Home Diplomacia Brasil desperdiça chance de liderança diante do provincianismo de Trump, diz Celso...

Brasil desperdiça chance de liderança diante do provincianismo de Trump, diz Celso Amorim

3886
119
Celso Amorim

Por Eduardo Militão

Celso Amorim foi chanceler nos governos Lula e Itamar

O Brasil perdeu protagonismo e liderança mundial nas relações comerciais e na mediação de paz diante dos conflitos internacionais com o governo de Michel Temer (MDB). Ao mesmo tempo, desperdiça a chance de ser uma liderança cultural e intelectual nas Américas ocupando um vácuo deixado pelo EUA, cuja política de Donald Trump é não se envolver em questões estrangeiras. Esta é a opinião de Celso Amorim, ex-chanceler nos governos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Itamar Franco (PPS).

“Essa ausência de liderança, ou até de tentativa de liderança mundial, intelectual e cultural tem até uma oportunidade desde que houvesse aqui uma liderança, mas não temos nenhuma infelizmente”, afirmou ele entrevista ao UOL, por telefone, de seu apartamento em Copacabana, no Rio de Janeiro, onde mora.

Aos 75 anos, Amorim está aposentado do Itamaraty, onde serviu por cerca de 50 anos, começando antes do golpe militar de 1964. É autor do livro “Teerã, Ramalá e Doha: memórias da política externa ativa e altiva” (Ed. Benvirá), com apresentação do ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan. Ele preside o conselho da organização da ONU para pesquisa de medicamentos contra malária, tuberculose e Aids (Unitaid). Participa de conselhos de um grupo contra crises internacionais e de fóruns de partidos socialistas. Amorim foi ministro da Defesa no primeiro mandato de Dilma Rousseff (2011-2014) e das Relações Exteriores nos governos de Lula (2003-2010) e Itamar (1993-1994).

A voz internacional do Brasil hoje em dia é pouco mais que uma coisa esganiçada, não dá para ouvir.”

Veja os principais trechos da entrevista:

UOL – O senhor foi diplomata por mais de 50 anos, conhece boa parte do mundo. Como o mundo enxerga esse Brasil de políticos às voltas com a Justiça hoje?
Amorim – 
Tem muita gente que não está preocupada. Tem muita gente que quer só ganhar dinheiro. E se esse regime facilita investimentos e permite aquisições, como a da Embraer pela Boeing, eles estão pouco ligando. Agora, o que não tem, no país como está hoje, é credibilidade. O Brasil não pode propor nada. Essa é uma opinião geral mesmo de quem não estava de acordo com a nossa política externa.

É inegável que o Brasil tinha protagonismo. O Brasil criou a União Sul-americana de Nações (Unasul), modificou o padrão de negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC), o [George W.] Bush [ex-presidente dos EUA] ligava imediatamente para o Lula para propor a criação do G-20, criamos os Brics [comunidade formada pelo grupo de emergentes Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul]. Nada disso hoje em dia existe. Estamos totalmente sem liderança.

Veja a Venezuela [país em crise econômica e conflito civil com o residente Nicolás Maduro, que, acusado de corrupção, demitiu a procuradora-geral da República que o investigava e reduziu os poderes do Congresso]. Estou repetindo as palavras do chanceler [Aloysio Nunes Ferreira, senador pelo PSDB]: o Brasil não pode exercer nenhuma mediação ou facilitação porque o Brasil tem partido. Isso é uma coisa inacreditável. É o oposto do que, em 2003, o ex-presidente Lula criou o grupo de Amigos da Venezuela, teve o referendo com observadores internacionais da OEA [Organização dos Estados Americanos]. Claro que as situações vão evoluindo e talvez não fosse agora da mesma maneira, mas foi possível encontrar uma maneira.

UOL – A Venezuela é uma ditadura?
Amorim – 
A questão é complexa. Certamente houve erros, mas os preços de petróleo caíram de maneira brutal, o que permitia uma certa paz social na Venezuela, que tem dependência total do petróleo. E há uma situação geral de boicote da maior potência do mundo.

Bruna Prado/UOL

Amorim diz que seu ‘objetivo maior é ajudar um projeto progressista no Brasil’ e desconversa sobre ser candidato ao governo do Rio pelo PT

UOL – Mas o senhor considera a Venezuela uma democracia?
Amorim – 
Não estou falando isso. Mas também não considero o Brasil uma democracia.

UOL – O senhor não considera Venezuela e Brasil democracias?
Amorim –
 Democracias plenas não. Também nem sei onde há democracia plena. Há graus de democracia. Lá, eles adotaram um outro caminho. Não estou defendendo, mas estou explicando. Não é uma invenção do [Hugo] Chávez [ex-presidente da Venezuela, morto em 2013] que houve um golpe de Estado patrocinado pelos EUA.

Frase do Millôr Fernandes: o fato de eu ser paranoico não quer dizer que não esteja sendo perseguido. Eles tomam as medidas, que talvez não sejam as mais democráticas, mas eles têm uma psicologia de cerco, que decorre de várias situações. Para falar na Venezuela, é preciso contextualizar.

Tenho mais de 50 anos de diplomacia. Entrei para o Instituto Rio Branco antes do golpe militar. Nunca tinha visto um presidente norte-americano [Donald Trump] ameaçar um país sul-americano com o uso da força. Essa ameaça pode ser ao Brasil ou a outra força, não precisa ser de esquerda, basta contrariar um interesse.

UOL – Trump cortou verba da ONU. Isso afeta imagem da instituição?
Amorim – 
Afeta a imagem do Trump. Pela primeira vez depois da 2ª Guerra, os EUA não têm um projeto para o mundo. Bem ou mal, eles tinham, fizeram muita besteira. Mas fizeram a Organização Mundial do Comércio, o Banco Mundial e a própria ONU. Até a defesa dos interesses deles ficava disfarçada dentro desse projeto. Agora, eles não têm projeto. O único projeto é “America first” [“A América primeiro”, um dos lemas de Trump] e o resto que se dane.

É esse tipo de atitude que se reflete nesse corte de verba para as Nações Unidas, na total desconsideração a outras decisões da ONU, até mais importantes que esses US$ 200 milhões, que estão cortando agora, como qual será a capital de Israel e da Palestina. É um ponto extremamente sensível que só pode ser resolvido no final das negociações.

Tudo demonstra despreza pela opinião que se formou no mundo em torno do tema. Isso pode gerar conflitos. Para a América do Sul, essa atitude do Trump poderia… Essa ausência de liderança, ou até de tentativa de liderança mundial, intelectual e cultural tem até uma oportunidade desde que houvesse aqui uma liderança, mas não temos nenhuma infelizmente.

Porque o único país que teria capacidade para isso (assumir a liderança regional) é o Brasil, que está como está.

UOL – México, Argentina, Chile e Colômbia não teriam essa força?
Amorim – Não têm. O México está muito perto dos EUA. Tenho grande admiração pelo povo mexicano, mas tem a limitação imposta pela geografia. Os outros têm peso, mas não o do Brasil, que é metade da América do Sul em território, população e PIB, entre 35% e 40% da América Latina. Fui embaixador no governo Fernando Henrique. A projeção do Brasil cresceu muito no governo Lula, mas ele já tinha projeção, era respeitável.

UOL – Nosso protagonismo internacional está menor do que no governo FHC?
Amorim – 
Muito menor. No governo FHC, eu não concordava com as privatizações, mas era um governo com legitimidade, tinha sido eleito, o Fernando Henrique foi reeleito. O governo Collor não dá para medir porque depois do primeiro ano já começou o impeachment. No governo Lula, as políticas sociais deram ao Brasil uma capacidade de atuação internacional, o que se chama de soft power. E isso agora não tem nada. Você não pode comparar.

O Brasil é maior do que no governo Sarney, mas, se for tomar do que era dois, três anos atrás, nunca houve uma queda de credibilidade. Sempre procuramos atrair, mesmo quando não concordávamos com opiniões. Quando a Colômbia atuou no Equador atrás das Farc sem pedir licença, havia sugestões mais radicais, mas o Brasil não achou interessante isolar a Colômbia. Preferimos o diálogo. A voz internacional do Brasil hoje em dia é pouco mais que uma coisa esganiçada, não dá para ouvir.

UOL – Quais são os principais desafios para o Brasil em 2018?
Amorim – 
Tem muitas coisas complexas. Se tivesse no Brasil um partido de centro, talvez houvesse uma aliança da esquerda com o centro para combater o fascismo. Problema que não há centro, mas aqueles que não têm partido nenhum a não ser o do “eu primeiro”, uma versão brasileira tupininquim do Trump.

Vai ser uma batalha das forças progressistas de lutar pela volta de um projeto socialmente mais justo e uma política externa mais autônoma e, ao mesmo tempo, lutar para que movimentos de extrema-direita e de ódio não se propaguem.

Mas tenho esperança que se possa encontrar um caminho. Esse caminho depende de termos eleições diretas e realmente irrestritas. Depois, necessariamente, revogar essas medidas tomadas no governo Temer, que não tinha legitimidade para praticamente fazer mudanças de nível constitucional, como a reforma trabalhista. E, ao mesmo tempo, conduzir um processo de reforma política. Não é fácil. Tem que tomar o trem e depois consertar a roda com o trem andando.

UOL – Temos um presidente da República denunciado criminalmente, mais de uma dezena de ministros e parlamentares investigados ou denunciados à Justiça às vésperas de uma nova eleição e o líder nas pesquisas é um ex-presidente condenado por corrupção. Há mais corrupção ou o Judiciário está agindo de maneira diferente?

Amorim – As investigações produziram vários tipos de resultados diferentes. Não se pode comparar, embora não tenha havido condenação porque o Congresso não permitiu a continuidade das investigações, o tipo de acusação que é feito ao atual presidente e a vários ministros e ex-ministros dele, em que uma das casas foram encontradas 50 malas [o ex-ministro Geddel Vieira Lima tinha R$ 51 milhões escondidos em apartamento em Salvador], coisa que nem em filme policial se via, é totalmente diferente, embora judicialmente ela esteja mais adiantada, da acusação feita ao ex-presidente Lula.

A meu ver, (a acusação contra Lula) é muito baseada em coisas muito frágeis, que não se sustentam. É opinião de mais de cem juristas que escreveram livro comentando a sentença inclusive do ponto de vista processual, independentemente se você goste ou não do ex-presidente.

Bruna Prado/UOL

Amorim é autor do manifesto “Eleição sem Lula é fraude”

Você tem uma ação por um determinado tipo de acusação e é condenado por outro, coisa que não existe no direito processual [Lula (PT) foi condenado a nove anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro porque, segundo Sérgio Moro, recebeu um tríplex como propina em troca dos favores que prestou à empreiteira OAS durante seu governo]. Isso afeta o cenário, sendo ele de longe o candidato preferido pela população brasileira.

Tomei a iniciativa, não sozinho de fazer um manifesto “Eleição sem Lula é fraude ao povo”, porque tira o direito do povo de se manifestar, de ter um tipo de projeto mais voltado por questões sociais. O manifesto [lançado em meados de dezembro] tem perto de 80 mil assinaturas e nomes como Noam  Chomsky [linguista norte-americano de esquerda], Yanis  Varoufakis [ex-ministro da Economia da Grécia], Richard Falk [ex-investigador da ONU para direitos humanos em territórios palestinos], Perez Esquivel [arquiteto argentino ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1980 e militante dos direitos humanos], Cristina Kirchner [ex-presidente da Argentina], Fábio Konder Comparato [jurista brasileiro] e o cantor Chico Buarque.

O caso Temer e os outros casos há acusações que nem sequer puderam ser apuradas porque houve bloqueio através de procedimentos que deixam a gente meio ruborizados. Trocar votos por posições em relação… emenda parlamentar, trocar recursos por posicionamento político. Se você comparar as acusações nos dois casos que chegaram ao Congresso sobre o Temer [por supostamente pedir e receber uma mala de dinheiro de R$ 500 mil por meio do ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, o presidente da República foi denunciado duas vezes, por corrupção passiva e organização criminosa] com as que pesaram sobre a Dilma [Rousseff, ex-presidente deposta no impeachment em 2016], não há termos de comparação. São coisas diferentes.

Agora, de fato, o Brasil vive um momento difícil. O ano vai ser decisivo, temos várias armadilhas jurídicas, há ameaças com a extrema-direita crescendo nas artes, na cultura, nas universidades, nessas conduções coercitivas, que tornam, digamos assim, o fascismo batendo à porta. E isso tem sido tratado com quase uma normalidade. Se o Lula ou alguém progressista vai ganhar ou não as eleições, eu não sei. De qualquer maneira, é importante que o povo tenha a oportunidade de escolher quem for de sua preferência. Eu acho também que o Brasil terá que passar por uma profunda reforma política senão a mesma situação vai acabar se reproduzindo, com quem quer que seja eleito.

Do Sarney até o Fernando Henrique e mesmo nos governos do PT, esse chamado presidencialismo de coalizão tem levado a alianças que não são nem ideológicas.

UOL – Do Sarney até o governo Temer, todas as práticas se repetiram?
Amorim –
Em graus diferentes, evidentemente. Para a emenda da reeleição do Fernando Henrique, o que está acontecendo agora… E também a necessidade de compor com um Congresso em que o interesse fisiológico predomina.

Alianças são normais. Na Alemanha, o partido conservador se alia com o social-democrata, dois partidos de ideologias diferentes, o que exige concessões.  Mas no Brasil não é isso que acontece. O partido que está no poder, que teria hegemonia, seja mais progressista, mais à esquerda, como do ex-presidente Lula, seja mais de centro-direita, como foi do Fernando Henrique, tem que se coligar com interesses puramente fisiológicos. É um elemento de deformação da política.

UOL – É o cargo, a emenda…
Amorim – 
Exatamente.

UOL – O senhor acredita que isso aconteceu do Sarney ao Temer…
Amorim –
Tem acontecido sempre em virtude do sistema eleitoral brasileiro. Claro que aconteceu em graus e com objetivos diferentes. No governo Lula e Dilma, foram feitos enormes progressos sociais, mas também, para obter isso, foi preciso fazer alianças não-ideológicas. É você captar votos puramente fisiológicos. Os que estavam apoiando o governo do ex-presidente Lula, para não falar do PMDB, passaram a apoiar o impeachment e hoje estão no governo.

Bruna Prado/UOL

Celso Amorim diz que Brasil desperdiça chance de ser protagonista na América do Sul

UOL – E que eram os que apoiavam o governo FHC…
Amorim  –
Claro. Antes apoiavam o FHC. O que se chama de “Centrão” não é que as pessoas sejam de centro. Mas como os interesses são muito localizados, muito ligados ao clientelismo, não vou nem falar de corrupção, eles estão prontos a se aliar com qualquer um. Uma reforma política para valer só pode acontecer na sequência de uma eleição presidencial em que o presidente eleito tenha grande apoio popular para liderar o processo, não impor. Se não você terá o Congresso atual que não votará contra os interesses que os levaram ao poder.

UOL – A reforma política é para lidar com o financiamento eleitoral?
Amorim –
Não é um problema só da oferta do dinheiro [As doações empresariais estão proibidas no Brasil desde 2016, mas, como reação, os congressistas elevaram os recursos públicos nas campanhas de cerca de R$ 300 milhões por ano para mais de R$ 1 bilhão por ano]. É bom ter proibido o financiamento por empresa, mas você deixa os limites muito altos para financiamento individual. Obviamente isso desvirtua. Mas é também problema da demanda do dinheiro.

Você tem que tornar as eleições menos caras. Esse sistema proporcional uninominal, em que você vota num candidato, torna as eleições extremamente caras. Eu prefiro voto em lista, que mais fortaleceria os partidos, mas pode se conceber outro.

UOL – Se Lula não for candidato a presidente, o senhor é um plano “B” do PT?
Amorim –
Nossa tarefa no momento é viabilizar a candidatura de Lula. Eu ainda estou no plano “A” e pretendo continuar nele.

FONTE: UOL

119 COMMENTS

  1. O Brasil perdeu protagonismo e liderança mundial nas relações comerciais e na mediação de paz diante dos conflitos internacionais[…]…..?!?!?!??!?!??!

    Mais uma viúva da esquerda chorando. Esse cidadão não tem para mim qualquer credibilidade, nem ele nem o falecido toc toc , ambos mentores de nossa política externa …Na época deles, eramos notícia realmente devido nossa aproximação com o Iram e as ditaduras da América Latina e da África….Graças ao pessoal por quem ele chora caímos numa crise sem precedentes e somos realmente notícia (-) mundo a fora via Petrobrás e Odebrecht.

  2. Parem de dar voz a lunáticos, se estamos nesta delicada situação hoje muito se deve a essa mula do Amorim, não temos capacidade de captanear absolutamente nada, nossa situação é delicada e a última coisa que precisamos é de um doente mental como Amorim dando PITACO …

    Ele fala em liderança regional mas não considera a Venezuela uma ditadura, não seremos respeitados enquanto adotarmos uma filosofia de botequim, podemos até possuir uma diplomacia ativa, mas se não tivermos algo que nos de respaldo não conseguiremos nos impor na liderança regional, ele cita erros do governo Temer mas como não se lembrar do “anão diplomático” que Israel nos impôs. O Brasil não tem que dar pitaco na vida alheia enquanto não possamos por ordem em nossa própria casa, liderança regional e Conselho de Segurança da ONU só irão vir quando começarmos a investir em armas e passarmos a “falar grosso”, caso o contrário iremos ser sempre o gigante anão diplomático …

  3. FONTE: UOL
    UOL é um lixo!
    kkkkkk liderança, falou o anão diplomático! Esse Celso Amorim é um canalha que fez parte da maior organização criminosa que o país já viu. Ontem a Petrobras fez um acordo para pagar uma multa de 10 bilhões de reais para investidores que tiveram seus investimentos dilapidados por criminosos do Estado, graças a organização criminosa que esse senhor fez parte.
    Olha a liderança do Celso Amorim: Cuba (ditadura), Bolívia (populismo), Venezuela (ditadura), Argentina (populismo), Uruguai (populismo), Irã (ditadura), Líbia (kadafi), Nicarágua, Angola (ditadura).
    A mesma liderança que acabou com a Venezuela! A mesma liderança que levou o Brasil a sentar no colo do presidente chinês e seus fundos de investimento. A mesma liderança que fez o Brasil, um país mostruoso de 210 milhões de pessoas, a passar pela humilhação de receber médicos cubanos. A liderança desse senhor é ser palhaço de outros países em troca de votos na ONU e contas em paraísos fiscais.
    “”””””””O valor de R$ 50,5 bilhões que o BNDES emprestou para 140 grandes obras fora do país é “incompatível” com o gasto realizado pelo banco no Brasil, como deveria ser. A conclusão é de uma auditoria prévia do TCU (Tribunal de Contas da União) realizada sobre obras de rodovias, portos, aeroportos, entre outros feitas em países da África e da América Latina que foram financiadas pelo banco estatal brasileiro entre 2006 e 2014.”””””‘
    FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/06/1777284-financiamento-do-bndes-as-obras-no-exterior-e-maior-do-que-o-feito-no-pais.shtml
    (Usei a mesma fonte do FORTE, a fonte é do jornal Foice de SP, uma empresa do grupo UOL, empresa na qual o dono dorme agarradinho com a família Marinho, família essa que ataca Trump 24 horas por dia e protege 90% do congresso corrupto brasileiro).
    Olhem que curioso, tem 50 bilhões para emprestar com juros de 2-4% ao ano para outros países, mas não tem dinheiro para duplicar a rodovia que passa perto da minha casa, todos os dias BRASILEIROS morrem nessa rodovia, famílias morrem nessa rodovia todos os dias! Tal rodovia liga diversas cidades com indústrias até 2 portos, excesso de caminhões e carros, pista com buracos, apenas 1 pista indo e 1 pista voltando, falta de acostamento.
    Tem 50 bilhões para os amigos, mas não tem dinheiro para criar cursos de medicina nas federais, dar emprego para os jovens brasileiros e melhorar a saúde pública…
    Outra indagação, de onde vocês acham que vem o grosso do dinheiro do BNDES? Vem do lançamento de títulos públicos, é com o endividamento do Brasil que o dinheiro aparece no caixa do BNDES, o juros no Brasil é um dos maiores do mundo, percebam que os brasilerios estão pagando juros elevados para melhorar a qualidade de vida em outros países. Não é em vão que a dívida pública brasileira cresceu em termos reais o equivalente a 3 vezes em apenas 13 anos!
    Essa Celson Amorim é um canalha!

  4. E quando foi que o Brasil teve “protagonismo e liderança mundial nas relações comerciais e na mediação de paz” nos 13 anos de governo do PT?
    .
    Quantos acordos comerciais foram firmados no período petista??? Apenas 3. Com as potências comerciais de Israel, Palestina e Egito.
    .
    Quantos conflitou mediou com sucesso??? ZERO.

  5. donitz123 6 de Janeiro de 2018 at 13:42
    Verdade
    “”Quantos conflitou mediou com sucesso??? ZERO.””
    Antes de mediar outros conflitos, precisamos mediar o nosso conflito, a guerra contra o narcotráfico no Brasil! Em apenas 5 dias já morreram 2 policiais militares no RJ. Ano passado o Brasil teve mais assassinatos do que a Europa inteira, Canadá, USA, China e India. Nosso país precisa ser pacificado!

  6. Débil mental lunático cúmplice da desolação dos governos esquerdistas na América.

    Olhem o nível…
    “UOL – Mas o senhor considera a Venezuela uma democracia?
    Amorim – Não estou falando isso. Mas também não considero o Brasil uma democracia.”
    * Fugiu do assunto. Ele queria mesmo era responder tal qual o seu patrão condenado, que na Venezuela tem democracia até demais.

    Mais…
    “Nunca tinha visto um presidente norte-americano [Donald Trump] ameaçar um país sul-americano com o uso da força. ”
    * Esse psicopata do Amorim tá mais preocupado em soltar sua retórica vazia anti-americana, do que com os milhões de pessoas que estão MORRENDO DE FOME AGORA lá na Venefavela por causa do socialismo da sua esquerda utópica.

    Malditos revolucionários que não se importam com o sofrimento humano, vale tudo, todas as mentiras para manter “a causa”.

  7. Foi gente como ele e com pensamento como o dele que em 2004 reconheceu a China como economia de mercado, que posteriormente assinou junto a ONU o “tiro no pé” sobre as nações indígenas, que tem e a venezuela como democracia. Mesmo sendo democratico, acho uma perda de tempo o forte dar trela a esse cidadão.

  8. Sim, claro, a culpa é sempre ¨dus americanus malvádus¨!
    E olha só quem fala: a própria personificação do anão diplomático!
    Esse cara tinha que estar na cadeia junto com seus ¨cumpanherus¨ e não ficar dando entrevista!

  9. Nas relações internacionais, nenhum país tem grande relevância se não tiver, também, forças armadas aptas a sustentar militarmente a posição política do país. Não por acaso, os países de maior relevância também são potencias militares. Veja o exemplo a Rússia: economicamente, o Brasil já é maior do que a Rússia, mas inegavelmente a Rússia tem um protagonismo que o Brasil não tem. E qual o motivo disso? Sua capacidade militar.
    E isso é coisa antiga. Tucídides já escrevia sobre isso no “Diálogo de Melos”, 2500 anos atrás,
    E como o Brasil vai nisso? Nossas forças armadas são adequadas para a defesa territorial do Brasil, mas não mais do que isso.
    O resto é delírio de um camarada que é incapaz de afirmar que a Venezuela é uma ditadura e ainda tem a cara de pau de dizer que o Brasil, em termos de democracia, está mais ou menos no mesmo nível da Venezuela, já que ambos não seriam “democracias plenas”.

  10. E qual teria sido a “liderança internacional” exercida pelo governo ao qual o cidadão ali participou? Levar empreiteiras para os outros países populistas com governos da mesma estirpe, para todo mundo encher os bolsos em transações escusas?

  11. Esse cara vive no mundo da lua. O Brasil tem um modelo econômico falido, com a renda per capita estagnada há 30 anos, PIB quase igual ao do estado da Califórnia, menor crescimento da America Latina, etc. Na área militar nossas forças estão em boa parte sucateadas, perdendo em modernidade e operacionalidade para o Chile. Na área politica nós temos um presidencialismo disfuncional que vive em crise politica desde 1988. Qual país da região seria louco o bastante para seguir o Brasil?

  12. Foi com a visão deturpada de um terceiro-mundismo decadente que pautou o corrupto governo Lula que esse senhor foi ministro das relações exteriores. Lambe-botas dos petralhas.

  13. “Nos governos Lula e Dilma foram feitos grandes progressos sociais…”
    À custa do aparelhamento e destruição da Petrobras e cooptação das maiores empreiteiras do país. Cale a boca Celso Amorim.

  14. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…
    Foi justamente durante o governo da petezada, quando esse sujeito era ministro das relações exteriores, que o Brasil foi chamado abertamente de “ANÃO DIPLOMÁTICO”.

    Mediar conflitos e promover a paz no mundo? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk… Que moral tem um país a querer “promover” a paz a outros países, se no Brasil morrem a cada ano, mais de 70 mil pessoas assassinadas? Que moral tem o Brasil, sendo o 15º país mais violento do mundo?
    Que moral tem o Brasil, sendo que das 50 cidades mais violentas do mundo, quase a metade, 21, ficam no Brasil. 92% dos assassinatos não são investigados e os autores ficam impune.

    Não vou nem comentar as questões sobre “liderança” comercial e meus Deus do céu… cultural? Sério? Meu pai celestial, me dai forças para suportar esse meu ataque de risos kkkkkkkkkkkkkkkk…

    Esse sujeito, como todo e qualquer vermelhinho, parece comer esterc0. Essa gente, simplesmente, em nome de uma ideologia autoritária, medíocre e fracassada, abandonam a realidade e vivem num mundinho imaginário.

  15. ” Tem muitas coisas complexas. Se tivesse no Brasil um partido de centro, talvez houvesse uma aliança da esquerda com o centro para combater o fascismo. Problema que não há centro, mas aqueles que não têm partido nenhum a não ser o do “eu primeiro”, uma versão brasileira tupininquim do Trump.”
    .
    Centro é nome bonito para partido cuja a ideologia é unicamente o fisiologismo. Vivi para ver alguém defender que o problema do Brasil é falta de partidos de centro…

  16. Esse meu chara deve ter um serio problema ao raciocinio e ao tirocinio. Tolo, omisso, ignorante, covarde torpe, inutil etc…qualquer adjetivo nessa linha sera um elogio. Pior mesmo eh sabe q este canalha ainda vive as nossas custas com polpuda aposentadoria pga por todos nos……….arghhhhhhhhhh LIXO

  17. NEM sei pq truxeram esse cara à baila.
    ELE e o Marco Aurélio Garcia -indissociáveis!- foram o que de vagabundo e bagaceiro existiu em termos de relacionamento externo.
    Os ‘financiamentos’ em terras africanas e sulamericanas tiveram o dom de arrenbentar com o Brasil.
    O acordo da PETROBRAS diz bem da nossa atividade em comércio exterior.
    Ele, um anaozão, o outro um ideológico ignorante e corrupto.

  18. Não dá para levar a sério o megalonanico Celso Amorim, um dos artífices da mais ideologizada e desastrosa diplomacia que “estepaiz” já teve!

    Quanto à entrevista ele passa metade da mesma louvando o Lula e para piorar ainda tem a desfaçatez de não reconhecer que a Venezuela hoje é uma ditadura.

  19. Esse anão diplomático parece que não está a par do que está acontecendo na Venezuela. Muitos venezuelanos da cidade de Pacaraima que faz fronteira com Boa Vista e Roraima, estão atravessando a fronteira em busca de alimento e abrigo, e muitos deles acabam se envolvendo em roubo e furtos de celulares e acabam sendo presos pela polícia brasileira. Acontece que o PCC enxergou nisso uma oportunidade e estão recrutando os venezuelanos presos para aumentar seu fluxo internacional, criando uma crise carcerária na Penitenciária Agrícola de Roraima. E isso chamou a atenção dos EUA. Mas uma coisa é fato: pelo menos agora, tanto DEA (Drug Enforcement Administration – agência de combate ao narcotráfico norte-americana) quanto o FBI (Federal Bureau of Investigation – serviço de inteligência dos Estados Unidos) estão instalados e bem na nossa região, em cooperação direta com a Polícia Federal (PF) e outras forças de inteligência brasileira. Motivo? O PCC (Primeiro Comando da Capital). O envolvimento do PCC com outros países e a ligação com o grupo extremista Hesbolah, ascendeu o alerta internacional e trouxe esses órgãos americanos para a Tríplice Fronteira.

  20. Até parece que o Brasil acertou em alguma política externa nos tempos deste senhor… Os caras concederam refúgio ao terrorista italiano Cesare Battisti, se aproximaram do Irã, apoiaram varias ditaduras, etc… Entrevista inútil e “desinformativa”.

  21. É incrível como aliados se tornam inimigos. Quem colocou o Temer no poder foi o próprio PT, quando decidiu se aliar a ele para sua campanha eleitoral com a perdida da Dilma. O que nosso país precisa não é de eleições, e sim de uma revolução. Presidencialismo de coalizão é um veneno que está nós matando lentamente. Não importa quem se eleger, será mais do mesmo com essa classe politica covarde e corrupta, que expulsa nossos cientistas e nos nega nosso futuro. Não vamos nos esquecer do nosso judiciário, que existe apenas para poderoso e vivem em ilhas de prosperidades.

  22. Já que se falou na Venezuela é preciso relembrar que o Lulopetismo não apenas foi conivente com o bolivarianismo como o apoiou abertamente, o que de certa forma o torna responsável ainda que em parte pela tragedia atual no país vizinho

  23. Esse cara é uma piada, se o Brasil é um anão diplomático ele tem grande culpa e agora quer vim dizer que o país virou anão do dia para noite com o Temer. O Brasil não mandava nem no mercosul e unasul, estava sendo dominado pelos vizinhos nanicos.

  24. Muito útil a entrevista.

    Agora eu entendo um pouco mais como funciona a cabeça desta turba de canalhas psicopatas que governam este pais.

  25. O pessoal radical de extrema direira apoveitou a entrevista do Amorim para soltar seu veneno, claro que tem exageros nas suas posições, mas foi uma entrevista bem lúcida, parabéns ao Blog por colocar a visão dos dois lados para conhecimento.

  26. Pela primeira vez todos os participantes do FORTE concordam com a mesma linha de raciocínio kkkkk
    Chega a ser bonito!

  27. Walfrido Strobel 6 de Janeiro de 2018 at 18:24
    “”radical de extrema direira””
    Que isso? Jornalista da Globo destilando…? Bem lúcida?
    kkkkkk só foi eu comentar! Minha alegria durou 3 minutos kkkkk

  28. MIMIMIMI UM IMBECIL DE TERCEIRA CATEGORIA, UM MEMBRO DA CORTE QUE LEVOU O PAIS A ESTE CAOS.
    NÃO TEMOS POLITICA EXTERNA E VC É UM DOS CULPADOS POR ISSO, SEU RETARDADO DE ESQUERDA.

  29. Mesmo que o Brasil tivesse uma postura de liderança internacional não teria capacidade de aproveitar essa posição. No governo petista so a elite burocratica e os empresarios alinhados com o partido se deram bem.

  30. Esse grupo a que esse retardado pertence,participa ou sei lá o quê não sabe gerar riqueza o país para ninguém quer vir investir aqui.Vide a Venezuela o povo parado,dividido e com fome esse é o modelo de país para esse imbecil.

  31. É realmente bem legal o site mostrar os 2 lados da discussão. Mas isso não muda o fato que esse cara é maluco!

    Eu não gosto do Temer mas se existe alguma coisa acontecendo no país de bom, nem que seja algo mínimo nestes últimos 10 anos, é no governo dele.
    O que ele acha que o Brasil tem que fazer? Começar a se meter no assunto dos outros como se fosse tomar o lugar dos EUA no cenário mundial?
    E bela desconversa na hora de falar da “democracia” da Venezuela.

  32. Protagonismo na visão do elemento = dar dinheiro pra financiar ditaduras e amigos de ideológica as custas do contribuinte; ser achincalhado por paraguai, bolívia e equadros; tomar calote da venezuela e amigos africanos; alinhar-se com o Irã; chamar as FARC para participar de encontros ( tarso genro).
    Simplesmente associaram o país a escoria do mundo e criaram uma desconfiança que acabou com 100 anos de diplomacia de primeira e que perdurará por anos.

  33. Bom mesmo é o Aloísio Nunes, esse sim é um grande ministro das relações exteriores assim com temer um exemplo de presidente e líder e Gilmar solta bandido um juiz imparcial o lula tirou o Brasil do primeiro mundo e e so nos trouxe pobreza e transformou o Brasil no m Brasil
    Saudades do grande fhc pena que o Aécio não ganhou
    A culpa não é minha eu votei no Aécio aspirador de pó se o Huck se candidatar eu vou votar nele

  34. Walfrido Strobel 6 de Janeiro de 2018 at 18:24

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk tava demorando a aparecer alguém aqui da terra da fantasia e com cérebro de mortadela para defender a escória da petezada medíocre e delirante. Graças a Deus esquerdismo não é doença contagiosa, apenas pura e simplesmente, degeneração cerebral irreversível.

  35. Ou seja caro Amorim, a Venezuela eh uma ditadura pq os eua boicotam seu petroleo? Fala serio…vai se tratar petralha sem vergonha…

  36. O embaixador é um homem com formação e conhecimento. Assim é indesculpável as suas posições, não dá para alegar desconhecimento. O embaixador errou no passado e continua tentando justificar seus erros. O que foi que esta gente fez para engrandecer o Brasil perante o mundo? Só resta a ele ficar feliz quando aparece outro idiota de quilate comparável ao Nosso Guia.

  37. O esquerdismo no Brasil era uma posição política, virou uma seita e mais recentemente passou a ser uma doença mental grave, o indivíduo infectado passa a ter delírios alucinógenos de um futuro irreal, uma crise onde ele vê conspirações e perseguições de inimigos imaginários que no final se resumem a uma entidade maléfica chamada “UZAMERICANU”, também passam a ter crises de raiva e uma cegueira seletiva, ele passa a deixar de acreditar em sí próprio e cria passa a ter o sentimento de ser precisa ser regido por um estado paternalista, ele acredita que o indivíduo deve se submeter a uma entidade superior e abrir mão se sua liberdade em prol de um suposto “bem estar coletivo” … efeitos secundários são a limitação no vocabulário e repetição de frases como “Não Vai Ter Golpi”, “Culpa das Zelites” …

    Tudo isso configura uma doença mental grave que deve ter tratamento, se deve evitar contato com o infectado com esquerdismo com risco de dano a sua paciência ou dano a sua integridade física ou mental (por vezes quando confrontado o esquerdista pode ficar agressivo, nestes casos se afaste e se possível o alimente com um pão com mortadela) …

    ESQUERDISMO É DOENÇA MENTAL … CUIDADO

  38. Wolney 6 de Janeiro de 2018 at 19:18
    Ninguém aqui defende bandido…ninguém aqui elogia Aloisio Nunes e cia, aliás, esse faz o mínimo que o Brasil merece: se afastar desses países porcarias! Isso é o mínimo!

  39. Fellipe Barbieri 6 de Janeiro de 2018 at 20:53
    .
    Comentário irretocável. Descreve a mais pura realidade dos fatos. Os líderes esquerdistas são psicopatas, capazes de qualquer perversidade, e seus seguidores são histéricos, não são psicopatas mas adoecem mentalmente, com surtos histéricos para defender todas as contradições esquerdistas que dão curto circuito em seus cérebros.Comunismo-socialismo-nazifacismo não são ideologias, mas usam essas, que podem ser contraditórias, e seu inverso, quantas vezes necessário for, como pretexto para atingir o poder total. Vejam que o socialismo matou milhares de homossexuais por serem gays em Cuba e na URSS, mas os usa como ponta de lança no Brasil,EUA e Europa, para destruir as famílias, reduzindo as pessoas em átomos soltos, demolindo resistencias e abrindo o caminho para enfeixarem todo o poder.
    Esse asqueroso do Celso “Anão Diplomático” Amorim só cumpre a cartilha.

  40. O Brasil continua com a mesma liderança e protagonismo de antes..

    A diferença é que a diplomacia atual tem mais senso do ridículo que nos tempos do Amorim.

  41. Ele defende uma posição de destaque para o Brasil, mas pela ideologia errada. Não tem como acertar.
    .
    Mal sabe disfarçar que quer ser candidato.
    .
    50 anos de serviço são louváveis, mas não me lembro dele defender estas teorias na época do Itamar.
    .
    Só vendo messingélicos pirando com o “anão diplomático” ainda… triste isso. O Brasil tem 150 anos sem guerras com vizinhos, mais de 100 com fronteiras definidas, mas um país estrangeiro com menos de 70 anos é referência diplomática. Não sei onde.

  42. Muito significativo: “É autor do livro “Teerã, Ramalá e Doha: memórias da política externa ativa e altiva” (Ed. Benvirá), com apresentação do ex-secretário-geral da ONU KOFI ANNAN. Ele preside o CONSELHO DA ORGANIZAÇÃO DA ONU PARA PESQUISA DE MEDICAMENTOS CONTRA MALÁRIA, TUBERCULOSE E AIDS (UNITAID). Participa de conselhos de um grupo contra crises internacionais e de fóruns de partidos SOCIALISTAS.” Diz MUITO do que realmente é a ONU.
    O atual secretário geral da ONU é o SOCIALISTA português António Gutérres. Antes chefiou por anos a agência da ONU para refugiados. Pesquisem o que aconteceu na última década com a crise dos refugiados na Africa, e a migração em massa para a Europa. Certamente Amorim vai fazer um GRANDE trabalho para a AGENDA da ONU.

  43. Não esquecendo: Aloísio Nunes, atual anão diplomático do Itamarati, é o ETERNO motorista do terrorista e facínora Carlos Marighella. A turma é uma só desde 1985. PMDB-PSDB-PT. Três socialistas. Dois fabianos, um stalinista, todos corruptos, fisiológicos, mamadores nas tetas do estado, sugadores de nossos bolsos. O Bom, o Mau e o Feio. O centro-direita(fake), o centrista(fake) e o centro-esquerda(fake). Três grandes atores. O poder é o que importa.

  44. Strobel, melhor ninguém saber que você foi oficial da FAB. Esse seu comentário envergonhou. Acho que fizeram lavagem cerebral na faculdade que você cursou depois. Tenho um companheiro de turma que, depois da EPCAR, foi pra Escola Naval. Se formou no Corpo da Armada. Casou com uma professora da UFRJ que transformou o caboclo num comunista de carteirinha. Foi excomungado da turma. Nem comparece nas reuniões.
    Difícil acreditar que cursamos, eu e você, a mesma AFA.

  45. Quando uma pessoa se torna de fato comunista, ela pode ser padre, bispo ou mesmo papa; pastor, liberal ou conservador; PM, PC ou PF; Marinha, Exército ou Força Aérea. Ela sempre será 1º um militante da “causa” marxista. E começará a corromper seu entorno, onde quer que vá, RELIGIOSAMENTE. Pode ser aos berros, com argumentos, ou subrepticiamente, e insensivelmente. O evangelho comunista deve atingir a todos. Um socialista o é 24/7.

  46. Manchete de hoje do Estadão:

    “BNDES corre risco de calote de US$ 2 bi de Angola, Venezuela e Moçambique

    Se esses países não honrarem o pagamento de empréstimos feitos para financiar obras de empreiteiras brasileiras no exterior, quem vai arcar com a dívida é o Tesouro Nacional, que deu garantia ao negócio; Odebrecht foi a mais beneficiada”

    http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,bndes-corre-risco-de-calote-de-us-2-bi-de-angola-venezuela-e-mocambique,70002140857

    Essa é uma das consequências da política externa do governo ativo que o Dr. Amorim fez parte…

  47. O tal do diplomata não teve nem culhões de dizer que a Venezuela é uma ditadura, “eles tomaram um caminho diferente”, vai para aquele lugar…

    Se não elegermos Bolsonaro Presidente este ano, a esquerda vai continuar mandando e vão vir com tudo para deixar o Brasil do jeito que eles querem! Tudo o que não implantaram nos governos dilma e lula vão implantar agora, no forceps!!!

  48. Pessoal, pergunta de um não militar. Qual o significado de um politico bater continencia para uma força extrangeira?

  49. Ricardo,
    Não sou militar mas a continência para o militar é como o aperto de mão para o civil e não com demonstração de fidelidade . Militar bate continência para outros militares, civis de modo geral que lhes são apresentados, chefes estrangeiros, bandeiras estrangeiras. etc.
    A cena do Bolsonaro batendo continência para a bandeira dos EUA estando ele lá foi apenas em sinal de respeito e admiração. Aliás, todo dia que um chefe de Estado estrangeiro vem ao Brasil ele passa em revista às tropas que fazem continência a ele.
    Vale salientar que não vou votar no Bolsonaro porque se ele ganhar não terá como governar dado que qualquer um que for eleito nas urnas e que não seja da esquerda e apoiado pelo PT não irá fazer cessar o discurso do golpe por parte da oposição. Eu simplesmente não vou votar.

  50. Mike,
    E o discurso quando a esquerda ferrar de vez com o Brasil será o mesmo de sempre: boicote dos EUA e das outras potências ocidentais. Eles sacaneiam até serem boicotados e aí posam de vítima.
    A praga simplesmente não tem jeito de ser extinta. Eles simplesmente não têm como sair perdendo. Se der certo (e não dará nunca) eles são os gostosões sabichões e os únicos que sabem governar, se der caca é porque foram sabotados.
    Estamos simplesmente lascados.

  51. O Bolsonaro este ano não será opção..

    Será a falta de opção..

    PSDB-PT-PMDB-DEM etc..

    Não dão mais..

    O problema maior vai ser o Congresso Nacional, não consigo acreditar que entrará um congresso 100% comprometido com o bem do país.

    Muito se fala no Executivo, mas o Legislativo na prática é até mais importante.

    Na última eleição eu votei no Aloysio Nunes…

    A alternativa aqui em SP era o Netinho “Espancador de Mulheres” de Paula..

    Era o ruim pelo péssimo.

    Este ano 2/3 dos senadores serão eleitos…

    Aqui já começou a desgraça..José Serra, Celso Russomano…

    O menos mal até agora é o Paulo Skaf

  52. Pessoal, bom dia.
    .
    O problema atual do Brasil, além da não escrita, porém observada lei de Gérson, e da cleptocracia instalada em vários setores e níveis de todo o Estado, é que há um embate míope entre um capitalismo selvagem e um comunismo parasitário. Ambos são muito ruins e cada qual conduziria o País ao desastre, mas por caminhos diferentes e com efeitos negativos também diferentes.
    .
    O sistema que deveria prevalecer é exatamente aquele previsto na Constituição Federativa do Brasil de 1988, art. 170 e seguintes. Grosso modo, com características próprias, seria algo próximo ao keynesianismo atualizado (livre-iniciativa temperada pela função social e estimulada, em alguns setores, por compras públicas, como plenamente autorizado pelas regras da OMC), cujo resultado mais brilhante e sólido se verifica nos países nórdicos, mas também nos outros países da Europa Ocidental.
    .
    Infelizmente, por interpretações canhestras ou mesmo interesseiras e tendenciosas, quase nada do que estruturado na CF é estritamente observado… o resultado é ficarmos eternamente à mercê de aproveitadores, aventureiros e traidores. Verdadeiros brasileiros transnacionais…
    .
    Enquanto isso, o País está em liquidação. Vendido a preço de bananas… e ainda, de lambuja, sob argumentos falacioso, querem destruir o maior programa do Estado brasileiro, que é a Seguridade Social (art. 194 da CF).
    .
    Enfim, vivemos uma grave conjuntura econômica, é fato, mas intensificada para servir de biombo para outros projetos muitíssimo ruinosos passarem.
    .
    Desculpe-me pelo off topic.

  53. Parabéns celso amorim,ele é um diplomata mesmo é o que falta neste pais diplomacia,O Brasil não é ouvido por nenhum pais desde temer assumiu o poder,deveria se consolidar como líder na américa latina o que fez nada alinhou aos EUA,que mudou de governo e a coisa complicou.O Brasil não é democracia não um temer que tem 3 porcento de aprovação e quer mexer na constituição,alias mexeu e mexeu mal.O que qualifica celso amorim é que ele passou por 3 governos,inclusive na ditadura.Poderiamos está usando a diplomacia como lideres latino americanos no caso da Venezuela,mas não pensamos em guerra contra um povo faminto.

  54. Esse babaca desrespeitou seu colega, o digníssimo e polido Celso Laffer, pelo incidente dos sapatos na segurança de aeroportos dos EUA, quando a administração americana ainda não tinha se acertado sobre os protocolos para a situação. Laffer entendeu que não haveria razão para causar um rebuliço por uma bobagem, e resolveu, como bom diplomata, o assunto em 20 segundos, atendendo ao pedido do agente de segurança que nem sabia quem ele era. É bim lembrar que o Chanceler russo passou pela mesma situação à época, é resolveu-a da mesma forma.

    O que esse desavergonhado do Amorim nunca comentou foi o fato de Ministros de governo do mandato petista serm apalpados em seus fundilhos em território nacional por agentes do governo americano para entrar em um jantar com o presidente yankee… Ao menos poderia ter se desculpado com Celso Laffer, por ter explorado o incidente dos sapatos para fazer esta contraposição ridícula sem bases de reais de política externa “submissa ou altiva”. Como todo esquerdista, cínico, finge que as apalpadas na bunda de nossos Ministros, em pleno território nacional, nunca existiram.

    Amirum é apenas uma nanico amoral, que participou “altivamente” das políticas que resultaram nos escândalos da Lava-Jato e nos calotes que estamos acumulando de tiranetes bolivarianos e africanos. Se Deus quiser, um dia, seus bens serão expropriados pela Justiça Brasileira para pagar uma parte dessa irresponsabilidade.

  55. Lendo certos comentários acima , é visível que brasileiro não entende de política externa e geopolítica , alguns atacam o Amorim por ser de esquerda , mas desde 1985 foi o Único e Grande Ministro brasileiro do Exterior, respeitado e ouvido em todo mundo, ainda teve que aturar aquele Marco Aurélio. Hoje temos um Idiota no Exterior este tal de Aloísio( também de esquerda ) , que somente não é o Pior , porque tivemos uma Desgraça e Palhaço Idiota OLAVO SETÚBAL, este era uma sujeito colocado lá pelo grupelho de outra desgraça Ulisses Guimarães , venho procurando vídeo e informativo do encontro Setúbal com Andrei Gromicko , chanceler Soviético, amigo de muitos brasileiros e do Brasil , a atuação do Setúbal em um encontro em Moscou fez Gromicko nem deixa-lo sentar , deixando-o de pé . Celso Amorim nestes trinta poucos anos deu um Passeio e foi um exemplo que orgulharia ao Visconde e ao Barão do Rio Branco !!Mas ele é de Esquerda e daí , não é Colonizado e nem Fantoche como os antiesquerda , e vejam , eu não sou de esquerda e tão pouco de Direita , duas desgraças !

  56. Ricardo da Silva, 05:08h.
    Comendo criancinha ou sendo vegetariano, sou ANTI até o último fio da minha alma. Se você é simpatizante, tenho pena.

  57. Marcelo -SP, cumpre lembrar que esse mesmo megalonanico que desrespeitou Celso Lafer foi o mesmo que teve o avião oficial revistado por meganhas bolivianos do índio cocaleiro.

  58. Ricardo da Silva 7 de Janeiro de 2018 at 5:08

    Comer nunca comeram (não que eu saiba), mas já mataram bastante, principalmente por inanição. Pergunte aos ucranianos. Está bem fresco na mente deles, mesmo tendo se passado mais de 80 anos.

  59. O cara quer negar que a Venezuela é uma ditadura hahahahahaha
    O governo Temer é ilegítimo? O Temer não era “vice”? Para que o “vice” serve mesmo?

    Mais um que devia ir viver em Cuba, Venezuela ou Coreia do Norte!

  60. * Só para constar, não estou defendendo o presidente Temer, pois para mim, quando o mesmo foi pego em atos de corrupção, deveria ter tido a grandeza assumir seus erros e renunciar.

  61. Bem lembrado, Tireless!!!

    Lamentável que esse indivíduo, uma das vozes da quadrilha que custou tanto aos cofres públicos, tenha voz aqui na trilogia. Ouvir a opinião dessa gente não tem nada a ver com democracia.

  62. FRL 7 de Janeiro de 2018 at 9:31
    Gostei do seu comentário, mas eu como administrador público, tenho que dizer que o modelo estado de bem-estar social não funciona nos dias atuais. Tal modelo foi concebido em uma época de grande prosperidade na Europa, onde o livre mercado era forte, competitividade européia era significativa no mundo, tinha indústrias e empresas de nível global, resultando em impostos e empregos com boa remuneração.
    Atualmente os países nórdicos sofrem problemas enormes de déficit orçamentário e estagnação. Os países europeus de modo geral estão estagnados e com dívidas enormes. O parque industrial Europa está na China, inúmeras indústrias da Europa desapareceram.
    Os países que optaram pelo modelo de estado de bem-estar social geraram uma geração de pessoas dependentes do Estado e que atualmente sofrem e resistem para continuar com um modelo que já está esgotado.
    O único país de destaque em geração de empregos e riqueza no momento é a Alemanha, que nem é estão adepto desse modelo, e o Reino Unido (esse pior que Alemanha em riquezas). De resto eu não dou muito tempo para amplas reforços e modificação do modelo, especialmente Grécia, Itália, França (esse terrível), países nórdicos, países baixos.
    Vão ter que mudar…o presidente (bumbum guloso) da França colocou isso como promessa de campanha, na Grécia ainda não apareceu nenhum macho.
    O estado de bem-estar social foi a opção lógica para a classe política brasileira, pois vende a ideia que sempre foi vendida para os brasileiros: Estado babá.
    Eu mesmo gosto desse modelo, é o mais como, cheio de cargos públicos, basta assistência, várias coisas públicas…aparentemente é muito bacana. Mas na prática o reflexo são elevados impostos e serviços bem aquém daquilo que esperamos.
    O modelo de bem-estar social de certa forma é a canalização de recursos individuais para os cofres do Estado, sendo que o Estado tem seus “donos”, o resultado no caso brasileiro era bem previsível… Muito dinheiro centralizado.
    O estado de bem-estar social foi desenvolvido e utilizado em países tradicionalmente ricos, com pouca distorção social, competitivos e com empresas fortes, povos socialmente unidos (coesão social), pouca corrupção, países bem estruturados, e organizados, orçamentos em dia. Paises que anteriormente eram forte no livre comercio. Não foi o estado de bem-estar social que melhorou o pafrao de vida nesses paises, esses paises já gozavam de uma situação boa anteriormente. Esse modelo é bom para países ricos e não países pobres, pois ele acaba travando o crescimento para satisfazer o desenvolvimento. Ele acabou travando esses países e conservando aquilo que anteriormente estava ” feito”, status quo.
    Observe que é um cenário totalmente diferente do Brasil. Na minha opinião é um modelo inadequado para o Brasil. Diferente da Suécia, por exemplo, o Brasil vem de uma base social e econômica muito baixa, teria que ter focado no crescimento e não manutenção do status quo.o Brasil é totalmente diferente desses países de bem-estar social, nossa população não para de crescer, 40 milhões desde 2000, o países precisa crescer, gerar riquezas… E não defender bem-estar..até porque ainda nem existe um bem-estar social.
    Se eu quisesse travar um país eu escolheria o modelo de bem-estar social…nesse aspecto funciona perfeitamente.
    Uma curiosidade: o povo brasileiro na constituinte de 88 sequer tinha noção de modelos econômico, isso imposto sem questionamento algum, os políticos escolheram o modelo e depois foram remendando para agradar setores …os caras foram simplesmente criando uma constituição que vendia o “paraíso na terra”, até hoje muita gente não sabe as diferenças de modelos econômicos e sociais.
    Abraco!

  63. Esse Tampinha diplomático é um gigante quando se trata de engabelar com conversinha meliflua, mentira descarada e mundo paralelo à parte movido à alucinação esquerdopata! Onde, senão na cabeça desse cretino, um Estado falido, desmoralizado e atrasado como o Brasil pode servir de exemplo,
    ou liderar alguma coisa, como elles diz? Só uma profunda mudança cultural, política e econômica nos livrará do plano das oligarquias globalistas e seus capachos encrustados nos 3 poderes, em retalhar nosso território e condenar nosso povo a uma massa disforme, sem vontade e escravizada pelo vício e completamente submissa aos planos comuno-islâmicos em implantar uma nova ordem mundial a que ele, anão diplomático, não passa dum serviçal.

  64. Ivan BC 7 de Janeiro de 2018 at 13:24
    Prezado Ivan, boa tarde.
    .
    Obrigado pelos comentários, todos claros e bem expostos. Contudo, em que pese o colega ser administrador público, ouso veemente e respeitosamente deles discordar.
    .
    O keynesianismo surgiu (na verdade, tomou fôlego) como reação ao crack da bolsa de NY, com nefastos reflexos no mundo todo. Ou seja, foi um movimento contrário para contrabalançar o laissez faire, laissez passé do liberalismo irrestrito e combater todas as suas assimetrias. Embasado neste pensamento, Franklin D. Roosevelt, mediante o New Deal, recuperou a economia alquebrada dos EUA. Na Alemanha, Schacht fez o mesmo. A teorização propriamente dita veio a reboque… E ainda, no pós-guerra de 1945, essa opção foi intensificada justamente para reconstruir os países arrasados, tanto os ocidentais da Europa (plano Marshall) como o Japão (plano Colombo), com elevados investimentos americanos.
    .
    No caso do Brasil, a escolha do legislador constiuinte de 88, tenha sido consciente ou não, foi e ainda é a mais acertada. Estimula a livre iniciativa com as correções das assimetrias do mercado. O que falta é a plena concretização desses preceitos, pois em todos os lugares do mundo em que o sistema foi implementado o resultado é de prosperidade, estabilidade, equilíbrio e autonomia.
    .
    O Estado Social, por sua vez, não tem por escopo criar um povo vagabundo e dependente. Isso é degenerescência, distorção do sistema, o qual, como toda distorção, deve ser corrigida, se existente.
    .
    O welfare state busca criar uma teia de proteção social para assegurar o mínimo existencial necessário garantidor da dignidade do ser humano, para que não fique desassistido nos momentos de carestia ou de desemprego, por exemplo. Neste âmbito que se insere a Seguridade Social, em suas três vertentes.
    .
    Mas é claro que só isso não basta para o sucesso da sociedade. Desde sempre, mas precipuamente nos dias de hoje, o sucesso dependerá da Educação, logo que, com um povo qualificado pela educação de alto nível, o desenvolvimento de tecnologias, a criação e a ocupação de melhores postos de trabalho, o convívio social harmônico e a diminuição de demandas de segurança pública e até de saúde serão consequências naturais, ainda que os efeitos positivos demorem gerações pata ser sentidas.
    .
    Em suma, no Brasil querem emascular um sistema que sequer alcançou a plenitude, simplesmente afirmando que ele não funciona. Ora bolas, em qualquer lugar do planeta onde esses preceitos foram seguidos e implantados seriamente os resultados são admirados. Aqui não fazemos o dever de casa direito e culpamos o sistema? É o mesmo que iniciar uma ponte e não a concluir, deixando o esqueleto à mostra e sem nenhuma serventia…
    .
    Enfim, tratemos antes de cumprir os mandamentos constitucionais, como já devíamos ter feito há 30 anos, e depois discutiremos os (seguramente bons) resultados.
    .
    Quanto às colocações sobre arrecadação e destinação de recursos em benefício de poucos apaniguados, tudo é sintoma das distorções (intencionais ou não) plantadas no sistema, que nem de longe o invalidam. O sistema é bom, não vamos destruí-lo. Basta corrigí-lo no que for necessário e útil.
    .
    Em tempo: particularmente sou favorável às chamadas reformas da previdência, trabalhista, tributária, política e administrativa. Porém, não do jeito que estão propondo, pois não fazem ajustes, mas destroem o que a muito custo todos os brasileiros sofreram e pagaram para mínima e soberanamente ter.

  65. FRL 7 de Janeiro de 2018 at 16:53
    (…) Enfim, tratemos antes de cumprir os mandamentos constitucionais, como já devíamos ter feito há 30 anos, e depois discutiremos os (seguramente bons) resultados.(…)
    —————————————————————————
    FRL, seus comentários são bastante pertinentes.
    Entretanto, o trecho que repliquei acima contém um ponto que eu considero equivocado: tomar como um dogma que o simples cumprimento do texto constitucional resolveria nossos problemas nacionais.
    O fato de a CF preponderar sobre todo nosso ordenamento jurídico não faz dela, automaticamente, algo bom. Pelo contrário, nela está a raiz de boa parte de nossas iniquidades. Quer um exemplo, dos mais evidentes? A forma de nomeação dos ministros do STF. Sempre que o Gilmar Mendes faz mais um desaforo à nação, todos se queixam do modelo de escolha dos integrantes do STF. Mas ninguém, na imprensa, ousa apontar para o texto legal que prevê a forma de nomeação. Está na CF.
    É certo que deveremos enfrentar nossos problemas sob a observância do Estado de Direito, sob pena de mergulharmos em arbítrios revolucionários. Mas não podemos fechar os olhos aos defeitos de nosso texto constitucional atual – que, é bom lembrar, não é eterno, como qualquer norma jurídica.

  66. Pangloss 7 de Janeiro de 2018 at 17:43
    Prezado Pangloss, boa tarde.
    .
    Concordo em gênero, número e grau com as suas colocações, mas destaco que você retirou a minha oração do contexto. Desconstetualizada parece afirmação absoluta. No contexto, porém, fica claro que o sentido não foi aquele. Reforça isto o fato de, no final daquele post, ter asseverado que sou favorável às ditas reformas. Se admito reformas é porque não enxergo nos preceitos constitucionais dogmas imutáveis e infalíveis. São criações humanas e, como tal, sujeitas à falibilidade do seu criador.
    .
    Mas vamos lá.
    .
    Uma coisa é a letra da lei; outra é a norma nela contida. A esse respeito prefiro o termo antigo “espírito” (espírito da lei). Partindo desse pressuposto, o que defendo é o espírito da Constituição de 1988. Muito bom em essência, mas sempre sujeito a ajustes. O erro atual está na tentativa de destruir essa essência, em exorcizar esse espírito. Este o ponto nevrálgico do meu discurso, seja no tocante à ordem econômico e financeira, seja no que tange à ordem social.
    .
    Sobre as suas pertinentes colocações acerca do STF, acredito que, mesmo diante das palhaçadas recentes, não cogita em extinguir o órgão de cúpula do Poder Judiciário para resolver o problema. A solução futura, além da presente hipotética condizente ao impedimento do citado ministro, seria 1) modificar o critério de seleção e provimento do cargo de ministro da excelsa Corte ou 2) tornar o STF um tribunal exclusivamente constitucional, e em abstrato, retirando-lhe toda a competência recursal (iria tudo para o STJ) e bastante da competência originária, especialmente no que condiz ao foro por prerrogativa de função.

  67. apenas acrescentando: … São criações humanas e, como tal, sujeitas à falibilidade do seu criador e aos efeitos naturais da evolução e da passagem do tempo.
    .

  68. FRL 7 de Janeiro de 2018 at 16:53
    Concordo com muita coisa que você disse.
    No entanto, discordo de algumas coisas!
    Na minha opinião a própria crise de 29 e de 2008 são reflexo da intromissão do Estado em assuntos que não deveria meter o nariz, querendo de qualquer forma criar demandas que não existem. Há um conjunto enorme de práticas que deram alicerce a crise de 1929, práticas que partiram do Estado. O mesmo ocorreu com a crise de 2008, onde desde Clinton houve uma pressão enorme nesse setor para aumentar as ofertas de imóveis, forçando bancos a emprestar. O setor público estimulou uma demanda que nunca existiu! Na minha avaliação a crise de 2008 é o maior reflexo de como o Estado consegue distorcer o mercado, inflando o consumo…o setor imobiliário é um dos mais estáveis que existe, justamente pelo fato de ser bens de alto valor, somente uma força externa muito forte para inflar as vendas e desequilibrar o mercado. Outra caso é o setor de imóveis na Espanha…o estado forçou a venda de imóveis de forma totalmente irresponsável.
    Com essa brincadeira de crédito subsidiado, é óbvio que os empresários vão entrar com tudo, até porque isso vai ser muito lucrativo, no entanto, insustentável. Enquanto durou muita gente ganhou dinheiro!
    Dificilmente um empresário por si só iria vender casas, apartamentos e qualquer imóvel para quem não tem condição de pagar, nesses casos sempre existe uma margem de erro, mas jamais foge dessa margem (não pagadores). Novamente um conjunto de práticas que distorcem o mercado e que acaba em crise. No fundo há aqueles que tem condição de pagar e aqueles que não tem condição de pagar, qualquer cálculo fora dessa matemática gera uma margem de risco adicional. Na minha concepção uma crise por motivos de produção e excesso de oferta são sempre anomalias, eu não consigo imaginar isso acontecendo naturalmente no mercado.
    Quem tem comércio sabe exatamente isso…ninguém cria estoque sem demanda.
    Por fim, aparecem com um conjunto de políticas “”públicas”” para reconstruir o país após a crise, bancado com dinheiro de dívida pública (essa é a parte mais interessante)…
    Oura coisa, nem de longe o Estado de bem-estar social dos anos 40 e 50 podem ser comparáveis ao Estado de bem-estar social implantado nos anos 80. E nem de longe o mundo dos anos 40 e 50 são comparáveis com a realidade atual e a complexidade.
    Quanto ao Brasil, você disse: “”No caso do Brasil, a escolha do legislador constiuinte de 88, tenha sido consciente ou não, foi e ainda é a mais acertada. Estimula a livre iniciativa com as correções das assimetrias do mercado.””
    O Brasil é um país que em nada estimula o empreendedorismo, pelo contrário, o Brasil mata qualquer ação de livre iniciativa. Justamente por isso o Brasil é um país muito fechado e pouco inovador, sem concorrência e preço elevados. Até mesmo grandes companhias deixaram de produzir ou vender no Brasil de tão ruim que é o nosso mercado.
    Sony, Nintendo, Apple, Xiaomi entre várias outras que nunca pisaram no Brasil.
    Acho que as maiores assimetrias normalmente são oriundas do Estado, as assimetrias de mercado em um país como o Brasil, que tem tudo pela frente, são muito menores. O Brasil fechado, por exemplo, criando ambiente para monopólios, é um externalidade do próprio Estado e não do mercado.
    Concorrência imperfeita, externalidades negativas, informação assimétrica e mercados incompletos, são manifestações de falha de mercado. No caso brasileiro, praticamente todas essas assimetrias são impulsionadas pelo próprio Estado, talvez a mais natural seja a informação assimétrica dos agentes, especialmente pelo fato do país sair de uma base muito baixa.
    Você disse: “”pois em todos os lugares do mundo em que o sistema foi implementado o resultado é de prosperidade, estabilidade, equilíbrio e autonomia.””
    Essa informação não é verdadeira, primeiro que foi em poucos países que esse modelo realmente foi implantado, segundo que é algo muito recente, terceiro que é um processo que ainda não terminou (como você mesmo disso). A própria Europa e Brasil atual são exemplos disso. No Brasil esse modelo vem se mostrando muito ruim, com o Estado concentrando grande parte da riqueza nacional, não alterando o aspecto social do país e estagnando a economia.
    O mercado na Europa era muito mais fluído até a metade dos anos 80, há quanto tempo não compramos mais um produtos com MADE (algum país europeu)??? Suécia, Noruega e Finlândia já estão começando a rever diversos pontos desse modelo, principalmente com os olhos no futuro, observando problemas orçamentários.
    Eu volto a frisar, não foi o bem-estar social que elevou o padrão de vida na Europa, a Europa já tinha um padrão de vida muito bom antes desse modelo. É inegável que a população de um país como a Suécia é muito menos dependentes do Estado que os brasileiros, não tem como comparar, isso dá um fôlego diferente para a administração pública. Os problemas do estado no Brasil são muito diferentes. A infraestrutura na Suécia já está pronta a muito tempo, já está definida, enquanto o Brasil é do tamanho da Europa, falta tudo, infraestrutura precária que corroe ou deveria corroer parte significativa do orçamento.
    A China cresce de forma constante durante 30 anos com um modelo totalmente diferente, o PIB já encostou nos EUA, estão se tornando uma potência em todas as áreas, empresas de nível global, as empresas européia foram para a China, as que não foram acabaram sendo compradas, o mesmo para muitas dos EUA…há muita pobreza ainda, mas também há 1,3 bilhão de pessoas, não é fácil melhorar a vida de 1,3 bilhão em 30 anos.
    É aquela coisa: é melhor pegar os 30 Bi do bolsa família e investir na duplicação de rodovias que gera empregos e produz externalidades positivas ou gastar 70-100 reais por família? 1/4 do país recebe Bolsa família…com isso a gente vê a pobreza enorme que tem no país, apenas de pessoas cadastrada no Bolsa família é 6 vezes maior que a população da Suécia.
    Até poque é consenso que esse modelo é péssimo para gerar riqueza (melhorar a qualidade de vida do pobre), esse modelo é muito bom para países ricos, mas para países pobres é muito ruim.
    “”O Estado Social, por sua vez, não tem por escopo criar um povo vagabundo e dependente. Isso é degenerescência, distorção do sistema, o qual, como toda distorção, deve ser corrigida, se existente.””
    Eu não quis dizer vagabundos, quis dizer dependência mesmo. Inegável que em um modelo que o Estado fornece educação, saúde, aposentadoria, assistência social, lazer, habitação etc…consequentemente elevando impostos, as pessoas ficam presas ao Estado. O dinheiro que eu teria para fazer X já foi para o Estado, não tenho margem de ação. Só existe 1 dinheiro na economia, ou eu passo o dinheiro para o estado fazer X ou eu busco outro caminho. Se o Estado já me forçou a pagar a saúde pública, então eu não tenho dinheiro para a saúde…exceto que é rico (e é isso que eles fazem). Eu sou servidor público e tenho plano privado de saúde (PRIVADO) pois não tem como depender do Estado, o serviço é péssimo.
    “”O welfare state busca criar uma teia de proteção social para assegurar o mínimo existencial necessário garantidor da dignidade do ser humano, para que não fique desassistido nos momentos de carestia ou de desemprego, por exemplo. Neste âmbito que se insere a Seguridade Social, em suas três vertentes.””
    Concordo com você, apesar do estado de bem-estar social ser algo muito mais amplo que isso e é justamente esse “mais amplo” que contribui para estragar o modelo.
    Outra coisa, o estado de bem-estar social no Brasil já vem sendo implantado desde os anos 40 (não necessariamente com esse nome), o Brasil desde 40 tem um estado bem grande e intervencionista. Nós brasileiros já temos uma boa ideia de como é viver dependendo do Estado, não é algo de 88. A própria CLT que é uma “proteção” é de 40, o FGTS é de 66, educação há muito tempo é pública, assim como a saúde e outros programas de assistência social.
    A parte de iniciativa particular sempre foi pequena no Brasil, o brasileiro sempre foi amarrado ao Estado.
    “”Em tempo: particularmente sou favorável às chamadas reformas da previdência, trabalhista, tributária, política e administrativa. Porém, não do jeito que estão propondo””
    Concordo com você!
    Eu particularmente gosto do modelo (na teoria), mas na prática eu odeio! Essa é a minha opinião verdadeira. Sou servidor público e gosto da minha aposentadoria como servidor, mas se eu for depender da aposentadoria “pública” do INSS ferrou, saúde também…educação também (exceto as universidades federais que sempre foi o que mais consome dinheiro e prioridade do Estado). Assistência social cheio de distorções e falhas (sem falhas o viés politiqueiro)…sou contra bancos públicos também (exceto caixa econômica), sou contra estímulo estatal na economia, sou contra diversas estatais etc…

  69. FRL 7 de Janeiro de 2018 at 16:53
    Mas no geral concordo com você…deixa fluir melhor o modelo, ganhar tempo, defendo mudar algumas coisas, mas mesmo assim acho que é melhor com ele…

  70. Se a direitalha esta espumando de ódio é porque ele foi um bom ministro. E sem dúvida, com ele a frente do Itamaraty o Brasil foi do buraco onde se encontrava no governo FHC ao topo. O resto é choro e inveja de quem não admite que a esquerda fez o Brasil ser respeitado.

  71. Mesmo sendo do Celso Amorim eu decidi ler para não julgar pelo passado… Que arrependimento. O infeliz praticamente isenta o Governo Maduro da situação que a Venezuela. Fora o resto

  72. FRL e Pangloss, se voces conhecerem melhor o judiciário melhor, verão que o Gilmar é o menos pior deles, e esta falando muita coisa correta (apesar de não parecer), especialmente quando fala do MP (órgão onde eu também ja trabalhei, por cinco anos, concursado). O que é absurdo é a preponderância do executivo na indicação dos ministros. Gilmar é doutor na Alemanha e uma das maiores autoridades em controle de constitucionalidade do país. Aliás, há poucas obras do tema no Brasil e a dele é uma das mais prestigiosas. Os “Melos” são concursados do MPF. Fux foi ministro do STJ e desembargador. Rosa Weber atuou na JT ( fraca mas tolerável a credencial). Zavascki tinha sido desembargados do TRF e ministro do STJ, sendo um dos pioneiros na antecipação de tutela na doutrina. Mas o que Tofolli e Barroso tem além de terem sido advogados do PT? Como eu vou respeitar profissionalmente um elemento que tentou duas vezes concurso de juiz e não passou? Não restou claro que Levandoviski e Tofolli foram postos para julgar o Mensalão? Eles não deram votos favoráveis?
    Ora, não seria o caso de por indicação paritária dos três poderes no STF? Ou ainda, para assegurar um mínimo de capacidade, condicionar a nomeação entre membros do STJ e acabar com o quinto constitucional nos tribunais?

    No mais, amigos, lembrem-se da mais justa e eficiente lei de todas: a da evolução. Assistencialismo conduz à regressão, ao comodismo e à mediocridade. A dificuldade é que leva à evolução. E quem não evolui perece. Há a depuração. Os EUA são o que são por conta disso. Competição.

    Mas uma única coisa o elemento Amorim acertou: É obvio que se os EUA se fecharem e reduzirem sua influência abrem-se espaços que poderiam ser aproveitados.
    O que ele esquece de dizer é que boa parte destas oportunidades foi liquidada pela desconfiança que a diplomacia que ele implantou criou em relação ao Brasil, que se juntou à escória do mundo e maculou 100 anos de diplomacia. Irã, FARC, Venezuela, Cuba e por ai vai. Quem vai aproveitar o vácuo: China e Russia.

  73. Rinaldo Nery 7 de Janeiro de 2018 at 11:51

    Não precisa ter pena pos não sou simpatizante SÓ disso ou SÓ daquilo.
    Não existem sistemas perfeitos e talvez jamais existam.

    Doug385 7 de Janeiro de 2018 at 12:40

    Morrem de inanição milhões de pessoas pro ano, independente do “sistema adotado”, o problema estão nos ‘lideres’ ganaciosos e nos ‘cidadãos alienados'(que os mantém no poder).

    Senhores, meu humilde comentário não é em defesa do diplomata aposentado ou da política econômica externa dos governos anteriores.
    É sim uma reflexão ao radicalismo apresentado em muitos comentários, um alerta para um ‘efeito de manada’.
    A diversidade de opinião, a não concordancia e o respeito é são que definem uma democracia.
    Muitos, talves não percebam, etão fazendo um discurso de ‘abrir mão’ desses 3 elementos.
    E quanto tiver uma opinião divergente, expurge-os?
    Prefiro não me rotulas como “ismos”, prefiro distinguir o que há de bom e de mal nos ‘sistemas teóricos’ existentes e tirar minhas próprias conclusões.

  74. A diplomacia brasileira foi ao topo….
    É….
    Até o FHC, q não defendo, nem votaria nele, o Itamaraty sempre foi muitíssimo respeitado, inclusive fomos chamados para mediar conflitos.
    Depois, veja bem… depois….

  75. colombelli 8 de Janeiro de 2018 at 0:26
    ———————————————–
    Colombelli, eu trabalho na Justiça Federal há 18 anos. Entendo o seu ponto de vista: Gilmar Mendes fala muita coisa correta, e muita coisa errada. Boa parte de seus acertos têm motivação inidônea. E não se questiona sua autoridade intelectual, mas seu caráter.
    Sobre os “Melos”, o Celso de Mello é oriundo do MP do Estado de SP.
    O Marco Aurélio tem uma curiosíssima trajetória: entrou para o MP do Trabalho (creio que não havia concurso, à época), logo passou para o TRT do Rio de Janeiro, pelo indefensável quinto constitucional, de lá arrumou uma vaga no TST (nomeado pelo primo), e, como se isso fosse pouco, chegou ao STF, novamente sob as bênçãos do primo, onde está há quase 38 anos, formando uma caricatura perfeita dos vícios do país. Para mim, esse é, disparado, o pior ministro que o STF já teve.
    Fux foi Promotor de Justiça no RJ e Juiz de Direito, no TJ/RJ (sempre passando em primeiro lugar, nos concursos). Foi promovido ao Tribunal de Alçada e a Desembargador. Chegou ao STJ e, de lá, ao STF. É o único juiz de carreira da formação atual do STF.
    ZAvascki entrou para o TRF4 pelo quinto constitucional (era Procurador do BACEN), mas era uma das poucas exceções em que o nomeado faz por merecer a indicação. Depois seguiu para o STJ e, finalmente, para o STF.
    Barroso era Procurador do Estado do RJ, onde há a estranhíssima permissão aos advogados públicos estaduais para que advoguem – à exceção de causas contra a fazenda estadual.
    Toffoli e Lewandowski permanecem disputando entre si a liderança do PT no STF. Lewandowski ainda passou pelo TJ/SP, entrando pelo quinto constitucional à base do compadrio. Toffoli foi Advogado-Geral da União sem qualquer mérito além da capacidade de adulação.
    Não há sistema perfeito de indicação para cortes supremas. Mas, se eu pudesse sugerir um modelo, deveria haver requisitos mais claros e fechados, além de divisão entre as indicações (que partiriam do Executivo, do Legislativo, do Judiciário e do MP), para escolha final pelo próprio STF.

  76. Amorim, por favor, para de beber meu filho, isso faz muito mal para o cérebro, você está muito doido, vá se tratar em Havana (atual capital da Venezuela) e fica por lá por uns 30 anos. PS aproveita e leva o PT todo para tratar também, mas por uns 300 anos na Ilha paraíso dos esquerdopatas mentirosos.

  77. O Único grande Ministro do Exterior brasileiro DESDE 1985, e´agredido por ser de esquerda , eu que não sou e nunca fui de Esquerda , reconheço que a Direita é o Ninho da IMBECILIDADE !
    Meu comentário sobre Amorim que fiz aqui , fui cortado , aqui volto com um outro mais modesto , eu que nunca fui de Esquerda e nunca votei na Esquerda , reconheço claramente que Amorim fui o Único Grande e melhor Ministro do Exterior brasileiro desde 1985, mas aqui é Atacado apenas por ser de Esquerda . Eu cada dia mais reconheço que a Direita é um Ninho de idiotice , talvez vença uma eleição , mas nunca terá continuidade no Poder , não tem Projeto de Nação e Prima pela Subordinação aos Gringos e de forma Vergonhosa , a Direita é RIDÍCULA !

  78. Esquerdista convicto, ele mesmo ajudou a enfiar o Brasil na insignificância e no caos em que está. Nossos políticos são mercenários globalistas demolindo o Estado e a nação. Socialismo e patriotismo são doutrinas opostas:

    https://www.youtube.com/watch?v=AlhMRgDSiuI

    Os EUA deixaram a América de lado desde o final dos anos 1970. O Cel. Fontenelle já explicou isso muito bem em seus vídeos. O capitalismo produz milionários e gente pobre, mas o comunismo deixa os oligarcas bilionários e o povo miserável. O capitalismo “evolui” para o capitalismo estatal de compadres (“crony capitalism”).

    Assim como o Reino Unido deixou a Ásia e a África para que elas caíssem nas mãos da China, da ÚRSSia (=URSS e sua sucessora, a Rússia) e de Cuba (inclusive em confrontos bélicos, como em Angola, onde permanecem como “médicos” alerta para nós!), os EUA devem estar deixando-nos ir pelo mesmo caminho para nos libertarmos do “imperialismo ocidental”. A prioridade dos EUA é Israel e Oriente Médio. Isso é proposital, não é provincialismo do Trump. Manter Cuba comunista na retaguarda não é burrice e nem covardia, é safadeza.

    Vamos ter que nos contentar com o imperialismo russo-cubano-chinês dando-nos ordens em casa, já que ninguém pensa no Brasil como Pátria, mas apenas como o time de futebol da CBF.

  79. Ivan BC
    Parabéns. Utopia, por mais linda que seja, utopia é.

    FRL
    Pra se distribuir riqueza, é necessário produzi-la primeiro. Muito fácil criar um estado assistencialista em um país rico e em uma sociedade coesa. Difícil é fazer isso em um país pobre com sociedade distópica. Mesmo assim, nota-se na europa o fracasso do modelo com a perda de competitividade apontada pelo Ivan.

    Sim, o Brasil é pobre, pois tem pib per capita abaixo da média mundial. Se vcs confiscarem tudo e distribuírem irmamente, pobres seremos continuaremos. Sem falar na completa desorganização da produção que nos levaria a miséria em meses.

  80. FRL
    1) O Brasil não tem poupança interna e depende de investimentos estrangeiros. Ao mesmo tempo, odiamos o capital estrangeiro e o penalizamos em cada oportunidade possível.

    2) O Brasil carece de mão-de-obra e tecnologia, mas gasta os poucos recursos que tem em aulas de dança, filmes de comédia e shows de Luan Santana. A academia produz pesquisas de alto nível, como a recente pesquisa: “Como fazer uma orgia gostosa” patrocinada com verba pública.

    3) O país não define suas prioridades. Apesar de ser competitivo em várias áreas, prefere ignorá-las e novamente investir os recursos limitados onde não há oportunidade. Agricultores ficam décadas no aguardo de uma estrada ou ferrovia que se pagaria em dois ou três anos com pedágio ou frete.

    Estranho seria se desse certo.

  81. Ricardo da Silva 8 de Janeiro de 2018 at 7:35
    “Prefiro não me rotulas como “ismos”, prefiro distinguir o que há de bom e de mal nos ‘sistemas teóricos’ existentes e tirar minhas próprias conclusões.”

    Teoria? Não há teoria alguma sendo tratada aqui. Há observação prática do que acontece no mundo e no Brasil. Não vi ninguém comentando sobre alguma teoria.

  82. Esse cara é um boçal. É o retrato de 13 anos de uma política externa digna de piada.

    Acabou de elaborar um documento, no qual, segundo a reportagem dessa mídia lixo que temos, possíveis concorrentes do Lula estavam se manifestando a favor da sua participação nas próximas eleições. O curioso é que esses dois possíveis concorrentes eram o Boulos, terrorista do MTST, que pode vir a concorrer pelo PSOL, e aquela deputada gatinha que irá concorrer pelo PCdoB. Todos sabemos que esse documento será utilizado lá fora para passar a figura de bom moço e querido pela população, inclusive pelos “concorrentes”, do Lulinha paz e amor. Não se importam de achincalhar a democracia brasileira lá fora. Não se importam em criar o pior ambiente de insegurança possível. Fico pensando o que um investidor estrangeiro pensa quando vê essa ladainha toda. Tenho certeza que a última coisa que pensa é em trazer sua grana pra cá.

    E ai me vem a pergunta…O que você acha disso Walfrido Strobel? Está certo mesmo essa tentativa constante de denegrir o Brasil, o Judiciário e todos que estão contra esse projeto de poder? Você foi taxativo em chamar quem criticou o ex ministro de “extrema direita”. Aí do seu pedestal, não sente revolta com essa postura vergonhosa da cumpanheirada?

    De um tempo pra cá, venho lendo apenas os comentários dos comentaristas mais sérios daqui. Os do Bosco sempre leio e li o dessa matéria. Infelizmente Bosco, alguém terá que assumir e eu não consigo conceber que alguma das figuras carimbadas consiga se eleger (Lula, Alckimin, Marina, Ciro etc). Mesmo sabendo que terá pouquíssima governabilidade, prefiro apostar no Bolsonaro do que em qualquer outro. Não me enche os olhos…não vejo preparo suficiente, não vejo tentativa de melhoria em sua postura, fico preocupado com o perfil de seus seguidores (cegos como os esquerdistas), mas, infelizmente, é o que tem pra hoje. Tem o Amoedo que conheço pouco…mas, por enquanto, vou de Bolsonaro mesmo. Até porque, o problema todo é bem mais embaixo. Como bem argumentado pelo Colombelli, Pangloss e FRL, o problema é estrutural. O exemplo do STF é perfeito para demonstrar isso.

  83. Felipe Morais
    Esse “documento” do Boulos tem a mesma credibilidade do testemunho do Robin contra o Batman.

    “Não se importam em criar o pior ambiente de insegurança possível. Fico pensando o que um investidor estrangeiro pensa quando vê essa ladainha toda.”
    A Petrobrás apresentou balanços falsos por anos. Os próprios diretores saquearam a empresa sem dó. Vc ouviu alguém falar da perda de credibilidade do país?

    Compartilho dos mesmos temores.

  84. Pangloss, concordo plenamente com uma distribuição paritária para o STF. Eu sugeriria 4 pelo judiciário dentre juizes de carreira mantidos critério atuais também; 3 pelo executivo e 3 pelo legislativo ( mantidos os critério atuais), e um pela OAB e MP de forma alternada, e com o fim do quinto em todos os demais tribunais, por vira uma competição de adulação e politicagem. Tecnicamente Gilmar, Celso e Fux são os mais capacitados. Marco Aurelio e Tofolli os piores. Ainda bem que é a assessoria que faz tudo.

    Jose Luis Esposito, se Amorim é atacado não é por ser de esquerda. FHC também é e não teve sua politica externa alvo de tamanhas crítricas. Amorim é atacado por conta de uma marca da esquerda, qual seja, a incoerência. Ela critica o que está sendo feito agora, mas quando esteve lá, fomos associados ao que há de pior no mundo, gerando perda de credibilidade de nossa diplomacia e mesmo de investidores, perdemos dinheiro em obras no exterior para bolivarianos e empreiteiras se esbaldarem e perdoamos dívidas na África sem nenhum retorno político. Passamos a ser vistos como bobalhões que tomam toco do paraguai, bolívia e equador.
    É preciso coerência e moral para criticar e ele não tem isso porque ele mesmo cavou esta condição, independentemente da ideologia que ele profliga.

  85. “liderança” mundial na visão de um esquerdista é sair gritando para todo mundo por ae: ” górpi, górpi, górpi”… rsrs….

    por favor essa gente não entende nada de liderança comercial, e sim de ROUBAR !!

    Ele e a estocadora de vento deveriam fazer stand up

  86. Como vai liderar se nunca sai da esfera de influência de Washington e não cria sua própria área de influência! Rússia, China e Índia não estão na esfera de influência de ninguém…

  87. Postar esta entrevista ridícula com este anão diplomático ao menos serve para uma coisa: caírem de pau nesse comuna.

  88. Zeabelardo 8 de Janeiro de 2018 at 15:43

    Minha resposta foi sobre o comentário de Rinaldo Nery 7 de Janeiro de 2018 at 11:51

    Só isso !

  89. Esse senhor prestou um desfavor ao Brasil quando esteve a frente do Itamaraty, ajudou a doar as refinarias na Bolívia e transformou o Brasil em um nanico diplomático, se curvou as políticas indigenistas e ambientalistas propostas pela ONU neutralizando as expansões econômicas brasileiras , não devia nem ser ouvido. Belo Monte projeto original deslocamento de 14500 famílias geração continua de 14 mil megawatt lago gigante, atual deslocamento de 14000 famílias lago minúsculo 500 km apenas geração total em dois meses e no restante um décimo da energia, reserva indígena Raposo do Sol os índios não queriam a reserva continua, sobre a reserva atual esta a maior reserva de nióbio do mundo com teor superior a 50% Nb na rocha contra 2% de Nb na rocha de Araxá. Este site e demasiadamente importante para ouvir esse tipo de pessoa que representa os interesses de qualquer coisa menos dos Brasileiros. Seu nome deveria ser lembrado como uns dos grandes traidores da pátria.

  90. jose luiz esposito 7 de Janeiro de 2018 at 11:22

    Por que agora esquerdistas dizem que não são esquerdistas? Moda?

    Esquerdista é quem adora um discurso mas que não o faz na prática. Esse senhor ajudou a promover complexo de culpa por causa do passado, como a esquerda fez na Europa com os mais jovens, o que está fazendo que aceitem o que ocorre por lá, como o avanço do islã radical. Os homens por lá quando protestam gritam palavras de ordem e vestem botas e saias, povos que enfrentaram heroicamente guerras, pestes e fome .

    E essa frase resume muito bem o que é o esquerdista: “Falsificar o passado é o método que a Esquerda usa para produzir o futuro.” Nicolás Gómez Dávila.

  91. Zeabelardo 8 de Janeiro de 2018 at 15:24
    Acho que você criticou o meu comentário, no entanto, gostei muito das suas pontuação, concordo com muita coisa.
    Abraço!

    ……………………….

    _____________________

    COMENTÁRIO EDITADO.

  92. COMENTÁRIO APAGADO.
    DISCUSSÃO VIROU PALANQUE POLÍTICO-ELEITORAL.
    MATÉRIA FECHADA PARA NOVOS COMENTÁRIOS. LEIAM AS REGRAS DO BLOG.

Comments are closed.