Home Exército Brasileiro General brasileiro assumirá o comando da maior missão de paz da ONU

General brasileiro assumirá o comando da maior missão de paz da ONU

3050
13
General de Divisão Elias Rodrigues Martins Filho
General de Divisão Elias Rodrigues Martins Filho

Brasília (DF) – O Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, nomeou o General de Divisão Elias Rodrigues Martins Filho, do Exército Brasileiro, o novo comandante militar da Missão de Estabilização das Nações Unidas na República Democrática do Congo, a MONUSCO.  Substituindo o General da África do Sul, Derrick Mgwebi, o novo Force Commander contará com um efetivo de cerca de 17 mil militares, de diferentes países. Pela segunda vez, a MONUSCO irá contar com um comando brasileiro, já que o General de Divisão Carlos Alberto dos Santos Cruz esteve à frente da missão de 2013 a 2015.

Com mais de 35 anos de serviço, o General Elias ocupava cargo no Escritório de Organismos Americanos do Ministério da Defesa, e já foi vice-conselheiro militar junto à ONU, em Nova Iorque; bem como integrante da Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola. Além dos cursos militares, o General também é pós-graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e graduado pela Faculdade de Defesa da Escola Superior de Guerra.

O novo Force Commander ainda explica que a missão de paz na República Democrática no Congo (RDC) possui características específicas: “é uma missão que já ocorria em 1960, quando o Brasil participou com um pequeno contingente naquela operação e, depois, ressurgiu no final década de 1990. Desde 2010, a missão segue em um novo modelo com um mandato que prioriza a proteção de civis”. Confiante, o General completa: “estou pronto para dedicar o melhor de mim à comunidade internacional”.

O país está localizado na região central do continente africano e conta com uma série de problemas sociais e conflitos armados. Trata-se de um dos maiores países do mundo em extensão territorial e possui grandes riquezas naturais, o que, infelizmente, não é sinônimo de desenvolvimento nacional. O baixo Índice de Desenvolvimento Humano e o alto índice de mortalidade infantil são apenas alguns dos tristes registros da República Democrática do Congo.

Segundo publicação de fevereiro deste ano na página web brasileira das Nações Unidas, “a situação na República Democrática do Congo é uma das mais complexas do mundo e piorou em virtude do aumento de vários conflitos locais. No início de 2018, existiam cerca de 5 milhões de congoleses deslocados: aproximadamente 674.879 refugiados em outros países africanos e cerca de 4,35 milhões de deslocados internos. Esses números colocam a RDC entre os países com as maiores crises de deslocamento do mundo”.

O General Elias explica que “para que ocorra uma Operação de Manutenção da Paz, como as que o Brasil participa, alguns requisitos precisam ser cumpridos: o primeiro é o consentimento do país anfitrião; o segundo é a existência de um acordo de paz entre as partes envolvidas; e o terceiro diz respeito aos atores que estão contribuindo para o processo de paz: civis, militares e agentes humanitários que devem ser imparciais e representar todos os continentes na área da missão. E, por fim, tudo isso deve que estar sob o comando das Nações Unidas”.

Ao ser abordado sobre os desafios da nova missão, o Force Commander ressalta algumas características do País: “os conflitos nessa região, em particular no leste, são bastante sangrentos e têm provocado desastres humanitários que não têm tido notoriedade diante da comunidade internacional. A República Democrática do Congo tem mais deslocados no interior do País do que o que a guerra da Síria provocou. Estudos indicam que há mais de 200 grupos armados, e bem armados, na região, causando grandes danos às populações civis. Nos últimos anos, tornaram-se comuns os ataques às tropas das Nações Unidas, portanto é um ambiente bastante tenso, uma situação de risco elevada que tem provocado mortes de peacekeepers, que são os militares na missão de paz”.

Confira, aqui,  na íntegra uma entrevista com o General Elias, novo Force Commander na República Democrática do Congo, no programa Papo Verde-oliva, no canal do Exército Brasileiro no YouTube.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

13
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
6 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
DaGuerraRodrigo TavaresDan01Angelo ChavesJoao Moita Jr Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Eu desejo boa sorte! Eu espero que aproveite a oportunidade e eleve o nível de respeito que tem os militares de outros países acerca das capacidades dos militares Brasileiros, como bem fez General Santos Cruz. Boa sorte! Divirta-se!

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Eu pediria demissão…não conseguiria fazer parte desse tipo de “coisa”. Nada contra a pessoa do general, deve ser um grande profissional e um brasileiro honrado, mas eu não aceitaria. Na posição dele a minha atenção seria exclusivamente o Brasil, não conseguiria trocar o foco, nós que precisamos de uma MISSÃO DE PAZ e o brasileiro que ainda não percebeu isso é porque está completamente inserido/submerso nessa sociedade violenta e podre. Nosso país está tomado pelo narcotráfico; grupos internacionais de fomento da violência interna (em vários níveis); judicialização da moral do criminoso (inversão de valores); políticas de incentivo a criminalidade (de… Read more »

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Boa noite, acho que o EB e FAB deveria fazer missões de paz no exterior sabe: nos exportadores de armas e drogas pro Brasil…. e aqui no Brasil o resto pode ser feito pelas policias quando acaba as munição e dinheiro do tráfico.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

claro que para também tem que acaba a corrupção.

Rodrigo Tavares
Visitante
Rodrigo Tavares

Ivan concordo e como falei no outro tópico Militar brasileiro tem que ficar no Brasil, como diz o Juramento à Bandeira Nacional, em primeiro lugar defender a pátria (eu fiz esse juramento por mais de 20 anos) Temos um país vasto com fronteiras abertas, agora se aparece um presidente com sonhos megalomaníacos…. Deixa missão da ONU pra países “sem problemas” da Europa, Canadá e EUA….. Brasil ganhou o que no Haiti? de presente milhares refugiados de lá, muitos entrando sem ao menos uma certidão de bons antecedentes. Enquanto na Austrália só entra quem tiver 500 mil doletas pra investir por… Read more »

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Ivan tem toda a razão. O clima de Mad Max do Brasil vai de mal a pior. O país está completamente tomado pelo narcotráfico, milícias, grupos armados de toda índole. Aqui do exterior fico lendo jornais brasileiros, e meu Deus do céu. Chacinas, roubos a mão armada em todas as partes, até em restaurantes, invasão domiciliar com mortos e estupros, tiroteios, assassinatos, etc,etc,etc. Mais mortos a tiros no Brasil do que a tão noticiada guerra na Síria!!! E ainda ficam brincando de país civilizado, mandando fragata para o Líbano, general para liderar missão de paz. Querem enganar a quem? Se… Read more »

Angelo Chaves
Visitante
Angelo Chaves

Vivo no Brasil, ninguém nunca me assaltou, ninguém nunca atirou em mim. Eu também, graças a Deus, nunca precisei atirar em ninguém. Não é raro chegar um mala furado como uma peneira no meu PS, mas comigo, minha família, meus amigos, nunca aconteceu nada. E olha que eu moro em uma região violenta da minha cidade. O problema do Brasil é o mesmo dos EUA, narizes vorazes…

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Segundo os últimos dados do Departamento Defesa dos Estados Unidos, os americanos perderam 4.487 militares desde o início da operação no Iraque em 19 de março de 2003.

No dia 31 de agosto de 2010, quando os últimos soldados de combate americanos saíram do Iraque, 4.421 tinham morrido, dos quais, 3.492 morreram em ação. Quase 32 mil tinham sido feridos em operações no país

https://www.google.com/amp/s/www.terra.com.br/amp/noticias/mundo/oriente-medio/iraque-guerra-encerra-com-milhares-de-mortos-e-custo-de-us-802-bi,5cbb37ab6daea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html#ampshare=https://www.terra.com.br/noticias/mundo/oriente-medio/iraque-guerra-encerra-com-milhares-de-mortos-e-custo-de-us-802-bi,5cbb37ab6daea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

Dan01
Visitante
Dan01

A maioria das mortes violentas no Brasil estão relacionadas a pessoas ligadas ou com alguma relacao com a criminalidade. A maioria das vitimas sao policiais, criminosos ou pessoas próximas aos criminosos. O cidadão comum que tenta se manter longe disso tudo geralmente nao se tornar uma vitima, no máximo sera assaltado.

Rodrigo Tavares
Visitante
Rodrigo Tavares

Dan01

Eu nunca cheguei a ver algum gráfico sobre perfil dos 60 mil mortos no Brasil a cada ano

Mas pode ter certeza que morre muito inocente

Dan01
Visitante
Dan01

Morre muito inocente, mas acredito que a maioria seja de pessoas ligadas ou proximas ao mundo do crime. Eu tambem nao achei um grafico falando especificamente sobre isso, fui pesquisando por varias fontes ate formar essa opiniao. Tambem usei casos de pessoas conhecidas e casos que passam pela midia pra me basear. Posso estar errado tambem.

Casos de acordo com o Mppr
http://www.crianca.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1321#numeros

Segundo o Secretario de seguranca do Rn:
https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/78-das-mortes-tem-relacao-com-o-trafico-de-drogas-diz-secretaria-de-seguranca-do-rn.ghtml

Segundo o Dhpp do Espirito Santo
http://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/2014/01/quase-70-dos-homicidios-no-estado-estao-ligados-ao-trafico-de-drogas.html

Segundo o Dh de Curitiba
http://www.gazetadopovo.com.br/especiais/paz-tem-voz/droga-causa-77-dos-homicidios-9dgb4ldc3wfdvvkce6rztqtzi

Apesar de nao confiar 100% tem esse do G1 tambem
https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/mortes-violentas-no-brasil-perguntas-e-respostas.ghtml

DaGuerra
Visitante
DaGuerra

Torcemos para que o General tenha grande sucesso na missão mas que o governo Brasileiro não insista na idiotice de mandar tropas para esse buraco.