Com um placar de 6 a 1, o Conselho Federal decidiu abrir caminho para a revenda de 25 tanques Leopard 2 para a Alemanha

A Comissão de Segurança do Conselho Nacional já havia votado a favor do descomissionamento de 25 tanques Leopard 2. Cabe agora ao Congresso, decidir sobre a venda de volta à Alemanha na sessão de verão que começa na próxima semana.

Como o lado alemão garantiu ao governo suíço, os Leopards não serão repassados ​​para a Ucrânia. Destinam-se a preencher as lacunas que surgem na Alemanha e noutros países europeus devido ao fornecimento de tanques à Ucrânia.

Enquanto isso, os militares suíços ainda mantêm 71 tanques desativados no leste da Suíça, de modo que também não deve haver uma lacuna neste país, apesar da revenda.

FONTE: blick.ch

Subscribe
Notify of
guest

6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
8 meses atrás

Eu vejo esse tipo de notícia, e só consigo pensar em como o EB comeu bola a décadas atrás em não ter “passado a mão” em todos esses Leo2…
Agora já era. Nunca mais ele vai ter chance comprar CC usado.

Carlos Campos
Carlos Campos
8 meses atrás

nesse caso a India, Singapura também. kkk

Um Simples Brasileiro
Um Simples Brasileiro
8 meses atrás

Vendo essa notícia, fico a me perguntar se o EB não poderia ter adquirido em outros tempos esses veículos? Haveria algum impeditivo que fira a neutralidade suíça em um caso assim, não estando o Brasil em guerra?

Franz A. Neeracher
Reply to  Um Simples Brasileiro
8 meses atrás

Não haveria impedimento algum…..só que esses veículos não estavam a venda…..
“reserva estratégica”…….só repassaram para a Alemanha devido a fortes pressões por parte da OTAN e da CE.

Um Simples Brasileiro
Um Simples Brasileiro
Reply to  Franz A. Neeracher
8 meses atrás

Hum, entendo.

Plinio Jr
Plinio Jr
8 meses atrás

Vendo esta notícia fica claro que a necessidade de MBTs , diferente daqueles que pensam que não são mais necessários …possivelmente estas 25 unidades devem estar em bom estado, indo para o Exército Alemão e sendo atualizados enquanto que os mais usados vão para a Ucrânia