Home Exércitos França planeja nova força de intervenção rápida fora da UE

França planeja nova força de intervenção rápida fora da UE

3108
10

PARIS / BERLIM – O governo francês lançará, em junho, uma força militar de crise europeia desdobrável, fora dos esforços da União Europeia, disseram fontes do Ministério da Defesa da França nesta quinta-feira.

Paris esteve em contato com uma dúzia de países, incluindo Alemanha, Holanda, Grã-Bretanha e Dinamarca, sobre a iniciativa, mantendo um grupo de trabalho para delinear a ideia em março.

O plano é reunir países europeus com capacidade militar e vontade política de colaborar no planejamento, realizar análises conjuntas de crises emergentes e reagir rapidamente a elas.

“Não seria dentro da União Europeia e permitiria que países de fora, como a Grã-Bretanha, fizessem parte dela”, disse uma fonte.

O presidente francês, Emmanuel Macron, esboçou a ideia de ter uma força europeia de intervenção rápida até o final da década, durante um discurso histórico sobre a Europa em setembro passado.

Enquanto alguns grupos intervencionistas táticos da UE existem em princípio, até agora nunca foram usados.

FONTE: Reuters

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Russian Bear
Russian Bear
2 anos atrás

A Europa não consegue ter uma força tática em conjunto, seja através da bandeira da UE ou da OTAN.
A OTAN é uma organização bancada pelos USA, e que mesmo após a dissolução da URSS, ainda obriga seus membros a gastar grandes quantias do seu orçamento para cumprir determinações nem sempre adequadas.
O poder de organização militar da Europa deveria estar nas mãos unica e exclusivamente de Inglaterra, Alemanha e França, e não nas mãos dos Estados Unidos.
Continuando assim, melhor para a Rússia.

Juca
Juca
Reply to  Russian Bear
2 anos atrás

Exato. Ainda que como intervenção não signifique justiça, ou a África não estaria na merda que está. Até agora as ditas intervenções nunca apoiaram os povos

Cbamaral
Cbamaral
2 anos atrás

Vai ter que ser uma força formada por legionários, porque se forem formados só por franceses, nessa onde de frescura que a europa está, no primeiro tiro iriam todos correr.

Lucas Hilarião Padoveze
Lucas Hilarião Padoveze
2 anos atrás

Chega a ser engraçado ver que hj os europeus não tem a capacidade de cometerem os mesmos erros da 1 e 2 guerra Mundial, pelo fato de estarem tão mal preparados assim pra um conflito nessa escala, com ameaças como as da Rússia e China, hj o ocidente se vê parcialmente fraco pra enfrentar um conflito nesse porte, a Alemanha está longe de ser aquela máquina de guerra que fora na época das grandes guerras, os britânicos não tem uma marinha que imponha respeito como antes e a França está fraca, e nisso os inimigos crescem em força e em… Read more »

Jean Jardino
Jean Jardino
Reply to  Lucas Hilarião Padoveze
2 anos atrás

Fraca aonde, explica isso…

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Lucas Hilarião Padoveze
1 ano atrás

Só para vos lembrar, só a França sozinha acaba com a América latina toda em horas, quanto mais juntando Reino Unido, e toda a União Europeia. A União Europeia tem o 2º maior orçamento de defesa do mundo, digam vcs o que quiserem, a inveja é f.., e o recalque do tempo das colónias ainda é forte. Continuem sonhando com o vosso poderio, ás custas da sucata Europeia em 3ªmão. Se a Europa não se consegue defender sozinha(dizem vcs) que se dirá de vós. A Europa Unida, não precisa de ninguém.

Adler Medrado
2 anos atrás

A Europa já era.

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

OFF TOPIC
mas nem tanto . . .

Japão ativa 1ª brigada anfíbia desde 2ª Guerra e gera controvérsia
Críticos temem que tropas anfíbias projetem força militar e violem a Constituição
FONTE: https://oglobo.globo.com/mundo/japao-ativa-1-brigada-anfibia-desde-2-guerra-gera-controversia-22567956

Delfim
Delfim
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Combina perfeitamente com seus “destróieres” e seus F-35B.

jorge Alberto
jorge Alberto
2 anos atrás

“Força de intervenção rapida”…

Mas se eles ja teem a Legiao estrangeira… Pra que “mais”?