https://www.rudaw.net/english/kurdistan/150520215

Por Rodolfo Queiroz Laterza [1]

1 – Introdução: Antecedentes históricos e contextos geopolíticos

Aproximadamente trinta milhões de curdos vivem no Oriente Médio — principalmente no Irã, Iraque, Síria e Turquia — e os curdos compreendem quase um quinto da população da Turquia (um total estimado em setenta e nove milhões).

O PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) estabelecido por Abdullah Ocalan em 1978, tem travado uma violenta guerra de insurgência desde 1984 contra as autoridades turcas por maiores direitos culturais e políticos, principalmente com o objetivo de estabelecer um estado curdo independente. O conflito em curso resultou em mais quarenta mil mortes, conforme estimativas diversas.

A incursão da Turquia no norte da Síria está testando os esforços dos EUA para equilibrar entre um importante parceiro de contraterrorismo no Oriente Médio e um importante aliado geopolítico na guerra na Ucrânia.

https://www.bbc.com/news/world-europe-20971100.amp

No centro da disputa entre Ancara e Washington, está o apoio dos Estados Unidos às Forças Democráticas da Síria (SDF), uma milícia com mais de 80.000 combatentes de maioria curda com a qual Washington fez parceria para combater o grupo Estado Islâmico (IS).

Em particular, o PKK, o Partido Democrático do Povo (conhecido pelo acrônimo HDP, um partido pró-curdo de esquerda que concorre a eleições parlamentares na Turquia) e a Unidade de Proteção do Povo (conhecido como YPG, o braço armado do Partido da União Democrática Síria (PYD) com laços com o PKK) têm se agitado cada vez mais contra o governo, conduzindo numerosos ataques contra as autoridades turcas no Sudeste.

O regime turco vê o SDF como uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, que trava uma guerra de décadas pela independência contra a Turquia. Os EUA consideram o grupo, conhecido como PKK, uma organização terrorista, mas se recusam a cortar os laços com o SDF, que Washington vê como a força de combate mais eficaz contra o Estado Islâmico.

Em julho de 2015, um cessar-fogo de dois anos entre o governo da Turquia e o PKK entrou em colapso após um atentado suicida por supostos militantes autoproclamados do Estado Islâmico que matou quase trinta curdos perto da fronteira com a Síria. Após a tentativa de golpe em julho de 2016, Erdogan reprimiu suspeitos de conspiração, prendeu cerca de cinquenta mil pessoas e aumentou os ataques aéreos contra militantes do PKK no sudeste da Turquia. Erdogan também começou a conduzir operações militares na Síria contra o YPG e o autodeclarado Estado Islâmico.

A Turquia lançou sua primeira invasão da Síria em 2016, com o objetivo de privar os combatentes curdos de uma base ao longo de sua fronteira. Mais duas incursões militares se seguiram em 2018 e 2019, dando à Turquia e suas milícias árabes aliadas o controle de grandes áreas do território sírio.

https://politicstoday.org/turkeys-new-military-operation-in-syria-may-involve-an-area-of-20000km2/

A mortalidade no conflito do PKK na Turquia atingiu o pico no inverno de 2015/2016. Nessa época, o conflito estava concentrado em vários distritos urbanos de maioria curda no sudeste da Turquia. Nesses distritos, milícias juvenis apoiadas pelo PKK ergueram barricadas e trincheiras para reivindicar o controle do território. As forças de segurança turcas restabeleceram o controle desses centros urbanos em junho de 2016. Já a A taxa de militantes do PKK mortos por membro da força de segurança do estado aumentou quatro vezes desde julho de 2015.

Além da Turquia, os combatentes curdos sírios têm combatido o Estado Islâmico, em grande parte como parte do SDF – uma aliança de combatentes árabes e curdos apoiada pelos Estados Unidos – e criaram uma região semiautônoma no norte da Síria. Em setembro de 2014, o líder do PKK, Abdullah Ocalan, pediu aos curdos que iniciassem uma “resistência total” na luta contra o Estado Islâmico; no final daquele mês, a cidade de Kobani, controlada pelos curdos, foi sitiada e eventualmente capturada, resultando no êxodo de dezenas de milhares de curdos sírios para a Turquia.

A Turquia ameaçava uma nova ofensiva terrestre há meses, mas sua campanha de artilharia e aérea na região se acelerou depois que um bombardeio em Istambul matou seis pessoas e feriu dezenas em novembro. A Turquia culpou o PKK e seus grupos associados pelo ataque. Tanto o PKK quanto o SDF negaram envolvimento.

Depois que o YPG e o SDF consolidaram o controle sobre o território capturado do Estado Islâmico no norte da Síria, a Turquia e as milícias sírias apoiadas pela Turquia, incluindo o Exército Sírio Livre (FSA), moveram-se para recapturar cidades e expulsar os curdos. As tropas turcas e a FSA lançaram um ataque à cidade de Afrin em janeiro de 2018, capturando a cidade em março de 2018. A Turquia continua ameaçam ataques a outras áreas controladas pelos curdos dentro da Síria, incluindo Manbij, e apesar de compartilharem um inimigo comum, muitos dos ataques aéreos da Turquia têm como alvo combatentes curdos em vez de militantes do Estado Islâmico.

Os militares turcos atacam regularmente as bases do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no Iraque e, em 2018, o presidente turco Tayyip Erdogan disse que lançaria uma operação formal contra os curdos no Iraque. O governo iraquiano emitiu queixas formais contra as incursões turcas em seu território soberano. Em janeiro de 2019, o governo turco alegou que militantes separatistas curdos ligados ao PKK realizaram um ataque a uma base do exército turco no norte do Iraque que resultou em danos ao equipamento militar e nenhuma vítima.

https://defenceredefined.com.cy/footage-images-and-figures-from-the-turkish-army-and-the-pkk-clashes-map-video/

Depois que o presidente dos EUA, Donald J. Trump, anunciou em dezembro de 2018 que os Estados Unidos começariam a retirar tropas da Síria, os curdos sírios, que lutaram em grande parte como membros das Forças Democráticas Sírias (SDF), apoiadas pelos EUA, expressaram preocupação de que a Turquia aumentasse seus ataques contra eles. Ilham Ahmed, o líder da maior organização política dos curdos sírios, pediu aos governos ocidentais que criem uma força de observação internacional ao longo da fronteira Síria-Turquia.

Em janeiro de 2019, Trump ameaçou sancionar a Turquia caso os militares turcos atacassem as forças curdas apoiadas pelos EUA na Síria e o conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton, indicou que os Estados Unidos continuariam a buscar garantias de Erdogan de que os curdos sírios não seriam atacados. À medida que a guerra civil síria diminui, Erdogan e Trump continuaram a discutir opções para estabelecer uma zona segura e se os Estados Unidos recuperarão as armas fornecidas aos curdos sírios.

A aliança dos combatentes curdos também convergiu no Iraque, onde o Estado Islâmico avançou em direção à região autônoma curda no norte do país. Os Peshmerga — combatentes armados que protegem o Curdistão iraquiano — juntaram-se às forças de segurança iraquianas e receberam armas e assistência financeira dos Estados Unidos.

Os EUA tentaram evitar uma escalada entre os dois durante crises anteriores, mas analistas e ex-funcionários dos EUA estão menos otimistas sobre os esforços de mediação de Washington desta vez.

O conflito contínuo, especialmente uma invasão terrestre, comprometeria gravemente os ganhos duramente conquistados pelo mundo contra o ISIS e desestabilizaria a região”, disse um porta-voz do Pentágono.

O SDF veio a público, pedindo mais apoio de seu aliado. Mazloum Abdi, o chefe do grupo, tem repetidamente exigido uma mensagem “mais forte” dos EUA para impedir um ataque turco.

O SDF publicamente manifestou-se declarando que está suspendendo as operações contra o Estado Islâmico para se concentrar novamente em se defender de um ataque turco. Diante do contexto adverso, o Pentágono recentemente afirmou que reduziu as patrulhas no norte da Síria por causa dos cortes nas SDF.

Mas a influência do SDF com os EUA é limitada em comparação com a de Ancara.

A Turquia tem por objetivo geopolítico imediato estabelecer um cinturão de segurança ao longo de sua fronteira, mas não quer se arriscar a incursionar por toda região do Rio Eufrates e realizar operações antiterroristas que resultariam em possibilidades de perdas militares substanciais e exigiria uma logística que para a qual não está mobilizada e preparada, principalmente considerando que seria uma linha de perímetro operacional por demais ampla para controlar.

As ações militares turcas na região do Curdistão sírio anteriores foram negociadas no formato Astana, com a Rússia e o Irã.

Moscou usou crises anteriores para consolidar sua posição como um influenciador de poder na Síria, fechando acordos que viram a Turquia e o governo de Assad ganharem território às custas dos curdos. Analistas diversos dizem que a influência do Kremlin não diminuiu, apesar de estar envolto em uma guerra difícil e custosa com a Ucrânia e OTAN.

No momento atual do conflito, é a Rússia que tem mais influência para dissuadir a Turquia sobre o prosseguimento de uma incursão do que os EUA na região do Curdistão sírio e iraquiano.

2 – Operação Claw-Sword das Forças Armadas Turcas no norte do Iraque e Síria

Na noite de 19 de novembro, o Ministério da Defesa turco anunciou a condução da Operação Claw-Sword no norte da Síria e Iraque. O motivo foi o atentado terrorista em Istambul, organizado por integrantes de grupos curdos.

https://cptik.org/reports-1/civilian-impacts-claw-lightning

Segundo o Ministério da Defesa turco, a Força Aérea do país atingiu alvos em Qandil, Asos, Khakurk no Iraque e Kobani, Tel Rifat, Derik na Síria.

Fontes oficiais disseram que todas as aeronaves de combate operavam no espaço aéreo turco. Outros recursos afirmam que as aeronaves violaram o espaço aéreo sírio várias vezes.

Como resultado da operação, 89 alvos foram atingidos – abrigos, bunkers, cavernas, túneis, quartéis-generais e depósitos de munição. Os militares turcos também relataram a destruição de “um grande número de terroristas” .

As Forças Democráticas da Síria (SDF) anunciaram a morte de 11 civis como resultado do bombardeio. Um membro do SDF e 15 soldados do exército do governo sírio que estavam em áreas controladas pelos curdos também foram mortos.

À noite do dia 19/11, o SDF disparou mais de 15 foguetes e projéteis de artilharia contra a base militar turca em Dabiq,  no norte da província de Aleppo.

Além disso, a Turquia relatou o bombardeio de seu posto de controle na fronteira com a Síria, resultando em um soldado e oito policiais feridos.

A operação turca no norte da Síria, inicialmente prevista para junho, começou oficialmente. No entanto, mudanças significativas na natureza da luta contra os grupos curdos não devem ser esperadas.

Antes disso, as Forças Armadas turcas de vez em quando bombardeavam as posições dos curdos na Síria do ar.

A declaração pública do governo turco sobre uma nova etapa na luta contra grupos terroristas, antes de mais nada, é necessária para o público doméstico no contexto do ataque terrorista em Istambul.

Além disso, esta etapa mais uma vez pressionará os governos da Suécia e da Finlândia por seus laços com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, a fim de obter preferências para aprovar a entrada dos estados escandinavos na OTAN.

A principal questão que permanece obscura no momento é o envolvimento do componente terrestre do exército turco. Durante a noite do dia 19/11, as Forças Armadas turcas se limitaram a apenas ataques combinados de artilharia, aviação e UAVs sem a participação de forças terrestres.

E embora imagens do movimento de colunas turcas nas áreas fronteiriças à Síria já tenham aparecido na Web, de acordo com a experiência dos últimos anos, isso não é um sinal garantido do início de uma invasão militar em grande escala.

https://www.al-monitor.com/originals/2015/06/turkey-syria-military-intervention-countdown-army-objective.html

Ainda no âmbito das operações militares turcas da Operação Garra-Espada, caças F-4 e F16 e drones turcos atacaram instalações curdas de petróleo e gás. De acordo com relatos da mídia, cerca de 12 refinarias de petróleo foram atingidas no dia anterior. Incêndios eclodiram em vários campos.

Ataques de foguetes a posições e instalações de infraestrutura dos curdos também ocorreram na área de Ain al-Arab, Al-Qahtania, Afrin e Hasaka.

O comandante de alto escalão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, Rezan Gelo, foi morto com munições guiadas com precisão em Qamishli.

De acordo com a mídia síria e curda, um drone turco atingiu o campo Al-Khol, que abrigava parentes de combatentes do EI. Seis pessoas foram presas enquanto tentavam fugir.

Caças F-16 da Turquia

Em 25/11, mais de seis aeronaves táticas da Força Aérea Turca F-16 decolaram na direção da parte norte do Iraque de três bases aéreas no leste da Turquia para realizar ataques aéreos nas posições do PKK.

A operação das Forças Armadas turcas no norte da Síria e no Iraque continua e, no momento, não há pré-requisitos para sua conclusão. A administração Erdogan está considerando a opção de iniciar a fase inicial no território dos estados vizinhos.

A Turquia espera que a operação aérea termine em dezembro. Depois disso, as forças armadas conduzirão uma campanha terrestre em grande escala na Síria e no Iraque com o apoio das forças pró-turcas.

O desejo dos turcos de criar uma zona tampão ao sul da Turquia e proteger seu território está repleto de desestabilização ainda maior na região, não apenas por causa da oposição de membros das formações curdas, mas também pela ativação de militantes do Estado Islâmico.

Gráfico: BBC

O ataque ao campo de detenção de terroristas em Al-Khol, bem como a suspensão das operações das Forças Democráticas da Síria contra os extremistas do EI, é outra confirmação disso.

Em 26/11, Aeronaves táticas da Força Aérea e unidades de artilharia do Exército turco lançaram diversos ataques contra alvos curdos ao longo da linha de contato, incluindo Ain Divar, Derik, Ziyaret, Zor Magar, Tel Rifat e ao sul de Afrin.

Na noite de 25/26 de novembro, três foguetes atingiram a base americana de Al-Shaddadi, ao sul de Hasaka. O Comando Central dos EUA confirmou o ataque e disse que não houve vítimas.

Acusações sobre autoria deste ataque expuseram as tensões entre os EUA e a Turquia: os americanos culparam as milícias pró-iranianas que operam no Iraque; no entanto, a mídia ocidental acredita que foi a Turquia que disparou contra a base militar dos EUA.

De acordo com a mídia curda, os lados russo e turco conversaram sobre uma possível operação terrestre das Forças Armadas turcas.

Segundo informações não confirmadas, a liderança do agrupamento das Forças Armadas da Federação Russa aprovou a entrada de um contingente terrestre em território sírio e apelou às formações curdas para que abandonassem as terras a norte da autoestrada M4.

O comandante das “Forças Democráticas da Síria”, Mazlum Abdi, disse que os combatentes curdos não recuarão um único passo. Ele disse que os turcos planejam a primeira etapa da ofensiva nas direções de Ain al-Arab, Manbij e Tel Rifat.

Atualmente, o número de ataques aéreos e bombardeios de artilharia diminuiu. A atividade da aviação turca ao longo das fronteiras com a Síria e o Iraque praticamente deu em nada. Apenas alguns UAVs de ataque “Bayraktar” e “Anka” operam no ar.

3 – Considerações finais

O comando militar turco está planejando a fase mais agressiva da campanha contra os grupos curdos e se preparando para isso. A rede está divulgando imagens da transferência de equipamentos não identificados com pessoal na parte norte da Turquia para a fronteira com a Síria.

Considerando as declarações beligerantes das principais lideranças políticas e militares da Turquia sobre a entrada iminente de um contingente militar no norte da Síria, a fase de operação terrestre pode começar em um futuro próximo.

É possível que o início de ações de grande escala no terreno seja anunciado após a reunião do Conselho de Segurança Nacional da Turquia, sob a presidência de Erdogan.

O principal objetivo tático-operacional das Forças Armadas Turcas será estabelecer o controle sobre Tell Rifaat, Manbij e Ain al-Arab, no norte da Síria.

As autoridades turcas continuam pressionando pelo chamado “cinturão de segurança” ao longo das fronteiras do sul do país. Entre os membros dos grupos curdos, eles temem seriamente a repetição do “cenário afegão” em caso de retirada do contingente americano. Nesse sentido, os contatos com o lado russo se intensificaram.

Como mencionamos anteriormente, a liderança em Ancara está sendo pressionada de todas as maneiras possíveis para iniciar uma operação terrestre no norte da Síria. Isso forçará os turcos a gastar recursos já finitos e, ao mesmo tempo, permitir que pressione Ministério da Defesa russo, que atuou como fiador de uma trégua no norte da Síria.

Ao mesmo tempo, as hostilidades com a Turquia forçarão o SDF curdo a interromper as operações contra as células adormecidas do Estado Islâmico, levando aa outra rodada de tensão e aumento da atividade terrorista na região.

Uma operação militar terrestre por parte das formações militares turcas no norte da Síria e no norte do Iraque, ambas na região curda de tais países, irá criar sérios embaraços à Rússia quanto à estabilidade do regime sírio de Bashar Al- Assad e aos Estados Unidos perante seu apoio militar e econômico às milícias curdas abrigadas no grupo armado SDF e ao Governo Regional do Curdistão iraquiano, já pressionado com crises internas no país e disputas políticas de facções políticas curdas diversas.

Ademais, conforme analisado, a Turquia irá se deparar com novos e críticos desafios, principalmente em manter o controle de uma extensa faixa territorial no norte da Síria e do Iraque, além de já se ver sobrecarregada no conflito armado contra o PKK  em sua região sudeste, que resulta anualmente em centenas de baixas em suas formações militares e policiais, situação agravada pela persistente crise econômica que o país atravessa.

Glossário:

  • FSA: Exército Sírio Livre
  • IS: Estado Islâmico
  • HDP: Partido Democrático do Povo
  • PKK: Partido dos Trabalhadores do Curdistão
  • PYD: União Democrática Síria
  • SDF: Forças Democráticas da Síria
  • YPG: Unidade de Proteção do Povo

Fontes consultadas:


[1] Delegado de Polícia, Mestre em Segurança Pública, historiador, pesquisador em geopolitica e conflitos militares

Subscribe
Notify of
guest

12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Maurício.
Maurício.
1 mês atrás

A Turquia se faz de santa, mas também invade territórios alheios e compra petróleo de terroristas…

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

bem verdade, e na cara dura ainda, levavam em caminhões dos poços controlados do EI até refinarias na Turquia.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Os Turcos ficaram p da vida qdo os Russos tocaram fogo no kibabe dos contrabandista, o que não impediu de fazer conversa com Russos, OTAN, ou seja a Turquia faz o que qualquer pais com soberania faz, defender seus interesses.

Alfredo
Alfredo
1 mês atrás

Excelente artigo.

Nativo
Nativo
1 mês atrás

Mais um capítulo da novela democrática que diz:”quem tem poder não precisa de licença para defender seus interesses”

sub urbano
sub urbano
1 mês atrás

São varios os “partidos” curdos, cada um com uma ideologia e pretensões. Todos são meio de esquerda, mas o PKK – Partido dos Trabalhadores do Curdistão – é o maior, mais esquerdista e o unico que atua em toda a região de etnia curda. É o unico que reivindica o verdadeiro territorio da etnia curda, que se extende das regiões montanhosas do norte do Irã, Turquia, curdistão iraquiano (hoje com autonomia dentro da federação iraquiana), norte da Síria e ate uma parte da Armenia. É um territorio pouco maior que o mapa amarelo do artigo. Eles ja tiveram conflitos internos,… Read more »

Last edited 1 mês atrás by sub urbano
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Israel já expandiu a área de atuação para dentro do Azerbaijão, bem pertinho, uma daas teorias é que aquele cientista que foi morto com uma metralhadora acionada remotamente por satélite ou drone, foi montada e enviada a partir do Azerbaijão.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 mês atrás

SDF milícia com mais de 80.000 combatentes de maioria curda com a qual Washington fez parceria para combater o grupo Estado Islâmico (IS).””””” isso é uma piada, desde o inicio innício o SDF é uma mistura de terroristas, da Al-Qaeda- Al Nusra, Com outros grupos terroristas curdos, armados pelos EUA, e se acham que é loucura pesquisem mais, mas como podia os EUA imaginar que um país que estavam se matando essas armas iam parar nas mãos de terroristas, os EUA não tem histórico de fornecer armas para milícias na Ásia, ops desculpa eles tem, mas erraram de novo na… Read more »

Alfredo
Alfredo
Reply to  Carlos Campos
1 mês atrás

Azerbaijão na área de atuação de Israel e SDF com terroristas da Al-Nusra, não dá!

Mgtow
Mgtow
1 mês atrás

Quem destruiu o filhote dos eua conhecido como isis foram russia e eixo da resistencia liderados pelo irã. Fim

Mgtow
Mgtow
1 mês atrás

Artigo top

Alberto
Alberto
1 mês atrás

No fim da I guerra mundial, quando o Império Otomano foi derrotado, foram criados estes países na região do Levante. Durante a formação da moderna república da Turquia, Mustafá Kemal ( Ataturk “pai dos turcos” ) queria que onde é hj Síria e Líbano fosse parte da recém fundada república turca. Acho que o Erdogan está planejando executar parte deste objetivo e futuramente anexar parcela do território norte da Síria.