Home Defesa Aérea S-400: Índia e Rússia assinam acordo de US$ 5 bilhões

S-400: Índia e Rússia assinam acordo de US$ 5 bilhões

6398
103
S-400
S-400

NOVA DÉLI – A Índia e a Rússia assinaram o contrato para o fornecimento do sistema S-400 de defesa aérea no valor de US$ 5 bilhões na sexta-feira, após amplas negociações entre o primeiro-ministro Narendra Modi e o presidente russo Vladimir Putin, disseram fontes oficiais.

O acordo foi assinado na presença de ambos os líderes na 19ª cúpula bilateral anual Índia-Rússia.

O acordo do sistema de defesa antimísseis S-400 poderia resultar em sanções dos EUA sob o Countering America’s Adversaries Through Sanctions Act (CAATSA), instituído pelo Congresso dos EUA sobre a compra de armas da Rússia.

Os Estados Unidos pediram aos seus aliados que renunciem às transações com a Rússia, alertando que o sistema de defesa antimísseis S-400 que a Índia queria comprar seria uma “área de foco” para implementar sanções punitivas contra uma nação que empreenda acordos comerciais “significativos” com a Rússia.

Os legisladores americanos, no entanto, abriram a possibilidade de uma renúncia presidencial.

A Índia quer que os sistemas de mísseis de longo alcance reforcem seu mecanismo de defesa aérea, particularmente ao longo da fronteira sino-indiana de quase 4 mil quilômetros de extensão.

O S-400 é conhecido como o mais avançado sistema de defesa de mísseis terra-ar de longo alcance da Rússia. A China foi o primeiro comprador estrangeiro a selar um acordo governo a governo com a Rússia em 2014 para obter o letal sistema de mísseis.

Moscou já começou a entrega de um número não revelado de sistemas de mísseis S-400 para Pequim.

FONTE: Press Trust of India

103 COMMENTS

  1. Segundo informações de autoridades indianas , a índia tem interesse em mais duas baterias de S 400 ,alem dessas que comprou.. Não só os EUA estão insatisfeito com essa aquisição ,mais China e Paquistão não gostaram nada….

    • Hoje, a Apple e Amazon criticaram essa notícia dizendo ser mentira. Parece, não, existe uma histeria por parte do Governo americano em face do avanço da China, principalmente na área de alta tecnologia. Não adianta Trump espernear. Esse é um processo que os chineses levam muito a sério. Estão investindo muito dinheiro em pesquisa e criação de novos produtos. A perspectiva por parte deles deles é conquistar o mercado de eletrônicos e veículos de nova energia e, ainda, avançar no mercado aeronáutico. E parecem que estão tendo sucesso.

        • Só como informação, a China até agosto desse ano colocou em operação cerca de 110 mil novos robôs industriais. Uma enormidade.
          Motivo? Encarecimento da mão de obra e diminuição da oferta de novos trabalhadores.

          • Antônio,
            E o que o monarca chinês vai fazer? Instituir a Bolsa Família pra um bilhão e meio de pessoas? Aí com certeza o Comunismo terá atingido o seu ápice com o tão aguardado Paraíso do Proletariado. rsrrrss Todos os “trabalhadores” vão ganhar pra ficar em casa.
            Ou seja, num país com mais de um bilhão de ‘trabalhadores” os chineses colocam 110 mil robôs industriais só até agosto deste ano. Isso tem futuro? Vai dar certo? Tá tudo bem? Nos conformes? Você acredita mesmo nisso?

      • Mas é claro que criticaram no minuto seguinte. Imagine o estrago se eles admitissem que os servidores deles tinham um “chupa-cabra” instalado? E a galera achando que quem vazava os lançamentos da Apple era o chinês mal-pago da fábrica da Foxconn.

  2. De 2000 a 2016 70% das compras indianas foram de equipamentos russos e o segundo que mais vendeu foi Israel. A ideia de que a Índia está abandonado a Rússia e indo para os EUA em relação à equipamentos militares está mais relacionada a delírios do que a realidade. No mais, quem conhece um pouco da história indiana sabe que eles não aceitam ser manipulados por ninguém, principalmente devido a brutal colonização inglesa que matou 30 milhões de indianos de fome.

    • Depende Rui.
      Os sistemas do Us Army são focados em ameaças anti-balistiscas, o sistema deles dedicado a defesa anti-aerea é o PAC-2 com o míssil GEM/C mais é tecnologia da década de 90, é equivalente ao S-300 PMU/PMU-2, mas atrasado em relação ao S-300VM, S-300 PMU-2B4 e os S-400.
      Mas eles tem uma boa defesa anti-aereade longo alcance na marinha que é até superior a russa, em sensores e mísseis, mas não há esses sistemas em plataformas terrestres, somente quando o MEADS estiver operacional é que terão uma plataforma igual ou até superior.
      A Polônia pretende por exemplo comprar o MEADS e usar o míssil SM-6.

      • A Polônia desistiu do MEADS e vai comprar o Patriot, creio que o fato dos EUA desistirem do MEADS em favor de uma nova geração dos Patriot tenha sido determinante para essa desistência polonesa. Quem esta perto de comprar o MEADS é a Alemanha

        • O MEADS não tem lançador autocone, é por isso que vão comprar o Patriot practice ligar no MEADS.
          Na Alemanha o MEADS vai usar os Patriot alemães.
          O MEADS é só o sistema de radar e o software, o resto você pluga em outro sistema, é plug in play.

    • Rui,
      Minha opinião.
      Tem vários sistemas equivalentes aos S-300 e S-400 russos. Cada um com suas peculiaridades, vantagens e desvantagens, forças e fraquezas. rsss
      Exemplos:
      Patriot – EUA
      Meads – Europa e EUA
      Samp-t – Europa (salvo engano, França e Itália)
      Sky Bow III – Taiwan
      KM-SAM – Coreia do Sul
      Type 03 – Japão
      David Sling – Israel
      etc.

      Quanto ao S500, ainda não há confirmação de como e o que ele é. Tudo indica que seja algo parecido com o THAAD e/ou SM-3, específico contra mísseis balísticos na faixa exoatmosférica e eventualmente compatível com misseis antiaéreo. Hoje, a tendência é se ter lançadores com capacidade diversa, com vários tipos de mísseis.
      Vale salientar que os sistemas S300 e S400 russos nunca foram usados com combate real, portanto tudo que se fala dele pode ser verdade… ou não.
      O S-400 é um sistema impressionante, mesmo porque, cada míssil pesa até 2 t enquanto o maior do sistema Patriot pesa 900 kg, mas além de desempenho cinético, o que conta é a eletrônica e essa não tem como avaliar de forma consistente senão em operação real.

      • Eu pergunto isso porque em vez dos EUA ficarem chiando toda vez que a Rússia vende um desses pq eles não oferecem o modelo deles??

        • Rui,
          Os EUA é como o Bolsonaro. Todo mundo solta pum, mas quando é o Bolsonaro é ofensivo e fedorento e sai na mídia. Toda notinha do primo primeiro do vice mordomo do embaixador dos EUA no Butão, repercute como se fosse uma bomba jornalística.
          Os EUA aplicou sanções à Rússia por uma série de desentendimentos e tenta convencer e persuadir seus aliados a se manterem alinhados com sua política. Isso não tem nada demais. Sempre foi assim e vai continuar sendo. Se os indianos quiserem comprar os S400 russos, irão comprar. Os EUA vai chiar, vai se descabelar, vai ficar puto, mas os indianos vão comprar. Simples assim!
          A notícia é relativa à compra do sistema russo pelos indianos e no máximo deveria ter uma nota de rodapé sobre a chiadeira americana, mas isso é implantado como um “jabuti” no meio do artigo e aí passa a ser o foco central dele.
          É uma pena que seja assim, mas…

      • Bosco,
        descordo de você, Não há nada equivalente aos sistemas de defesa aéreo Russo, afinal é uma questão de sobrevivência para eles, pois sua força aérea não é párea para a da Otan.

        • Fox,
          Você está confundindo “desempenho cinético” com capacidade num sentido amplo. Ninguém duvida do desempenho cinético superior de alguns dos mísseis que compõem o sistema S-400, notadamente do 48N6 (Mach 6, 250 km, ogiva de 150 kg, peso total de 1900 kg), o que não é nada extraordinário tendo em vista ele pesar 2 x mais que o PAC-2 do Patriot (160 km, Mach 4, ogiva de 90 kg, 900 kg). Sem falar no 40N6 com 400 km que “ainda” não entrou em operação apesar de ser anunciado há 10 anos, pelo menos.
          Mas além do fato “desempenho cinético’ há o fator “eletrônica” que tem a ver principalmente com a capacidade de encontrar o alvo certo no meio de ECM intensa, dentre outros fatores. Isso não dá pra dizer que o S-400 é superior.
          Os soviéticos/russos, não raro usam a força bruta para mitigar suas deficiências. Por exemplo, os russos já tiveram submarinos que chegavam a mais de 40 nós e e quase 1000 metros de submersão por conta de não conseguirem fazer submarinos silenciosos e furtivos.
          Ora! Um submarino foi feito para ser um atacante furtivo e não um atacante veloz. Tanto é assim que o conceito não vingou e tão logo conseguiram reduzir o ruído emitido para níveis aceitáveis eles retornaram aos padrões internacionais.
          O mesmo se pode dizer da insistência no tal “desempenho cinético” superior dos aviões russos que ao meu ver se dá por conta deles não dominarem plenamente a tecnologia stealth.
          Voltando aos mísseis sup-ar, vale salientar que numa comparação de massa x desempenho de mísseis americanos e russos, o 48N6 tem alcance de 250 km enquanto o SM-6 é dito ter alcance de até 350/400 km pesando 1,5 t , portanto, 400 kg a menos que o míssil russo. Claro, há de se salientar que o míssil russo é dito ter velocidade de Mach 6 enquanto o americano é de Mach 4.
          Ou seja, quando se chega a ser possível comparar o desempenho de forma mais realista (já que ambos têm massa semelhante) nota-se que a tecnologia americana pelo menos se iguala em termos de desempenho cinético.
          Um outro dado interessante a respeito do S-400 que lhe confere uma aparente superioridade é que ele engloba uma série de sistemas dentro de uma designação comum. Aí fica complicado “competir” porque sobre um mesmo guarda chuva há diferentes sistemas, com diferentes e múltiplos radares de vigilância, engajamento, iluminação, direção de tiro, anti-stealth, etc.
          Para o Patriot ter chances de “vencer no primeiro turno” rsrssss ele teria que combinar o sistema Patriot tradicional com o sistema THAAD. Aí sim ficaria mais justo já que se combinaria o desempenho dos dois sistemas sob uma única designação. E ainda seria plenamente possível agregar um radar de busca de volume 3D para compor o sistema todo, como por exemplo o radar FPS-117, da Lochheed.
          Esse conjunto todo permite busca de volume em até 600 km de distância contra alvos aéreos, detecção de veículos de reentrada até 1500 km com o radar TPY-2 do THAAD, capacidade contra mísseis balísticos até o “intermediário” (IRBM), e contaria com os interceptadores PAC-2, PAC-3, PAC-3 MSE, Sky Hunter, THAAD, sendo capaz de engajar alvos aéreos até 250 km e balísticos em 200 km de raio e 180 km de altura.
          Por conta de não ter uma ogiva o THAAD pesa módicos 700 kg.
          E num futuro próximo em até 600 km contra alvos balísticos com o THAAD-ER e provavelmente com capacidade anti ICBM.

          • Bosco,
            Também tem a questão da inteligencia artificial (algorítimo) que é algo que só pode ser apurado e afinado com a experiencia de combate. Enfim, no meio de todas essas variáveis é possível equilibrar as forçar sendo diferente do oponente em matéria de doutrina militar.

    • Tem a ver com tradição na produção de armas de defesa aérea. Os russos tem a tradição herdada dos soviéticos.

      Assim como um relógio, todos sabem que os relógios japoneses são bons, mas os suíços dominam pq tem mais tradição.

    • Tem a ver com tradição na produção de armas de defesa aérea. Os russos tem a tradição herdada dos soviéticos. Assim como um relógio, todos sabem que os relógios japoneses são bons, mas os suíços dominam pq tem mais tradição.

  3. Gasta-se bilhões mas ate esses equipamentos serem entregues e estarem totalmente operacionais deve demorar muito …

    Hoje, o S-400 é um avanço tecnológico numa área sensível semelhante ao surgimento do míssil Patriot foi no passado Mas é bom lembrar que sempre haverá quem crie algo superior que vai tornar esse sistema ineficaz

      • Na realidade não é assim e tb não existe uma unica configuração.
        Conforme estrutura tradicional deles um regimento na versão de exportação é formado por duas divisões (Division) cada com 3 baterias cada com 8 lançadores de 4 a 16 misseis por lançador (dependendo do modelo de míssil).
        Mas isto não é regra e depende do comprador.
        Um grande abraço!

        • Formado por 2 batalhões em 1 divisão.
          Divisão vem acima de regimento.
          O engraçado que vi já na internet que um regimento de S-400 russo, tem 4 baterias com 4 lançadores, sendo 3 batalhões por regimento.
          De qualquer forma da o mesmo número de mísseis.

          • Amigo Augusto!
            Você esta caindo na mesma confusão que eu cai um tempo atras (fui severamente chutado pelos colegas mais experientes kkk).
            Divisão (дивизия) deles não é a mesma coisa que Division (дивизион). Na artilharia (regimentos AA ou misseis) eles usam “division” como unidade compatível com batalhão. Ja na infantaria (ou regimentos dos carros blindados , por exemplo) usam termo batalhão.Vai entender!
            Um grande abraço!

          • Isso mesmo Jr!
            Ele falou sobre 5 regimentos.E estrutura de regimento é mais ou menos (depende de usuário) essa que descrevi .O numero real varia bastante. Mas (como base) um regimento na versão de exportação(!) possui 8 lançadores por bateria. E ai começa a dança doida pois um regimento russo (de uso interno) em media possui 72 tubos de lançamento..
            Um grande abraço!

  4. Pergunta de Leigo, por favor, me ajude. O MTC 300 do astro 2020 é um Míssil de Cruzeiro o S300/400 um míssil antiaéreo.
    Porque o lançador ASTRO 2020 é menor do que o S300/400 ?

    • Bueno,
      Cada MTC 300 pesa 1,3 toneladas. Dois podem ser levados pelo Astros 2020, totalizando 2,6 t.
      Cada míssil 48M6 do sistema S400 pesa quase 2 t. Como são 4 mísseis, representam quase 8 t.

      • obrigado Bosco,
        Posso concluir que os astros não podem levar 4 MTC 300 devido a carreta ter menor capacidade.
        Isto implica uma maior quantidade de lançadores pode baterias.

  5. Heheheheh
    Nós deveriamos comprar uma 3 baterias no mínimo.
    Quero ver ter coragem, não para aguentar os Estados Unidos, mas, a choradeira aqui no blog.
    hahahah
    To ate vendo.
    Pô, pq russo
    Tem um muito melhor nos States, só é da Guerra do Vietnã.

  6. A Índia é grande e poderosa demais para temer sanções americanas. Além disso, os EUA desejam apoio indiano para conter a China. Torço para que indianos e chineses cheguem a um acordo sobre as regiões fronteiriças . Uma aliança entre os dois países seria absolutamente irresistível, apressando a retomada da posição que historicamente lhes pertence : as duas mais fortes nações do mundo, tanto científica qto economicamente.

    • Exato. O que tenho lido, principalmente em sites de economia chineses, é que a Índia ainda guarda algumas restrições nas relações com a China. Temos os seguinte atritos na relação:
      Primeiro, que a Índia não abre alguns seguimentos, principalmente de computação (processamento de dados, nuvens e etc).
      Segundo, que os indianos reclamam, e com uma certa razão, dos constantes superávits chineses.
      Terceiro é que a China reclama que a Índia só consegue fornecer produtos de baixa complexidade e agrícolas e que a infraestrutura do País não suporta investimentos chineses para grandes produções.
      Mas, de qualquer maneira, progressos estão sendo feitos e logo poderemos ter um mercado de quase 3 bilhões de pessoas; Seria inacreditável.

      • Diz isso pro Allan dos Santos do canal terça livre. Segundo este indivíduo civilização e progresso tecnológico é só do lado de cá, no ocidente, do lado de lá estão ainda na idade da pedra.

    • Pois e……em algum momento na historia futura (mas nem tanto ), espero que esses gafanhotos da India e da China (mais de 2,5 bilhoes de bocas famintas ) batam a sua porta para comer…..e ai / sera que voce ira mesmo apoiar essa uniao ?? cada uma de se ler, sem eira nem beira. Mais foco por favor, o assunto e muito mais complexo e envolve analises futuras bem mais complexas do que tao somente essa sua provavel torcidinha……cuidado com o que quer ou deseja. Sdsa

    • A Índia não é restringida igual é a China, pela ordem liberal, até pq a Índia é uma democracia liberal ela não tem nada do que reclamar de uma ordem que privilegia democracias liberais.
      Resumindo ela está mais pra cá do que pra lá.

    • Na verdade é o oposto, a India que precisa de apoio para conter o expansionismo chinês. Os EUA esta do outro lado do globo e tem suas fronteiras protegidas, já a India é o alvo e essa compra vem complementar a aproximação com os EUA. A Rússia não é uma ameaça para a India, mas a China é sim uma grande ameaça para a India.

    • Ah, tá! Fala de todo esse poder para as centenas de milhões de indianos que vivem na mais absoluta miséria! Urinam e defecam nas ruas! Pseudo-dentistas tratam seus “pacientes” em via pública, sentados nas beiras de calçadas! País miserável e imundo. Em grande parte da índias, os “nossos” pobres poderiam ser considerados classe média. E não me venha com história de que é cultura ou outro blábláblá….miséria, fome e doença é a mesma coisa em qualquer lugar do mundo. A Índia em uma grande economia? Sim….mas não grande o suficiente para viver investindo pesado em defesa e ao mesmo tempo dar uma vida decente paa toda sua população.

  7. Kkkkkkkkkkk choradeira dos EUA. Mas parabéns aos indianos, tendo atrito com um Paquistão e uma China da vida não se pode bobear. Tem que comprar o que for necessário para trucidar qualquer tentativa de invasão, não importa de onde venha, o que será usado, e se alguém vai ficar “pistola” com isso.

  8. Deve haver uma razão técnica para este sistema vender tanto !

    Os russos são os que tem mais experiencia com o uso de sistemas de defesa anti aérea.

    Não é só uma questão de aliança politica/ militar, pois no caso da Índia ela poderia optar por qualquer outro sistema disponível no mercado inclusive dos EUA.

    Só para deixar registrado a China também optou pelo S 400 e a China é um possível adversário da Índia então não seria natural a escolha de um outro sistema ?

  9. Eu tô torcendo para virem alguns Patriot PAC-2 dos EUA para o Brasil, porque S-300/400 nem em sonho, se vier (com um governo que valorize a defesa) vai ser Patriot mesmo, se o próximo presidente for realmente compromissado com a defesa faz um pacotão “FMS” para recompor as FA .

    Quanto a notícia, uma boa aquisição da Índia, acho que o Paquistão vai também de S-400, pois se China, Índia e Paquistão tiverem o S-400 os chineses vão pagar os que os russos quiserem para ter o S-500 . também NÃO descartem verem o S-400 em desfiles em Teerã e Hanói .

    • Fellipe,

      Não há razões para o Brasil dotar-se de um sistema AAA que é eminentemente anti-balístico, visto não haver essa ameaça no continente.

      Bolar um cinturão de defesa para um país tão grande é algo complexo e caro, logo além de nossa própria capacidade de bancar… Assim, vigora a máxima de “bater o arqueiro e não a flecha”.

      Sistemas AAA para o Brasil, só se for contra aquilo que certamente se constitui na maior ameaça vinda do ar para nós: mísseis de cruzeiro e munições guiadas, além de aeronaves. Dentro disso, sistemas de médio alcance, dentro de um alcance de até 30km e teto de até 15000 metros ( ex: CAMM ) e/ou SHORAD de grande desempenho ( ex: Tor M2 ) fazem muito mais sentido.

      • RR, desculpe mas o Patriot PAC-2 não é iminente balístico.
        Ele usa 2 tipos de mísseis, o GEM/T para alvos balísticos e o GEM/C para alvos convencionais.
        Resumindo depende do tipo de míssil.
        O PAC-3 que é só anti-balistico

      • A defesa Anti-Aérea é sim um desejo dos militares, e o Patriot PAC-2 atende todos os requisitos com sobra . não seriam numerosos para dar “cobertura total”, como em Israel ou Coréia do Sul, seria um ” fixo” para cobrir a capital federal, e outro que seria “ambulante” que poderia ser colocado em uma localidade específica em caso de crise .

        Acredito sim que temos que atacar o arqueiro e não a flecha, mas seria muito bom poder não levar uma flechada por não ter um escudo .

        OBS : os sistemas S-300 da Venezuela são a prova que os países precisam de um sistema AA de longo alcance, pois acho que são a defesa mais efetiva daquele país, muito mais do que os SU-30 , na verdade a sobrevivência dos SU-30 e o contra ataque deles só poderia acontecer se os S-300 conseguissem proteger os SU-30 de um eventual primeiro ataque .

  10. 5 bilhões de dólares é muita grana.

    No futuro eu vislumbro uma aliança entre Russia e Índia – sem relação com essa venda dos S-400 – porque a China ainda vai crescer muito. A India também, mas a India é uma bagunça e ainda tem o custo democrático.

    Os USA vão sair da Ásia pouco a pouco, as reformas do Trump foram agressivas e haverão cortes nos próximos 10 anos. O déficit de arrecadação com as reformas de Trump serão de 2 trilhões e meio de dólares na próxima década. O crescimento terá de ser 1/3 maior para que a arrecadação mantenha os níveis atuais.

    • sub-urbano,

      Ao contrário, os americanos estão levando o que há de melhor em suas forças para a Ásia; extremo Oriente em particular. Esteja certo de que aquele pedaço de mundo que incluí do Índico até sudeste da Ásia será de extrema atenção dos americanos pelas próximas décadas, haja visto o fato de que as principais rotas de abastecimentos chinesas passam por ali…

      Não há como precisar esse dado acerca de déficit de arrecadação… No mais, tudo depende de ajuste do Estado em relação as demandas verdadeiramente essenciais. Ainda tem muita gordura pra cortar no governo americano…

      As reformas de Trump visam, acima de tudo, geração de riqueza a longo prazo, o que pode compensar o corte de impostos. E ele pode conseguir isso; nada indica que não será assim… Aliás, já está acontecendo, com a alta recorde de postos de trabalho. Isso significará mais renda por cabeça nos próximos anos, o que significa, por tabela, mais impostos sendo arrecadados em consumo…

    • Olá RR

      As reformas de Trump sao uma incógnita. Nao se sabe se o atual crescimento é fruto ainda do governo Obama e seu ultimo acordo com México e UE ou ae o governo Trump é o responsavel.

      A medio prazo as empresas americanas podem se beneficiar com o Protecionismo das reformas vendendo mais no mercado interno de consumo mas também podem perder competitividade no mercado internacional por conta do maior custo com os componentes chineses em seus produtos. Daqui a alguns anos veremos os resultados dessas politicas de Trump mas o certo é que ele esta correto quanto a balança comercial americana, o déficit da balança deles é assustador, mas esse é um ponto vista grandemente criticado pelos Libertários, para eles o deficit da balança é uma preocupação estupida.

      • Não se sabe o real crescimento? Meu filho os EUA não é a China não que mente seu PIB, o crescimento foi de 2,3% ano passado e o desse ano se espera 3%, alguns mais otimistas prevêem até 4% de crescimento anual.
        Além do mais os EUA podem crescer seu déficit público indefinidamente, eles não são o Brasil, aprendam isso.
        O Japão por exemplo tem um déficit de mais de 200% do seu PIB e a China vem crescendo o seu de forma exponencial e não tem expectativas de parar.
        E a China tem empecilhos ao crescimento tão grandes ou até maiores que a Índia ao crescimento, suas área interiores são extremamente rurais e subdesenvolvidas e com graves problemas de separatismo.

  11. Prezados,

    Não se enganem acerca das pretensões chinesas para o Índico… Aquela região é absolutamente vital para a sobrevivência da China. E os mesmos não estão dispostos a terceirizar a segurança.

    Não é de hoje que os chineses estão estendendo influência sobre a região de maneira clara, cooptando países para seu círculo de influência sem o menor pudor. E também não é segredo que os indianos não estão nada satisfeitos com o aumento da presença chinesa em uma área que consideram ser de sua influência.

    Indianos, não tão recentemente, celebraram com o Japão acordos que garantem cooperação em segurança, e a recente aproximação com o Ocidente sinalizam seus temores. E os americanos, cada vez mais, retiram da boca dos chineses para pôr a mesa dos indianos, sentindo que é momento de estender laços econômicos e criar vínculos duradouros.

    Já os russos, estes observam por fora, mas com todo o interesse. As pretensões chinesas para o Índico também se chocam com interesses russos de longo prazo no Oriente Médio ( certamente estão ansiosos para aproveitar o vácuo deixado pelos americanos ). E no jogo das nações, eles também não se importariam em jogar cartas indianas no truco com os chineses, se fosse necessário; tanto quando chineses também lhes serve de escora contra os americanos… Não pra menos que não hesitam em manter os dois lados abastecidos…

    • Ainda com esses delírios de que a China cobiça as terras desabitadas siberianas? de que o conflito entre Rússia e China, a médio ou longo prazo, é possível? kkkkk

      O Ocidente teve a sua chance de trazer a Rússia para seu lado, logo após a queda da URSS. O que o Ocidente fez? integrou ex-satélites da OTAN, humilhou a Rússia constantemente, deu golpe de Estado na Ucrânia….e agora, claro….a OTAN pode contar com a Rússia para conter a China, lógico….kkkkk

      Já a China ofereceu à Rússia parceira no seu projeto “nova rota da seda”.

      De que lado a Rússia vai ficar mesmo?

      kkkkkkkkkkkk

    • Segurança de que ? Única coisa que ameaça suas segurança é a sua busca incessante por poder, se ficasse quietos no seu canto, ninguém ali da Ásia, ou do ocidente, se voltaria contra eles.
      É aquela velha questão, a ordem mundial privilegia regimes democráticos, democracias liberais, o que a China não é, seus líderes irritados com isso, buscam poder para mudar a ordem, com isso criar tensões nas fronteiras que eles tem que abafar, ou tentam, com força e ainda tem a cara de pau de falar que estão apenas reagindo a instabilidade de sua região, instabilidade criadas por eles mesmos.
      É simples, aceitem que a ordem é uma ordem liberal, e não busquem poder incessantemente e ninguém vai mexer com eles ou sua soberania, o problema é a aristocracia do PC chinês, que se aceitar a ordem mundial, eles estarão precipitando uma revolução, pq seus cidadãos ” (súditos) ” vão querer mudança, ou seja, as elites chinesas vêem a ordem mundial como uma ameaça ao seu regime, o mesmo pode ser dizer da Rússia, a busca por poder é vital na visão deles para manterem seus regimes.

      • Seu comentário é delirante. A China é uma superpotência. Eles vão ser a maior economia do Globo muito em breve, alguns cálculos já os colocam nesse patamar. A tendência de uma nação assim é se expandir. Pelo seu comentário é como querer que a República Romana tivesse se isolado na península itálica, quietinha, sem invadir a Gália e escravizar 1 milhão de habitantes.

        Hoje a China é o Império Romano. Os USA são a Gália. Trump é o Vercingetorix kkkk

        • Sub-urbano, o crescimento da China traz a semente da sua própria destruição. À media que mais e mais deles ingressem na classe média e conheçam o que é bom na vida, mais e mais pressão haverá pela democratização. Não vão tolerar ter bens materiais e não ter liberdade. E quando isso ocorrer, a China desmorona, pois sua força reside no controle forte e centralizado do PC. Haverá cisão em vários estados, tal e qual a Russia.

          Escreva.

          E isso não vai demorar ocorrer.

          • Colombelli. Acho que vc está enormemente equivocado. À medida que a China cresce ela avança nos interesses americanos. E os americanos sentiram o golpe. Só que foi tarde demais.Com esse avanço, a China vem aumentando enormemente o padrão de vida de seu povo sem o Estado perder o controle de todos os aspectos relevantes da política e da economia.

  12. Uma dúvida.
    Qual Seria o motivo de o Brasil não comprar uns 10 sistema de defesa antiaérea?
    Será que nosso militares estão vendo a possibilidade do desenvolvimento nacional deste tipo de armamento?

    Assim vendo por cima as notícias, tiro a conclusão que o sistema Pantsir S1 não veio pois em off o Brasil sofreria embargos dos EUA. E se o FMS não estaria disponível

    Muito menos o Ocean. Clanfs. Etc.

    Mas qual o motivo do Brasil não ir atrás de sistemas de médio e longo alcance.(ocidental)

    Só vejo uma possível solução.
    Que em 10 anos o sistema Astro se torne também uma plataforma antiaérea.

    Abraço

    • Renan,

      A resposta que dei ao Fellipe mais acima, mais ou menos se encaixa na sua pergunta.

      Há a possibilidade de se combinar a plataforma do sistema Astros com o míssil CAMM, que já vai ser adotado pela Marinha para os vasos combatentes da futura classe ‘Tamandaré’. E não é de hoje de se propõe isso. Desde 2014 que existe um projeto de desenvolvimento conjunto entre a MBDA ( fabricante do CAMM ) e a Avibrás ( fabricante do Astros ).

    • O Brasil não tendo um potencial inimigo que não tem nenhuma plataforma de radar especializada em alvos terrestres como nosso E-99, nossas tropas estarão protegidas pela desordem do solo, ficando somente detectáveis a ao famoso globo ocular mk1, coisa se mitigar com camuflagem e dispersão.
      A maioria de nossos alvos fixos (infraestruturas) está longe das fronteiras, protegidas pela imensidão do Brasil e os que estão nas fronteiras estão protegidos pela falta de uma força aérea cem capacidade de projeção de poder, inimiga.

      • Exatamente Augusto. Nosso território ja é uma defesa. Temos de ter meios de baixa altitude por ora, e dar prioridade a outras áreas com melhor custo benefício, sem prejuizo de no futuro se adquirir um pequeno numero de sistemas de médio alcance.

        A primeira coisa a se fazer quando se escolhe uma arma é ver quem são as ameaças.

  13. o brasil não prescisa de baterias de longo alcance mas sim de defesa aerea integrada com comando&controle e comunicaçoes mais avançados e completos que o sistema atual para guiar os caças e e unidades de misseis de medio alcance em lugares estrategicos .

    • Uma coisa é um meio que não tem capacidade de interfirir nas ações militares na região.
      Pois um mi26 nunca acertaria um míssil de cruzeiro.
      Nem nunca conseguirá chegar próximo de alguma estrutura americana.

      Outra é dotar um país instável de equipamentos que possam lhe garantir uma proteção bélica aos famosos mísseis de cruzeiro.
      Ou mesmo aeronaves.
      Então a história é bem diferente.

      Pois um país imenso como o Brasil dotado de camadas de baterias antiaérea.
      Ficaria bem difícil impor algo.
      Agora o país frágil neste quesito.
      É só dizer irei colocar um subimarino, um wasp e 2 destroyer no rio de janeiro se NÃO assina aqui.
      Rapidinho nossos políticos sabem o que fazer abaixar a cabeça e assinar.

  14. Sançoes nao vao funcionar contra a Russia e nem contra a India pq sao países grandes e importantes demais.

    E o EUA sozinho nao tem poder para sancionar todos os países do mundo. Basta que outros blocos evonomicos sejam formados para negociarem entre si e que tbm nao usem o dolar como moeda de referencia.

    Esses acordos militares e futuramente economicos sao reflexo imediato da desastrosa politica externa de Donald Trump. Isso ira fortalecer o mundo multipolar.
    Russia, India e China fazem parte do BRICS, nada mais natural que haja uma aproximacao politica, economica e militar entre eles mesmo que existam divergencias.

    Para o Brasil tbm interessaria o fortalecimento do BRICS unindo a ele tbm o Mercosul.

    No meu ponto de vista o Bradil deveria comprar material militar de varios fornecedores e depois investir em pesquisa e desenvolvimento entao fabricar seu proprio equipamento. Se o melhor destroyer é americano, entao compre estude e fabrique. Se o melhor submarino é russo, entao faca a mesma coisa. Se os melhores softwares sao indianos ou israelenses entao tbm compre, aprenda a fazet e fabrique aqui. Por isso a negociacao com a Suecia foi a jogada mais certa. O Brasil so deve depender dele mesmo na area de defesa e tecnologia pq o “aliado” de hoje pode se tornar o inimigo de amanha.

    • Ações coercitivas tem muita chances contra potencias regionais como a Rússia, Irã, se bem aplicadas, agora a Índia não é o caso, já que os EUA não tentam restringir eles, a Índia não é um perigo para eles e sim um aliado.
      Agora isso não funciona muito contra a China.

      • Augusto L
        Saudacoes

        Russia? Uma potencia regional?
        Discordo totalmente.
        A Russia pode nao ser a URSS mas esta longe de ser só uma “potencia regional”.

        Olha so, ja li muitos dos seus comentarios tecnicos e vc realmente sabe muito, mas o seu fanatismo ideologico pro-EUA/Israel faz com que vc fique cego e escreva absurdos sem qualquer tipo de logica ou bom senso.

        Esquece essa “raivinha” que vc tem da Russia e fique so nos comentarios tecnicos mesmo pq o seu fanatismo ideologico pro-EUA faz vc perder toda sua credibilidade.

        Escrevendo esse tipo de comentario vc fica parecendo os doidos pro-Russia que acreditam em noticias fantasiosas do Sputinik e se torna igual aos malucos que comentam aqui apoiando os malditos Ayatolas do IRAN ou os regimes fracassados de Cuba, Venezuela e Korea do Norte.

          • Caro Augusto

            Vc posta aqui o artigo de um site que é exclusivamente pro-EUA?

            “Financial sanctions can deliver calibrated economic pain with precision, from targeting individuals, to hurting targeted sectors, to slowing economic activity as a whole. Financial sanctions on China would be more complex, difficult to implement and maintain, and perilous for the world economy than are such sanctions on Russia or Iran.”

            Vc postando essa materia da no mesmo que um russofilo vir aqui postar uma noticia do Sputinik ou um fanatico islamico postar noticias do Iran News.

            Caro Augusto, siga meu conselho, fique so nas postagens tecnicas para vc nao perder credibilidade.

          • MGNS, esse é um instituto sério, um dos maiores e mais prestigiados think thanks, definitivamente não é um meio de notícia controlado pelo estado como é o sputinik

    • Já está prejudicando a Sukhoi, se os EUA ampliar para todas as empresas da Rússia de defesa, os russos ficariam em tremenda desvantagem em relação a suas exportações para seus clientes.
      Ok, não é o dólar? Qual moeda será então? Yuan, rublo…?
      Acha mesmo que os países aceitarão em negociar em suas moedas podres e desvalorizadas? Em que não se pode confiar o papel de moeda de troca internacional por serem autarquias políticas?

      Fortalecer o mundo multipolar? Que bonitinho, acredita em imaginações. Nunca existiu e nunca existirá o mundo multipolar, o que existiu e ainda pode existir é um mundo bipolar.
      O BRICS é um bloco com muito mais divergência, Índia e China estão quase em guerra, a China reclamando com seu país “irmão” Rússia por vender sistema de defesa para seus inimigos indianos, isso é muito mais do que divergência.

  15. È muita grana,o Brasil deveria buscar algo mais em conta é em maior numero,talvez desenvolver um sistema junto a africa do sul,ou mesmo irsael.um piranha ou darter com um booster,dirigidos por saber2000 digamos que o Brasil com um parceria somaria muito e claro teria chances de exportar para países do terceiro mundo onde suas condições financeiras fosse baixa.A Venezuela tem um sistema de médio alcance meio antigo mas que causa respeito(quando falo na Venezuela é nível de comparação,pois eles tem menos recursos e menos alvos prioritários para defender.

  16. Já foi falado aqui por um leitor sobre o sistema SPYDER, da Rafael. É muito interessante, pois ele usa os mísseis Derby e Python, para ameaças de curta e média distância, podendo chegar a 16KM de altitude e 50 km de distância, na versão MR.
    Ao invés de ficarmos especulando sistemas caríssimos de longo alcance com foco em mísseis balísticos, penso que seria uma boa pra nós dependendo do preço!

    https://en.m.wikipedia.org/wiki/SPYDER

  17. Desde que um garoto alemão pousou um Cessna na Praça Vermelha, que os Russos aperfeiçoam suas defesas anti-aéreas. Esse sistema S-300 é comparável aos Patriot americanos. Tambem tem o fator preço. Os Russos, em geral, pedem menos por seus armamentos. Manter uma industria bélica ativa e focada em contínuos aperfeiçoamentos faz uma nação transformar-se em potência mundial e fornecedor qualificado..

  18. Matheus G ( 6 de outubro de 2018 at 16:26 );

    Dependendo do que se quer, coisa pra algumas dezenas de bilhões de dólares…

    Mas repito que não tem sentido… O que há de mais valioso a ser defendido ( em termos de infraestrutura ) está no sul e sudeste do país, longe do alcance de qualquer coisa que nossos potenciais adversários no continente possuam.

    Fellipe ( 6 de outubro de 2018 at 20:52 ),

    O desejo das FAs, até onde já pesquisei, pede por um sistema tal qual descrevi acima.

    A experiência mostra que qualquer defesa aérea pode ser simplesmente varrida por uma combinação de ataques de saturação e iscas aerolançadas.

    Meios de vigilância/inteligência tem prioridade muito maior no sentido de permitir um alerta antecipado as forças estacionadas em solo. Nesse meio, a defesa AAA é uma parte de um sistema de defesa, e não o coração deste.

    Augusto L ( 6 de outubro de 2018 at 18:13 );

    O Patriot nasceu com propósitos anti-aéreos, mas o PAC-2 é uma atualização que visa a performance contra petardos balísticos.

    • O PAC-2 recebeu uma melhoria no algoritmo no modo TBM mas e um melhor míssil, especializado na destruição da o ogiva, o GEM/T, mas reteve o modo normal e inclusive recebeu um míssil melhor, com maior alcance e melhor eficácia contra alvos com baixos RCS, LO, o míssil GEM/C.
      Os dois mísseis GEM/T e GEM/C, são partes da família +GEM.
      Somente o Patriot PAC-3 que se excluiu o modo normal para se privilegiar somente o modo TBM.

  19. Brasil comprar S-300/S-400?
    Somente ano que vem o próximo presidente precisa de 260 Bilhões de reais para cumprir a regra de ouro.
    E para o futuro, defesa aérea para essa nação gigante, é bem simples, 108 Gripen Ng+Meteor+Ar Darter+E-99 modernizado, e junto nosso KC-390.

    • Seria necessário? Por acaso os indianos são parceiros deles no desenovlvimento do F-35, com 100 unidades enocomendadas? Comprar baterias de S300, S400, S1000000000000, S20x1000000000,……….sem que coloque em risco o compartilhamento de informações de seu mais novo produto de aviação de combate, não causa problema algum para os EUA. E, no momento atual da Turquia de Erdogan, talvez a Índia pareça muito mais confiável para os EUA.

      • E quem falou em Turquia?! Sansões são sansões, não importa se tem alguma parceria. A China não tem nenhuma parceria com os EUA e, por ter adquirido equipamentos militares russos, sofrerá sansões deles por causa disso. Então, se a regra é geral, ou seja, se aplica a qualquer país que faça negócios com o governo russo, o mesmo deveria ser aplicado à Índia, ou estou enganado?!

        • “Regra” e “geral” em política, principalmente internacional, são coisas que existem quando é conveniente. Cada um age da maneira, e quando, melhor lhe convém. Se os EUA acharem necessário, imporão sanções à Índia. Se já fizeram isso com a China, não vejo pq não farão com a Índia, se julgarem necessário.

          • Pois então, daí o meu questionamento. O que não entendi foi tu envolver a Turquia nisso. Rsrsrsrs

            No mais, era uma pergunta retórica. 😉

  20. Como pode uma país receber bilhões de dólares em ajuda humanitária e ainda por cima, gastar quase metade disso em equipamentos militares russos. A Índia pode ser comparada a uma ditadura bolivariana disfarçada de país multi cultural e cheio de crenças estranhas. Não deve ser fácil lidar com um país como este. A melhor coisa que os Estados Unidos faz é ficar longe de parceiros falsos e anti éticos, que deixam seu povo na miséria e que traem seus maiores parceiros no âmbito humanitário ( USA e OTAN).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here