‘Você tem medo de tudo. Você tem medo de fumar à noite, porque alguém pode ver e atirar’: a Guerra na Ucrânia, segundo um soldado russo

27

Alexander de São Petersburgo tem 24 anos, foi mobilizado em outubro de 2022. Ele agora está de férias de duas semanas, mas em breve partirá para a zona de guerra novamente. No início da invasão russa da Ucrânia, ele não correu para a frente. Mas agora ele apóia as ações do Kremlin e está pronto para lutar ainda mais. O correspondente da Sever.Realii tentou entender o porquê.

Até setembro de 2022, Alexandre (pediu para não revelar o sobrenome . – SR ) trabalhou na Vodokanal como serralheiro. Na carteira de identidade militar, ele apresentava categoria “A” (apto para o serviço, absolutamente saudável).

  • No dia 24 de setembro, às 10h, trouxeram uma intimação à minha casa. Papai me chamou para a dacha, mas não fui porque meu amigo fazia aniversário. Fui chamado ao cartório de alistamento militar por volta de uma hora do dia 25. Eu vim, eles me perguntaram sobre minha saúde, se eu tinha algum motivo para me recusar a mobilizar, filhos ou se minha esposa está grávida. Eu honestamente respondi que não, – diz Alexander.

Em 26 de setembro, ele já estava em uma unidade militar em Privetninskoye – no distrito de Vyborgsky, na região de Leningrado, a 70 quilômetros de São Petersburgo.

A especialidade militar de Alexander é cozinhar. Depois de Privetninskiy, ele foi transferido para uma unidade militar localizada em Luga. Lá, segundo ele, “os motoristas eram ensinados a dirigir e os cozinheiros a cozinhar”. Os mobilizados receberam coletes à prova de balas, capacetes, ombreiras e metralhadoras fabricadas em 1983. O resto teve que ser comprado de forma independente.

Em 20 de outubro de 2022, ele já estava perto de Lugansk. No primeiro mês moramos na floresta em barracas, “nada de interessante”, só cozinhando e no turno da noite, lembra Alexandre. Então, até maio, eles foram transferidos para uma área a cerca de 55 quilômetros da zona de combate, onde realizaram buscas de carros. Colegas – “mobiks” das regiões da República de Komi, Arkhangelsk e Murmansk. Alexander era o mais novo da unidade.

“Meu batalhão serviu como comandante todo esse tempo. Paramos em um trecho da estrada a 200 quilômetros de distância e inspecionamos os carros no posto de controle. Como cozinheiro, eu não cozinhava, recebia comida do armazém, distribuía e entregava nos postos”, conta Alexandre.

Com o início do frio, passaram a morar em aldeias da região de Lugansk, segundo ele, ocuparam casas abandonadas de ucranianos que fugiram da guerra. Alexander diz que eles eram freqüentemente chamados de ocupantes lá.

– A maioria dos que ficaram são idosos, todos os jovens partiram. Na aldeia onde moro viviam cerca de mil pessoas antes do início do “SVO”, e agora são 210. São poucas pessoas. As ruas estão vazias. A maioria foi para a Polônia. Alguém para a Rússia ou Kiev – explica Alexander.

Em maio, “mobiks” foram enviados para Bakhmut, no meio do mês já havia mortos na unidade. Alexandre, ao voltar das férias, na última semana de maio, também querem mandá-lo para a zona de batalhas ativas.

“Pensamentos para correr estão sempre lá. Quero ir para casa, claro. Eu também não queria ir para a frente, mas como eles mandaram uma intimação, eu fui, para onde ir … Mas se você fugir e eles te pegarem, então eu não quero ir para a prisão por oito anos ou mais. Então parece que você é um herói, você está defendendo seu país, caso contrário você é um desertor e um nit, ele argumenta.

  • A distância mais próxima do projétil era de cerca de três quilômetros de mim. Mas mesmo assim eu fiquei com medo. Como os caras lutam na linha de frente – não tenho a menor ideia – diz ele. – Na primeira semana foi um medo imenso, explosões por todos os lados, helicópteros, aviões voando. Você tem medo de tudo. Você tem medo de fumar à noite, porque alguém pode ver e atirar, porque você destaca sua posição quando acende uma lanterna no escuro.

Na região de Lugansk, na Ucrânia, segundo ele, existem muitos hospitais. E soldados com ferimentos de estilhaço costumam ser trazidos da linha de frente.

  • Um projétil voa, uma árvore cai, uma pessoa é simplesmente pressionada e sua coluna se quebra. Muitos estão sendo transportados com contusões de atordoamento e ondas de choque. No entanto, muitos após o tratamento estão prontos para retornar. O que eles dizem nas notícias sobre nossas perdas é tudo subestimado. Às vezes, mil pessoas morrem em uma manhã. E as notícias estão falando sobre 100-200 pessoas, – Alexander tem certeza.

Segundo ele, o principal problema é que muitas vezes os feridos simplesmente ficam deitados no chão e não são retirados da linha de frente por muito tempo. Assim, na unidade de Alexander, o filho do deputado para o trabalho educacional foi considerado desaparecido por três meses, eles o encontraram há apenas algumas semanas.

  • Zam saiu comigo no mesmo dia. Eu não sabia que seu filho estava morto. Desejei-lhe boas férias e ele disse: “Boas férias e vou enterrar meu filho”. Então eu estava coberto – lembra Alexander.

Alexander diz que na frente de combate sua visão de mundo mudou: ele era neutro, não pensava em política e operações militares, raciocinava: “Eles não me tocam, eu também não toco em ninguém” e não estava feliz com a mobilização anunciada na Rússia. E agora ele apóia a guerra na Ucrânia e está pronto para voltar ao front.

– Vivi em boas condições nos últimos meses, tive internet, comunicação… Mas está tudo atrasado por causa da política. Se agora aprendermos a produzir os produtos que comprávamos na Europa, seremos uma potência muito forte, o que já somos. Eles já tinham medo de nós e agora terão ainda mais medo.

  • É preciso ter medo?

“Você sempre tem que ter medo. Se você for fraco, sempre será menosprezado.

Você pode ser forte, mas não agressivo. Valeu a pena?

  • Mas valeu a pena começar … como aterrorizá-lo, Novorossia? Iniciar um conflito?

  • Por que o conflito?

  • Geralmente acho que tudo isso começou depois da Crimeia. E é que Putin está esperando há muito tempo, estamos nos preparando há oito anos para ajudar e realizar tudo. É que eu realmente não entendo nossas ações quando a NWO estava apenas começando. Quase chegamos a Kyiv. Por que recuar? Eu não entendi isso. Talvez porque as partes traseiras foram descobertas ou algo assim.

  • Você gostaria que a Rússia retirasse suas tropas e permanecesse dentro das antigas fronteiras, mas acabou?

  • Não mais. Muitos caras morreram. E acontece que eles morreram por nada. Na minha opinião, isso está errado. Se você está lutando, então lute até o fim.

Alexander espera que até o final do ano ele seja substituído por novos “móveis” e possa voltar para casa. E se a guerra na Ucrânia se arrasta por mais de um ano, ele acredita que é necessário “mobilizar todo o país e esmagá-lo com números”. Durante a guerra, ele começou a sonhar em comprar um apartamento em São Petersburgo e até começou a economizar para isso.

  • Achei que se você trabalha 24 horas por dia, 7 dias por semana, 30 dias por semana, como estamos aqui na frente, tenho um pequeno salário – 260 rublos por hora, o que não é suficiente para São Petersburgo. Há rumores de que durante a desmobilização será emitido outro certificado para moradia de um milhão e meio. Só agora estou economizando dinheiro para uma contribuição ”, diz ele.

‘Preciso de um marido vivo e próximo’

Outros militares, tendo visitado a Ucrânia, agora estão tentando com todas as suas forças evitar o retorno das férias para o front. O amigo de Olga do Território de Krasnoyarsk recusou-se a voltar à guerra por cerca de um mês, em maio ele queria processar o Ministério da Defesa, pois seu contrato deveria ter terminado se não tivesse sido prorrogado “até o final da operação militar especial. ”

  • Eu disse a ele: “Pense nisso! Volte, eles estão procurando por você. Processar o Ministério da Defesa é um negócio perdido sem opções.” Com isso, partiu para a guerra”, conta a amiga Olga.

Muitas esposas dos mobilizados estão prontas para esconder seus maridos para que eles não voltem. “Deixe os ensinamentos morais para os outros. Preciso de um marido vivo e por perto, o resto é tudo igual”, escrevem em grupos para as esposas dos participantes da “operação militar especial”.

Natalya Gataulina, da cidade de Serov, região de Sverdlovsk, acredita que por causa desses fugitivos, as férias do marido foram adiadas por “período indeterminado” no final de abril.

  • Dos que saíram de férias (30 pessoas), quatro regressaram. Por causa dessas férias, os demais são transferidos por tempo indeterminado, até quem não voltou, ela fica indignada. Por que os outros deveriam sofrer por causa deles? O comando e o governo estão esperando que eles se machuquem ou se machuquem para voltar para casa?

Por que os mobilizados apoiam a guerra?

  • Desde que uma pessoa não esteja em uma situação militar, ou seja, ela não está tentando matar ninguém e ninguém está tentando matá-la, ela está assistindo a guerra na TV, então ela tem a oportunidade de ver os eventos de forma mais ou menos imparcial. Entenda que a Rússia atacou ou, se ele for um defensor de um ponto de vista diferente, que supostamente “a Ucrânia estava preparando um ataque”. Em tal imagem do mundo, algum tipo de racionalidade permanece, não há exclusivamente emocional, – diz o psicólogo Yan Yakubov. – Mas no momento em que alguém atira nele ou seus colegas são mortos, há uma transição para o nível dos reflexos: se você apanhar, corra ou revide. Em tal situação, é difícil tratar bem ou com neutralidade o inimigo, mesmo que antes a pessoa não apoiasse a guerra de forma alguma e fosse levada a ela.

Acontece que os militares russos, mesmo tendo sobrevivido ao cativeiro, querem voltar à guerra na Ucrânia. Então, Sever.Realii falou sobre Viktor Masyagin, de 43 anos, da região de Leningrado – um participante da Segunda Guerra da Chechênia, a guerra na Geórgia, bem como um mercenário em conflitos armados na Ucrânia desde 2014. Em 2022, Masyagin foi capturado, teve sorte de retornar em uma troca, mas depois de alguns meses no “civil” ele novamente quer ir para a guerra e está esperando uma ligação “para voltar”.

  • Quando uma pessoa se encontra em uma situação extrema, a adrenalina é constantemente gerada nela. E esse nível de adrenalina é viciante. E nenhuma outra atividade pode competir com esse nível de adrenalina”, explica a psicóloga Elizaveta Klyuchikova. “Além disso, um certo sistema de relações se desenvolve na guerra. Em primeiro lugar, são mais simples e, em segundo lugar, são mais brilhantes e sinceros. Ou seja, se você se sentou sob o mesmo fogo com uma pessoa, surge um nível de intimidade completamente compreensível – e essa também é uma barra muito alta, por causa da qual outros relacionamentos após o retorno à vida civil parecem um tanto artificiais, enfadonhos e complicados. E nesse contraste quero voltar onde está esse furacão, tudo é muito simples e tudo muito sincero.

No entanto, o psicólogo também lembra que muitas vezes não é necessário buscar explicações psicológicas complexas para a prontidão para a guerra. Muitos são levados para lá simplesmente pelo desejo de ganhar dinheiro.

  • Uma pessoa pode ir para a linha de frente, simplesmente porque sabe que a família vai comprar uma casa com o dinheiro pago pelo seu serviço, ferimento ou morte, pagar a hipoteca, etc. E se você também conseguiu criar raízes onde não precisa correr riscos – na sede, por exemplo -, ainda mais – acrescenta Yakubov.

FONTE: Serverreal

Subscribe
Notify of
guest

27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Heinz
Heinz
1 ano atrás

Pobre Alexander. Mau sabe ele que a probabilidade dele voltar vivo dessa segunda ida ao front é mínima.

Marcelo
Marcelo
1 ano atrás

Um soldado russo acende um cigarro e um depósito de combustíveis explode. Um soldado russo liga um celular e um depósito de munições explode. Um soldado russo está agachado na trincheira e um drone ucraniano lança uma granada. Um soldado russo está com a cabeça para fora da escotilha do tanque de guerra e um drone suicida ucraniano se aproxima silenciosamente. Vida difícil dos soldados russos na Ucrânia.

Last edited 1 ano atrás by Marcelo
Tomcat4,4
Tomcat4,4
Reply to  Marcelo
1 ano atrás

Pros soldados ucranianos a vida está uma beleza né ???

LUIZ
LUIZ
Reply to  Tomcat4,4
1 ano atrás

Tão passeando nos parques e florestas verdejantes enquanto se desviam das balas e mísseis russos kkk.

Underground
Underground
Reply to  Tomcat4,4
1 ano atrás

Não, não está!
O artigo apenas mostra que os russos também estão perdendo soldados.
Aliás, o soldado apenas diz que os números de soldados russos perdidos é muito maior que o divulgado. Não existe esse negócio de perdeu 1 soldado russo e 10 mil ucranianos.

pangloss
pangloss
Reply to  Tomcat4,4
1 ano atrás

A Ucrânia não invadiu nenhum país. Eles não tiveram alternativas a não ser lutar contra o invasor.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Tomcat4,4
1 ano atrás

Eis o pensamento do soldado ucraniano que perdeu o irmão na batalha: “Sabíamos que poderíamos não voltar, mas é uma honra lutar pela Ucrânia. É por isso que não me arrependo de forma alguma. Meu irmão deu a vida pela nossa liberdade. Infelizmente, a liberdade vem com sangue.” isso resume o sentimento ucraniano. Então repito o pensamento do analista militar do Azerbaijão Agil Rustamzade: “É impossível vencer uma guerra onde não só exército está lutando contra você, mas todo o povo, e na Ucrânia todo o povo ucraniano está lutando.”
https://news.yahoo.com/military-analyst-rustamzade-predicts-ukraine-182400785.html

Hank Voight
Reply to  Tomcat4,4
1 ano atrás

Fácil não está mas estão defendendo o seu país…..

De igual forma toda aquela propaganda sobre a “super máquina” russa ruiu com o conflito

Arthur
Arthur
1 ano atrás

Pode resolver o vício do cigarro, mas não das bebidas e das drogas. Quanto à morte, parece ser um problema exclusivamente russo: quem mandou não ser um highlander eslavo?

RPiletti
1 ano atrás

A realidade:
“Deixe os ensinamentos morais para os outros. Preciso de um marido vivo e por perto, o resto é tudo igual”

Oráculo
Oráculo
1 ano atrás

Os americanos falam muito sobre esse “vício” em adrenalina que alguns ex-combatentes adquirem na guerra. E que sentem abstinência quando voltam a vida civil.

Não a toa muitos acabam virando alcoólatras ou usuários de drogas.
Procuram preencher esse vazio com substâncias tóxicas.
A guerra não os matou, mas deixou doenças as vezes incuráveis.

O cara tem que ser psicologicamente muito forte pra voltar de uma guerra dessas e levar uma vida normal.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Oráculo
1 ano atrás

Esses dias eu estava vendo um vídeo de um suposto veterano americano chorando dentro do seu carro, o choro era porque os americanos estavam gastando muito com os ucrânianos enquanto ele e outros veteranos que precisavam de assistência não tinham o mesmo nível de atenção do governo americano. Acho que quase todo ser humano que vai para uma guerra fica meio afetado psicologicamente.

Fish
Fish
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Não só veteranos, basta ver as ruas das grandes cidades americanas e cidades nas adjacências delas, entupidas de viciados em drogas, álcool, remédios, entre eles muitos veteranos americanos. Essas pessoas veem o governo doando bilhões mensais para um governo estrangeiro e não fazem nada pela sua gente, deve ser um sentimento revoltante.

FlavioHMCO
FlavioHMCO
Reply to  Oráculo
1 ano atrás

Não só isso precisam de acompanhamento se não pode dá problemas sérios…mas os governos não estão nem aí vide o caso do UK.. entre casos de suicídios vs as perdas nas Falkland/Malvinas…A guerra não acaba após um tratado de paz, A Rússia terá problemas interno com os veteranos ou vai inventar outra Operação longe de casa para garantir fica sem esses “problemas”…Já a Ucrânia esse problema não tem como “exporta” é provável que “importe” de outros locais além da Rússia…

Dr. Mundico
Dr. Mundico
1 ano atrás

Não sei ao certo o número de jovens mobilizados e quantos já morreram e ainda vão morrer ou ficar inválidos.
Boa parte voltará com problemas físicos, amputações, cegos, surdos ou com graves problemas nervosos e comportamentais.Estamos falando de dezenas de milhares de futuros párias e inválidos.
Como já apontei anteriormente, no barato o supremo comandante Putin já liquidou com as duas próximas gerações da nação.
Sem falar na ruína econômica que a Rússia enfrentará em alguns anos.
Duas gerações rifadas, é mole?

LUIZ
LUIZ
Reply to  Dr. Mundico
1 ano atrás

Não é a primeira vez que os russos passam por essa situação.

M.@.K
M.@.K
1 ano atrás

Não li toda a matéria, mas com relação ao consumo de cigarro a noite, no treinamento militar básico do EB já alertavam para isso. Mas por outro lado, li em algum lugar que na guerra da Falklands/Malvinas, o SAS fazia questão de operadores que fumavam.

naval762
naval762
1 ano atrás

Torcida e fanfic, desse jeito a Rússia afunda igual ao Moskva

Marcelo
Marcelo
1 ano atrás

Não é a toa que os soldados russos estejam com medo. Seus compatriotas vivem esquecendo de ligar os equipamentos de jamming. Dessa vez foi nas proximidades de Bakhmut. Um video mostra uma explosão na linha de frente de Bakhmut, logo após um ataque ucraniano sobre uma posição russa, com a formação de uma nuvem em forma de cogumelo sobre o campo de batalha. Parece que foi o impacto de uma bomba guiada JDAM-ER. Os ucranianos postaram a seguinte mensagem no Twitter: “Hoje (26/05/2023) mais cedo; Vídeo mostrando as consequências de um poderoso ataque ucraniano em uma posição russa na direção… Read more »

Cassini
Cassini
1 ano atrás

Se está ruim para o soldado russo, imagina para o pobre soldado ucraniano.

Hank Voight
Reply to  Cassini
1 ano atrás

A diferença é que os ucranianos estão defendendo o seu país

Last edited 1 ano atrás by Hank Voight
Marcelo
Marcelo
1 ano atrás

Atualizando o placar do desastre russo. Em 29/05/2023, o Ministério da Defesa da Ucrania atualizou as perdas russas referentes ao dia 458 do conflito militar: – 206.600 soldados mortos; – 313 aviões militares abatidos; – 298 helicópteros militares abatidos; – 3.797 tanques de guerra destruídos ou capturados; – 3.425 peças de artilharia destruídas ou capturadas; – 7.456 veículos de combate e blindados destruídos ou capturados; – 574 sistemas de foguetes de lançamento múltiplo (MLRS) destruídos ou capturados; – 18 embarcações militares afundadas; – 6.192 veículos de transporte de combustíveis destruídos ou capturados; – 329 baterias antiaéreas destruídas; – 2.993 sistemas… Read more »

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Marcelo
1 ano atrás

Mas segundo Geraldo Lessa,Pedro, Maurício, ou sei lá quais outros Nicks esse putinzete use, não existe perda do lado russo. É tudo fake. Ele viu milhares de vídeos de ucranianos mortos. O rato do soldado russo perdendo amigos não é confiável. Somente o que se pública no Intel slava Z. Isso sim è fonte confiável.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Nuno Taboca
1 ano atrás

Relato. *Perdão

Cassini
Cassini
Reply to  Marcelo
1 ano atrás

Engraçado é que nunca se ouve falar das estatísticas ucranianas na guerra. Será que é porque as baixas ucranianas são catastróficas se comparadas às russas?

Afinal, onde estão os centenas de blindados, peças de artilharia e aeronaves cedidos aos ucranianos?

Ah, é verdade, estão virando metal retorcido e os soldados ucranianos virando carne moída bem passada graças ao exército russo.

Augusto
Augusto
Reply to  Marcelo
1 ano atrás

Bela fonte essa sua Marcelo!

Wilson França
Wilson França
1 ano atrás

Vai estudar você!