Home Adestramento 52° BIS treina para o combate fluvial

52° BIS treina para o combate fluvial

1929
31

Marabá (PA) – No dia 7 de julho, o 52º Batalhão de Infantaria de Selva ministrou instruções de marcha para o combate fluvial para 45 militares do Efetivo Profissional da unidade.

Com a finalidade de adestrar a tropa, foram ministradas técnicas especiais aplicadas em operações ribeirinhas, que são realizadas com o objetivo de conquistar, manter e controlar a circulação na área e de dominar os cursos de água.

A atividade contou com a aplicação de técnicas de desembarque ribeirinho, tipos de formações de combate fluvial e, por fim, um ataque coordenado.

O adestramento busca desenvolver e treinar capacidades individuais e coletivas, contribuindo com o aumento da operacionalidade e a coesão da tropa.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
VIVALDO JOSE BRETERNITZ
VIVALDO JOSE BRETERNITZ
28 dias atrás

Selva!

Heinz Guderian
Heinz Guderian
27 dias atrás

Muito bom, tropa adestrada, sempre pronta para o combate, SELVA!

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
27 dias atrás

É disso que o exército precisa! 24 dessas estariam de bom agrado!

81eAFPEjIpL._AC_SL1500_.jpg
Lake
Lake
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
26 dias atrás

Blindagem proativa e reforco estrutural as fariam Imbatíveis

Alfa BR
Alfa BR
27 dias atrás

Quadro comparativo entre o Batalhão de Infantaria de Selva (BIS) do Exército Brasileiro e o Batalhão de Operações Ribeirinhas (Btl Op Rib) do Corpo de Fuzileiros Naval da Marinha do Brasil (CFN).
comment image

Carvalho
Carvalho
Reply to  Alfa BR
27 dias atrás

Alfa,
Vc sabe compara o efetivo de RCMec e um BIB?

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Carvalho
27 dias atrás

Como na tabela acima?

Carvalho
Carvalho
Reply to  Alfa BR
27 dias atrás

Sim
Acho que um RCMec possui efetivo menor do que um BIMec, mas com mais bocas de fogo.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Carvalho
27 dias atrás

O único porém é que não encontrei a dotação material completa dos BIMec. Tenho que pesquisar.

Last edited 27 dias atrás by Alfa BR
Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Carvalho
26 dias atrás

Por alto Carvalho:
comment image

carvalho
carvalho
Reply to  Alfa BR
26 dias atrás

Obrigado Alfa!!! Dá para fazer as seguinte leitura…. 1) Hj o RCMec tem 18 VBR 90mm (2vtr x 3 Esq x 3 Pel). O BIMec não possui este tipo de boca de fogo, que permite a engajamentos a maior dsitãncias, a não ser que a Brigada Inf. Mec disponha de um RCC Sobre Rodas (01 Esq/BIMec); 2) O RCMec tem um efetivo de combatentes de aprox. 340 homens. Quanto terá cada BIMec? Se o número de combatentes se aproximar….a idéia de que as Brigadas de Cav e Inf podem fazer a mesma função se torna factivel….não acha?? Para ajudar a… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  carvalho
26 dias atrás

Vi no manual que o Pelotão de Comando dos RCMec tem uma seção VBR, então seriam 20 VBR por RCMec (18 nos Esqd C Mec mais 2 no Pel Cmdo).

Tô tentando encontrar o QCP dos RCMec e BIMec. Encontrei o QCP de um dos Esqd C Mec individuais, mas é diferente (tem base administrativa própria e tudo mais).

Só para confirmar: RCMec tem 45 VTL (LMV, nos 9 Grupos de Exploradores) e BIMec tem 6 VTL (LMV, no Pelotão de Exploradores). Certo?

Carvalho
Carvalho
Reply to  Alfa BR
26 dias atrás

Sim. São 45 VTL no RCMec.
Não sei no BIMec.

Parece que o BIMec possui armamento somente para combate cerrado, com armas de curto alcance. O RCMec consegue fazer engajamentos a maior distância, com o 90mm.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Carvalho
26 dias atrás

O (eu acho) apoio de fogo nos B I Mec:

comment image

Last edited 26 dias atrás by Alfa BR
Luciano
Luciano
Reply to  Alfa BR
27 dias atrás

“Morteiro leve”…interessante….as FA ainda usam o 60 mm?

Agnelo
Agnelo
Reply to  Alfa BR
26 dias atrás

Achei estranho essa tabela sobre o BIS.
Me
Parece q a quantidade de Mrt e MAG não está batendo.

Alfa BR
Alfa BR
27 dias atrás

Esse tipo de exercício é imprescindível pois, como preconiza nossa doutrina, as operações em ambiente de selva se dão em função da captura e manutenção dos acidentes capitais: “D. Acidentes capitais (1) O acidente capital de maior significação nas operações na selva será, certamente, uma cidade, vila ou povoado, em virtude de que: – controlam uma região em sua volta (área de influência) que cresce de amplitude e de valor, na razão direta da importância da localidade; – geralmente, dispõem de campos de pouso; – para eles convergem a trama de trilhas e parcas estradas existentes; – estão localizadas, normalmente,… Read more »

Last edited 27 dias atrás by Alfa BR
Welington S.
Welington S.
27 dias atrás

Há quantos anos o Exército Brasileiro opera essa embarcação e qual seria a mais adequada para esse tipo de combate?

Cidadão
Cidadão
27 dias atrás

Com voadeira? Peito blindado. Não seria melhor tipo aquelas lanchas de desbarque da II WW?

Last edited 27 dias atrás by Cidadão
Ersn
Ersn
Reply to  Cidadão
26 dias atrás

Nos temporais que são típicos da região amazônica no verão o soldado durante o deslocamento não sabe do que fica com mais medo: da voadeira afundar e os coletes não darem conta durante a chuva (não queira estar em uma voadeira no meio do Rio durante esse tipo de chuva ) ou de perder o fuzil ou algum acessório no perrengue.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Cidadão
25 dias atrás

parece que a voadeira é a escolhida por 3 grandes motivos:

a) barato demais…
b) calado extremamente baixo de menos dois palmos…então ela entra em qualquer braço, por mais estreito e raso que seja…

parece que existe um problema com helices na região por conta de pedras e rios sujos…então, barcos maiores e mais pesados tem a tendencia de senpre quebrar a helice…

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
27 dias atrás

Boa noticia, somos bons nisso!

Miguel
Miguel
26 dias atrás

Só uma pergunta, os soldados não deveriam ser transportados em lanchas de desembarque rápidas blindadas? Já vi vários vídeos a tropa sendo transportada assim em perigo, qualquer escaramuça nas margens, e é o fim.

Paulo Lahr
Paulo Lahr
26 dias atrás

um belo alvo na proa da lancha

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
26 dias atrás

Eu nao entendo esses jovens e suas modernidades ..
No meu tempo, soldado atravessava esse rio a nado carregando seu cavalo nas costas para nao molhar o mosquetão … esse mundo de hoje ta perdido

Last edited 26 dias atrás by Entusiasta Militar
Ersn
Ersn
Reply to  Entusiasta Militar
26 dias atrás

No tempo em que servi faziam bastante espinha de peixe e foi bastante treinamento antes disso ,metade do batalhão seguiu o Rio amarrado nas mochilas a nado.claro que todos os NN ficaram de fora.

carvalho2008
carvalho2008
25 dias atrás
carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
25 dias atrás

Tank Boat da Indonesia. Possui um canhão de torre estabilizada Cockerill 105 mm e capacidade de desembarque de ate 20 soldados e 4 tripulantes, 40 knots e 600 milhas de operação.comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
25 dias atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
25 dias atrás

comment image

Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Reply to  carvalho2008
25 dias atrás

Sou dessa concepção também…, chegar chegando, destruindo tudo e botando a moral do inimigo lá embaixo…

O exército brasileiro tem que mudar a mentalidade de fazer só o mínimo do combate, pois se pegarmos forças pesadas, a moral vai derrubar a tropa…