Home Noticiário Nacional Exército planeja viatura blindada de reconhecimento (VBR), versão 8×8 do Guarani

Exército planeja viatura blindada de reconhecimento (VBR), versão 8×8 do Guarani

7323
29

VBTP 8x8

Blindado de reconhecimento será desenvolvido e fabricado em Minas Gerais a partir do ano que vem. Exército recebe o 100º Guarani

Pedro Rocha Franco

O projeto de uma nova viatura blindada de reconhecimento (VBR) para o Exército vai ser desenvolvido a partir do ano que vem em Minas Gerais. O novo veículo de combate começa a ser elaborado em 2015 e em cinco anos devem ser entregues as primeiras viaturas. A previsão é que seja usada a mesma linha onde hoje são fabricados as viaturas blindadas de transporte de pessoal média de rodas (VBPT-MR) Guarani, em Sete Lagoas. O centésimo Guarani produzido em Minas será entregue ao Exército hoje. Apesar de aproveitar a mesma plataforma, o veículo será mais veloz, terá blindagem reforçada e artilharia mais pesada, possibilitando assim que seja usado em missões de reconhecimento. Ele será o substituto do Cascavel, fabricado pela Engesa a partir da década de 1970 e usado na Guerra do Golfo.

A viatura irá aproveitar boa parte das peças e sistemas usados no primeiro modelo. Entre as adaptações para atender à nova função, está a inclusão de um canhão de 105 milímetros, enquanto no VBTP-MR o poder de fogo da artilharia era de 30 milímetros ou usadas metralhadoras ponto 50 e 762. O VBR terá capacidade para três ou quatro militares, sendo o motorista o único ocupante da parte interna e o restante na torre – o comandante, o atirador e, caso seja manual, um auxiliar. Junto da tripulação haverá um cesto que comporte toda a munição. O VBTP-MR tem lugar para 11 pessoas.

“Esse modelo (VBR) tem por característica ter poder de fogo igual ou superior aos do oponente. A função dele é visualizar (o campo de combate) e retornar”, afirma o chefe da equipe de Absorção de Conhecimento e Transferência de Tecnologia do projeto Guarani, capitão Euter Martins Mozer. Outra diferença além da potência balística é que o veículo terá uma blindagem antimina mais potente e será mais pesado. Em contrapartida, a velocidade será maior, o que obriga-o a ter um motor ainda mais potente. O atual Guarani faz 100 km/h. O chassi 8×8 facilita a velocidade elevada em terrenos adversos. A capacidade anfíbia é um requisito desejável, segundo o Exército.

Segundo o diretor de pesquisa e desenvolvimento da Divisão de Veículos de Defesa da Iveco na América Latina, Giovanni D’Ambrosio, o pedido está sendo finalizado. O contrato faz parte da parceria do Exército com a empresa, que produz o Guarani, para fabricar 2.044 viaturas até 2029, ao custo de R$ 6 bilhões. “A plataforma veicular permite que sejam feitas modificações de acordo com o requisito do Exército”, afirma D’Ambrosio. Entre outros, podem ser montadas versões de socorro, ambulância e porta-morteiro.

O contrato para construção do Guarani foi assinado em 2009. O projeto previa que 60% do veículo fosse produzido no Brasil, considerando o valor da viatura. O nível já foi atingido. A previsão é que em mais três anos atinja-se 70%, com alguns componentes produzidos na planta italiana sendo transferidos para a unidade de Sete Lagoas, como a montagem da suspensão. Atualmente, bancos, motor, suporte interno, chassi, sistema de freio, entre outros, são itens nacionais.

Iveco SUPERAV (low res)
O VBR deverá ser parecido com o BAE/IVECO Super AV 8×8

Aço mineiro

Outra novidade é que em parceria com a Usiminas está em desenvolvimento um aço balístico para ser usado no VBR. Atualmente, o produto é importado do grupo alemão ThyssenKrupp. Mas o projeto nacional já está em teste na Itália para certificação internacional. Depois disso, ainda é preciso que sejam feitos testes estruturais para avaliar a qualidade do produto. Segundo D’Ambrosio, a montadora demora oito, nove meses para receber o produto, além de ser alto o custo logístico para importação do aço balístico.

Além de poder ser usado nas unidades produzidas em Minas, o aço pode ser comercializado com outras empresas e até mesmo exportado. “É uma questão militar importante, de soberania militar”, afirma o capitão, que lembra ser diretriz do comando do Exército o fomento à indústria de defesa. Em março, a fábrica de Sete Lagoas entregou as primeiras unidades do Guarani. Os veículos foram usados na patrulha fronteiriça nos estados do Sul e ficaram de stand by durante a Copa do Mundo para o caso de um ataque terrorista ou ação de descontrole.

FONTE: em.com.br

29
Deixe um comentário

avatar
29 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
rsbacchijoseboscojrColombelliCarlos Soaresrommelqe Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
carlos.asoares
Visitante
carlos.asoares

Caso eu tenha entendi, será sobreposição.

8 x 8 tem que ser algo desse calibre:

http://www.army-technology.com/projects/centauro/

carlos.asoares
Visitante
carlos.asoares

Caso eu tenha entendido, será sobreposição. Melhor:

https://www.youtube.com/watch?v=4xe3ZkkvUjo

carlos.asoares
Visitante
carlos.asoares

Lembrando que a Otto Melara tem boas relações com o Brazil:

https://www.youtube.com/watch?v=tJCKIZ3BhaE

carlos.asoares
Visitante
carlos.asoares

Mesma plataforma, várias opções:

https://www.youtube.com/watch?v=sSeGdf-PKB0

carlos.asoares
Visitante
carlos.asoares

EDITORES:

Que tal colocarem no Banner o Guarani com a “Torreta” ?

Rafael Bastos
Visitante
Rafael Bastos

Alguem saberia me dizer se o Guarani e sua futura versão 8×8 possuem capacidade para adicionar sistemas de defesa ativa como o “TROPHY”?

Bosco Jr
Membro
Trusted Member
Bosco Jr

Rafael,
Não vejo porque não! Esses sistemas de proteção ativa são modulares e feitos para se adaptarem a uma imensa variedade de veículos e o Guarani e o VBR por serem projetos atuais, devem até ter previsto esse tipo de equipamento.

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

“…..Guarani e sua futura versão 8×8 …..”

São veículos diferentes, mas pelo que entendi vão se sobrepor.

Caro Colombelli, HELP …..

rommelqe
Visitante
rommelqe

Prezados,
Houve participação da Columbus no projeto 8 x8?

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Caro Colombelli, HELP …..

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Conforme havia falado em outro post vai haver duas espécies de veiculos, um 6×6 que ja conhecemos, e outro 8×8 com canhão 105 de alta pressão. Se for ser utilizada a base do guarani, o veiculo terá de ser um tanto diferente sendo cortada parte da altura. Talvez venha ater um desenho bem diferente do 6×6, apenas utilizando a base mecânica.

Não vai sair por menos de uns U$ 4.500.000,00. Precisaremos pelo menos 350 veiculo.

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Vi um Guarani num caminhão de transportadora particular na BR 153, trevo de SJRP em direção a Araçatuba.

Não gostei, parece “uma parede”.

PQP as rodas e pneus são gigantes, é um off road puro.

Colombelli, sei lá esse 8 x 8 tá com cara de “remendo”.

Mas reitero, os Italianos tem o Centauro.

Assisti uma demonstração na España, fiquei impressionado.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Ao em vez destas elocubrações sem nexo, por que não leem o ROB nº 04.006 VBR-MR de 3 Setembro 2014, onde está completamente definido o que vai ser o novo veiculo de reconhecimento (MGS) do EB.

Como o exército tem pessoal inteligente (e como foi dito desde o inicio deste programa) o VBR-MR será desenvolvido tendo como base o projeto do VBTP-MR.

Graças a Deus, nada de Centauro, que é um veículo projetado de acordo com um cenário europeu dos anos 80.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Bacchi a questão é o desenho, e lá o desenho não consta. Forçoso convir que o Guarani nas bases em que está fica muito alto pra um veiculo equipado com canhão.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Colombelli, muitíssimo obrigado por seu comentário. É um prazer encontrar neste sitio alguém que põe alguma coisa concreta em pauta. Nós estamos enfrentando um fenômeno novo na guerra moderna; a difusão das minas e dos IEDs. Durante a 2ª GM, a Guerra da Corea e alguma outras, havia uma clara mente definida linha de frente. A s forças blindadas sabiam que rompida esta linha não haveria uma grande possibilidade de enfrentar campos de minas e eventuais IEDs (este ultimo um fenômeno das guerrilhas no Iraque, Afeganistão e Colômbia). Durante a 2ª GM foram desenvolvidos veículos (e meios) especiais para fazer… Read more »

Bosco Jr
Membro
Trusted Member
Bosco Jr

Mas se por um lado é ruim ser alto, por outro é bom porque além de aumentar a proteção contra minas e IEDs permite um aumento da consciência situacional e um arco de fogo mais ampliado.
Posso estar falando besteira, mas muito da vantagem de se ter uma silhueta baixa se perdeu no moderno campo de batalha onde um soldado sozinho pode lançar um VANT, e onde mesmo as armas de apoio direto atingem o inimigo por cima.

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

“rsbacchi 3 de outubro de 2014 at 18:09 # É um prazer encontrar neste sitio alguém que põe alguma coisa concreta em pauta.” “rsbacchi 3 de outubro de 2014 at 14:13 # Ao em vez destas elocubrações sem nexo, por que não leem o ROB nº 04.006 VBR-MR de 3 Setembro 2014, onde está completamente definido o que vai ser o novo veiculo de reconhecimento (MGS) do EB. Como o exército tem pessoal inteligente (e como foi dito desde o inicio deste programa) o VBR-MR será desenvolvido tendo como base o projeto do VBTP-MR. Graças a Deus, nada de Centauro,… Read more »

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Aliás, conforme comentado acima, as aquisições do Centauro na Itália levaram em conta um cenário.

Ok, leitura feita.

E os 84 Centauros que a España adquiriram visam o quê ?

Eles servem as Cavalarias Blindadas, inclusive os regulares da Legião.

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares
rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Grande Carlos Soares!!!

A Espanha é um país infeliz (Tirando o fato de que eles tem o Nadal, o Afonso e o Marc Marques) – eles não tem um VBTP-MR em produção do qual possam derival um MGS.

Escolheram algo que não é, nem terá oportunidade de ser derivado de um novo produto nacional.

Fizeram algo que eu teria feito.

Não é absolutamente nosso caso.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Bacchi ai que está, a altura. A questão é que se formos por uma torra 105 sobre um Guarani “comum” teremos sérios problemas de estabilidade. A solução será um carro bem diferente ou então, mantendo o “assoalho ” alto, cortar altura de tudo quanto fica acima das rodas. Nesta ultima hipótese, circula uma montagem no youtube com um Guarani de altura reduzida como base para o veiculo ( no caso um 6×6 com canhão 90). Pode ser vista aqui: https://www.youtube.com/watch?v=9_dgbDHp544 Não ma parece que esta hipótese de desenho tenha ficado muito boa. Ai caimos no questionamento: quando se fala que… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Na LAAD 2011 a IVECO distribuiu um folheto sobre o VBR-MR na versão 6X6. Neste desenho a torre (que aparentemente é a LCTS 90) está montada sobro uma estrutura que tem a altura de 2.098 metros. O Gino (oxygino) em função destas informações, fez alguns trabalhos artísticos sobre esta versão, que foram recebidos com aplausos pela galera entusiasmada. Alguns comentários sobre canhões e VBTPs sobre rodas: O maior usuário deste tipo de veículo é a Arabia Saudita que comprou Piranhas 2 8X8 com torre francesa TS 90 (Canhão F3?), e o mesmo tipo de veiculo com torre e canhão de… Read more »

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

“A Espanha é um país infeliz (Tirando o fato de que eles tem o Nadal, o Afonso e o Marc Marques) – ….”

Discordo Grande Bacchi

conheço quase todo o país, fui inúmeras vezes para lá e já morei também.

Eu prefiro as …. musas del destape, Mejor, mucho mejor …..

Como o tema proposto, veja:

http://www.ejercito.mde.es/materiales/index.html

Debemos tener en cuenta otras variables, por supuesto ….

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Bacchi,

ver ….. estoy de acuerdo …. buena máquina

http://www.youtube.com/watch?v=prLuCObCVyE

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares
rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

No exército espanhol os principais veículos blindados sobre rodas empregados nos últimos 35 anos foram: BMR-600 (Blindado Medio de Ruedas) – um VBTP 6X6 de 14 ton., cujo desenvolvimento pela ENASA começou em 1972, sendo que entregas para o exército começaram em 1979. Foram produzidos cerca de 1.400 veiculos, dos quais 415 foram exportados: Egito, Arabia Saudita e Peru. Além de seu uso principal como VBTP, o veiculo foi utilizado como carro de comando, de comunicações, porta morteiro, ambulância e recovery. Do BMR-600 foi derivado o: VEC (Vehiculo de Exploración de Caballeria) 6X6, 13,75 ton., cujos primeiros protótipos foram completados… Read more »

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Bacchi

Veja no link abaixo o título, segundo da lista:

“ARMAMENTO PESADO VEHICULO COMBATE”

http://www.ejercito.mde.es/materiales/index.html

Terás os veículos de combate atuais.

Quanto aos 8 x 8 o nome do problema chamava-se Santa Barbara, que foi incorporada pela General Dynamics

http://www.gdels.com/esp/products/products.asp

Suas afirmações acima encontram-se também em:

“Publicaciones del Ejército de Tierra”

Saludos Cordiales

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

No exército espanhol os principais veículos blindados sobre rodas empregados nos últimos 35 anos foram: BMR-600 (Blindado Medio de Ruedas) – um VBTP 6X6 de 14 ton., cujo desenvolvimento pela ENASA começou em 1972, sendo que entregas para o exército começaram em 1979. Foram produzidos cerca de 1.115 veiculos, dos quais 415 foram exportados: Egito, Arabia Saudita e Peru. Além de seu uso principal como VBTP, o veiculo foi utilizado como carro de comando, porta misseis guiados anti carro, de comunicações, porta morteiro de 81 e 120 mm, ambulância, de engenheiros de combate e recovery. Do BMR-600 foi derivado o:… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Gostaria de informar aos colegas que não se trata de uma mensagem repetida.

Eu erradamente enviei a primeira vez antes de terminar, portanto postei uma segunda vez após adicionar a parte faltante.

Obrigado