Home Exército Brasileiro Exército Brasileiro quer lançar jogo inspirado em Counter-Strike até 2021

Exército Brasileiro quer lançar jogo inspirado em Counter-Strike até 2021

8814
119

Portaria estabelece estudo de viabilidade para projeto, que tem objetivo de ‘criar impressões positivas’ sobre as instituição

Por Rafael Romer

O Exército Brasileiro planeja produzir e lançar um jogo de videogame até 2021 com o objetivo de “criar impressões positivas” sobre as instituição junto à sociedade brasileira, principalmente nas faixas etárias de 16 a 24 anos.

Apelidado de projeto Missão Verde-Oliva, a iniciativa foi descrita na portaria nº 110 do Estado Maior do Exército (EME), aprovada em abril e publicada na edição de 10 de junho do Boletim do Exército. O documento está disponível nesta página.

A portaria determina a criação de um grupo para a iniciação e estudo de viabilidade do projeto e lista uma série de objetivos e diretrizes para produção do jogo.

De acordo com a portaria, a intenção é o desenvolvimento de um jogo de tiro em primeira pessoa em que jogadores acompanhem combatentes brasileiros em um cenário de guerra contra um país fictício, sem “correspondência com nenhum país real”.

Para evitar “desdobramentos ligados ao atual contexto político” e para que “possa utilizar os Programas Estratégicos de forma mais intensa”, o jogo deverá ser ambientado em 2025.

A portaria estabelece ainda uma série de restrições que tenham o potencial de “gerar desgaste da imagem ou crise institucional”. Entre as regras estão a decisão de que o game não deverá “mostrar sangue em demasia para evitar a ideia de violência exagerada” e que “deverá mostrar combate urbano, mas não em áreas de comunidades em situação de fragilidade social”. Jogadores também só poderão jogar como militares do Exército, nunca como o invasor.

O projeto Missão Verde-Oliva cita uma série de inspirações para a iniciativa, incluindo o simulador militar ARMA 3 e America’s Army: Proving Grounds, jogo que pertence à uma série desenvolvida pelo exército dos Estados Unidos que tem objetivos semelhantes. Jogos como Counter-Strike, Fortnite e Rainbow Six também são citados como referências para a desenvolvedora antes de conceber o projeto.

“O game America’s Army Proving Grounds, do Exército dos Estados Unidos da América (EUA) conta com 9 anos de existência e está na sua terceira versão. De acordo com estudo do Massachusetts Institute of Technology (MIT), realizado em 2008, 30% de todos os norte-americanos de 16 a 24 anos tiveram uma impressão mais positiva do Exército por causa do jogo, que teve mais impacto em recrutas do Exército do que todas as outras formas de divulgação combinadas”, cita o documento.

A ideia é que o jogo foque no realismo, retratando equipamentos e divisões reais do Exército Brasileiro e trazendo elementos não só de combate, mas também em “ações mão amiga” da instituição.

Citando limitações de alcance da comunicação da instituição através de canais como a televisão e redes sociais, o órgão vê um jogo como uma alternativa para ampliar o alcance da sua comunicação social.

“Embora a Instituição tenha capilaridade em todo o território nacional, com uma influência marcante no cotidiano de inúmeras localidades e apresentar índices de confiança altíssimos, as atividades desempenhadas pelo Exército e as características da vida militar ainda não são muito conhecidas pelos brasileiros”, justifica o Estado Maior do Exército no projeto.

“Um game desenvolvido para o Exército Brasileiro contribuirá para a preservação da coesão e da unidade nacional (objetivo nº 3 da Estratégia Nacional de Defesa), pois algumas das premissas do game estabelecem que a ambientação das missões devem representar características do território nacional e os avatares deverão representar a composição da sociedade brasileira”, descreve o documento.

“O game pode ainda conscientizar a sociedade brasileira da importância dos assuntos de defesa do País (objetivo nº 8 da Estratégia Nacional de Defesa) ao divulgar possíveis missões do Exército Brasileiro em tempo de guerra, como a defesa de instalações estratégicas”, continua.

O estudo de viabilidade do projeto terá prazo de realização de três meses, a partir da publicação da portaria.

FONTE: The Enemy / IMAGENS: Brazilian Defence Forces (BDF) no ARMA 3

Subscribe
Notify of
guest
119 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
21 dias atrás

Vai ser uma fonte de recursos além de ajudar a atrair novos militares, não só recrutas, mas também sargentos e oficiais.
 

MFB
MFB
Reply to  Fabio Araujo
21 dias atrás

Não sera fonte de recursos. Será gratuito,assim como o Americas army

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  MFB
21 dias atrás

Pessoal, nada sobre o incidente com o paraquedista morto em exercício???

Aelxandre Cardoso
Aelxandre Cardoso
Reply to  MFB
21 dias atrás

Até porque mesmo que gerasse recursos, de nada ou quase nada adiantaria se esse recurso fosse para o caixa único do governo, até onde sei antes era assim e continua assim.

Paulo
Paulo
Reply to  Fabio Araujo
21 dias atrás

O EB tá me saindo que nem a MB. rsrs Hoje o que não faltam são candidatos interessados em ingressar no EB. Sem contar que o serviço militar é obrigatório. Se o serviço fosse voluntário e estivesse faltando interessados, até dava para compreender. Bom, mas como tá “sobrando verba” né. Ou tá faltando serviço.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Paulo
21 dias atrás

Eu entendo a visão do Fabio Araujo. Nos EUA, por exemplo, existem milhares de filmes, séries, jogos, etc., que contribuem para a imagem do US Army, enquanto que no Brasil mal se toca no assunto, e quando toca é para apontar erros do passado. Não que não seja importante que se critique, mas é uma ótima ideia mostrar o que é bom, e expandir em cima disso, mostrando a imagem de um ideal que possa inspirar e ser seguido.   Claro que, em tempos de vacas magras, é preciso pensar direitinho se isso vale à pena ou não, e acho… Read more »

Sagaz
Sagaz
Reply to  Leandro Costa
21 dias atrás

Se for com dinheiro privado tem todo o meu apoio, mas com o meu dinheiro não, por favor

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Sagaz
20 dias atrás

Provavelmente o grupo Globosta vai ‘cair matando’ dizendo que o EB está incentivando a violência entre jovens, assim como já fazem nos eventos da PM onde há crianças fardadas.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Leandro Costa
20 dias atrás

“Erros do passado”. Que não foram erros.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Antonio Palhares
20 dias atrás

2!!!!!!!!!!!

Dan01
Dan01
Reply to  Paulo
20 dias atrás

O bom e que a concorrência vai aumentar nos concursos, teremos candidatos com niveis cada vez mais elevados. O servico militar nao chega nem a ser obrigatorio mais, tem muita gente querendo servir e nao ta tendo vagas pra todos.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Fabio Araujo
21 dias atrás

Eu acho a ideia interessante… Porque não até fazer disto um projecto colectivo, com outras forças, de outros paises, onde o “jogador”, potencial recruta, poderia experimentar o conceito da interoperabilidade multi nacional.

O Chato
O Chato
Reply to  Peter nine nine
21 dias atrás

Se entendi corretamente o que propôs, o problema é que, ao adicionar forças de outros países, você não só teria que obter licença para uso de imagem dos equipamentos que elas operam, como o jogo também tenderia a perder seu objetivo principal: fazer propaganda das forças locais (brasileiras) e da importância de suas atividades.
 
Acredito que a adição de mais forças em um contexto de colaboração poderia ser interessante apenas após o jogo/simulador se estabelecer no “mercado”, caso contrário poderia haver uma perda de objetivo, já que, se disponibilizadas outras forças aliadas, o foco no Exército Brasileiro se perderia.

Last edited 21 dias atrás by O Chato
MFB
MFB
Reply to  O Chato
21 dias atrás

Da para criar facções e exércitos fictícios. Se bem que eu acredito que os chineses e norte coreanos não devem ter dado licença para os games em que eles são os vilões, assim como os russos. Mas enfim, é uma questão contornavel. Digamos que em um cenário fictício, o governo de um país amigo foi derrubado e guerra civil estourou. O país está fragmentado em facções e uma intervenção é necessária. É questão de imaginação para os desenvolvedores. O arma é um exemplo do que pode ser feito. Como teoricamente o jogo não será comercializado, fica mais suave a questão… Read more »

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Fabio Araujo
20 dias atrás

O mundo moderno exige isso, as nossas FAA não podem se furtar…

Augusto L
Augusto L
21 dias atrás

“ “mostrar sangue em demasia para evitar a ideia de violência exagerada” e que “deverá mostrar combate urbano, mas não em áreas de comunidades em situação de fragilidade social” “

Come ? Não vai mostrar o que é a guerra de verdade ?

Acho que a muito espaço para o exército erra nesse jogo.
Essa iniciativa seria boa, se O objetivo fosse pra desenvolver a indústria de jogos no Brasil e a de softwares e TI como um todo.

RENATO VARGAS
RENATO VARGAS
Reply to  Augusto L
21 dias atrás

Tem outras prioridades pra gastar dinheiro. Gasta com Fuzil que é básico pra executar função/missão da força.

Wilson
Wilson
Reply to  Augusto L
21 dias atrás

Nenhum jogo mostra o que é a guerra de verdade.
No caso do sangue é que isso implica em um jogo para maiores de 18 anos tirando uma parte do público que se pretende alcançar(isso em teoria, na prática só muda a classificação indicativa) e o caso da comunidades é puramente questão política, muito hater e lacradores cairiam em cima só por causa disso(bom eles fazem isso por muito menos).

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Augusto L
21 dias atrás

Sangue em demasia, entendo eu, é exagerar nos efeitos da morte ao ponto de tornar a mesma em entretenimento (sangue, cabeças despedaçada, tripas no chão, enfim, todas as coisas menos agradáveis). Até porque, a grande maioria dos jogos exagera nesses efeitos, pela razão referida, indo contra a imersão desejada. Afinal, a grande maioria dos ferimentos, directamente fatais ou não, raramente causam o dano muitas vezes projectado por alguns jogos. Existe por aí jogos que cada tiro de AK47 é decapitação total, menos um membro, etc. Essa não é, na maioria das vezes, a realidade. Os feridos tendem aliás a ultrapassar… Read more »

Joelson
Joelson
21 dias atrás

Todoooooo mundo da trilogia ou aficionado vai querer jogarrr!!

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Joelson
20 dias atrás

2!!!!!!!!!!!!!

Roberto Messa C&A
Roberto Messa C&A
21 dias atrás

Serviço militar obrigatório mais rico e util seria bem melhor q games

Deveria ser 6 meses e maior parte em manobras e instrução

Last edited 21 dias atrás by Roberto Messa C&A
Velázquez
Velázquez
Reply to  Roberto Messa C&A
21 dias atrás

Azideia kkkkkkkkkk

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Roberto Messa C&A
21 dias atrás

Serviço militar obrigatório é idiotice, não tenho obrigação nenhuma com a “pátria”, além de só servir de cabide de empregos em várias prefeituras, creio que 90% dos recrutas não passam mais que 2 ou 3 anos por lá servindo. Hora de profissionalizar as forças, só se alista quem realmente quiser servir, quem não quiser nem vá perder tempo e gastar dinheiro público com papel e carimbo.

Diogo
Diogo
21 dias atrás

Ideia legal, quando eu era mais novo eu joguei muito Americas Army, lembro que tinha missao de disparar Javelin, usar o CROWS num Humvve, e um monte de coisa para mostrar as armas de ultima geraçao que o US Army usava, para motivar os garotos a alistarem (tipo TOP GUN mas digital). Aqui no Brasil vai ser como? Usar FAL que meu pai e meus tios usaram nos anos 70? Usar Leo A5 dos anos 70 tb?

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  Diogo
21 dias atrás

Devia ser o Americas Army 2, esse foi o melhor. Para poder jogar de médico no multiplayer tinha que passar por uma prova, para mim foi osso ainda mais que mal sabia inglês na época
 
https://www.youtube.com/watch?v=hrr8Y_f1tWA

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Diogo
21 dias atrás

Foi-se o tempo em que o AA era bom, joguei essa versão que você falou e ela era épica, eu adorava acertar com o Javelin.
Hoje o AA virou um shoot and run, mapas pequenos onde você corre para uma posição e torce para não morrer no começo.

O Chato
O Chato
Reply to  Diogo
21 dias atrás

Eu espero que a iniciativa se torne um estímulo para a atualização dos recursos das Forças Armadas. No caso do FAL, não seria um problema, pois não é o único fuzil utilizado pelo Exército. Agora, no caso dos blindados, a depender do tipo de jogo, poderá ser um problema. Se o que se busca é um Squad ou um Arma da vida (o que acredito ser o caso), que focam em realismo, um Leopard 1A5 da década de 80 ou um Leopard 2A6 do século 21 acabam não fazendo muita diferença. Por outro lado, se o objetivo for virar um… Read more »

Last edited 21 dias atrás by O Chato
João Augusto
João Augusto
Reply to  Diogo
21 dias atrás

Cara… a utilidade desse jogo já é questionável nos EUA, aqui no Brasil é uma ideia totalmente estapafúrdia.

O Chato
O Chato
Reply to  João Augusto
21 dias atrás

É questionável nos EUA pois o país já tem 3982423813238 jogos cobrindo a temática militar e as forças armadas daquele país. Isso sem contar os outros 2298423249 jogos de outros países que também incluem as forças norte-americanas. Por outro lado, quantos cobrem as atividades das forças brasileiras? 0. Absolutamente 0. Enquanto isso, grande parte da população “pensa” que tudo o que militar brasileiro faz é pintar muro, pintar árvore, cortar grama, descascar batata e correr pela rua. Ah! E, vez outra, trocar tiro em favela. Por isso, na minha opinião, o jogo pode ser, sim, interessante na promoção da relevância… Read more »

João Augusto
João Augusto
Reply to  O Chato
19 dias atrás

A utilidade é questionável não só por esse motivo que você apontou mas, principalmente, porque não é a ferramenta mais eficaz para atrair jovens para o ingresso nos quadros militares.
Melhorar a carreira teria 300% mais impacto que essa medida fora que é importante para a força não só atrair as pessoas mas mantê-las e nesse sentido, mais uma vez, o jogo em pouco ou nada ajuda.

É uma bola tão fora quanto o delírio do NAe na Marinha do Brasil.

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
21 dias atrás

Uma ideia excelente! Meus parabens aos criadores do projeto!!!!!!

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
21 dias atrás

Tem que ser inspirar no America’s Army 2 e 3 que ainda eram simuladores, joguei muito eles mas esse Proving Grounds é muito ruim, quiseram transformar em call of duty… 
Um dos melhores jogos de guerra atualmente que não foi citado na matéria se chama SQUAD

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
21 dias atrás

Sobre a engine do jogo Batlefield 2, a comunidade fez centenas de mod’s. Tem mod’s com equipamentos, veículos, armas e uniformes de vários países, como Inglaterra, França e Israel,além de cenários reais.
Apesar de ser uma engine um pouco antiga, acho que seria uma boa se o EB incentivasse a comunidade BR a fazer um mod sobre as FA’s brasileiras. Aproveitando que a comunidade já fez alguns veículos utilizados no Brasil, como o Leopard e M113.

Igor Almeida
Igor Almeida
Reply to  Willber Rodrigues
21 dias atrás

Legal. Poderiam fazer como a MB faz aqueles concursos de redação (não sei se o EB faz igual, mas deve fazer). Mas gerar esse engajamento é bem legal e tb insere o jovem no desenvolvimento do negócio.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Igor Almeida
21 dias atrás

A comunidade de moder’s BR consegue fazer qualquer coisa. É só o EB e as FA’s “chegarem junto” e incentivarem eles. Certeza que eles fariam o Guarani, Gripen, Super Tucano e KC-390.
Inclusive, lembrei que o Mod de Batlerfield 2 se chama Project Reallity. A comunidade fez várias campanhas de guerras reais, como Guerra da Chechênia, Falkland e Balcãs.

O Chato
O Chato
Reply to  Willber Rodrigues
21 dias atrás

O problema é obter licença para incluir esses equipamentos no jogo. O KC-390 e o Super Tucano, por serem nacionais, poderia ser relativamente fácil incluir (em termos de licença). No caso de equipamentos estrangeiros (Leopards, caças, etc), por outro lado, fica uma incógnita.
 

Last edited 21 dias atrás by O Chato
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  O Chato
21 dias atrás

Náo sei como funciona esse negócio de licença, mas o que não faltam são mod’s de Merkava, Abrams, Leopard, Stryker, HUMVEE, M113, Black Hawnk, Puma, Super Hornet e equipamentos soviéticos/russos. Não creio que os fabricantes desses equipamentos tenha aberto processo sobre isso.

O Chato
O Chato
Reply to  Willber Rodrigues
21 dias atrás

Quando são mods abertas, gratuitas, é comum os fabricantes dos equipamentos originais não se importarem. Por outro lado, quando são produtos comerciais, pode dar problema. É exatamente por isso que não se vê tudo quanto é tipo de aeronave em jogos/simuladores de aeronaves. Ao adicionar, por exemplo, aeronaves não fictícias, pode não apenas ser necessário pagar por licenciamento, como, em alguns casos, as próprias criadoras dos equipamentos originais proíbem explicitamente a utilização de seus produtos, para não correrem o risco de terem algum jogo/simulador competindo com seus próprios simuladores. No caso de equipamentos de militares, pode haver também restrições no… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  O Chato
21 dias atrás

Aí complica…tirando o ASTROS, Guarani, Imbel IA2 e FAL, dá pra contar nos dedos as armas e equipamentos 100% nacionais….

Tomcat4,2
21 dias atrás

Show, vai ser bacana demais, com certeza vou baixar e jogar.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Tomcat4,2
20 dias atrás

2!!!!!!!!!!!!

Paulo Lahr
Paulo Lahr
21 dias atrás

Excelente ideia.

Mosczynski
Mosczynski
21 dias atrás

1- dinheiro gasto a toa. Todo rapaz com 18 anos vai ter que se alistar, não precisa de propaganda. Receita Federal faz propaganda para você pagar IR? Não precisa, você pagar de qualquer jeito. 3 – propaganda enganosa. O cara no exército não vai ficar fazendo simulação de combate com armamanto de última geração. Vai usar armamento da época do avô e aguentar humilhações começando pelo soldo. 3 – 7×1. Quem quer apostar que esse jogo vai ser uma outra vergonha alheia ou fonte inesgotável para memes ? Lembo que aqui falaram daquele assistente virtual que é horroroso, esse jogo… Read more »

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Mosczynski
21 dias atrás

Também concordo, se tornarem o alistamento voluntário é lógico haver uma propaganda incentivando o serviço militar além do que já existe.
 
Talvez a preocupação seja com a qualidade dos conscritos, talvez a maioria dos que estão entrando tenham tanta resistência (vontade) de servir que o EB joga dinheiro treinando verdadeiros inúteis.
 
Mas digo que minha proposição é um grande TALVEZ.

O Chato
O Chato
Reply to  Mosczynski
21 dias atrás

1 – Se bem executado e bem promovido, tenderá a não ser dinheiro gasto a toa, pois 1) terá potencial para melhorar, dentro do país, a imagem das Forças Armadas, que, infelizmente, vem tendo sua “imagem”, seu prestígio sequestrados por “bandeiras” e interesses políticos nos últimos anos; 2) estimular os jovens a demonstrarem interesse pelo serviço militar, ao invés de servirem “à força”, pois recursos humanos motivados, interessados, tendem a apresentar melhor “qualidade” (não nos esqueçamos que, durante o alistamento, a pessoa é questionada se tem interesse em servir ou não, independentemente do fato de esse interesse não ser algo… Read more »

Guacamole
Guacamole
Reply to  O Chato
21 dias atrás

Meu amigo, você faz ideia de quanto tempo e dinheiro é necessário pra fazer um jogo hoje em dia? A menos que seja um jogo indie, são alguns milhões de dólares e pelo menos alguns anos. Há também o problema do estilo escolhido. No título diz que o jogo é inspirado em Counter Strike e na noticia, em American Army. São dois estilos completamente difentes.   Counter Strike é online onde as partidas se baseiam em matar o time oponente e a bala come solta.   American Army é offline onde você tem que cumprir os objetivos da missão que… Read more »

Doug385
Doug385
21 dias atrás

Não houve simulador tão bom quanto Full Spectrum Warrior.

Tutu
21 dias atrás

Ao meu ver isso só faz sentido se eles já estiverem se preparando para o fim do alistamento obrigatório.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
21 dias atrás

Uma opinião de quem já jogou muitos jogos e simuladores militares: Entre o Arma 3 e Americas Army na versão atual, sigam pelo Arma 3 pois ele tem muito mais realismo e sua estrutura é conhecida pelo EB, pois ele é a versão comercial do VBS 3, usado pela instituição para instruções.
 
O Americas Army Proving Grounds virou um CS, muito rápido, com pouco foco no realismo.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Diego Tarses Cardoso
21 dias atrás

Se bem me lembro o VBS era usado pelo exército britânico como base para um jogo de treinamento. O jogo servia para acostumar o jogador ao minset do do exército britânico, siglas e ao trabalho em equipe em missões. Porque atuar bem num FPS é fácil, aprender a trabalhar em equipe de acordo com os procedimentos padrão de um exército é algo diferente.   Imagino que além da propaganda o EB pode ser bom uso de aprendizagem baseada em jogos. Eles já tem uma bom trabalho com simulações, como as de helicópteros, artilharia e tanques, e vão ter muito material… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Diego Tarses Cardoso
21 dias atrás

SQUAD é muito melhor e menos “pop”, o que torna o jogo menos suscetível à ralé.

Igor Almeida
Igor Almeida
21 dias atrás

Interessante. Jogo America’s Army desde 2003. Infelizmente o Proving Grounds (que é a versão corrente do jogo) perdeu a pegada de simulador e ficou mais rápido para atender ao público “de ação”, mas ainda é bem legal e mais tático que a maioria dos FPS que tem por aí.   Só acho que a ideia perdeu um pouco do timing para o que se propõe. O próprio America’s Army perdeu um pouco da adesão que já teve um dia, e não acho que tenha sido pela mudança de abordagem: na verdade, a mudança de abordagem ocorreu muito em decorrência da… Read more »

Fred
Fred
21 dias atrás

Dois breves comentários. Quem tem mais de 30 anos e sempre jogou games de estratégia, shooting em primeira pessoa, simuladores de veículos de guerra diversos, tente se recordar das simbologias, dos mapas de navegação, marcações. Tudo isso, depois da guerra centrada em redes, censores em todo lugar, veículos com data link e realidade aumentada, tudo ficou muito próximo das simbologias dos jogos. Deixo aqui uma questão: foram os jogos que imitaram a realidade, ou a realidade usou a linguagem e simbologia dos jogos para dialogar com os jovens? Me perguntou pois de alguma forma, muito limitada e incipiente, me parece… Read more »

Renato B.
Renato B.
Reply to  Fred
21 dias atrás

O uso de jogos para treinar militares é antiquíssimo. Além de xadrez e Go temos o Kriegspiel do século XIX e os wargames. Muitos dos videogames foram influenciados por pequisas em wargames patrocinadas pelo DARPA os militares recorreram a indústria de games quando acharam interessante. A relação é longa, complexa e está longe de ser de mão única.

Foxtrot
Foxtrot
21 dias atrás

Vamos ver se pelo menos no jogo nosso exército será moderno kkkkk!

715 team
715 team
Reply to  Foxtrot
21 dias atrás

ai vai ser propaganda enganosa kkkkkkkkkk

715 team
715 team
Reply to  Foxtrot
21 dias atrás

ai vai ser propaganda enganosa kkkkkkk

Guacamole
Guacamole
21 dias atrás

Os jogadores irão passar o dia fazendo ordem unida, descascando batatas e fazendo cri-cri.
Darão 5 tiros de fuzil no treinamento básico e é isso. Game over.

carvalho2008
carvalho2008
21 dias atrás

O conhecimento e a doutrina pode funcionar na cabeça de poucos.   A dificuldade de repassar doutrina e treino, muitas das vezes vem da dificuldade de disponibilidade financeira e material.   As forças armadas deveriam ter wargames profissionais para treinamentos críticos dos mais variados para a tropa, pilotos, motoristas, artilheiros, infantes, marinheiros, submarinistas etc…em todas as funções…   Jogos que simulem a vida dentro de uma Niterói, Tamandaré e até um Nae….movimentação de convés, enfim…por meio de um wargame você consegue multiplicar a doutrina com um baixo custo.   Outro ponto, é que se houvesse um departamento assim nas forças,… Read more »

Tomcat4,2
Reply to  carvalho2008
21 dias atrás

Vai explicar isso,com o que concordo plenamente, pra turma do contra mais acima , vão te fuzilar.rs

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Tomcat4,2
21 dias atrás

hoje em dia não criticam muito não…ao menos depois da invenção da critica preguiçosa do dislike…onde o sujeito acha que deu opinião apertando um botão….a mais cruel das preguiças….digo que não gosto e não escrevo o porque do porque porque dá trabalho…
 
Mas aí vem o tempo…e mostra um monte de iniciativas no mundo…ou então…sabem que chovo com um amontoado de imagens probatorias….ai o cara ate foge…nem se embrenha…

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Tomcat4,2
21 dias atrás

existem alguns wargames computacionais até interessantes.   Eu particularmente nunca joguei um destes, mas lembro de uma galera do site Redteam que faziam varias simulações bacanas.   você imputava a arena, o teatro operacional e oponentes, as forças e equipamentos de cada um e respectivos parametros e dai formava os times e juizes….e começavam as rodadas…   lembro de uma simulação que foi bacana de acompanhar, tratava-se de um hipotetico conflito entre Brasil e Venezuela. Este cenario havia sido escolhido para validar uma tese da web que rolava a época. Tratava-se sobre qual seria o avião ideal para o Porta… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  carvalho2008
21 dias atrás

Eles preferem torrar bilhões em fragatas importadas e caras, blindados 4×4 importado e sem necessidade urgente, caça ultrapassado e ainda em desenvolvimento do que isso que você escreveu.
Se investissem nessa área veriam que os equipamentos importados que compraram serão inúteis para realidade nacional, aí a porca torcia o rabo !

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Foxtrot
21 dias atrás

Não acho que o Gripen seja ultrapassado e nem as fragatas fora da necessidade, afinal mal fabricamos um bote salva-vidas.
 
Porém com certeza usar treinamento simulado ao máximo para ter economia é um grande diferencial, devendo ele sempre ser o mais realista possível e permitir à tropa treinar procedimentos para se familiarizarem melhor com seus equipamentos.
 
 

André Luiz
André Luiz
Reply to  Foxtrot
20 dias atrás

As fragatas são caras porque são construídas no Brasil, e desenvolver um projeto do zero requereria mais ou menos 10 anos, os gripens não são ultrapassados já que o único caça de 5° geração realmente bom é o F-22, e os blindados italianos são reconhecidamente bons tendo pedidos ate os dias atuais e olhando nossa realidade em curto e médio prazo não é necessário armamento extremamente potente.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
21 dias atrás

Faz um Mod f…. pro Arma3 que está de bom tamanho…
 
e da AVex pro DCS…
 
Pronto… o EB chegou no século XXI

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
21 dias atrás

Vocês estão fazendo uma crítica besta…
 
A ferramenta é ótima inclusive para treinar e o custo vai ser muito menor..
 
Da BIS que faz o Arma3 ainda tem o VBS4 que não é vendido para Civis..
 
Um simulador do Guarani, por exemplo, rodando dentro da plataforma do Arma3 seria um belo treinanto para toda a tripulação do carro.

Leonardo
Leonardo
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
21 dias atrás

já existem ótimos mods e vão vir melhores ainda do EB e amigos (fab e mb) pro A3. Inclusive, estou chefiando o projeto de um.

João Augusto
João Augusto
21 dias atrás

Da onde saem umas ideias dessas? Isso vai dar meme e só.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  João Augusto
21 dias atrás
João Augusto
João Augusto
Reply to  carvalho2008
19 dias atrás

Colega carvalho2008, estou falando especificamente do projeto brasileiro. Sobre a série Arma, embora tenha sido um jogo interessante, você acredita que os objetivos do programa (de melhorar a imagem da instituição e aumentar o recrutamento) foram atingidos? Mais importante que isso: acredita que o Brasil teria os mesmos resultados considerando as enormes diferenças estruturais entre as forças de lá e as nossas?
Nesse sentido que foi a minha pergunta. Já sabia que a ideia vinha de inspiração da franquia americana. Mas obrigado pela contribuição.

fewoz
fewoz
21 dias atrás

Só eu que acho um desperdício de dinheiro público? Acho muito bacana a ideia, mas há outras prioridades. Sem contar que para desenvolver um bom jogo, é necessário muito, mas muito tempo e dinheiro. Acho que o resultado final poderá ser uma coisa mais ou menos e que, afinal de contas, não conseguirá atingir seu objetivo.

Cidadão
Cidadão
21 dias atrás

Ambientado na praça dos 3 poderes?

JOSE CLAUDIO DA SILVA
JOSE CLAUDIO DA SILVA
21 dias atrás

Tá sobrando dinheiro e tempo no Exército.

Eduardo
Eduardo
21 dias atrás

Vai ensinar a pintar o meio fio, varrer calçada e cortar e rastelar mato grande.
Também vai ensinar a como a atirar com fuzil centenário sem que ele exploda na sua mão.

Wellington Góes
Wellington Góes
21 dias atrás

Demorou…. Desde a 2ª Guerra Mundial os EUA trabalham a publicidade interna e externa de suas forças… Já se sabia disso a muito tempo, mas enfim a ficha caiu…. Antes tarde do que nunca e que não fique num único jogo, de uma única versão… Mão de obra e mercado não falta… Temos um dos maiores mercados consumidores de games do mundo (aqui nos sites de Defesa são um exemplo de diversos jogadores), afora um dos maiores celeiros de desenvolvedores/programadores de jogos… É um enorme desperdício a muitas décadas….

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Wellington Góes
21 dias atrás

Marinha do Brasil inaugura Simulador de Cursos para Ensino Profissional Marítimo em Porto Alegrehttps://www.marinha.mil.br/cfpa/node/488
 

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
21 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
21 dias atrás

comment image

Aldo
Aldo
21 dias atrás

Sensacional

carvalho2008
carvalho2008
21 dias atrás

Simulador de danos de combate- India
https://youtu.be/mXTbD7Q0hRs

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
21 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
21 dias atrás
Last edited 21 dias atrás by carvalho2008
carvalho2008
carvalho2008
21 dias atrás
RafaelRJR
RafaelRJR
21 dias atrás

Será que teremos a classe “Recruta pintor de meio-fio” ?

Last edited 21 dias atrás by RafaelRJR
ROMALDO
ROMALDO
21 dias atrás

Tipo assim vai ser.

6573.jpg
Wilson França
Wilson França
Reply to  ROMALDO
21 dias atrás

hahahaha

Mas o pior é que nem pronto vai ficar.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  ROMALDO
21 dias atrás

Joguei muito isso no Windows 95 na UFPE kkkkkk

Alex prado
21 dias atrás

Se for pra captar recursos está ótimo. Infelizmente recursos pra equipamentos vindo do governo tá hard.

Giovanov
Giovanov
21 dias atrás

Banca uma expansão no squad que daí sim fica bom

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
21 dias atrás

comment image
 
 
 
 
 
Qual o estúdio que fará as imagens do jogo? Para ser um bom atrativo tem que ser um jogo muito bem feito,seja em imagens quanto jogabilidade…
Espero que seja bom,uma imagem estilo Last of Us cairia bem,mas seria pedir demais.
 
 
&nbspcomment image?fit=1146%2C429
 
 

Last edited 21 dias atrás by ADRIANO MADUREIRA
O Chato
O Chato
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
20 dias atrás

Investir demais em gráficos poderia levar ao jogo a ter dificuldades para atingir seu público. Infelizmente, a maior parte dos jovens deste país não tem nem um PC que consiga rodar Fortnite direito…
 

Last edited 20 dias atrás by O Chato
Carlos Campos
Carlos Campos
21 dias atrás

Imagina se isso começa a gerar renda para o EB? ia ser incrível. que eu saiba as FA da turquia tem um fundo de investimento.

Rodrigo
Rodrigo
21 dias atrás

Muito bom espero que saia para todas as plataformas e gratuito né, podem incluir tbm cfn, pqd, grumec , forças especiais, luta contra guerrilha, poderiam seguir a mesma linha do BF e permitir uso de aeronaves e navios também.

paulop
paulop
21 dias atrás

Pessoal: a muito tempo as nossas FAAs deixam a desejar no quesito “autopromoção”. Talvez seja um reflexo do nosso sistema militar obrigatório, que não demanda estimulação mas, ao contrário, gera repulsão. De toda a forma, sem entrar na questão da necessidade de se evoluir para um sistema de serviço militar totalmente voluntário, em contraposição ao sistema obrigatório corrente, podemos pensar que este game “Brazilian Army” possa se tratar de um elemento para melhorar a questão da simulação militar. Talvez seja menos custoso, adquirir 30 ou 40 computadores para equipar uma sala donde se pode colocar todo um Pelotão para passar… Read more »

Pka
Pka
21 dias atrás

“Aço” foi trocado por “Agulha” Oficial no Brasil seria uma piada não fosse trágico. O EB já está com saudades de quando sua missão era de Defesa Civil pra atuar em atividades básicas que governantes negligenciam, ou ser serviçal da Justiça Eleitoral pra levar urnas em eleições. Hoje são costureiros de máscaras e se cumprimentam o com o cotovelo. Sem contar que seus generais são intimados sob ameaça de vara e tem casa invadida a mando do 5TeÉf e, como pavões, ficam feliz da vida quando veem um microfone daqueles que os ofende diariamente. Se entenderem de tecnologia o tanto… Read more »

Vitor
Vitor
21 dias atrás

Não tem como fazer um jogo decente daqui pra 2021 com as exigências que eles botaram lá no documento, vamos ver como fica…

Felipe Augusto Batista
Felipe Augusto Batista
Reply to  Vitor
20 dias atrás

Provavelmente não vão programar do zero. Apenas fazer um mod de algo existente substituindo as unidades e armamentos originais por outros usados pelo EB e criando alguns mapas. Para algo assim tem tempo.

Datenao
Datenao
21 dias atrás

Será q poderá selecionar o inimigo? Kkkkk otan e eua sempre aliados e os inimigos provaveis São os pobres de favela, Bolívia e Venezuela…aí fica fácil né…no nível hard deverá enfrentar as pms dos estados que pedirem independência…

João Girardi
João Girardi
20 dias atrás

Então quer dizer que em vez de salvarem a nossa liberdade constitucional de ataques cada vez maiores de um judiciário, governadores e prefeitos tirânicos, o EB quer gastar nosso dinheiro com joguinho?
 

Last edited 20 dias atrás by João Girardi
André Luiz
André Luiz
Reply to  João Girardi
20 dias atrás

salve o pasto dos gafanhotos tá

Victor Filipe
Victor Filipe
20 dias atrás

Com a capacidade e facilidade que as pessoas tem hoje em dia para criar “mods” (modificações) e do jeito que o Brasileiro é. eu penso que isso é uma péssima ideia.
 
não daria 6 meses para transformar isso em um “simulador do RJ” alem de varias outras coisas… ai a ladaia iria ser grande.

rafa
rafa
20 dias atrás

Causaria uma melhor impressão se eles facilitassem os processos dos CACs, isso sim.

Oraculo
Oraculo
20 dias atrás

OFF Topic:
 
Viram o artigo de Putin sobre a segunda guerra mundial?
Publicado na imprensa americana?
 
https://nationalinterest.org/feature/vladimir-putin-real-lessons-75th-anniversary-world-war-ii-162982

ScudB
ScudB
Reply to  Oraculo
20 dias atrás

Vi , bem educativo para muita gente.. Porem muito mais forte foi a impressão que tive do filme de Andrei Medvedev “The Great Unknown War”. O Putin foi muito “educado” e “diplomático” neste documento apresentado pelo jornal americano. O filme é muito mais explicito e direto. Vi no YT e depois passei uma semana procurando as fontes (devido as falhas na tradução) e posso falar que este filme é basicamente uma ponta de iceberg: quero ver agora os “coitados” poloneses , eslovenos, húngaros , lituanos , romenos , búlgaros , letões (etc) mostrar os Pactos feitos com Hitler (com antecedência… Read more »

Tiago
Tiago
20 dias atrás

Show

Roberto
Roberto
20 dias atrás

Meu Deus: Mais um absurdo de um Exercito fraco.
Um amigo é do 7 GAC Olinda/Pernambuco, falou que os canhões de lá são todos velhos e obsoletos, nem munição suficiente tem, uma vergonha.

GILBERT
GILBERT
20 dias atrás

Meu piá já iria preferir se fosse baseado no Free Fire, o piá não larga do celular

Filipe Prestes
Filipe Prestes
20 dias atrás

Sinceramente o EB teima em gastar o que não tem naquilo que não importa. Seria bom investir essa grana em melhorias pro IA2 por exemplo, isso só pra citar uma das necessidades “pra ontem” do Exército.