sexta-feira, agosto 19, 2022

Saab RBS 70NG

US Army seleciona ‘mini-Abrams’ como seu futuro tanque leve

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

O Exército dos EUA selecionou na terça-feira a General Dynamics Land Systems (GDLS) para construir um tanque leve destinado a melhorar a mobilidade, a proteção e as capacidades de fogo direto para as Brigadas de Infantaria.

O acordo de produção é um passo importante para o Army Futures Command, que prometeu programas de modernização mais rápidos e bem-sucedidos por meio de uma abordagem de prototipagem competitiva.

A GDLS entregará inicialmente 26 veículos, mas o contrato permite que o Exército compre mais 70 ao longo da produção inicial de baixa cadência por um total de US$ 1,14 bilhão, segundo o Exército.

Pelo menos oito dos 12 protótipos usados ​​durante a avaliação competitiva serão adaptados para serem colocados em campo, disseram oficiais de serviço encarregados da competição.

Espera-se que os primeiros veículos de produção sejam entregues em pouco menos de 19 meses. A primeira unidade receberá quantidades suficientes de MPF [General Dynamics “Mobile Protected Firepower” (MPF) light tank] para equipar um batalhão – 42 veículos – até o quarto trimestre do ano fiscal de 2025. O Exército planeja entrar em produção em larga escala no ano civil de 2025, de acordo com o GDLS.

“O MPF mostra que o Exército está comprometido em fazer aquisições rapidamente e usando todas as novas abordagens e novas autoridades que temos para fazer a modernização de uma nova maneira”, disse o chefe de aquisições do Exército, Doug Bush, em uma mesa redonda de mídia em 28 de junho.

Ele observou que é a primeira grande plataforma que vai da prototipagem à produção sob o Comando de Futuros do Exército, que conta com novas autoridades de prototipagem rápida.

“Este programa está liderando esse esforço e a prototipagem em produção não é fácil. Há muito mais trabalho a fazer à medida que entramos na produção de baixa cadência e, em seguida, temos testes operacionais”, disse ele. “Mas estou muito encorajado pelo trabalho até agora.”

O Exército espera gastar cerca de US$ 6 bilhões no programa MPF durante a fase de aquisição, incluindo o que já foi gasto em pesquisa e desenvolvimento e prototipagem, de acordo com o Brig. Gen. Glenn Dean, oficial executivo do programa do serviço para sistemas de combate terrestre. O custo total do ciclo de vida do programa, incluindo manutenção, construção militar e pessoal, é estimado em cerca de US$ 17 bilhões.

O Exército planeja comprar 504 veículos, que devem permanecer em atividade por pelo menos 30 anos. A maior parte das compras deve ser concluída até 2035, disse Dean, acrescentando que o programa MPF permaneceu dentro do cronograma e do orçamento.

Uma vez em campo, a capacidade do MPF será organizada por batalhão, mas será empregada como unidades “geralmente” no nível de brigada, disse o major-general Ross Coffman, que supervisiona a modernização de veículos de combate, durante a mesma mesa redonda.

A GDLS e a BAE Systems – selecionadas em 2018 para construir protótipos – estavam competindo para produzir MPF. Relatórios no início deste ano indicaram que o serviço já havia feito sua escolha, tirando a BAE da competição vários meses antes de anunciar o vencedor.

Na época, Bush disse que o Exército havia conduzido uma avaliação justa e completa de ambos os veículos, mas não abordou os relatórios de que o Exército já havia decidido um vencedor. Dean, durante a mesa redonda de terça-feira, se recusou a discutir o processo de seleção, citando a sensibilidade da competição.

Os dois protótipos diferiram significativamente. O GDLS oferecia um chassi novo e leve com um pacote de potência de alto desempenho e uma suspensão avançada, combinado com uma torre com a versão mais recente do sistema de controle de fogo encontrado no tanque de batalha principal Abrams.

O design da BAE Systems é um sistema baseado no M8 Buford atualizado com novos recursos e componentes.

Oficiais do Exército disseram que o serviço optou por avançar com o modelo da GDLS porque ele oferecia o melhor valor. O custo do sistema, a maturidade e a prontidão para produção foram fatores, disse Dean.

Em 2021, as empresas foram incumbidas de entregar protótipos para uma avaliação de veículos militares com a 82ª Divisão Aerotransportada em Fort Bragg, Carolina do Norte.

A GDLS entregou veículos para avaliação em janeiro, meses antes da BAE Systems, que enfrentou atrasos na produção devido à pandemia de coronavírus. Os militares concluíram as avaliações no início de agosto.

No outono de 2021, os protótipos de tanques leves concorrentes passaram por testes que incluíam disparos e marcou a etapa final antes que o serviço selecionasse um vencedor.

“Os soldados que o Exército selecionou [para a avaliação] eram tripulações familiarizadas com o tanque Abrams quando começaram a avaliação do ano passado e imediatamente viram o quão comum a aparência e as operações dentro da torre eram [comparadas] com o Abrams atual”, disse Tim Reese, diretor de desenvolvimento de negócios da GDLS nos EUA. “Não foi preciso muito treinamento para deixá-los atualizados”.

A empresa também incluiu um visualizador térmico independente do comandante, que não era originalmente uma exigência do Exército, disse Reese.

Reese disse que a semelhança com Abrams significará que os veículos podem ser atualizados juntos, quando apropriado.

Ele disse que a empresa projetou seu veículo com capacidade de crescimento “para o que imaginamos ao longo da vida útil do programa será o desejo de atualizar as coisas ou adicionar recursos” e disse que a GDLS fez alguns ajustes no veículo após o feedback dos soldados.

“Uma das coisas que os soldados realmente queriam era que as saias de proteção das esteiras fossem mais facilmente removíveis e para que pudessem entrar, limpar e ajustar as esteiras”, disse Reese.

“Fizemos algumas alterações nas vedações ao redor das escotilhas com base no feedback deles. Aprendemos algumas coisas sobre o sistema de refrigeração”, disse ele. “Há uma série de coisas que são melhores hoje ou serão melhores quando entrarmos em produção de baixa taxa do que as 12 primeiras que construímos para a competição.”

A BAE Systems disse à Defense News em um comunicado que, embora a empresa “não tenha sido escolhida para avançar na competição do MPF, levaremos a inovação e as lições aprendidas com nossa solução conosco e a aplicaremos a futuros esforços de modernização”.

FONTE: Defense News

VEJA TAMBÉM:

 

- Advertisement -

20 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

20 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hcosta
Hcosta
1 mês atrás

Como se compara com o Stryker MGS?
Vão ser retirados de serviço por ser caro de manter e não ter o casco em duplo V.
Mas estes tanques, supostamente, vão ser integrados nas brigadas de infantaria ligeira equipadas com o JLTV.
Justifica-se um novo modelo para fazer algo semelhante?

Bosco
Bosco
Reply to  Hcosta
1 mês atrás

Hcosta,
O Stryker servia às brigadas médias enquanto este irá operar junto às brigadas leves de infantaria , que exigiram um veículo sobre lagartas.
Não fosse isso até poderiam ter incorporado o Stryker mas é fato conhecido que ele não era bem visto, com vários problemas.

Rui Chapéu
Rui Chapéu
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Bosco..

É impressão minha ou eles vão usar a filosofia que vão usar nas aeronaves tb?

De fazer projetos mais rápidos e mais baratos com pouca vida útil e ficar trocando de plataforma a cada 30 anos?

Pq é isso que falaram que vão fazer com os bombardeiros novos…

Pq se for ver bem, a aviação e os abrams deles tem tudo uns 40 anos em média e vão usar por mais uns 10 anos ou mais ainda…

O exército deles vai utilizar do mesmo conceito?

Mafix
Mafix
Reply to  Rui Chapéu
1 mês atrás

Não lembro onde li que o Abrams é para ficar na ativa até 2040 ou alem então creio que esse modelo sera usado em outro tipo de cenario diferente do que vemos em uso no exercito americano …

Hcosta
Hcosta
Reply to  Rui Chapéu
1 mês atrás

A General Dynamics vai apresentar por estes dias uma nova versão do Abrams.
https://www.youtube.com/watch?v=-JigFW_PQpY

Agnelo
Agnelo
Reply to  Hcosta
1 mês atrás

O q já recebi é q os “CC sobre rodas” não estão “dando tudo o q se esperava”, retornando a ideia da Lagarta nas médias e até em algumas unidades das Leves.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Agnelo
1 mês atrás

O próprio Stryker era uma plataforma provisória baseado na plataforma LAV-III . A torre veio do Expeditionary Tank que foi cancelado que perdeu pro M8, o “mesmo” q agora perdeu, antes do projeto ser cancelado.

Ps.: Não é só aqui q o provisório pode se torna permanente.

Zé bombinha
Zé bombinha
1 mês atrás

Bem.. nas duas últimas matérias dois produtos apresentados, duas funções, porém o preço bem próximo e além dos 11M U$…..há grosso modo!… Dias difíceis pra EB que almeja capacidades quase que como essas apresentadas.

Henrique
Henrique
1 mês atrás

Qual é o modelo de canhão que ele usa? É o L7 de 105mm igual dos primeiros Abrams?

A6MZero
A6MZero
Reply to  Henrique
1 mês atrás

Se previa inicialmente o XM360 de 120mm, mas não consegui encontrar qual será o utilizado na configuração final ou se será mantido o XM360.

Bosco
Bosco
Reply to  Hcosta
1 mês atrás

Sim! É uma versão de baixo recuo do M68 denominada de M35

Oráculo
Oráculo
1 mês atrás

Pra quem achava que os tanques iriam acabar, tá aí o US Army comprando mais de 500 novinhos em folha, com previsão de mais de 30 anos de uso.

Estive lendo as especificações técnicas em outras matérias, os americanos estão apostando num pacote de proteção sem igual para ele, com o Trophy instalado e mais todo tipo de proteção atualmente existente.

Pra quem queria saber qual o futuro dos tanques depois da guerra da Ucrânia, a resposta dos americanos é essa. Sistemas de defesa cada vez mais sofisticados. E custos cada vez mais altos.

Last edited 1 mês atrás by Oráculo
Tomcat4,4
Reply to  Oráculo
1 mês atrás

Pois é meu caro e esta máquina cairia bem no EB por ser mais leve e tal visando a mobilidade .

Guilherme Leite
Guilherme Leite
Reply to  Oráculo
1 mês atrás

Desnecessária uma blindagem mais espessa e consequentemente um tanque mais ágil e leve.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Guilherme Leite
1 mês atrás

E o que acontecerá se as defesas ativas e passivas atingirem um bom nível de proteção contra mísseis?

Voltamos aos canhões. E voltamos a ter mais blindagem.

Palpatine
Reply to  Oráculo
1 mês atrás

A general dynamics também anunciou que vai apresentar uma nova versão do Abrams esse ano.

Francisco Brenha
Francisco Brenha
1 mês atrás

Estive vendo o projeto M8 Buford de onde origina o projeto… Blindagem de Alumínio Aloy 5083 (alumínio, manganês, magnésio e cromo). Esta liga, para torná-lo mais leve, NÃO é recomendada para temperaturas acima de 65o. Bom, qual será a temperatura gerada por um RPG?? Para que já viu um bloco de motor de Komb (bloco de magnésio) pegando fogo, sabe que o fogo só extingue depois de consumir todo o magnésio. Compostos de alumínio também é utilizado em uma série de explosivos… É recomendável utilizar estes materiais em uma blindagem?? Alguém, e não serão os engenheiros, estará apostando sua vida… Read more »

Renato
1 mês atrás

Qual o peso desta jabiraca?

J-20
J-20
1 mês atrás

E ainda tinha gente que torceu o nariz quando a China apresentou o Type 15, falando que os conflitos modernos não tem espaço para um tanque leve.
A medida que as munições e blindagens ficam mais eficientes e leves, você pode se dar o luxo de fazer veículos intermediando os MBT e IFV para suplantar as limitações desses dois tipos de veículos.

Últimas Notícias

Brasil e Coreia do Sul fecham acordo para produção de semicondutores da Samsung no país

O Brasil e a Coreia do Sul estão fechando acordos para a construção de uma fábrica de chips semicondutores...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -