segunda-feira, maio 17, 2021

Saab RBS 70NG

Grupo de Artilharia do Exército recebe dez novas viaturas M109 A5

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Lapa (PR) – O 15º Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado (15º GAC AP) apresenta oficialmente dez novas viaturas na solenidade interna alusiva ao Dia do Exército Brasileiro, 19 de abril. No útlimo dia 13, foram entregues as oito primeiras viaturas blindadas de combate obuseiro autopropulsado (VBC OAP) M109 A5 e duas viaturas remuniciadoras M992 adquiridas do governo dos Estados Unidos da América e manutenidas e preparadas para entrega pelo Parque Regional de Manutenção da 5ª Região Militar.

Dentro do projeto Sistema Artilharia de Campanha (SAC), a versão A5 foi adquirida em virtude do maior número de calibres e por possuir o sistema tubo-culatra mais reforçado, o que permite o aumento do alcance e a utilização de munições especiais, como, por exemplo, a M982-Excalibur (granada de artilharia guiada por sistema GPS com alta precisão), aumentando assim a dissuasão, a operacionalidade e o poder de fogo da Artilharia Divisionária da 5ª Divisão de Exército.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

- Advertisement -

77 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
77 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Filipe Prestes
Filipe Prestes
28 dias atrás

De quantas unidades do M-109 o EB dispõe?

rdx
rdx
Reply to  Filipe Prestes
27 dias atrás

37 M109A3, 32 M109A5 + BR e 60 M109A5 (36 serão revitalizadas e 24 deverão se tornar material de reposição)

Spitfire
Spitfire
Reply to  rdx
27 dias atrás

Ola amigo… vc sabe dizer se esses outros 36 tb passarão para o padrão A5 Br ou essa revitalização não abordará essa padronização? E se será feita aqui no Brasil ou nos EUA?

rdx
rdx
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

São 100 M109A5 (32 modernizadas para o padrão + BR e 36 revitalizadas, ou seja, somente voltarão ao estado de novas). A revitalização está sendo feita aqui no Brasil.

Flanker
Flanker
Reply to  rdx
27 dias atrás

32 M109A5+BR (3º e 5º GAC/AP)
36 M109A5 (15º e 29º GAC/AP + 1 Grupo atualmente AR que passará a AP)
12 a 16 M109A3 (22º GAC/AP)

Spitfire
Spitfire
Reply to  Filipe Prestes
27 dias atrás

O país usava até então o M108, 72 unidades recebidas no final dos anos 60. Foram retirados de serviço e consta que foram substituídos entre 1999 e 2001por alguns M109 A3 adquiridos da Bélgica (37 unidades). Posteriormente, foram adquiridas ou doadas via FMS (paga-se pela modernização) cerca de 60 unidades da versão A5 diretamente dos EUA e 40 M992A2 que são remuniciadores do M109, que chegaram ao país em out/18. Em out/19 chegou um lote de 32 veículos m109 já modernizados para a versão A5 plus BR juntamente com 5 VBE SOC M88 A1, incluindo nestes meios (M109) algumas características… Read more »

rdx
rdx
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

São 02 lotes de M109A5

40 M109A5 (32 modernizados nos EUA para o padrão + BR, 02 no estado para treinamento e 06 para canibalizar)

60 M109A5 (36 serão revitalizadas no Brasil e 24 para canibalizar)

Spitfire
Spitfire
Reply to  rdx
27 dias atrás

Show amigo!!! no desembarque dos 32 modernizados em entrevista o General responsável mencionou que nessa “primeira etapa de recebimento das 32 viaturas”… e detalha as próximas fases de treinamento e distribuição… para mim não ficou claro se ele menciona como etapa esses processos até a entrega ao operacional ou é uma primeira etapa de entrega de carros…Mas ainda tenho esperança de que tenha um segundo lote para o padrão A5 BR… Quem sabe vem um outro lote de modernizados posteriormente…. mas é fato que o contrato assinado com a BAE System abrange apenas 32 unidades já recebidas.

https://www.youtube.com/watch?v=YTRSeCYhPTE

Flanker
Flanker
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

Os M108 só foram retirados completamente de serviço com o recebimento, em 2019, dos M109A5BR pelo 3º GAC/AP e pelo 5º GAC/AP e dos M109A3 pelo 22º GAC/AP, também na mesma época. Entre 1999 e 2001, como vc colocou, o M108 havia sido substituído pelo M109A3 nos Grupos de Artilharia Divisionária (15º GAC/AP e 29º GAC/AP – que agora estão recebendo os M109A5).

Spitfire
Spitfire
Reply to  Flanker
27 dias atrás

é isso ai

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
27 dias atrás

250 M109 e 500 M1 Abrams!

Spitfire
Spitfire
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
27 dias atrás

Olá amigo. Pelo que eu sei o Brasil não possui M1 Abrams!!!

pampapoker
pampapoker
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

Obrigado amigo da onça kkkkk

Spitfire
Spitfire
Reply to  pampapoker
27 dias atrás

kkkkkk

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

Vai sobrar alguns no Afeganistão…

Spitfire
Spitfire
Reply to  JuggerBR
26 dias atrás

Tem de bacia nos estoques do tio SAM para FMS

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
27 dias atrás

200 M109 E 250 Leoard 2 e 150 1a5

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
27 dias atrás

250 M109 e 500 AT-AT!

sub urbano
sub urbano
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
27 dias atrás

200 mil Picanhas e 700 mil Cervejas.

Pronto, agora meus likes

Spitfire
Spitfire
27 dias atrás

Olá amigos. Penso que na parte de artilharia, autopropulsado com os M109A5, e de saturação com nossos astros nas suas versões, incluindo a atual 2020, não estamos mal. É um poder considerável de dissuassão. É uma verdadeira chuva de aço sobre a cabeça de quem quiser se aventurar por aqui. O problema gravíssimo de nosso EB segue a ausência de defesa anti-aérea de médio e longo alcance, o que deixa esses nossos meios, bem como, tropas e MBTs entre outros muitos expostos em um eventual ambiente de conflito. Não consigo ficar tranquilo enquanto não ver em nosso EB meios de… Read more »

Machado
Machado
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

A gente tem muita deficiência em drones armados também. Vide a última guerra de Nagorno Karabak. Aquela guerra demonstrou como vão ser as guerras no futuro.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Machado
27 dias atrás

Algum tempo atrás eu assisti uma entrevista com o Comandante de Aviação do Exército, General Nigri, onde foi conversado sobre diversas questões e uma delas é a operação de drones armados. É mencionado também as futuras aquisições de helicópteros de ataque. A guerra em Nagorno Karabak foi o ponto definitivo na guerra do futuro. Muitos drones serão usados e, pelo visto, o EB, não ficará de fora, assim como também acredito que a FAB e MB não vão.

Spitfire
Spitfire
Reply to  Welington S.
27 dias atrás

Concordo em parte amigo… é preciso, sim, concordo, mas prioridade total defesa anti aérea, que não temos, ai sim, depois viriam o novo MBT, helis de ataque, nosso MTC300 operacional e ai, entre outras necessidades, os drones armados também

Welington S.
Welington S.
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

Olá amigo. Sim, compactuo com o mesmo pensamento que o seu. Precisamos de antiaérea pra ontem!

Pablo
Pablo
Reply to  Machado
27 dias atrás

Drones armados e uma arma que ainda nao necessitamos.
Nao temos alvos para atacar.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Pablo
27 dias atrás

Se formos por essa lógica, nossas forças armadas não precisa é de absolutamente nada, já que somos um país ‘pacífico’ e não fazemos guerra com ninguém… Aliás, pra quê forças armadas, né? Vamos extingui-las, é melhor.

camargoer
camargoer
Reply to  Welington S.
27 dias atrás

Olá Wellngton. Uma coisa de cada vez. Acho legítimo questionar os gastos militares das forças armadas brasileiras. Os investimentos militares precisam ser feitos precisam levar em conta as ameaças reais e mais prováveis. Nenhuma país tem capacidade de atender plenamente as necessidade militares (visto que existem outras demandas sociais urgentes), o que obriga classificar prioridades. Por exemplo, os Tiro de Guerra são um desperdício de recursos em qualquer contexto militar que seja avaliado.

Spitfire
Spitfire
Reply to  camargoer
27 dias atrás

Olá amigo….realmente as prioridades devem direcionar os gastos… quanto aos Tiros de Guerra, vejo eles mais como uma ferramenta de caráter social do que de fato preparo militar…

camargoer
camargoer
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

Olá Spitfire. Considero os TG um desperdício de recursos financeiros e humanos. Como ferramenta social são ineficientes. Como preparo militar são ineficazes.

Spitfire
Spitfire
Reply to  camargoer
27 dias atrás

Quanto ao preparo militar concordo, mas na parte social estimula a união entre a enorme diversidade cultural e de classe, sem privilégios ou perseguições, pelo menos na minha época era assim, no início dos anos 90. Valores de união, igualdade, amizade, camaradagem, solidariedade, respeito a hierarquia e responsabilidade eram transmitidos e assimilados. Prezepadas praticadas por um eram assimiladas por todos, mesmo que a custa de muitas flexões para toda a turma, mas entregar o irmão de farda jamais!!! Provavelmente os que fizeram TG saiam diferentes de quando entraram. Lembro das participações frequentes para doação de sangue dentro do TG, sempre… Read more »

Gustavo
Gustavo
Reply to  camargoer
26 dias atrás

Boa noite.
Quanto a Defesa gasta com TG?

Pablo
Pablo
Reply to  Welington S.
27 dias atrás

A questao e o baixo orcamento que as forcas armadas tem, a logica e investir em algo que seja mais necessario a realidade do EB.

rdx
rdx
Reply to  Pablo
27 dias atrás

Pérola do dia.

Spitfire
Spitfire
Reply to  rdx
27 dias atrás

Talvez o argumento do amigo foi no sentido da estratégia do país voltada mais para defesa e dissuassão e não de ataque..apesar dos drones poderem sim ser usada como meio de dissuassão. assim espero!!!!

Last edited 27 dias atrás by Spitfire
Pablo
Pablo
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

Desenha pro especialista.

Jodreski
Jodreski
Reply to  Pablo
27 dias atrás

Que pensamento fantástico o seu! Então vamos fazer assim, se amanhã surge um conflito armado aí a gente pede para nossos inimigos uma pausa para termos tempo para adquirir, receber, adestrar e criar doutrina com os novos drones armados! O que custa eles esperarem, concorda?!

camargoer
camargoer
Reply to  Jodreski
27 dias atrás

Caro Jodreski. Conflitos resultam de um processo. Cabe ás forças armadas identificar potenciais ameaças e elaborar os planos de resposta, que aliás, devem envolver a diplomacia (porque é melhor evitar um conflito do que apostar nele). Considero drones uma excelente arma por ser mais barata, mais eficaz e por reduzir a exposição dos soldados. Há anos eu defendo que a patrulha naval deveria ser feita com drones.

Spitfire
Spitfire
Reply to  camargoer
27 dias atrás

Essa da patrulha naval com drones realmente parece ser uma excelente sacada…eles tem especial destaque em atividades de inteligência e vigilância, sem dúvida…lembrando que de forma macro existe também a possibilidade de imagem de satélite, penso ser complementares

Last edited 27 dias atrás by Spitfire
camargoer
camargoer
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

Olá Spitfire. Você tem razão. Um sistema de vigilância marítima se faz com 4 camadas. Satélites de observação, drones, aviões de patrulha e navio de patrulha oceânica, tudo coordenado por um sistema de processamento de informação baseado em inteligência artificial. Os imagens de satélite são processadas e as ameaças ordenadas por prioridades usando inteligencia artificial. Drones são enviados para acompanhar os alvos prioritários para confirmar ou descartar a ameaça. Os aviões são enviados para verificação pontual das ameaças e os navios para a abordagem daqueles que se constituirem ameaças. Seria um sistema mais eficiente e mais barato.

Spitfire
Spitfire
Reply to  camargoer
26 dias atrás

Muito bom esse detalhamento!!! Coordenação, inteligência, monitoramento e abordagem. Show!!!

Pablo
Pablo
Reply to  Jodreski
27 dias atrás

Como se um conflito fosse do dia pra noite, parabéns!

Pablo
Pablo
Reply to  Jodreski
27 dias atrás

No EB falta coisas BASICAS como defesa anti aerea, a artilharia rebocada, mbt, blindados sobre rodas (Cascavel) e tantas outras coisas sao meia boca. Mas tua idéia de usar drones armados pra atacar uma ameaça que nao existe e muito mais importante que equipamentos que qualquer exército do mundo necessita.
Se as forcas armadas tivessem dinheiro sobrando, fosse bem administradas e não faltasse tantas coisas básicas, até concordaria.

camargoer
camargoer
Reply to  Pablo
27 dias atrás

Caro Pablo. Um exército profissional deve gerar estudos periódicos sobre as ameaças, classificando-as como mais ou menos prováveis, para elaborar planos de resposta. Eu concordo com você que o país tem poucas ameaças (felizmente poucas) e que as mais prováveis crises na América do Sul poderão ser resolvidas por via diplomática. Drones são armas mais baratas, mais eficazes e principalmente, reduzem a exposição dos soldados. Portanto, seria preferível investir em drones do que em outras armas mais convencionais (como carros de combate novos e caros). Como escrevi em outro comentários, as forças armadas brasileiras precisam de mais tecnologia e menos… Read more »

Spitfire
Spitfire
Reply to  camargoer
27 dias atrás

Olá amigo. Concordo em parte com sua colocação sobre tecnologia…acho que tem sim que buscar isso mas ter um equilíbrio com as armas convencionais…porém permita-me discordar que o pais tem poucas ameaças. Nesse quesito, não sei se o amigo já viu estudos com estimativas que apontam para as próximas potências no futuro, e este ranking aponta para China, India, EUA, Indonésia e Brasil, nesta ordem, como promissoras potências até 2050… Sim, pasmem, Indonésia e Brasil…Eis a questão, já existe forte narrativa atualmente contra o Brasil, principalmente, na questão amazônica (estamos ficando isolados, e qual a solução pra isso? ceder a… Read more »

Last edited 27 dias atrás by Spitfire
Teropode
Reply to  Pablo
27 dias atrás

Um engano isto , vc tem que se preparar para um tsunami , se chegar uma marola , ótimo !

Spitfire
Spitfire
Reply to  Machado
27 dias atrás

Olá amigo, drones, com exceção aos utilizados pelas potências, os quais podem operar em grandes altitudes, e que contra estas pouco podemos fazer frente, em sua maioria atuarão em um teatro operacional de baixa altura, ao alcance de nossos iglas, RBS e gepards…. me corrijam se estiver errado. Agora em um teatro de conflito, abatidos nossos F5 e Gripens que ainda nem chegaram (apenas 1), o domínio aéreo está garantido… ai é lembrar da guerra de golfo, após o domínio aéreo, com as imagens das bombas caindo e os canhões anti-aéreos iluminando os céus com as munições traçantes mas depois… Read more »

Last edited 27 dias atrás by Spitfire
Teropode
Reply to  Machado
27 dias atrás

Este futuro chegou em 1990 , a necessidade de manter uma robusta cobertura antiaérea ficou evidente naquele conflito , atualmente só mudou os vetores das ameaças , antes caças , artilharia e helicópteros , hoje Drones , portanto em campo aberto é fundamental a antiaérea em camadas , no mínimo 2 camadas , curta e média , uma cobrindo a outra ( além do comboio ) .Fizemos algumas simulações e chegamos a este time , levamos em consideração custo de operação , assistência pós venda ,disponibilidade no mercado e capacidade para algumas nacionalização : 1Guepards , Avenger e o BARAK… Read more »

Welington S.
Welington S.
Reply to  Spitfire
27 dias atrás

A Força Aérea da Filipinas comparou 3 sistemas de defesa antiaérea Spyder a um custo de 124 milhões de dólares. O mesmo oferecido ao Brasil no programa que visa adquirir sistemas de defesa antiaérea. Nos resta esperar agora pra sabermos qual será o escolhido pelo EB dentre os oferecidos.

Spitfire
Spitfire
Reply to  Welington S.
27 dias atrás

Então amigo…. me incomoda muito a demora nesse tema… era para termos uma definição sobre antiaérea de médio alcance para copa e olimpíadas… e nada… cogitou-se o pantsir… mas nada… sei que está em projeto aquisição disso, mas não podemos, no cenário atual esperar muito… E pelo jeito esse projeto em curso vai envolver desenvolvimento com alguns componentes nacionais (Radar M200/60, plataforma lançadora, etc), não sai antes de 2030… O Brasil está no meio desse rearranjo geopolítico, com inúmeras características que despertam a cobiça internacional, em meio a uma narrativa de má gestão da amazônia, etc. Isso é pra chorar… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
27 dias atrás

Voltem aqui com 100 Caesar e a gente conversa.

A C
A C
27 dias atrás

Aquisicao de valor militar eh sempre bem-vinda. Em particular me chama a atencao o fato dos carros de acompanhamento serem do EB (!!!). Nao seria mais adequado contratatar o servico sempre que necessario? Ou utilizar batedores com motocicletas?

Mendes
Mendes
Reply to  A C
27 dias atrás

São utilizados batedores sim. Aqui em Natal apoiamos o EB nas escoltas, tanto de Autoridades quanto de comboios e materiais. tem aqui um link de uma dessas escoltas. https://www.youtube.com/watch?v=EQX0TaCJx6A&ab_channel=KasteenCarlos

camargoer
camargoer
Reply to  A C
27 dias atrás

Olá AC. De fato, você tem razão. As viaturas com pintura de alta visibilidade são do EB. Nas estradas, já vi muitas viaturas de empresas privadas contratadas para transporte de equipamentos e máquinas. Estas viaturas seguem um padrão e são mais importantes para a segurança dos demais motoristas nas rodovia do que prover segurança para os carros de combate. Os carros de combate poderiam ser transportados por empresas contratadas, mas fico pensando o quanto o EB emprega estes caminhões e viaturas ao longo do ano, transportando os carros de combate para as áreas de treinamento.

Flanker
Flanker
Reply to  camargoer
27 dias atrás

Os caminhões pranchas são usados o ano inteiro. Leva para manutenção, traz de volta, leva e traz de manobras de instrução….M109, Leopard, Gepard, M-113, M88, etc….e nessas oportunidades precisam sempre de escoltas.

camargoer
camargoer
Reply to  Flanker
27 dias atrás

Olá Flanker. Obrigado. Imaginava algo assim.

ALFA BR
ALFA BR
27 dias atrás

Nesse aspecto estamos bem. Mas ainda existem várias coisas para investir que impactam, direta ou indiretamente, na Arma de Artilharia: – Aquisição de alvos: aí entram VANTs, aparelhos de observação… – Contrabateria: nisso estamos bem aquém. Entra radares de contrabateria, GE, aquisição de alvos (dito acima)… – Munições guiadas: não vejo necessidade urgente exceto para contrabateria ou uso contra alvos compensadores (PCs, meios antiaéreos…). – Substituição dos obuseiros 105 e 155 antigos, nomeadamente o M101 e M114. – Viatura Obsuseiro Autopropulsado sobre Rodas 155mm para as Brigadas de Infantaria Mecanizadas. – Dotar as Brigadas de Infantaria de Selva con GACs,… Read more »

Henrique
Henrique
Reply to  ALFA BR
27 dias atrás

– Seria ideal termos obuseiros de 52 calibres, os de 39 são defasados em termos de alcance.

– Ter peças capazes de MRSI

– munições como a 155 BONUS ou SMArt 155 deveriam ser adquiridas

A bem da verdade, nossa artilharia autopropulsada só é boa contra nossos visinhos, se comparada a das forças mais avançadas, não estamos bem.

Last edited 27 dias atrás by Henrique
Spitfire
Spitfire
Reply to  ALFA BR
27 dias atrás

Olá amigo…bem observado. vc tem razão, infelizmente, falta muita coisa não só na arma de artilharia, como em um todo nas faas… vc mencionou apenas a ponta do iceberg… mas infelizmente o cobertor é curto, cobre a cabeça, descobre a cintura!!! Por isso que digo, nesse quesito temos algo de eficiente, que seriam os M109A5 e astros… já é alguma coisa que impõe sim respeito ao eventual inimigo…

Gabriel
Gabriel
27 dias atrás

Os M-109A5 BR são dos Grupos orgânicos das Brigadas Blindadas (em Santa Maria-RS e Curitiba-PR), que em teoria são de 4 Baterias cada. Os M-109 A5 ficarão nos Grupos Divisionarios na AD5 e AD3 (Lapa-PR e Cruz Alta-RS), que em teoria são de 3 Baterias cada. Ainda será definido o que será feito com os M-109 A3 ainda disponíveis (lembrando que foram comprados usados, chegaram no início dos anos 2000 e nunca passaram por processo de modernização). Existe a questão dos M-108 que foram todos reunidos no 22 GAC AP (Uruguaiana), também a ser definida. O próximo passo é a… Read more »

Spitfire
Spitfire
Reply to  Gabriel
27 dias atrás

Bem observado amigo… Uma coisa que foi afirmado é a retirada de serviço dos M108, porém somente após a chegada dos M109, que já ocorreu. Game over para M108

https://orbisdefense.blogspot.com/2017/05/exercito-brasileiro-decide-aposentar.html

Flanker
Flanker
Reply to  Gabriel
27 dias atrás

Gabriel, quanto ao 22⁰ GAC/AP, de Uruguaiana/RS, seus M108 já foram desativados há 2 anos, aproximadamente, sendo substituídos pelos M109A3 que antes pertenciam ao 16⁰ GAC/AP, de São Leopoldo/RS, que foi transferido para Formosa/GO e reequipado com o Astros.

Felipe Morais
Felipe Morais
27 dias atrás

Alguém sabe o valor total do A5 (aquisição) mais o valor da modernização para o padrão +BR? E o valor do A6?

Flanker
Flanker
Reply to  Felipe Morais
27 dias atrás

O contrato de modernização dos A5BR foi de 54 milhões de dólares para 32 unidades. O veículo em si saí praticamente de graça, com o EB pagando a desarmazenagem e o transporte. Incluindo tudo, dá no máximo uns 2 milhões de dólares por unidade. O preço do A6 eu não sei, mas com certeza é bem mais que isso.

Spitfire
Spitfire
Reply to  Flanker
27 dias atrás

Interessante esta informação amigo Flanker… então, aparentemente, foi um bom negócio!!! Ótima relação custo benefício. Só não sabemos se é muito caro mantê-los operacionais né?

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Flanker
27 dias atrás

Show Flanker. Muito obrigado.

camargoer
camargoer
Reply to  Flanker
26 dias atrás

Olá Flanker. Fiz uma busca na internet e encontrei que o valor de um M109A6 é da ordem de US$ 10 milhões.

Flanker
Flanker
Reply to  camargoer
26 dias atrás

Pois é, Camargoer. E a diferença de desempenho dos nossos A5BR para o A6 não justifica todo esse valor pelo A6, mesmo sendo novos.Os nossos A5BR ainda receberam alguns itens do A6.

Teropode
27 dias atrás

A munição Excalibur é extraordinária , com ela o Obus deu um salto tecnológico importante , tem um custo alto mas compensa pela eficiência .

Last edited 27 dias atrás by Teropode
Flanker
Flanker
27 dias atrás

Só uma correção no texto: são 10 viaturas….8 M109A5 e 2 M992.

Flanker
Flanker
Reply to  Flanker
27 dias atrás

Correção no TÍTULO*

Pedro Bó
Pedro Bó
27 dias atrás

O EB trabalha com alguma proporção entre o número de infantes e seus blindados, viaturas, canhões, etc? Tipo, um MBT para x infantes.

Oráculo
Oráculo
26 dias atrás

Vendo a incorporação dessas viaturas, que são excelentes, a gente percebe o quanto nosso EB precisa ser renovado.

Isso deveria ter ocorrido a pelo menos 10 anos atrás.
Enfim aconteceu.

Agora falta o Sistema Antiaéreo, Helicópteros de Ataque, novo MBT, etc e tal.

Um dia a gente chega lá.

Canarinho
Canarinho
26 dias atrás

E pensar que num combate contra um oponente de respeito, nos primeiros dias de combate todo esse material se tornaria um monte de aço retorcido e destemperado pela ação de uma chuva de tomahawks. Nao adianta, o que de fato importa para se preencher as lacunas existentes nao se nota movimentação para fazer, como por exemplo no desenvolvimento de um sistema de defesa antiaérea em camadas para desencorajar investidas aereas. De fato deveríamos desenvolver um complexo de sistema anti-aereo aqui mesmo para atualiza-lo constantemente, para impedir ações de jammeamento por nosso oponentes. A outra alternativa, que seria ter uma força… Read more »

Ted
Ted
Reply to  Canarinho
25 dias atrás

Considerando este fato real. A maior unidade blindada ao Norte da Argentina está em posadas. Possivelmente entrarão pelo Oeste fronteira com Paraná Santa Catarina e abrem front pela retaguarda pegando os regimentos do Rio Grande do Sul de calças curtas. Como fizerao os ingleses nas Falklands. Falhar em estratégias militares é fatal.

Flanker
Flanker
Reply to  Ted
24 dias atrás

Falou o estrategista argentino. E os RCC do Paraná? E os RCC e RCB do RS ficariam parados? E quantos TAM a Argentina tem?

Agnelo
Agnelo
Reply to  Ted
24 dias atrás

Prezado…………….
A fronteira do Brasil com a Argentina, em SC, é um Rio, de margens complicadíssimas….. e tem UMA estrada passando por uma região extremamente “matosa”. E tem um RCMec lá pra isso.
No Paraná, tem uma Bda Inf Mec e uma C Bld esperando.

Nemo
Nemo
26 dias atrás

E quando a artilharia de tubo rebocada?
Como esta a situação a respeito da substituição dos M-114 e dos M-101?

Reportagens Especiais

O LMV em detalhes – parte 5

Os primeiros “Linces” Por Guilherme Poggio No ano de 2018 o Exército Brasileiro (EB) foi acionado para atuar na intervenção federal...
- Advertisement -
- Advertisement -