VISÃO DA FRONTELLIGENCE INSIGHT
7 DE FEV. DE 2024

Durante vários meses, a nossa equipe evitou discutir publicamente questões internas para evitar a potencial exploração russa para fins de propaganda. Contudo, à medida que estes problemas se tornam cada vez mais visíveis e reconhecidos publicamente, optamos por discuti-los abertamente. Este artigo consistirá em duas partes. A primeira parte fornecerá uma análise da situação do lado ucraniano, delineando desafios e soluções potenciais. A parte seguinte, a ser publicada posteriormente, analisará a situação do lado russo.

Tenha em mente que esta é apenas a primeira parte. Embora a situação possa parecer sombria para o lado ucraniano, as perspectivas para o lado russo não são particularmente promissoras e serão discutidas na segunda parte.

Parte 1

À medida que as forças russas persistem em pressionar as tropas ucranianas em Avdiivka, torna-se evidente que a queda de Avdiivka não é uma questão de se, mas de quando. Simultaneamente, a Rússia continua as suas operações ofensivas nas áreas de Kupiansk, Bakhmut e Bilohorivka. Nesta discussão, a nossa equipe decidiu afastar-se da situação operacional e tática, fornecendo informações adicionais a um nível mais macro e abordando questões internas tanto na Ucrânia como na Rússia.

Plano de Defesa para 2024

Desde a conclusão da contra-ofensiva de Verão ucraniana, as forças russas recuperaram a iniciativa estratégica, recomeçando as operações ofensivas em várias áreas da linha da frente. O plano sugerido para a Ucrânia em 2024 é cavar e construir fortificações para minimizar as perdas territoriais e humanas. Infelizmente, este parece ser o único plano viável, embora “forçado”, para a Ucrânia em 2024, a menos que seja recebida ajuda externa substancial e sejam implementadas medidas de mobilização radicais. Embora este plano seja lógico, não é uma opção ideal. A falta de munições de artilharia deixa as tropas ucranianas, mesmo em posições fortificadas, essencialmente como espaços reservados expostos a projéteis de artilharia – uma situação desmoralizante que mina a vontade das pessoas de lutar ou juntar-se às forças armadas. Ocupar trincheiras, mesmo com abrigos e fortificações, não é totalmente seguro devido à ameaça de lançamentos explosivos de drones, bombas aéreas FAB (fugasnaya aviatsionnaya bomba) de 500 KG e bombardeios de artilharia contra equipes de evacuação ou tropas rotativas.

Esta situação precária pode levar a uma narrativa perigosa em que a Ucrânia perde continuamente pessoas e territórios ao longo da linha da frente, invertendo a tendência positiva registada no segundo semestre de 2022, quando áreas significativas foram desocupadas. A nossa equipe acredita que o combate às bombas aéreas planadoras e a resposta eficaz à artilharia inimiga requerem os suprimentos necessários de munições e armamentos dos países ocidentais. Assim, a Ucrânia deve receber um pacote de munições de emergência para combater eficazmente estes problemas.

Mobilização

O problema de equipar adequadamente as unidades militares existe há muito tempo. A maioria dos indivíduos está envolvida em combate há quase dois anos, passando por rotações curtas, raras e não sistemáticas, que são insuficientes para uma restauração completa do seu bem-estar físico e, mais importante, mental. Quando aqueles que se alistaram em Fevereiro de 2022 veem que menos de metade dos seus colegas soldados ainda estão vivos ou possuem membros intactos em 2024, isso desmoraliza-os seriamente, criando a percepção de que a única saída do serviço militar é através da morte ou da perda de membros. Embora uma futura lei de mobilização na Ucrânia pretenda abordar esta questão, ainda é um problema grave.

Embora a Ucrânia necessite urgentemente de esforços de mobilização não só para substituir centenas de milhares de indivíduos envolvidos em combate, mas também para estabelecer novas capacidades ofensivas, vários problemas estão a minar estes esforços que muitos meios de comunicação e analistas preferem evitar discutir.

Apesar das alegações oficiais afirmarem que a Ucrânia inflige baixas numa proporção de 10:1 em alguns casos, a realidade é muito mais sombria. Embora a Ucrânia cause efetivamente um elevado número de baixas às forças russas, é importante ter em mente a disparidade demográfica entre os dois países. Os dados oficiais da população ucraniana incluem frequentemente indivíduos na Crimeia e nos territórios ocupados, legalmente considerados ucranianos, mas praticamente fora do alcance da Ucrânia para fins de mobilização.

Este desafio é agravado pelo fato de, entre 2014 e 2021, muitos indivíduos terem deixado a Ucrânia,  vivendo no estrangeiro na altura da invasão. Além disso, milhões de pessoas partiram desde a invasão de 2022, embora a maioria inclua mulheres, crianças e idosos, alguns dos quais regressaram. A análise da pirâmide populacional da Ucrânia mostra que o grupo etário dos 20-30 anos é o menor deles, perdendo apenas para o grupo com mais de 75 anos. A mobilização deste grupo etário pode ser necessária, mas terá consequências negativas a longo prazo para o futuro da nação ucraniana nas gerações vindouras.

Quando se trata de desafios de mobilização, a verdade fundamental é que é difícil juntar-se a um exército que enfrenta uma infinidade de reveses. Embora as narrativas midiáticas  possam enfatizar a destruição da frota do Mar Negro como uma vitória substancial para a Ucrânia – um ponto de vista com o qual a nossa equipe concorda – a perspectiva dos soldados nas trincheiras pinta um quadro diferente.

A realidade quotidiana continua marcada pela falta de pessoal e munições, e pela incapacidade de neutralizar a artilharia e a Força Aérea inimigas, perpetuando a percepção de uma luta interminável pela linha de árvores mais próxima. Esta situação faz com que os potenciais recrutas se vejam como meros substitutos, encarregados de se esquivar de granadas lançadas de drones ou de projéteis de tanques e artilharia.
Consequentemente, o entusiasmo das pessoas em aderir voluntariamente às tropas está a diminuir.

Uma potencial resolução para este problema poderia ter sido alcançada muito mais cedo se os EUA não tivessem fornecido ajuda à Ucrânia de forma lenta e limitada em 2022. Da mesma forma, o fracasso da Europa em acelerar a produção de munições de artilharia exacerbou ainda mais a escassez de munições enfrentada pelas forças ucranianas em o chão. Certamente, seria injusto atribuir as deficiências apenas ao Ocidente, uma vez que a liderança ucraniana também não conseguiu construir fortificações adequadas. Além disso, havia expectativas irrealistas em torno de uma contra-ofensiva e as derrotas eram frequentemente adoçadas, juntamente com uma recusa em reconhecer que o exército ucraniano tinha chegado a uma situação de impasse. O General Zaluzhnyi explicou mais tarde estes desafios no seu artigo para “The Economist”, apresentando a sua valiosa visão.

Essencialmente, a Ucrânia necessita urgentemente de munições e só ações decisivas por parte do Ocidente poderão permitir à Ucrânia enfrentar eficazmente a situação atual.

Outra verdade incômoda é que as baixas sofridas pela Ucrânia durante a operação Bakhmut e a contra-ofensiva no sul continuam a assombrar muitos ucranianos. Por exemplo, durante a operação Bakhmut, houve relatos de indivíduos que foram enviados para aquela cidade – o epicentro da batalha urbana mais intensa em 2023 –  depois de terem passado por apenas um treino básico de um mês. Embora seja quase impossível obter números precisos para determinar a frequência de tais ocorrências, rumores e relatos de indivíduos minimamente treinados enviados para o semi-círculo Bakhmut começaram a circular amplamente na sociedade.

Mesmo que Bakhmut tenha inicialmente se revelado uma história de sucesso para a Ucrânia, com os russos a sofrerem baixas significativas, por vezes atingindo uma proporção de 1:7 ou 1:10, a situação mudou rapidamente. Depois que as forças russas conseguiram tomar os flancos ucranianos e interromper as rotas de abastecimento, as taxas de baixas quase se igualaram. Essencialmente, os soldados mais qualificados e motivados da Ucrânia foram trocados por soldados Wagner, na sua maioria recrutados nas prisões. Ao considerar o contexto em que a demografia da Ucrânia é consideravelmente menor do que a da Rússia, a perda de Bakhmut, apesar do custo humano inaceitável para a Ucrânia, assume uma dimensão ainda mais significativa e angustiante.

A reputação de certos generais ucranianos despencou ao ponto de serem agora comparados aos seus homólogos russos conhecidos por lançarem ataques frontais descuidados. Esta situação é agravada pela falta de responsabilização por tais falhas ou abordagens equivocadas.

Embora seja fácil duvidar desta análise, basta olhar para os centros de recrutamento ucranianos para observar a ausência de filas compostas por potenciais recrutas. Isto levanta uma questão lógica: se tudo está tão bem, como é possível que num país que luta pela sua existência, não haja mais filas de voluntários nos centros de recrutamento?

A Divergência na Visão Estratégica

A nossa equipe foi informada sobre a escalada da tensão entre o gabinete presidencial e o Comandante-em-Chefe, Valerii Zaluzhnyi, há mais de um ano, embora só recentemente tenha chegado ao conhecimento do público. Tais diferenças de perspectiva entre a liderança militar e política não são incomuns no contexto da guerra. O que pode parecer politicamente vantajoso pode não ser visto de forma positiva de um ponto de vista puramente militar, e vice-versa.

Embora este desafio não seja exclusivo da Ucrânia, atingiu o seu auge, levando a rumores de que o Presidente Zelensky pretende substituir Zaluzhnyi (nota do editor: a substituição foi anunciada após esta análise ser originariamente publicada). Estes rumores controversos foram parcialmente confirmados mais tarde pelo próprio Zelensky, que reconheceu estar a considerar a substituição de Zaluzhnyi.

A Frontelligence Insight avalia que a substituição de Zaluzhnyi poderia ter um impacto notavelmente adverso nas tropas. Embora os observadores casuais possam ver os generais como indivíduos designados para desempenhar as suas funções, a realidade é muito mais complexa. O General Zaluzhnyi goza de grande reputação entre soldados e oficiais de todos os níveis. Esta reputação confere-lhe uma capacidade única para empreender ações necessárias, embora nem sempre populares, para alcançar objetivos militares específicos. Ele também é conhecido como um general que se preocupa genuinamente com o bem-estar e a vida dos seus soldados, incutindo a confiança de que os seus sacrifícios não são apenas números estatísticos. Esta confiança é crucial, uma vez que os soldados não querem arriscar as suas vidas para capturar locais aparentemente discretos e sem importância apenas para o benefício de oficiais e generais de alta patente aos olhos da liderança política do país – um desafio que tem atormentado o exército russo e , infelizmente, também está presente no exército ucraniano.

Uma questão adicional que identificamos é que não se trata apenas de uma tentativa de substituir o general, mas também a sua equipe, com potencial para nomear indivíduos que priorizem a execução da visão da liderança política em detrimento da necessidade militar.

Horizontes otimistas

No meio de uma situação excepcionalmente desafiadora, não existem questões insolúveis e ainda não foram ultrapassadas linhas vermelhas críticas. A Ucrânia mantém um potencial de mobilização que pode ser aproveitado se for dotada dos recursos e armamento necessários, evitando assim a percepção de que as pessoas são meros alvos estáticos das munições da artilharia russa.

O governo deve sinalizar mudanças positivas nas forças armadas e na aplicação da lei com base em métricas de desempenho e não na lealdade política. Eventualmente, o governo terá de aplicar medidas impopulares, como cortes orçamentais e redireccionamento de recursos de vários sectores em todo o país para dar prioridade ao financiamento dos esforços de mobilização, ao mesmo tempo que combate a corrupção no próprio governo. O governo ucraniano deve comunicar urgentemente aos nossos aliados a gravidade da situação, enfatizando a necessidade de assistência imediata e substancial. Minimizar a gravidade das circunstâncias poderá alimentar desafios futuros. A ajuda atempada do Ocidente é fundamental para evitar ultrapassar limites irreversíveis.

O potencial da Ucrânia para enfrentar a ocupação, reminiscente dos acontecimentos em Avdiivka, não depende apenas de “se”, mas está a tornar-se cada vez mais uma questão de “quando”. Sem a ajuda adequada do Ocidente.

FONTE: Frontelligence Insight

Subscribe
Notify of
guest

67 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fábio De Souza
Fábio De Souza
15 dias atrás

Como já foi dito pelo próprio Governo do EUA , não existe uma bala de Prata para a Ucrânia . O melhor caminho , seria a Diplomacia para a Ucrânia .

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Fábio De Souza
15 dias atrás

Passaram 2 anos fazendo trocentas matérias dizendo como o HIMARS, Storm Shadow, Challenger e Abrams seriam o novo “Santo Graal” e iria “mudar a maré da guerra” pra levantar o moral do público, pra agora virem com essa de “não existe bala de prata”….

Profyler
Profyler
Reply to  Willber Rodrigues
15 dias atrás

Ninguem falou que teria Wunder Wafe nem da russia nem do EUA. O que foi falado é que determinadas armas seriam estrategicamente muito boas para russia e/ou ucrania

Last edited 15 dias atrás by Profyler
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Profyler
15 dias atrás

Negativo.
O que não faltaram eram matérias em sites afora ( quase todos “gringos”, diga-se de passagem ), muitos deles voltados pra Defesa, falando explicitamente em como as armas acima iriam “virar a maré da guerra” ( eles usavam esse termo mesmo ), principalmente antes do início da contra-ofensiva.
Agora esses mesmos portais vem com papo de “opa, calma, vocês tem que entender que não é assim, e que….”

Last edited 15 dias atrás by Willber Rodrigues
Heinz
Heinz
Reply to  Willber Rodrigues
15 dias atrás

Do mesmo jeito que a Mídia Rússia alardeava sobre seus bombardeiros Tupolev 160, míssel ultrafodástico e imparável Khinzal, o torpedo do armagedon, T90M o melhor MBT do mundo, S400 o melhor sistema de defesa AA do mundo, o poderoso Moskva Nau captânia da Marinha Russa no mar negro e etc. Cada lado vai puxar a sardinha para o seu, a guerra além de tudo é informacional e propagandista. Não aprendeu isso ainda?

Nilo
Nilo
Reply to  Profyler
15 dias atrás

Agora vão dizer que não disseram. Por várias vezes em que foi anunciado um novo armamento americano ou europeu , era uma festa, era já ganhou, desta vai, desta a Rússia sucumbe, …Jovelin, Leopard, ATACMS, m1 Abrams, Bradleys, Stryker, BGM-71 TOW, Himars, Challenger, Storm Shadow, Caesar, Stinger, NLAW, sem contar sistemas de comunicação e inteligência.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Profyler
15 dias atrás

“Ninguem falou que teria Wunder Wafe nem da russia nem do EUA.”

Como assim ninguém falou? Eu poderia contextualizar e colocar aqui vários comentários nesse sentido, mas, é melhor deixar quieto… rsrsrs.

Felipe
Felipe
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Pior é o próprio autor da matéria confirmando que não noticiam notícias negativas da Ucrania, o que corrobora a visão de muitos (muitas vezes criticados aqui) quando afirmar que o que a mídia divulga passa um impressão equivocada da situação da guerra.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Felipe
14 dias atrás

Pros caras serem obrigados a admitir que estão escondendo isso a muito tempo e que não era mais possível adiar isso, daí você já imagina a quantidade de coisas graves que aconteceram, mas que eles continuam a não falar sobre isso…
Aliás, já podemos começar a questionar se essa história de “os russos sempre tem mais baixas” é mesmo verdade….

Bigliazzi
Bigliazzi
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Colocação bem sofismatica (de sofisma).

leonidas
leonidas
Reply to  Fábio De Souza
14 dias atrás

Esta guerra (como já disse em outras ocasiões) jamais deveria ter ocorrido. E para tanto bastava a ucrânia oficializar sua condição de neutralidade militar se juntando a Suécia e Finlândia. Mas infelizmente se deixou usar pelos interesses obtusos de Washington e aceitou colocar no espeto a carne de seu próprio povo e destruir as perspectivas de crescimento econômico, social, militar e demográfico por décadas. Se o governo Ucraniano tivesse um mínimo de discernimento aceitaria transacionar com Moscou e com a união europeia e no longo prazo (desde que oficializasse sua neutralidade) obter condições politicas para ingressar na comunidade econômica europeia… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  leonidas
14 dias atrás

Pois é. Também acho esta guerra estúpida e por isso defendo o imediato cessar fogo.

Paulo Neves
Paulo Neves
Reply to  leonidas
13 dias atrás

Clap, clap, clap.

Depois de ler tanta torcida, parcialidade e emocionalismo na Trilogia, sobre este assunto, durante anos, é uma lufada de realismo e bom senso.

Parabéns!

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  leonidas
13 dias atrás

Perfeitamente. Jamais deveria ter acontecido. A Ucrania estava muito bem. A Europa recebendo gás e petróleo russos baratos. Sua industria no lucro e suas casa aquecidas. Daí suas oligarquias estupidamente resolveram tirar a Russia do negocio. Até praticando crimes de terrorismo. Hoje inflação alta. Vai chegar a hora destes politicos desonestos prestarem contas. Pode começar com o Biden perdendo as eleições nos Estados Unidos.

Bigliazzi
Bigliazzi
Reply to  Fábio De Souza
14 dias atrás

Se fosse o Brazil contra a Argentina você cederia os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina para nossos hermanos Argentina??? De grátis??? Um lado perde território para sempre, o lado da Hiper Potência ao recuar e voltar para casa vira chacota mundial? Diplomacia como? Palmas para idiota do Putin que começou essa bagunça. A Otan nunca atacaria a Rússia… Por qual razão faria isso??? Para entrar numa guerra contra um Povo??? Não é a questão de lutar contra o patético exército russo, mas sim contra toda a população russa (alguém se lembra da II Guerra Mundial?) Alguém… Read more »

Atirador
Atirador
Reply to  Bigliazzi
13 dias atrás

Ninguem na Otan era idiota a esse ponto, por isso arrumaram o Zélensky

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Bigliazzi
13 dias atrás

Possível sempre, mas é muito improvável que os dois países entrem em guerra a curo e médio prazo… acho que nem a longo prazo.

É uma hipótese descabida no atual cenário geopolítico.

O Brasil e a China são os principais parceiros econômicos da Argentina e o Brasil é o principal destino das exportações de produtos industrializados.

Seria um tolice pensar em uma guerra entre os países… qual seria a motivação? O fato de Brasil ser comunista e a Argentina anarcocapitalista?

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Bigliazzi
13 dias atrás

Quais territorios a Ucrania perdeu ?

Antonio Palhares
Antonio Palhares
15 dias atrás

Mesmo passando pano. Falou o que todos nós sabemos. Já era. Quando ocidentais falam. É porque já foi. Basta ler os comentários/aulas do professor Camargo.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
15 dias atrás

“Durante vários meses, a nossa equipa evitou discutir publicamente questões internas para evitar a potencial exploração russa para fins de propaganda. Contudo, à medida que estes problemas se tornam cada vez mais visíveis e reconhecidos publicamente, optamos por discuti-los abertamente.” Ora, ora….fico imaginando a quantidade de coisas que o “pessoal interno” e mídia especializada sabem a meses, mas que escondem, preferindo permanecer na história de “russos usando chip’s de geladeira em mísseis” ou “os russos perdem o equivalente a uma população de Bangladesh todos os dias em soldados”… “(…) mas também para estabelecer novas capacidades ofensivas, vários problemas estão a… Read more »

Paulo Neves
Paulo Neves
Reply to  Willber Rodrigues
13 dias atrás

O principal defeito do General Zhaluzy é justamente a sua popularidade e autoridade junto aos soldados.
Zelensky o teme como adversário político, tendo eleições ou como líder de um golpe de estado se as coisas piorarem em mais ( e vão…)
Reuniões e conversas já acontecem em Kiev, sobre golpe.
Klichko, Poroshenko e um oligarca já discutem afastar Zelensky.
Syrsky é um General impopular ( ainda por cima é russo, com pai , mãe e irmão russos e morando lá).
Mas politicamente é adequado.
Ele foi o comandante em batalhas de cerco perdidas, desde Debaltsevo em 2014!

Maurício.
Maurício.
15 dias atrás

O autor fala bastante em mobilização, mas não toca no assunto da mobilização forçada que está acontecendo na Ucrânia, vídeos dessas mobilizações estão na internet, só não vê quem não quer. “Além disso, havia expectativas irrealistas em torno de uma contra-ofensiva.” Agora, depois do desastre da contraofensiva, é fácil dizer que tinha expectativas irrealistas, mas na época, muitos meios superestimavam, principalmente por conta dos tanques Leopard, Abrams e Challenger 2. É estranho também que o autor diz que havia expectativas irrealistas em torno da contraofensiva, mas no fim coloca um “Horizontes otimistas”. Outra coisa, fala-se muito da ajuda do ocidente,… Read more »

Profyler
Profyler
Reply to  Maurício.
15 dias atrás

Tem video da russia tambem. Os dois lados estao mobilizando e os videos como voce disse estão ai.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Profyler
15 dias atrás

Mas a Rússia é uma ditadura, não existe surpresas nesse sentido, já a Ucrânia tenta ser uma democracia plena, coisa que aliás, nunca foi.

Kkce
Kkce
Reply to  Maurício.
15 dias atrás

Ué, então tem que bater de porta em porta pedindo “por favor, junte-se a nós”?

O que ser ou não democracia tem a ver com isso? Nosso serviço militar também é forçado, se você for convocado e não aparecer vão te buscar em casa, e ai?

Canarinho
Canarinho
Reply to  Kkce
15 dias atrás

E se a pessoa se negar? Vao fazer o que? A irão fuzilar em praça publica ou na porta de casa? Rapaz isso aqui e seculo 21 cai na real. Mil vezes ser preso e perder tudo a morrer nessa guerra estupida.

leonidas
leonidas
Reply to  Canarinho
14 dias atrás

Em tempo de guerra não há escolha a convocação. Vc esta sujeito a lei marcial que pode simplesmente prender alguém , jogar ele no front querendo ou não e caso ele se negue será executado por um pelotão de fuzilamento…

Atirador
Atirador
Reply to  Canarinho
13 dias atrás

Não tem cadeia para crime de traição a patria, é pelotão de fuzilamento

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Maurício.
15 dias atrás

“O autor fala bastante em mobilização, mas não toca no assunto da mobilização forçada que está acontecendo na Ucrânia, vídeos dessas mobilizações estão na internet, só não vê quem não quer.”

É igual comentei acima. Nessa altura do campeonato, vão recrutar quem? Aquele seu vizinho idoso que faz bicos de encanador pra complementar a aposentadoria?

“Outra coisa, fala-se muito da ajuda do ocidente, mas a Ucrânia teve oito anos para se armar, poderiam ter acumulado bastante munição de artilharia, mas não, preferiram depender dos outros para sua própria defesa.”

Já falei a mesma coisa umas 5X na Trilogia….

Maurício.
Maurício.
Reply to  Willber Rodrigues
15 dias atrás

“É igual comentei acima. Nessa altura do campeonato, vão recrutar quem?”

Entendo seu ponto de vista, dizem que o número de deserção e rendição nesses casos é bem significativo, afinal, estão em um lugar literalmente por obrigação, não pode dar muito certo.

Last edited 15 dias atrás by Maurício.
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Maurício.
15 dias atrás

O problema é que, nessa altura do campeonato, quem sobrou e completou 18 anos esse ano, vom certeza tem amigos/parentes/vizinhos que foram pro front, e não dão notícias a meses, ou que já se sabem que são K.I.A’s.
Esse pessoal deve estar pensando “se, em dois anos de guerra, mesmo com bilhões de dólares em ajuda, a situação não mudou, porque eu, servindo agora, vai mudar?”
E a moral de quem vai, fica como?

Ciclope
Ciclope
Reply to  Maurício.
15 dias atrás

No Vietnam, chegou a um ponto de os soldados jogarem granadas nas barracas dos oficiais quando eles estavam reunidos.

Ciclope
Ciclope
Reply to  Willber Rodrigues
15 dias atrás

Hoje em dia, acumular muita munição e jogar dinheiro fora. Já é muito arriscado se você tiver uma defesa anti-aéreas em camadas com esses depósitos no centro da área defendida. Sem isso é certo deles serem destruídos por mísseis.
O negócio é ter tudo o mais móvel possível, depósitos definições só o suficientes para guardar a munição até tudo ser espalhado por caminhões. Ou colocar defesas em camadas para proteger, mas ai, se o cobertor for curto, e melhor proteger as fábricas e não os depósitos

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Ciclope
15 dias atrás

A questão não é você encher vários Estádios do Maracanã só com munição anualmente.
A questão é você ter sua própria capacidade em fabricar suas próprias munições, com ênfase em munições burras, artilharia e de armas leves.
O que mais teve, no começo do conflito, foram fabricantes europeus/noete-americanos “descobrindo” que não poderiam suprir efetivamente a demanda gasta, porque as peóprias fabricantes de armas terceirizaram tudo…

Pra China.

Devemos ter a capacidade de fabricar nossas munições, e manter esse setor sempre trabalhando, com uma quantidade de pedidos mínima anualmente.

Guilherme Poggio
Reply to  Maurício.
15 dias atrás

Nem no Brasil a mobilização é voluntária. Todos os jovens, ao completarem 18 anos, devem se apresentar numa junta militar. Se serão convocados ou não é outra história. Se o Brasil estivesse em guerra e o GF ordenasse mobilização geral, todos os mobilizados deveriam se apresentar (recrutas novos ou reservistas). Na Ucrânia idem. Lembrar que em função da guerra por lá, muitas das garantias constitucionais foram suspensas.

Canarinho
Canarinho
Reply to  Guilherme Poggio
15 dias atrás

A questão é: se a pessoa se negar, vão fazer o que? Vao mata-la, ou prende-la?

Maurício.
Maurício.
Reply to  Canarinho
15 dias atrás

Geralmente é prisão, parece que não caso da Ucrânia pode chegar a 5 anos.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Guilherme Poggio
15 dias atrás

Se apresentar é uma coisa, sair no soco no meio da rua para capturar um cívil, aí já é demais. Na Ucrânia os recrutadores estão ficando conhecidos como “ladrões de pessoas”, capturam civis literalmente na base da força, na primeira oportunidade esse pessoal vai desertar ou se render. A Ucrânia tem que rever o seu meio de recrutamento, seja oferecendo um salário maior, seja oferecendo mais garantias, da maneira que está, só contando cada vez mais com mercenários.

fjuliano
fjuliano
Reply to  Maurício.
15 dias atrás

Resposta na classe hein, admiro isso.

Felipe
Felipe
Reply to  Maurício.
14 dias atrás

Perfeito. Lembro da contra-ofensiva , que algum oficial ucraniano alardeou que em menos de 1 mês iriam retomar acesso ao mar de azov…

Joanderson
Joanderson
15 dias atrás

Para quem pedia caças F16 não estão recebendo nem munição.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Joanderson
15 dias atrás

Sempre receberam, mas muitas vezes de forma pingada, lembro que tinha um pessoal que defendia essa forma de entrega de armas, a maioria tomou Doril.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Maurício.
14 dias atrás

Não foi pingado. O problema é o ritmo de consumo desses projéteis, sobretudo de 155mm, ao passo de coisa de 20 K por dia. Prova disso é que quase esgotaram-se os estoques da Alemanha e Reino Unido. Ucranianos foram buscar munição no Japão e Austrália. E nos Estados Unidos tiveram que aumentar consideravelmente a produção para atender a Ucrânia e as próprias FA simultaneamente. Para piorar, as crises em Gaza e Hormuz só agravaram o que já nãp era bom.

leonidas
leonidas
Reply to  Maurício.
14 dias atrás

Receberam na forma que o contexto politico de cada nação poderia ceder.
Politica rege tudo e a todos inclusive aspectos militares de uma guerra extremamente prejudicial aos interesses econômicos dos próprios europeus.
Mas enfim, a coisa toda esta seguindo o roteiro sinistro deste tipo de conflito…

Orivaldo
Orivaldo
15 dias atrás

Enquanto isso a operação especial está chegando 2 anos. Como diria a Dilma, não temis meta, mas vamos dobra essa meta.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Orivaldo
15 dias atrás

2 não, 3 anos.

Dod
Dod
15 dias atrás

Ué pq o das mulheres esta igual a dos homens?

Bispo
Bispo
15 dias atrás

Sem $$$ dos EUA …. Acabou !

Luís Henrique
Luís Henrique
15 dias atrás

Sugestão de matéria:
A entrevista do Putin e seus possíveis desdobramentos.

Vitor
Vitor
Reply to  Luís Henrique
15 dias atrás

Vdd tenho minhas dúvidas.
…se publicarem é sinal maturidade .

Quirino
Quirino
15 dias atrás

“Mesmo que Bakhmut tenha inicialmente se revelado uma história de sucesso para a Ucrânia, com os russos a sofrerem baixas significativas, por vezes atingindo uma proporção de 1:7 ou 1:10, a situação mudou rapidamente. Depois que as forças russas conseguiram tomar os flancos ucranianos e interromper as rotas de abastecimento, as taxas de baixas quase se igualaram. Essencialmente, os soldados mais qualificados e motivados da Ucrânia foram trocados por soldados Wagner”

E ainda tem jão aqui na pagina que afirma que Bakhmut foi uma vitória, foi sim, claro que foi, confia nisso.

Atirador 33
Atirador 33
15 dias atrás

Nesse conflito, todos perderam, perdeu a Rússia que mostrou para o mundo a tão medíocre são seus comandantes e as suas forças como um todo, o segundo exercito mais poderoso do mundo se mostrou amador nesse conflito que ele mesmo buscou, lutando em suas fronteiras, projeção de poder nem pensar. Perde também a indústria militar russa, que são de muita importância para a economia do país, pois ficou evidente a a qualidade dos equipamentos russos nesse conflito, veia a baixo a propaganda dos equipamentos, somente o Terminator entrou no teatro, caça de quinta e Armata, só propaganda. Perde a Ucrânia,… Read more »

Bispo
Bispo
Reply to  Atirador 33
15 dias atrás

E essas suas conclusões foram após consumir algum produto ilícito ou após maratonar CNNs teletubies ..rs

Se a Rússia está tão capenga porque será que a OTAN se borra tanto 😆

Last edited 15 dias atrás by Bispo
Felipe
Felipe
Reply to  Atirador 33
14 dias atrás

Kkk não entendeu que a midia esconde os fracassos ucranianos? (Está no texto)….aliás, e o papelão dos armamentos ocidentais, que não adiantaram em nada? Já viu quantos Leopard 2 e Bradley M2A2 os Ucranianos já perderam?

Heinz
Heinz
15 dias atrás

Falando em munição e mudando um pouco de assunto, no di 06/02 o EB recebeu as últimas respostas à solicitação visando a aquisição 36 viaturas blindadas de combate obuseiro autopropulsado 155mm sobre rodas (VBCOAP 155 SR) Estranho é não ter matéria sobre isso. Espero que tenha, acredito que os editores estejam muito ocupados com a variedade de noticias.

leonidas
leonidas
Reply to  Heinz
14 dias atrás

Noticias de aquisições das forças armadas brasileiras são sempre razão para aumentar a sensação de impotência em defender nossa soberania, são uma piada…

Zé Rato
Zé Rato
14 dias atrás

Analisando de forma simplista as várias guerras históricas em que se envolveu a Rússia (Guerras Napoleónicas, contra os Turcos nos séculos XVIII e XIX, Guerra de Inverno contra a Finlândia, Segunda Guerra Mundial, duas Guerras da Tchetchénia, etc…), geralmente há um padrão, em que as guerras começam muito mal para os Russos, geralmente mal organizados e mal comandados, sofrendo bastantes mais baixas do que o adversário. Contudo, o país tem reservas humanas sempre bastante superiores ao adversário, que vai lançando sucessivamente para a frente, conseguindo comprar tempo para se reorganizar, afastar lideranças incompetentes e mudar de tácticas, acabando por levar… Read more »

Henrique A
Henrique A
14 dias atrás

No fundo esses eventos denotam um amadorismo e desorganização por parte dos ucranianos. O conflito começa em 2014, até 2022 havia tempo para formar reservas e preparar adequadamente a defesa.

Last edited 14 dias atrás by Henrique A
Coronel Bakala
Coronel Bakala
14 dias atrás

A Ucrânia é a prova viva e perfeita de um Estado em regime de protetorado com um líder fantoche e claques cada vez mais desmotivadas.

André Luís
André Luís
14 dias atrás

Mas a ucrânia não estava ganhando?? rs!

SlavaKatervina

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  André Luís
14 dias atrás

Olá André. Talvez você tenha acompanhado meus comentários ao londo do último ano, no qual fui o primeiro a perceber a mudança de estratégia da Russia para uma guerra de atrito, também fui o primeiro a antever como as eleições em 2024 poderiam afetar o andamento da guerra, também comentei antes de qualquer um que havia uma assimetria na produção de armas e munições entre a produção doméstica da Russia e a dependência da Ucrãnia de ajuda externa e que as sanções economicas impostas á Russia levariam a um colapso do uso do dolar como meio de comércio exterior… claro… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Camargoer.
13 dias atrás

Mas tem 2 “poréms” aí:

1- ninguem tem 100% de certeza que, caso o Trump realme te ganhe, ele fará o que prometeu em campanha, e suspender a ajudar e $$ pra Ucrânia. Entre o discuro em campanha e a realidade do governo, tem um abismo de diferença.

2- o cessar fogo, embora seja o melhor, humanamente falando, só beneficiaria a Rússia, já que ela continua plantada em solo ucraniano e na Criméia.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Willber Rodrigues
12 dias atrás

Olá Wilber. Concordo sobre a incerteza da eleição de Trump, torcendo ou não pode ele. Comentei isso. Uma pesquisa eleitoral sempre é divulgada com a ressalva “Se a eleição fosse hoje…..” Sobre o cessar fogo, acho que todos (com exceção dos EUA) ganham. A guerra está ocorrendo em território ucraniano, o que tem destruído a infraestrutura civil do país. A Ucrânia tem consumido cerca de 30% do PIB nesta guerra. Isso é um desastro econômico que vai durar décadas para ser resolvido. Talvez, a principal condição que a Ucrãnia devesse colocar para a Rússia fosse a reconstrução da infraestrutura civil,… Read more »

Jonathan Pôrto
Jonathan Pôrto
13 dias atrás

Não tem como EUA OTAN tentarem fazer uma guerra por procuração usando a Ucrânia sem Força Aérea pra compensar a fraqueza em terra!! Vide Yom Kippur onde Israel perdeu quase metade da sua Força Aérea nas primeiras semanas de combate enquanto o Exército se recuperava do choque inicial!!

Dani Collaço
Dani Collaço
13 dias atrás

Os Russos não estavam lutando com pás de cavar trincheiras!

Nei
Nei
12 dias atrás

De fato, sem uma ajuda substancial dos aliados, pode partir para a diplomacia, mas agora não sei se a Rússia vai querer.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Nei
12 dias atrás

Olá Nei. Acredito que o principal objetivo da Rússia é um tratado no qual a Ucrânia se comprometa em ser um território neutro, fora da Otan. Esta foi a causa da guerra.