezenaa de carros Britanicos foram perdidos em combate, sendo um grande número recuperados.
Ou seja….no nosso caso, as perdas seriam por falhas não devido ao ambiente, terreno ou inimigo, mas puramente por equipamentos com vida útil vencida.

Recce
Visitante
Recce

“mas cita que menos de uma dezenaa de carros Britanicos foram perdidos em combate”

Pois enfrentaram forças inferiores em treinamento e mal lideradas. Num conflito contra forças equivalentes, como os russos, as perdas seriam grandes em pouco tempo.

Carvalho
Visitante
Carvalho

Leia o artigo….todas estas apreensões são abordadas.
O artigo é bom porque suscita a questionamentos. Não faz uma abordagem de certezas inquestionáveis.

Se enfrentarem os russos, não serão 50 tanques que farão a diferença.
Tanque x Tanque….só se for para defender seu quintal.

Recce
Visitante
Recce

Eu li. Só que estou falando do outro artigo que coloquei no meu comentário mais acima:

http://ukarmedforcescommentary.blogspot.com/2019/04/challenger-2-numbers-dont-waste-time-on.html

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Imagino que a principal vantagem desse veículo é ser muito silencioso e emitir pouco calor. Mas demorar 3h pra recarregar, e provavelmente ter uma certa infra-estrutura da logística para recarregá-lo, não é muita desvantagem?

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Frotas elétricas apresentam um desafio logístico grande: geração de energia elétrica, próximo à região conflituosa, abundante e barata. Para não falarmos de bases remotas e desdobramentos emergenciais. Necessário abordar também as necessidades da própria tropa, como iluminação, refrigeração/aquecimento, etc.

Não à toa um exército tem estudado um mini reator nuclear móvel. Para desespero de parcela de seus pesquisadores e ambientalistas do país.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Acho que um reator de pequeno porte na linha de frente é um tanto perigoso não acha? Se munição e blindagens de urânio empobrecido já geraram transtornos, imagine um reator desses com elevada carga nuclear ser atingido pela artilharia do inimigo. Se algumas gramas de Césio deixaram uma cidade do tamanho de Goiânia de pernas para o ar, imagine 30 kgs de urânio explodidos num reator de pequeno porte. Não manjo muito de física nuclear, mas os riscos devem ser considerados.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Mini-reator nuclear….não quero nem imaginar o tamanho da desgraça que seria se uma coisa dessa fosse atingida em cheio por uma GBU ou Tomawhank….

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Mini reactores já foram usados e existem, apenas não para esse fim, a meu ver, são viáveis, por fim o perigo é mais radioactivo que de explosão.
Vejamos, posso pelo menos dar o exemplo de bases em zonas polares, pelo menos os russos sei, que chegaram a usar e talvez ainda usem, reactores de reduzidas dimensões como fonte de energia em bases remotas, para fins mistos de pesquisa e interesse militar.

Brunow Basíllio
Visitante

Os americanos chegaram a usar ratores moveis na construção do canal do Panamá , jána Rússia a Rosaton colocará sua primeira usina nuclear flutuante em operação, provavelmente este ano..

Alexandre Pessoa
Visitante
Alexandre Pessoa

Brunow, como assim? Salvo engano, o Canal do Panamá foi construído entre o fim do século XIX e início do XXI. Como foram usados “reatores (nucleares) móveis” nessa construção? Abs.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Realçar que a Turquia propriamente dita não carece de sol, também este fonte de energia.

Marcos Merlin
Visitante
Marcos Merlin

Para resolver a questão do carregamento basta, durante o desenvolvimento, projetar o veículo para trabalhar com baterias de fácil substituição.

Bardini
Visitante
Bardini

Cópia do Panhard CRAB?

paulop
Visitante
paulop

Pense a mesma coisa quando vi.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Muitíssimo interessante.

paulop
Visitante
paulop

Hum…. solução interessante para os nossos desprotegidos Exploradores. Fica de olho EB.
Aliás, a empresa Otokar tem boas soluções que poderiam interessar ao EB.
https://www.otokar.com/en-us/products/Pages/trackedmv.aspx
Por sinal o IFV Tulpar seria uma boa base para desenvolvimento de um futuro VCI para o EB.
Abraço

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Munido com uma super bateria de grafeno pode ser excelente

Brunow Basíllio
Visitante

Os Australiano estão criando a bateria térmica que irá revolucionar na área de armazenamento de energia..

Delfim
Visitante
Delfim

Tem tomada no campo de batalha ?
Mini-reator nuclear ? E se for alvejado ? Vai se ter um mini-Chernobyl ?
E o custo ? Motores elétricos são mais caros que motores a combustão de mesma potência. Fora o custo das baterias.
Mas é capaz de seduzir algum exército progressista eurobambi.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Ele é Diesel-Elétrico, pode ser que países pequenos que importem combustíveis e estão sujeitos a suspenção abrupta de fornecimento Ex: Geórgia, Líbano, Estônia , Letônia, Lituânia…

Alfredo RCS
Visitante
Alfredo RCS

Cada absurdo que me aparece no mundo das armas…Imaginem esses veiculos envolvidos numa guerra…o primeiro ataque será contra usinas eletricas…ficarão só com a carga das baterias…não se estoque vento, digo, energia, apenas combustiveis.

RockShooter
Visitante
RockShooter

“Também se espera que este novo veículo resista às explosões de minas antitanques sob as rodas” O fabricante “espera” que o veículo resista a minas terrestres… porém, se vocês olharem os bancos do veículo, notarão que ficam colados no piso, além de não possuírem amortecimento. Se algum artefato explodir embaixo do veículo, este pode até não ser totalmente destruído, mas os passageiros serão seriamente feridos. “o veículo leva três horas para recarregar depois que as baterias estão completamente drenadas.” O conceito do veículo é muito interessante, mas ter veículos movidos à bateria em campo de batalha não é algo desejável,… Read more »

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

ENquanto a Turquia desenvolve tecnologia, aqui, vendemos as empresas estratégicas, pois segundo alguns, elas são deficientes!!!!!!!
Eita, ALEMANHAAAAAAAAAAAAA 7 a ZEROOOOOOO

Renato
Visitante
Renato

Pois é… Se tivéssemos nossa indústria de estocagem de vento não precisaríamos nem de baterias elétricas!

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Não entendo o mercado de defesa mundial.
Insistentemente criam mais e mais destes veículos, de leves a pesados.
Porém os houthis iemenitas destroem TODOS eles com uma facilidade avassaladora.
Sinceramente o gasto desnecessário no desenvolvimento e aquisição destes veículos é algo que deve ser repensado.

Renato
Visitante
Renato

Carro escoteiro? O Google tanslator está te sacaneando…

mendes souza
Visitante
mendes souza

os sul africanos chegaram a desenvolver um protótipo do Rooikat 120mm com rodas elétricas, com as engenhocas escondidas no centro da roda.

Camillo Abinader
Visitante
Camillo Abinader

A Turquia hj já é dona da maior indústria de defesa do Oriente Médio, e tende a crescer bastante, 100 anos depois do fim do Império Otomano voltam a surgir grandes potências mulçumanas, Irã, Turquia, Paquistão