sexta-feira, junho 25, 2021

Saab RBS 70NG

Novo decreto autoriza o Exército Brasileiro a operar aviões

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

DECRETO Nº 10.386, DE 2 DE JUNHO DE 2020

Dispõe sobre a Aviação do Exército.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea “a”, da Constituição,

DECRETA:

Art. 1º Este Decreto dispõe sobre a Aviação do Exército, que se destina à operação de vetores aéreos necessários ao cumprimento das missões do Exército Brasileiro.

Art. 2º Os Comandos da Marinha e da Aeronáutica cooperarão para a reestruturação da Aviação do Exército.

Art. 3º O Comando do Exército observará a legislação que regula a atividade aérea no território nacional, ressalvadas as especificidades do emprego da Aviação do Exército.

Art. 4º Os vetores aéreos do Comando do Exército utilizarão a rede nacional de aeródromos e contarão com o apoio de instalações e serviços aeronáuticos dos Comandos da Marinha e da Aeronáutica.

Art. 5º O Ministério da Defesa e os Comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica estabelecerão medidas comuns e de coordenação, no que se refere à doutrina e ao emprego, necessárias à execução deste Decreto.

Art. 6º Fica revogado o Decreto nº 93.206, de 3 de setembro de 1986.

Art. 7º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 2 de junho de 2020; 199º da Independência e 132º da República.

JAIR MESSIAS BOLSONARO

Fernando Azevedo e Silva

NOTA DO EDITOR: O Decreto nº 93.206, de 3 de setembro de 1986, que foi revogado, autorizava o Exército a operar apenas helicópteros.

- Advertisement -

270 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
270 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Renato Carvalho
1 ano atrás

Começamos tarde com um avião defasado….isso é Brasillllll

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

Na verdade não começamos, voltamos. O Exército operava aviões antes da FAB existir.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

Eu só quero ver quando esses aviões vão chegar e começar a ser operados, para esse recomeço sair do papel e virar realidade de fato.

Adriano silva
Adriano silva
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

Vc fala que o Super Tucano, é um Avião… Defasado? Pelo amor de Deus!

FighterBR
FighterBR
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

Você não entendeu. Não estamos falando de Super Tucano.

Wilson
Wilson
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

Acho que ele se referiu ao Sherpa.

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Wilson
1 ano atrás

acho q o pr e o eb estão se referindo a tudo q tem asa

Wilson
Wilson
Reply to  horatio nelson
1 ano atrás

No documento beleza.
Eu me referi a confusão feita por alguns de que por avião defasado, como escrito pelo Renato, estava se referindo ao ST.
 

Alexadre Cardoso
Alexadre Cardoso
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Sim, pelo visto, se referiu ao Sherpa.

Fabio
Fabio
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

Onde vc leu super tucano?????

Alexadre Cardoso
Alexadre Cardoso
Reply to  Fabio
1 ano atrás

Aí que está, ele não leu, se é que leu direito o texto, o que pela pergunta dele, prova que nâo leu direito o texto. Mas enfim, definitivamente o texto nada fala de super tucano, e o Renato Carvalho não se referiu ao super tucano.
 

Last edited 1 ano atrás by Alexadre Cardoso
ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

O supertucano A-29 no EB,poderia usar uma grande variedade de armas,basta dialogar com as pessoas ou governo certo…
 
 
 
 comment image

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

Quem disse que o EB vai comprar ST?

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Marcos Cooper
1 ano atrás

E quem disse que poderá não comprar?!   O decreto não especifica ou limita quais vetores poderiam ser adquiridos…   Então aeronaves a reação e qualquer turbo-hélice se encaixa no decreto…       Art. 1º Este Decreto dispõe sobre a Aviação do Exército, que se destina à operação de vetores aéreos necessários ao cumprimento das missões do Exército Brasileiro.   O A-29 poderia ser usado como aeronave CAS(Close air Suport) que é definido como :    Ação aérea por aeronaves de asas fixas e rotativas contra alvos hostis que estão próximos de forças amigas e requerem integração detalhada de… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Caro, Madureira.
 
 
Como complemento ao seu exelente relato, o famoso John Warden III, em “The Air Campaign – Planning for Combat” (1988), define CAS como: 
 
“Let us define close air support as any air operation that theoretically could and would be done by ground forces on their own, if sufficient troops or artillery were
available”.
 
Ele fez tal afirmação com intuito de diferenciar CAS e Interdição.
 
 
Abraços.

Tulio Rossetto
Tulio Rossetto
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

Um chega e consegue ser mais confuso que o outro kkkkk.

Regis Athayde
Regis Athayde
Reply to  Tulio Rossetto
1 ano atrás

Esse decreto pode ter vindo tarde, mas ainda assim é importante. Com isso, o projeto da empresa DESAER ganha um forte incentivo pra seguir em frente e substituir o SHERPA, bem como o Bandeirante.

Wilson
Wilson
Reply to  Regis Athayde
1 ano atrás

Não sei não.
Teve uma notícia da FAB buscando a Embraer para desenvolver um avião nessa categoria.
 
Se a DESAER quiser ter chance terá que montar um loby bem forte.

Alex
Alex
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Não se trata de loby, a Desaer só pensou no mercado civil ate pq o mercado militar e bem mais exigente e concorrido, sem falar que sempre leva muito tempo para fechar uma venda. O ATL 100 para o mercado militar devera ter motores mais potentes bem como a célula e componentes bem mais robustos que a configuração atual.

Cristiano de Aquinaa no Campos
Cristiano de Aquinaa no Campos
Reply to  Alex
1 ano atrás

Nada haver amigo, o que difere um avião de transporte civil de um militar e seu sistema de comunicações, sensores e sistemas defensivos se tiver. O resto como motores e trem de pouso e o mesmo, ainda mais na categoria leve.
Veja o bandeirante, grand caravan, casa 212 e etc.

glasquis7
Reply to  Wilson
1 ano atrás

A DESAER já desenvolve o ATL 100 com capacidade de 2,5 ton. pra uso civil e militar.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  glasquis7
1 ano atrás

Muito bom

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

O que tem o Super tucano da FAB com um avião de transporte leve do exército?

Stx27
Stx27
Reply to  Adriano silva
1 ano atrás

Meeeuuu Deus!!!!!!
Quem falou em ST????
Kkkkkkkkkkkkkkkkk

Wilson
Wilson
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

A aviação do exército no Brasil remonta a antes da IWW, e na época era usado aviões modernos, o que esta ocorrendo agora é a retomada por parte do EB da operação de aeronaves de asa fixa(que praticamente parou em 1941 com a criação da FAB).
Nesse cenário é vantajoso usar um avião confiável e barato para criar doutrina não um avião caro, o mais importante é ter um vetor que cumpra a missão, depois quando ele for ser substituído pode vir algo no estado da arte.

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

E Vamos de “Xepa” hahahahahaha! 🙂

Mayuan
Mayuan
Reply to  Ricardo da Silva
1 ano atrás

Valeu mago da economia! Arranja verba pra mais,

Kommander
Kommander
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

Começamos da onde voltamos, pra época do Vietnã. 😂

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

A FAB bem que podia transferir a operacionalidade dos Sabres para onde eles de fato deveriam estar, com EB, muito melhor do essa aeronave.

Last edited 1 ano atrás by Vinicius Momesso
Mayuan
Mayuan
Reply to  Vinicius Momesso
1 ano atrás

Os Sabres tinham é que ser vendidos pra liberar espaço e recursos para algo de verdadeira utilidade para as FAs

José Carlos David
José Carlos David
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

Antes tarde do que nunca!

PRAEFECTUS
PRAEFECTUS
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

OffTopic: Desembarcaram na Colômbia cerca de 50 soldados norte-americanos na segunda feira. E, é esperado a chegada de mais tropas…

Grato.

glasquis7
Reply to  PRAEFECTUS
1 ano atrás

E a volta do Tio Sam à luta contra o tráfico

Mayuan
Mayuan
Reply to  glasquis7
1 ano atrás

A julgar pelo tanto de sandice que tu escreve, a começar pelo teu nick, dá pra imaginar quanto da carga você gostaria de reservar pra si.

glasquis7
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

“dá pra imaginar quanto da carga você gostaria de reservar pra si.”
 
É homem o suficiente como pra me acusar abertamente de tráfico aquí? Só pra fazer o print na tela?

Mayuan
Mayuan
Reply to  glasquis7
1 ano atrás

Volta pra escola e aprende a ler.
 
Tô com tanto medo da sua ameaça que nem vou dormir.

glasquis7
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

Como imaginei, não é o suficiente.

Mayuan
Mayuan
Reply to  glasquis7
5 meses atrás

Analfabeto funcional mas pelo menos é criativo.

Mgtow
Mgtow
Reply to  PRAEFECTUS
1 ano atrás

Papo de kid assistidor de sessão da tarde. Eu fico me perguntando, com que essa gente saiu do esgoto dessa forma. A ponto de vibrar com uma força estrangeira cagando na cabeça dele. è muito culckodismo

nonato
nonato
Reply to  Mgtow
1 ano atrás

Que papo mais estranho.
Se os Estados Unidos estivessem mais atuantes, a América Latina não estaria sendo atacada pela organização Internacional marxista Foro de São Paulo que dá golpes nos países da região.

Mgtow
Mgtow
Reply to  nonato
1 ano atrás

Putz bicho, me erra. Não dialogo com olavate

Mgtow
Mgtow
Reply to  Renato Carvalho
1 ano atrás

Para o proposito na qual ele foi comprado, que e´a questão logistica na região amazonica ele vai nos servir muito bem. “Defasado” tambem não né?

Adriano Madureira
Adriano Madureira
1 ano atrás

Agora o EB poderá caso queira, até usar A-29 supertucano🤔🤔🇧🇷…

Ou A-10 warthog, mas aí é querer demais😂🇺🇸

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Adriano Madureira
1 ano atrás

tava demorando….

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 ano atrás

Só não gostei desse trambolho aí, espero que comprem o ATL-100 da Desaer, e ajudem um pequeno a crescer.

Wilson
Wilson
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

O ATL-100 nem existe ainda.
Talvez seja um possível concorrente(se sair até lá) para substituir o Sherpa.
 
O Sherpa pode ser feio(e é), mas é barato de operar e cumpre muito bem a função para qual será usado.

glasquis7
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Muito bom utilitário esse Sherpa mas, com a entrada de Portugal ao projeto ATL 100 acho que a tendencia pro EB é comprar alguns ATL 100 e tal vez, consiga fazer sombra no Twin Otter… Dificil ne?

Wilson
Wilson
Reply to  glasquis7
1 ano atrás

Concordo, só ressalvo que o EB só irá adquirir o ATL-100 se ele mostrar ter qualidades que atendam os requisitos do EB.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  glasquis7
1 ano atrás

Acho provavel que cada Vez mais ganhe simpatia e influencia do EB sobre o ATL 100 em detrimento a Embraer, pois a carta de intenções da Embraer com A Fab, pode ter requisitos diferentes do que o EB deseja

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Fora que o Sherpa custou mais barato, tem mais capacidade de carga e quase a mesma autonomia projetada para o ATL.
 
Seja como for, a compra de um não exclui a compra do outro. O pessoal aqui é que só raciocina em base binária.

Carlos
Carlos
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

é que veio quase de graça kkkkk
mas tomara que comprem o ATL-100 da Desaer também

Mano Jô
Mano Jô
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Esse ATL-100 vai ficar pronto quando mesmo?

Pois é…

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Mano Jô
1 ano atrás

Até adquirir a operacionalidade total desta nova aviação, já vai ter o ATL-200, e o ATL-300. Chuto ainda que o ATL-300 vai ser igual aquele quadrimotor da Antonov.

Last edited 1 ano atrás by Defensor da liberdade
Tutu
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Pegando como exemplo a fundação das asas rotativas lá nos anos 80 eu não apostaria nisso.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Não viaja! O EB já tem experiência em aviação, vai usar bases e contar com a expertise da FAB. Por qual raio de motivo isso seria tão demorado a ponto da Desaer lançar 2 variantes de um avião que ainda nem existe?

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Fique sossegado,sua opinião não interessa ao EB.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Marcos Cooper
1 ano atrás

Interessa mesmo não, mas por isso estão na pindaíba reformando coisa do tempo que eu de virgem, servindo de cabide de empregos.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Era virgem*

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 ano atrás

Já era hora, agora que saiu o decreto quando os aviões vão chegar?

Wilson
Wilson
Reply to  Fabio Araujo
1 ano atrás

Antes da pandemia falava-se em 2021.

José ROBERTO
José ROBERTO
1 ano atrás

Marinha também operará com aeronaves de asa fixa…

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  José ROBERTO
1 ano atrás

Já opera os A-1A/B no esquadrão VF-1..

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  José ROBERTO
1 ano atrás

Vão operar o quê, os Skyhawks? Ou os P-3 da FAB?

Wilson
Wilson
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

De asa fixa operam os Skyhawk e em breve os KC-2 Turbo Tracker

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Wilson
1 ano atrás

E meu caro, a MB qdo tiver orçamento, vai operar f18 ou f35, rafale, tejas, su´s…. Mas não vai operar Gripen…Abraços

Wilson
Wilson
Reply to  Saldanha da Gama
1 ano atrás

E quem falou do Gripen?
 
Mas como tocou no assunto, a SAAB está apenas esperando alguém se interessar para então construir o protótipo do Gripen M e a MB sabe muito bem as vantagens que essa escolha teria para a nação.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Pois é, melhor o Gripen já que teremos linha de montagem aqui. F-18 é avião fim de carreira, tá na hora de começar a ter um pouco de respeito e gestão com o dinheiro que eu dou para esses merd@s.

Wilson
Wilson
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

O caso do f-18 foi apenas boato, não existe nada de oficial.
O que é certo é que em algum momento terão que substituir os a4 e talvez não seja possível segura-los em operação até que o Gripen M fique pronto.
 

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Sem querer ser chato mas os A4 deveriam ser vendidos pra ontem, junto com os Turbo Trader, pra liberar recursos pra MB se concentrar em sua atividade fim: navegar.Parece criança que ainda troca as pernas e quer correr!
 
Outra, se você fosse o presidente da Saab, investiria milhões pra desenvolver e construir uma nova versão do Gripen que ninguém encomendou?

Wilson
Wilson
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

Não existe certeza nenhuma de que os recursos ficariam com a MB se isso fosse feito. Lembre-se que quem tem a chave do cofre é o congresso e eles podem muito bem considerar que como não tem mais aviões não precisa mais dessa grana e mais a atividade fim da MB não é navegar, esse é o meio ou melhor dizendo um deles, a atividade fim é a proteção das águas jurisdicionais brasileiras e dos interesses brasileiros no exterior.   Por fim, todos os estudos para converter o Gripen E/F no Gripen M já foram feitos, a SAAB apenas está… Read more »

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Prezado,não é que eu não goste de ideia, é que o conjunto das circunstâncias não é favorável pra seu nascimento.   Para e pensa sobre isso: O Gripen é um ótimo vetor mas é de 4ª geração e está entrando em operação em um mundo onde mesmo países com pouca ou nenhuma tradição aeronáutica (Turquia, Coréia, etc) já estão projetando ou tentando projetar aeronaves de 5ª geração. Os países de tradição (Inglaterra, EUA, França, Rússia) já estão pensando ou projetando a 6ª geração. SARPs estão cada vez mais comuns, eficientes e baratos e logo disporão de IA para seu controle,… Read more »

nonato
nonato
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Gripen M ficar pronto?
Não há sequer planos ou negociação para isso.
E dificilmente a Saab vai desenvolver essa versão se não houver encomendas.
A grande chance seria se a Índia tivesse interesse…

Wilson
Wilson
Reply to  nonato
1 ano atrás

Só um esclarecimento, eu quis dizer que mesmo se houve-se as encomendas do Gripen M pela MB, talvez o tempo de desenvolvimento e certificação do mesmo fosse mais longo do que a vida útil restante dos a4. Eu não duvido muito que se a MB tivesse os recursos necessários ela investiria no Gripen M como o sucessor do a4.

nonato
nonato
Reply to  Mayuan
1 ano atrás
Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Se interessar não né prezado? Financiar seria a palavra mais adequada. Eles são uma empresa pé no chão demais pra se meterem em aventuras sem chances concretas de sucesso.

Wilson
Wilson
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

Foi o interesse de marinhas como a MB e a indiana que levou aos estudos da versão M, para mostrar que é sim viável essa conversão. Se não houve-se indicação de possíveis vendas isso não teria sido feito.
 
Agora é só alguém concretizar a intenção para o protótipo ser feito.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Como respondi acima. Seria muito legal ver um Gripen M mas as circunstâncias fazem com que a concretização da ideia seja bastante improvável.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Saldanha da Gama
1 ano atrás

E oque impede da MB adquirir Gripen-E não navalizados e operar como aviação naval em terra?!
 
Poderiam adquirir uma quantidade equivalente a de caças embarcados no A-12 são paulo e adquirir armas antinavio…
 
 
 
 
 
 

Bardini
Bardini
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Sim, agora a MB também tem que fazer a função da FAB operando em terra, comprando Gripen E e míssil em um acordo bilionário com dinheiro que não existe nem pra comprar navio novo.
.
Acaba com a FAB de uma vez e distribui as aeronaves. O EB fica com os ST, os carroceiros, helicópteros e a MB com os Gripens. Fecha certinho!

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
1 ano atrás

E a Fab esta preparada quanto a guerra anti navio? Tem de pedir? Implorar? Aguardar deferimento?

Mayuan
Mayuan
Reply to  Carvalho2008
1 ano atrás

E a MB está? Quer ficar? Quais são as armas anti-navio dos A4? Quem opera os P3? Quem opera os Bandeirulha? Quantos SARP a MB tem em inventário? Quando chega o primeiro? Quantas embarcações com poder de combate crível ela tem? A MB não faz nem o dela direito e a culpa é da FAB?
 
A MB parece um vizinho meu, gasta o pouco dinheiro que tem pra manter um Marea Turbo funcionando mal e mal e fica visitando concessionária pra fazer test drive de Camaro!

Wilson
Wilson
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

Para começo foi a FAB que não deixou a MB fazer a patrulha naval, agora ela está colhendo o que plantou.
 
 

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Ok. Tem razão mas isso foi num passado cada vez mais distante.
 
Se a MB realmente quisesse, já estaria com a patrulha naval.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

A FAB transfere o Ativo e orçamento relacionado? Ou só o ativo? E o Pessoal? O orçamento que ganhou para executar, vem junto?

Mayuan
Mayuan
Reply to  carvalho2008
1 ano atrás

Deveria mas são decisões que deveriam ser tomadas pelo MD e não pela FAB e MB.
 
Em um mundo ideal, teríamos Forças de Defesa integradas e não FAs singulares. Nesse cenário, não teríamos esses problemas pois todos os ativos, pessoal e orçamento pertenceriam à mesma entidade.
 
Ainda que isso seja inviável, já passou da hora do MD assumir seu papel e colocar seus filhos briguentos em seus devidos lugares.

glasquis7
Reply to  Carvalho2008
1 ano atrás

Desde o momento em que a FAB opera P3 com Harpoon se deduz que está preparada pra guerra anti navio né? Caso contrário, pra que operar esta plataforma?

Wilson
Wilson
Reply to  glasquis7
1 ano atrás

Já teve algum exercício em que a FAB empregou os seus Harpoon?
É só por curiosidade, porque se não teve então ela está pior preparada que a aviação da MB que usa bombas burras, mas faz exercícios de ataque naval.

glasquis7
Reply to  Wilson
1 ano atrás

então ela está pior preparada que a aviação da MB que usa bombas burras, mas faz exercícios de ataque naval.”
 
Se por lançamento de bombas burras, a FAB não está muito atrás da MB. Os P3 já realizaram exercícios de ataque naval.
 
https://www.youtube.com/watch?v=T3kIloRs3Dw
 
 
 

Wilson
Wilson
Reply to  glasquis7
1 ano atrás

Não conhecia esse exercício. Sempre tem algo a mais para se conhecer.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Pior que ter sobreposição , é ter vácuo e ninguem fazendo a função

Wilson
Wilson
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Na realidade nada.
Mas pode ser melhor já ter o caça navalizado para quando voltarmos a operar NAE e para armas anti navio integrar o MANAER quando este estiver pronto.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

E pra quê operar NAe gente? Tem um mundo de coisa pra ser feita antes. Até lá a 5ª geração já vai estar cedendo espaço pra 6ª e o Gripen será uma lindo peça de exposição no Musal.

Wilson
Wilson
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

Primeiro a MB sabe muito bem que o momento atual não é propício para se construir um NAE, tem muitas mudanças ocorrendo principalmente em relação as catapultas, por isso vale muito mais a pena esperar a concretização para então projetar um NAE, o que pode ocorrer depois de 2030.
 
A 5 geração não está consolidada ainda e ninguém sabe o que a 6 teve ter, isso que atualmente está ocorrendo discussões quanto a viabilidade da tecnologia stealh, se a furtividade compensa os custos frente as novas tecnologias de detecção e rastreio.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

Porque Nae não pode ser discutido 10-20 antes de ser implementado? Qual é o tempo que leva para implementar desde a primeira discussão? Quanto tempo os recordistas de tempo chineses levaram se estruturando? 2 anos? 5 anos? 15 anos? 20 anos?

Mayuan
Mayuan
Reply to  carvalho2008
1 ano atrás

Poder ser discutido eu concordo que pode.O debate é sempre útil se dele se aprende ou resolve algo.   O que não acho é que NAe deva ser um plano da MB. Segundo a Forbes, operar um grupo de batalha de um porta aviões (NAe, ala aérea e navios de escolta) custa US$6.5 milhões por dia. Espero que um dia nosso país tenha uma economia capaz de sustentar um gasto assim mas mesmo quando tiver, será que valerá a pena? Minha opinião é que com grana nesse patamar, dá pra ter uma MB muito mais crível, com melhores e mais… Read more »

André Bueno
André Bueno
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Eu concordo com essa ideia, ter aeronaves para exclusivo emprego naval.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Que deveriam, aliás ser todos vendidos se a MB tivesse um mínimo de pragmatismo e consideração pelo dinheiro dos contribuintes!

Wilson
Wilson
Reply to  Mayuan
1 ano atrás

Pragmatismos, no plural pois existe muitas interpretações.
 
Segundo se esses meios ajudam a MB a cumprir sua missão constitucional(que eu já mencionei acima) então não deve se desfazer deles sem antes ter seus substitutos. FAs não são baratas, quem quer isso está totalmente fora da realidade.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Wilson, você acredita que a MB, tem hoje, plenas capacidades para cumprir sua função constitucional? Não defendo soluções baratas, Em defesa BBB (bom, bonito e barato) é raríssimo então não dá pra contar com ele. O que defendo é a racionalização dos recursos que, no caso da MB, seria diminuir seus efetivos, fazer uma revisão nas pensões que paga (filhas pseudo solteiras por exemplo), dar baixa nos meios que não tem mais condição real de operarem e outras medidas. A grana economizada seria então usada para reforma e manutenção dos meios restantes, compra de novos meios e etc.

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Opera Skyhawk não. Operar não é fazer só o avião voar, exige muito mais do que isso. De armamento a doutrina, passando por ter uma quantidade mínima de aparelhos e de disponibilidade que torne concreto o potencial da aeronave.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 ano atrás

Nunca é tarde para ativar essa doutrina.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Jesus amado!
É muito atraso doutrinário.
Ao invés de criar um comando conjunto de transporte e logística como é no mundo todo desenvolvido, incentivam o eterno “pensamento bairrista” de nossos militares.
E para piorar ainda adquirem uma relíquia dos anos 60.
Brazil zil zil !

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Se nos EUA o exército deles opera aeronaves para não depender sempre da Força Aérea, tanto que estão adquirindo o c-27j como sucessor do Sherpa(que operou até 2014 e ainda está em serviço em forças estaduais).
 
E essa relíquia custa para operar apenas 1/4 do que custa para operar os atuais helicópteros do EB, além de ter um excelente desempenho em pistas curtas e não preparadas.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Wilson
1 ano atrás

A grande diferença caro Wilson é que lá além deles terem verbas para isso, eles já tem seu comando conjunto de logística há anos e o exército americano é muito, mais muito maior em números e equipamentos que o EB.
Aí se justifica uma ação dessa.
Aqui além de não termos dinheiro , não temos um comando conjunto coordenado por um MD crível e eficiente.
Além de não sabermos nada do T.O da guerra moderna, ocasionando assim em má distribuição dos recursos em equipamentos atrasados como esse.

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

T.O. e guerra moderna são coisas diferentes. Nossas FAs sabem muito bem os TO em que operam, não existe um TO existe vários(o Merkava é prova disso), além disso tanto no Brasil como nos EUA as FAs brigam entre si nos bastidores por recursos para seus projetos.   O Brasil pode não ter um comando conjunto de logística, mas já mostrou e ainda mostra uma capacidade coordenada de logística muito bem organizada sempre que necessário.   Sobre o equipamento, você conhece algum avião nessa categoria e com as mesmas capacidades do Sherpa, que exige os mesmos custos de operação do… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Acredite no que quiser caro Wilson.
Se se sente bem se enganado assim seja feliz com o ópio ideológico.
Eu já prefiro a dura realidade e amarga sinceridade.
Pois elas nos ajudam a melhorar o que é ruim.

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Somente quem vive o problema é que sabe como resolve-lo.
 
Para pessoas como nós meros espectadores, tem muita coisa que ocorre e que nunca sabemos e que são necessárias para se resolver os problemas existentes.
É fácil dizer, faz isso que resolve, o difícil é entender o problema em toda a sua dimensão.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Concordo com parte do ponto de vista dos 2.
 
Nosso país deveria sim ter um MD que verdadeiramente coordenasse as coisas e implantasse otimizações de recursos como centros de instrução conjuntos, bases conjuntas e etc, ainda que sim, as FAs sempre demonstrem uma grande capacidade logística.
 
Por outro lado, o Sherpa é sim uma boa aeronave e se por um lado é antiga, por outro é bem capaz e tem custos de aquisição e manutenção baixos. Está defasado tecnologicamente mas contribuirá positivamente até que existam recursos para algo mais adequado.

nonato
nonato
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Equipamento atrasado, mas barato, e muito eficaz na tarefa que se pretende.
Pistas curtas, não preparadas no meio da Amazônia.
Para que comprar aviões caros?
Quais poderiam cumprir essa missão?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

O problema é esse.
Um país pobre, com baixo orçamento, criar toda uma estrutura para atender aos aviões do Exército.
Não seria melhor estreitar o relacionamento com a Aeronáutica?

Wilson
Wilson
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Quem disse que vai criar estrutura para os aviões do EB?
O que se lê é que vão ser utilizados as estruturas existentes da FAB, para a operação deles. Assim como a MB faz em certas regiões do Brasil, compartilhamento da estruturas existentes.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Wilson
1 ano atrás

No final, mesmo compartilhando algumas instalações, terá pessoal, material, logística e etc.

Wilson
Wilson
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

E você acha que isso não foi equacionado.
 
 

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Perde tempo não. Se fosse até uns AN-2 velhos ele estava que nem pinto no lixo.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Pobre graças ao seu pessoal iluminado.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Diego Tarses Cardoso
1 ano atrás

Como estamos assistindo, nada é tão ruim que não se possa piorar.

Wilson
Wilson
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Sendo que a situação atual não é culpa total do GF tem muita culpa é dos governadores.
Já sobre empresas, tem muita micro e pequena empresa lucrando adoidado, conheço empresas que dobraram o faturamento, tudo por causa da internet.

glasquis7
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

“Um país pobre, com baixo orçamento…” Tá falando de quem?
 

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Pior Do que ter sobreposição , é ter vacuo de função

Francisco Lúcio Sátiro Maia Pinheiro
Francisco Lúcio Sátiro Maia Pinheiro
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Seu comentário é que é um atraso. E bairrismo era justamente uma força agir para proibir a outra de operar aeronaves, como no caso absurdo entre Marinha e FAB. Todas tem que operar todos os tipos de aeronave, com,exceção lógica de caças para o Exército.

Foxtrot
Foxtrot

Atrasado é você que muito provavelmente é um sangue suga desse exército atrasado.
Ofialzinho sem noção que nunca pegou em um fuzil durante sua carreira militar mas vive choramingando melhora de salário.
Igual a um ex general vice presidente.
Em um país de pobres e miseráveis querem ser como os Americanos.
Tem que dar no que é mesmo Francisco.

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Você sabe que pelo que você falou o Francisco pode entrar na justiça contra você por insulto ou mesmo difamação?
 
Tenha cuidado quando for acusar alguém de qualquer coisa, ainda mais sem evidência alguma.
 
No mais o salário mais alto que é o de Almirante, Marechal e Marechal do Ar é de R$ 14.031,00. Bem inferior ao de muitos políticos, juízes e etc…

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Wilson
1 ano atrás

O mesmo vale para ele , que me acusou de ignorante desinformado.
Em que base ele afirma isso?
Estamos vivendo outros tempos e o respeito deve ser mútuo.

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Concordo que o respeito deve ser mútuo e concordo totalmente.   Vou fazer só uma observação(que é uma falha na justiça brasileira, uma entre várias pra ser sincero), como na fala do francisco não está explícita a acusação de ignorante como ataque a sua pessoa(está explícito o ataque a um comentário feito por você), é muito mais difícil de provar o crime de difamação, insulto ou mesmo ataque a honra. Adendo que não concordo com a atitude demonstrada por ele no comentário, pois existe formas muito mais respeitosas e que agregariam muito mais ao debate, do que a utilizada(que faltou… Read more »

Foxtrot
Foxtrot

Não entende nem o conceito de Bairrismo e quer comentar.
Bairrismo é uma força adquirir qualquer equipamento pensando só em si, como no caso Gripen/FAB.
Pois desde o início do FX-1 se pensou em adquirir um caça que já tivesse uma opção naval.
Aí a FAB corre e compra o Gripen, que além de não ter unidades operacionais não tinha versão naval.
Vai estudar !

Lu Feliphe
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Na realidade, ele tinha sim unidades operacionais mas não a versão que a Força Aérea escolheu.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

    E oque impede da MB mesmo assim adquirir Gripen-E não navalizados e operar como aviação naval em terra?!    A Alemanha por exemplo usa o Tornado IDS em sua aviação naval em terra…   Poderiam adquirir uma quantidade equivalente a de caças embarcados no A-12 são paulo e adquirir armas antinavio…     Quando vejo essas picuinhas entre forças militares,sobre quem tem direito a usar isso ou aquilo,só me vem a cabeça os argentinos e a cooperação entre seus militares nas folklands…      Acho besteira a FAB dizer que MB não pode usar aeronaves de asas fixas…… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

A questão não é essa caro Adriano.
E isso é assunto para outro debate.
Mas o Gripen era um projeto na data de assinatura do contrato e o objetivo inicial do F-X1 era um caça que tivesse unidades voando e em operação (como exemplo Rafale, F-18 etc).
No primeiro FX a MB chegou até a acompanhar os testes da FAB de alguns modelos.
Depois veio o famigerado FX2 e a FAB “passa a perna” na MB.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

E como eu escrevi essas picuinhas são herança de pensamentos bairristas das FAAs nacionais. Mesmo com a criação do MD essa barbárie ainda prossegue. Veja o exemplo Guarini x Piranha III, onde o CFN correu para comprar o piranha ao passo que o EB desenvolvia o Guaraní. O próprio IA2 é exemplo, o EB desenvolveu aque troço por saudausismo do Fal sem participação do CFN, BINFA agora quer empurrar goela a baixo as outras forças. Onde já se viu a FAB desenvolver o A-Darter sozinha sem participação do EB/MB ? O mesmo vale para o EB com seu MT-300 e… Read more »

Wilson
Wilson
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

E você acha que isso não acontece em outros países também?
 
E mais o Guarani atende aos requisitos dos Fuzileiros Navais? E o MICLA-BR é o que mesmo?
Quanto tempo levou da criação do Sparrow para as outras versões dele? E o MANAER já anunciado?
Empurrar equipamento goela abaixo me lembra f-4, f-111, f-35(tá indo tão bem que a USNAVY não vai participar do caça de 6 geração da USAF, vai criar um próprio).
Quando se pensa só no financeiro se esquece do resto.
 

Mayuan
Mayuan
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

De fato faz falta um MD que fale mais alto e coordene as coisas mas qual presidente vai colocar a madeira na mesa e dizer que os comandantes as FA vão ter que obedecer de fato a um civil (em governos anteriores) ou hoje um brigadeiro ou ou almirante obedecerem a um general?

Tomcat4,2
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Pois é Adriano, guardadas as devidas atribuições e seus meios de cumpri-las tbm acho infantil as picuinhas entre as forças armadas e com isso ,ainda por cima, acabam deixando de terem mais quantidades de certos meios/equipamentos que podem usar ou já usam igualmente(como helicópteros) no que tange a diminuição na manutenção devido a mesma cadeia logística e tal.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Pra pousar onde mesmo? Tinha graça a FAB comprar um caça bem mais caro de operar só pra ser “parceira” da MB pra um dia, num futuro distante e que pode nem chegar, ter um caça conjunto.

Lu Feliphe

Todo tipo de aeronave também não, pois o exército não necessita de grandes aviões de carga como o c 390.

Glasquis7

E bairrismo era justamente uma força agir para proibir a outra de operar aeronaves”
 
Venho do futuro e te conto que foi exatamente isso que aconteceu.

Cleber
Cleber
1 ano atrás

Super Tucano no EB , isso ?

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Cleber
1 ano atrás

Seria bom,ainda mais se tivesse uma gama de armas maior…
 
 
 
 
 comment image

Lu Feliphe
Reply to  Cleber
1 ano atrás

É mais para facilitar a logística do Exército em operações aéreas na região tendo aeronaves da categoria da imagem, é possível que eles possam ter algumas unidades, porém o principal será a utilização daquelas aeronaves.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Cleber
1 ano atrás

Caiafa falou disso na live dele mas tenho dúvidas. Vamos aguardar pra ver.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Peraí.
Quer dizer que, até hoje, havia um decreto proibindo o EB de operar aeronaves de asa fixa?
É sério isso?
Antes tarde do que nunca, mas…ô terrinha de atraso, viu…
Se bem que, depois daquela cretinice da MB e FAB disputando quem poderia operar asa fixa, e da FAB ameaçando derrubar os VANT’s da PF, nem sei porque eu me espanto com isso…

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

Agora vamos de WartHog….
 
 
 
 comment image

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Mal tá tendo grana pra fazer o básico, vamos operar Warthrog?

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

É zoeira Willber ! Eu sou mais favorável a uso de opções menos caras mas que tenham bom resultado…
 
O warthog é uma maquina de destruição formidável mas não seria economicamente viável para nós.
 
E como o caso dos helicópteros puro-sangue de combate,se for viável para nós,ótimo,se não for,sou favorável a uma aeronave militarizada,como outros modelos de helicópteros…
 
 
 

Mayuan
Mayuan
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Esse bixão por exemplo. Com a vantagem de poder ser reconfigurado pra uso utilitário!

maxresdefault.jpg
Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

OBS. O decreto anterior de 1986 que restabelece a avição de Exército dotada especificamente do com aeronaves de asas rotativas (helicópteros), não citava nem proibia aeronaves remotamente controlada VANT’S (drones) nem aviões de asa fixa. O novo decreto, libera o Exército para o uso de aviões e VANT’S necessários ao cumprimentos de suas missões. É isso!

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Karl Bonfim
1 ano atrás

Caro Karl. No setor público, só se faz o que a lei permite. No setor privado não se faz o que a lei proíbe. O decreto sobre a aviação do exército especifica que serão helicópteros. Então asas fixas estão proibidas.

Satyricon
Satyricon
1 ano atrás

Bom, já é um começo
Quando chegam?

Entendo que o EB deveria pensar seriamente num monomotor turboélice VSTOL mais simples (Pilatus), para as situações mais cabeludas.

Wilson
Wilson
Reply to  Satyricon
1 ano atrás

Pelo planejamento em 2021, agora no pós pandemia vamos ver se será mantido.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Satyricon
1 ano atrás

Acho que com isso helicópteros puro sangue de combate,serão empurrados para a frente,apesar que não sou tão a favor de tal aquisição…   Se for economicamente possível,ótimo ! Aeronaves AW-129 Mangusta ou T-129 ATAK cairiam bem,mas caso não seja economicamente viável,poderia se pensar em aeronaves militarizadas como o KAI H-155,feito em parceria com a airbus.   Não temos nenhum oponente na América do sul que possa ser uma ameaça a nosso país para que tenhamos que comprar puro-sangues de ataque,acho que temos que jogar de acordo com as cartas que temos. Caso tivermos cartas melhores,certamente será possível fazer tal jogada… Read more »

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

Em breve poderemos ver A-29 com blindagem adicional nas cores do EB…Oque o futuro aguarda?!
 
Pode ser nosso “A-10 de bolso”…

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 ano atrás

quem sabe, é uma solução de economia, mas bem eficaz.

willhorv
willhorv
1 ano atrás

O exército precisa justamente de aviões com estas características dos Sherpas , que inicialmente vão cumprir seu papel.
Pouso e decolagem em pistas semi preparadas, de 2 a 4 toneladas de carga, fácil acesso lateral e traseiro pela rampa, e manutenção e operação simplificados.
Os modelos mais contemporâneos virão com o tempo, até mesmo este ATL – 100 é um forte candidato.
Só acho como acho em todas as aquisições que as FAAs fazem…..poucas unidades….muito poucas pelo tamanho de nossa nação e população!
Estamos sempre as margens da mediocridade!

Wilson
Wilson
Reply to  willhorv
1 ano atrás

Nesse caso específico, acho bom não ser muitos justamente porque ainda tem que criar toda uma doutrina de uso, manutenção, etc.
 
É mais fácil usar poucas unidades no começo para ver se de fato é benéfico para a força e não precisar gastar somas muito grandes, com a aviação de asa fixa estabelecida aí sim pode se estabelecer com mais clareza a quantidade ideal, assim como os custos associados.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Apoiado! O nome disso é responsabilidade com a verba que recebe.

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

Esse é o correto.
O Exército nunca deveria ter sido impedido de faze-lo

Wilson
Wilson
Reply to  Gabriel BR
1 ano atrás

Essa é uma briga que todos os países tiveram.   Um exemplo depois da IIWW a USAF brigava nos bastidores com a USNAVY, alegava que não era preciso gastar dinheiro com porta aviões pois seus bombardeiros faziam o trabalho dos porta aviões.   No Brasil o problema é que no começo tanto o EB como a MB(isso vale para outros países também), viam a FAB como uma sangue suga e os seus aviadores como traidores, pois toda a estrutura que o EB e a MB tinham montado passou para a FAB assim como os aviadores de ambos daí quando chega… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
1 ano atrás

Isto provavelmente esteja relacionado a necessidade do exército necessitar se ajustar ao ambiente amazônico

Ele precisará ter uma mobilização dedicada lá

Sherpas, AtL 100? , anfíbios? Drones, Loitering drones,

Helis de ataque ou mais racional o A-29 dedicado??? Não seria uma forma de compensar a dificuldade contra blindados la??

Lu Feliphe
Reply to  Carvalho2008
1 ano atrás

Sim, com esse decreto o Exército vai poder utilizar essas aeronaves em suas operações principalmente na Amazônia.

Francisco Lúcio Sátiro Maia Pinheiro
Francisco Lúcio Sátiro Maia Pinheiro
1 ano atrás

É inacreditável que houve birra entre Marinha e FAB sobre as aeronaves dos porta-aviões, o que evidencia o ridículo bairrismo entre as mesmas.
E quanto ao Exército, haver um decreto dificultando o mesmo de operar asa fixa é mais inacreditável ainda. É coisa de porno – chanchada mexicana uma esculhambação dessas.
As três forças devem operar todo tipo de aeronave, com exceção dos caças para o Exército.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama

Meu caro, dificilmente a Marinha Brasileira irá operar com o caça que a FAB opera. Quando a MB decidir renovar e ampliar seu esquadrão, muito, mas muito provavelmente não virá de Gripen… Abraços

Wilson
Wilson
Reply to  Saldanha da Gama
1 ano atrás

O sonho da MB é o Gripen M, ouvi isso de pessoas ligadas a Marinha, o problema é os recursos para isso no momento.

FighterBR
FighterBR
Reply to  Wilson
1 ano atrás

Ainda bem que é só sonho. Gripe M é um sonho muito distante.

Wilson
Wilson
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

Se aparecer a grana não fica nem um pouco distante, virá realidade bem rápido.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Wilson
1 ano atrás

A Marinha poderia brigar para usar Gripen-E,sendo esses não navalizados baseados em terra e equipado com misseis antinavio…

Lu Feliphe

Esse tipo de brigas entre Forças é normal no mundo inteiro, e fora que todo tipo de aeronave também não pois o exército não necessita de grandes aviões de carga como o c 390.

Bardini
Bardini
1 ano atrás

Era tão racional ter comprado Grand Caravan, que é BARATO de operar, com milhares de operadores civis, extensa rede de suporte logístico ativa, mas não… tiveram que fazer a BURRADA de comprar essas porcaria de Sherpas. A tara do EB pelos restos do US Army é inexplicável.
.
FAB, Exército da Colômbia, Exército Argentino, Exército do Chile… esses estão errados, pq vão com Caravan.
.comment image
 

Last edited 1 ano atrás by Bardini
Carvalho
Carvalho
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Se o EB adquirir o Gran Caravan, vai ser formado o Five Stars Air Táxi, na ponte aérea BNB-Santos Drumond.

Matheus Mascarenhas
Matheus Mascarenhas
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Não, com certeza não. O Grand Caravan é inferior ao Sherpa em todos os sentidos.

Tomcat4,2
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Se o EB não foi de GranCaravan deve ter seus motivos fora o exposto pelo sr Carvalho da qustão da carga paga dos Sherpa’s os quais vão segurar a onda pra turma criar doutrina até chegarem os novos(quem sabe neste ínterim não tenha já decolado o ATL-100).

Bardini
Bardini
Reply to  Tomcat4,2
1 ano atrás

Vão segurar doutrina comprando uma aeronave que teve produção encerrada em 1991 e que foram desativadas em 2014, sonhando em gastar só 1,5 mil dólaraes a hora voando esses defuntos com logística inexistente aqui, ao invés dos comprovados 500 dólares de um Caravan… Jênial.

Wilson
Wilson
Reply to  Bardini
1 ano atrás

E o Caravan atende aos requisitos de carga transportada que o EB precisa?

glasquis7
Reply to  Bardini
1 ano atrás

O Sherpa é diferente do Caravan. São aeronaves com propósitos diferentes e complementares entre sim. Só a rampa de acesso do Sherpa faz uma diferença enorme. Mas é claro, o Sherpa apresenta todas as desvantagens de um vetor já descontinuado há anos e fora de serviço nos EEUU há mais de media década.

Alexandre Esteves
Alexandre Esteves
Reply to  Bardini
1 ano atrás

O problema é a fila de encomenda para o GRAN CARAVAN, tanto para operadores civis quanto para militares.

glasquis7
Reply to  Alexandre Esteves
1 ano atrás

Vc entende que o fato de ter fila pro Gran Caravan se deve à qualidade e a suas prestações ne? Depois de tudo, se tudo mundo quer, é por que o bolo é bom.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Bardini
1 ano atrás

E quem disse que isto não está no radar do EB?! É cada “gênio da lampada”… rsrsrs   Cada macaco no seu galho, aeronaves desse porte são interessantes como ligação, não transporte (pelo menos não as necessidades do EB). O que o EB quer e necessita, HOJE, é de aeronaves do porte C-23B Sherpa… Poderia ser, também, o C-212/400 Aviocar, ou mesmo o PZL M-28 Skytruck (menor, mas ainda sim uma opção interessante)…. Veja que o EB não faz as coisas nas cochas como um outra força que vive de projetos no papel… A quantos anos eles vêm se programando… Read more »

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Acho a Grand Caravan uma bela aeronave de transporte,já estive perto de algumas na bant…

Tomcat4,2
1 ano atrás

Super importante este decreto e ,de quebra permite que o EB use,caso queira, aviões para COIN/apoio aéreo aproximado(Super Tucano) o que ainda por cima ajudaria a Embraer dando um fôlego(tbm ,quem sabe a Desaer com uma possível compra futura do ATL-100) com uma encomenda. Vale ressaltar que o EB caso adquira o ST para usar como apoio na região amazônica (quiçar com o uso de mísseis ar terra como o Hell Fire ou Spike) vai ser um incremento dissuasório enorme.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Tomcat4,2
1 ano atrás

Nao deixa de ser uma forma de baratear a necessidade de aquisição de helis de ataque. O A29 pode atuar no logar dos helis de ataque de forma muito mais barata quer seja na aquisição ou manutenção e hora voo, é incomparavel que sairia uma solucao por apenas 20% da conta

Tomcat4,2
Reply to  Carvalho2008
1 ano atrás

Exatamente este o ponto Carvalho, o ST vai fazer por muito menos um trabalho tão bom quanto na medida dos armamentos que virem a ser utilizados.

glasquis7
Reply to  Tomcat4,2
1 ano atrás

Aeronaves com capacidades e propósitos completamente diferentes. É como disser que a Artilharia substitui o CAS.