Home Blindados Drones baratos versus tanques caros: uma virada de jogo no campo de...

Drones baratos versus tanques caros: uma virada de jogo no campo de batalha?

6903
140

Por Malcolm Davis

O conflito distante entre a Armênia e o Azerbaijão sobre o disputado enclave de Nagorno-Karabakh já forneceu uma lição nítida sobre como as futuras batalhas podem ser travadas.

A guerra tem sido caracterizada de forma mais visível por imagens de “câmera mortal” de drones atacando veículos blindados de combate, incluindo tanques de batalha principais, bem como infantaria desprotegida, com efeito devastador.

Não é amplamente compreendido no Ocidente, mas este conflito tem o potencial de se transformar em uma guerra regional mais ampla, arrastando a Turquia e, potencialmente, a Rússia mais abertamente à luta.

O uso de drones armados não é novo, é claro. Os veículos aéreos não tripulados Predator e Reaper (UAVs) armados com mísseis Hellfire foram usados ​​extensivamente no Afeganistão e em outros lugares. A Austrália está adquirindo o MQ-9B Sky Guardian armado.

O que é diferente no conflito atual no Cáucaso é o uso de sistemas de ‘munição de vadiagem’ (loitering munitions) de baixo custo comprados de aliados. Cada drone custa muito menos do que uma plataforma tripulada ou um UAV totalmente reutilizável. No futuro, as tecnologias de fabricação rápida permitirão que sejam adquiridos a baixo custo e usados ​​em grandes enxames. Isso é uma virada de jogo em potencial para a guerra terrestre.

Isso gerou debate sobre se veículos blindados caros e tecnologicamente sofisticados podem sobreviver em futuras batalhas contra massas de “drones suicidas” baratos. O tanque, que surgiu pela primeira vez nos campos de batalha da Frente Ocidental em 1917, está agora se aproximando do crepúsculo de sua utilidade militar?

Drone suicida IAI Harop

Com a compra pela Austrália de novos veículos blindados sob o programa LAND 400 em andamento, a probabilidade de um grande número de drones de baixo custo operando no futuro campo de batalha deve ser uma preocupação para os planejadores de defesa.

Na Fase 2 do LAND 400, o Departamento de Defesa está adquirindo 211 veículos de reconhecimento de combate Boxer para substituir os veículos blindados leves do exército (os ASLAVs). Na Fase 3, ele comprará 450 veículos de combate de infantaria e até 17 veículos de apoio de manobra para substituir os obsoletos veículos blindados de transporte de pessoal M113.

Rheinmetall Boxer

O blindado AS-21 Redback da Hanwha Defense Australia e o Lynx da Rheinmetall Defense Australia estão competindo na Fase 3. Uma decisão deve ser tomada até 2022. A faixa de orçamento é agora de A$18,1 bilhões a A$27,1 bilhões para 450 veículos, ou cerca de A$ 50 milhões cada.

Esses grandes contratos são importantes para a capacidade futura da Força de Defesa Australiana, e seria prematuro cancelar esses veículos. Mas os drones também não podem ser ignorados. As decisões precisam garantir que a capacidade seja eficaz, mesmo em face de rápidas mudanças tecnológicas.

O drone suicida não vai desaparecer do campo de batalha e, dada a sofisticação dos sistemas agora usados ​​por ambos os lados no conflito de Nagorno-Karabakh, é prudente considerar as capacidades que podem ser empregadas por uma grande potência na Região Indo-Pacífico. Uma avaliação de se nossos sistemas de combate futuros podem sobreviver é vital para o processo de desenvolvimento de capacidade. A ADF não pode presumir que operará apenas contra um oponente que não tenha uma capacidade anti-blindados confiável.

O primeiro passo para responder a esse desafio deve ser buscar uma capacidade de defesa aérea rápida, resiliente e com capacidade de sobrevivência em altitudes muito baixas, que seja altamente móvel. Ele precisa ser capaz de apoiar diretamente os veículos que transportam infantaria e proteger sistemas como a artilharia autopropulsada, enquanto se defende. A evidência de Nagorno-Karabakh sugere que os drones atacam a defesa aérea do campo de batalha primeiro para ganhar e manter o controle do espaço aéreo de baixa altitude antes de atacar os sistemas de combate terrestre.

O plano de estrutura de força do governo australiano para 2020 sugere que o desenvolvimento de armas de energia dirigida continuará. A EOS Australia está desenvolvendo essa tecnologia. O projeto LAND 19 Fase 7B da Defence pretende entregar um sistema nacional avançado de mísseis superfície-ar (NASAMS) dentro do sistema de gerenciamento de batalha conjunto AIR 6500, uma parceria entre a Raytheon Australia e Kongsberg.

O NASAMS é um próximo passo além do míssil terra-ar portátil RBS-70 e será baseado no AIM-120 AMRAAM-ER (míssil ar-ar avançado de médio alcance – alcance estendido). Isso aumentará a capacidade do exército de conter aeronaves tripuladas e alguns drones de alta altitude.

Saab RBS 70 NG
Saab RBS 70 NG
NASAMS

Contar com sistemas tradicionais baseados em terra, como o NASAMS, para combater um grande número de drones letais pequenos e baratos, esgotará rapidamente esses mísseis caros – e sempre haverá mais drones a caminho. Com drones mais baratos provavelmente custando cerca de US$ 100.000 cada, contra um veículo blindado de US$ 50 milhões, o drone vence o teste de valor por dinheiro.

O plano da estrutura da força tem a resposta certa com armas de energia dirigida e maior investimento em sistemas anti-drones usando tecnologia de guerra eletrônica e, em última instância, armas a laser compactas de estado sólido. Essas iniciativas devem ser aceleradas.

As funções dessas armas e sistemas devem ser expandidas para além da defesa de veículos individuais. Velocidade e efeito sustentado são cruciais contra grandes enxames de UAVs baratos e letais. Não faz sentido tentar atingir um drone de US$ 100.000 com um míssil de um milhão de dólares.

Também é importante reconhecer que, ao contrário da Austrália e outras democracias liberais, nossos adversários podem não ter preocupações éticas ou legais sobre o uso de armas autônomas. Eles usarão essas novas tecnologias sem restrições no campo de batalha.

Se tivermos que lutar contra uma grande potência, precisaremos ser capazes de atacar com nossos próprios enxames – ou iremos para a batalha com uma mão amarrada nas costas.

Ilustração de um feixe de energia dirigida acertando um drone

FONTE: The Strategist — The Australian Strategic Policy Institute Blog

Subscribe
Notify of
guest
140 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
28 dias atrás

Drone suicidas é o custo benefício é muito interessante, e é uma tecnologia que poderíamos fazer!

sj1
sj1
Reply to  Fabio Araujo
28 dias atrás

Os defendo como plataforma de ataque naval.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Fabio Araujo
28 dias atrás

Sim, mas infelizmente a indústria nacional não recebe apoio dos militares. Uma empresa de SP fez o drone Atobá, drone de médio porte que pode carregar até 70kg de carga, mas ninguém ainda viu as nossas forças armadas mostrarem interesse no projeto.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Allan Lemos
28 dias atrás

Bom dia
Como ele sobrevive em ambiente de Guerra Eletrônica?

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Agnelo
27 dias atrás

Não há muitos detalhes sobre isso ainda. Mas tem alguns vídeos legais no Youtube.

Gerson Branco
Gerson Branco
Reply to  Allan Lemos
27 dias atrás

Ignorantes não sofrem, nossos militares São burocratas

Anthony
Anthony
Reply to  Gerson Branco
26 dias atrás

Tá bom… Rsrs

Sergio Cintra
Sergio Cintra
Reply to  Gerson Branco
22 dias atrás

Não é bem assim. Existe uma fase para o desenvolvimento de projetos, que consiste em adquirir conhecimento, antes de qualquer “criação”. Eu lhe garanto que no EB, existem “caminhos” sendo trilhados, onde Engenheiros estão engajados em novos caminhos, via CTEx principalmente, tais como nas áreas de nanotecnologia, visando miniaturizações, assim como nas cabeças de guiamentos de vetores. Fica frio pois não existe lado obscuro. Antes de mencionar nessa tal de “Ignorância”, tem que andar/navegar/voar no “CONHECIMENTO” e que às vezes estejam devidamente camuflado.

sub urbano
sub urbano
28 dias atrás

Se a moda pega, ser combatente de infantaria nos próximos conflitos será algo parecido com a I guerra mundial e afins… O drone suicida usado em grande quantidade seria algo como uma Metralhadora contra ondas humanas da I guerra mundial.

Emmanuel
Emmanuel
28 dias atrás

Os MBTs viraram os encouraçados do século XXI?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Emmanuel
28 dias atrás

Mesmo destino terão os porta-aviões.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Antoniokings
28 dias atrás

Coitado do Armata…

José
José
Reply to  Ricardo Bigliazzi
28 dias atrás

Sou seu pai biológico

Tutu
Reply to  José
27 dias atrás

Mais infantil impossível….

Flanker
Flanker
Reply to  Antoniokings
27 dias atrás

Entao avisa os chinas……

Antonio de Palhares
Antonio de Palhares
Reply to  Emmanuel
28 dias atrás

Sim senhor.
Os porta aviões serão alvos dos mísseis hipersônicos.
As guerras com deslocamento de tropas e materiais serão muito complicadas.

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Antonio de Palhares
26 dias atrás

Começo a ter o mesmo pensamento.

Ramon
Ramon
Reply to  Emmanuel
28 dias atrás

Talvez não, provavelmente vão é ficar mais caros pois já vimos que Israel já desenvolveu sistemas que praticamente inutiliza as armas anti carro, provavelmente vão incluir algumas solução para os drones suicidas, mas os que atacam por meio de mísseis aí as colunas de blindados tem que ter um sistema antiaéreo dando cobertura, e defesa antiaérea é justamente o ponto mais fraco de nossas defesas, meia dúzia desses de drones podem inutilizar uma coluna de blindados facilmente, e já que estão desenhando novos programas para a construção de novos carros de combates, o EB tem que se atentar a isso,… Read more »

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Ramon
26 dias atrás

Começo a ver que levar uma coluna de um ponto A até um ponto B vai ser tão custo que talvez não valha mais a pena tê-los. Começo a ver blindados leves com outros olhos. Hoje eles têm armamentos capazes de liquidarem com blindados pesados, tendo a vantagem de serem muito mais ágeis.
Posso estar falando uma besteira sem tamanho, mas não vejo que o EB devesse mais investir recursos nesse tipo de veículo, um MBT.

Ted
Ted
Reply to  Ramon
24 dias atrás

Errar uma vez num conflito armado, significa milhares de vidas. Segue o fluxo tecnológico e investe em drones. Tchau coluna de blindados e ainda por cima não é tripulado

Pedro
Pedro
Reply to  Ted
24 dias atrás

E teoricamente, dependendo do modelo, bem mais barato no valor/unidade.

OSEIAS
OSEIAS
28 dias atrás

Esse negocio de drone suicida só da resultado para quem nem internet tem. Existe um monte de contra medidas de interferências de sinais e saturação do espectro eletromagnético, desativando esses brinquedos tornando inoperantes. Não existe bala de prata (exceto nuclear) para vencer batalhas, tem que ter um mix de contra medidas de defesa e ataque, se tornar especialista em sua doutrina e em seu equipamento.

Agnelo
Agnelo
Reply to  OSEIAS
28 dias atrás

É algo importante.
Quanto um drone sobrevier em um ambiente com GE?

OSEIAS
OSEIAS
Reply to  Agnelo
28 dias atrás

Desculpa amigo, mas não entendi sua pergunta.

Agnelo
Agnelo
Reply to  OSEIAS
28 dias atrás

Bom dia prezado
Minha pergunta é Justamente corroborando contigo.
Em um ambiente saturado por Guerra Eletrônica, não é qq drone q sobreviva.
Sds

sj1
sj1
Reply to  Agnelo
27 dias atrás

não vai existir EW em todos os pontos de atrito. Mas acho que em ambiente de floresta fechada a tropa a pé estará ligeiramente mais segura.

OSEIAS
OSEIAS
Reply to  OSEIAS
28 dias atrás

Mais uma vez repito, Drone é um equipamento muito útil para algumas atividades e está em franco desenvolvimento. Mas no senário atual não faz medo nenhum e mais uma vez vou explicar de forma simples. 1 Eles usam sinais eletromagnéticos para receber comando, não importa o tamanho dele, pois você vai encontrar esse sinal. 2 Não precisa rackear, ou quebrar criptografia, é só saturar o espectro que ele deixa de receber informações, ou volta para base ou cai. 3 já existe um monte de bloqueadores que aqui mesmo no canal já foi divulgado. 4 Uma vez identificados com cobertura aérea… Read more »

Pedro
Pedro
Reply to  OSEIAS
28 dias atrás

Exato. Basta ver dois bons exemplos que foram as batalhas na Síria e o conflito mencionado no post. No primeiro, nas primeiras 50 ou 60 horas em que a Turquia usou contra os Sírios que foram pegos de surpresa e tinham quase nenhuma defesa AAA ele fez estrado. Mas qualquer avião ou helicóptero sem defesa AAA também faria! Apos o período, com a chegada de defesa AAA assim como meios de EW Russos, os Drones foram varridos dos céus. Nesse conflito, ele divide-se em dois cenários: Front Sul onde as tropas do Azerbaijao tiveram exito justamente por nao existir grandes… Read more »

Jose Marcelo Garcia
Jose Marcelo Garcia
Reply to  Pedro
27 dias atrás

Excelente análise! Compartilho do mesmo pensamento!

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  OSEIAS
27 dias atrás

Medida eletrônica não é a solução definitiva porque uma hora os drones serão capazes de cumprir a missão de forma totalmente autônoma. Solução mesmo é laser, por isso os EUA investem tanto em laser e estão sempre mostrando vídeo do laser abatendo enxames de drones.

Eduardo Lima
Eduardo Lima
28 dias atrás

Avançar Blindados, sem apoio aéreo, de infantaria. É pedir para ser aniquilado mesmo. No caso, doutrina de combate muito estranha, está sendo adotada neste conflito.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Eduardo Lima
28 dias atrás

Assisti vídeo de um pequeno drone suicida russo atingindo e destruindo uma instalação militar.
São muito pequenos e, provavelmente, difíceis de abater.
É o futuro chegando.

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
28 dias atrás

Esses drones só conseguem êxito contra forças precariamente equipadas com sistemas de defesa de médio alcance e EW,como foi no caso da Síria e agora neste conflito da Armênia,só espero que os preguiçosos generais de escritório do EB tenham bom senso aprendam com que esta acontecendo na Armênia e priorize a aquisição de EW,pelo menos.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Alexandre ziviani
28 dias atrás

Mais fácil aranha criar asa e voar.

Ted
Ted
Reply to  Alexandre ziviani
24 dias atrás

Fala isso pra Arábia Saudita! Tem idéia do orçamento de defesa deles. Faz o nosso parecer rabanete! Pois um enxame de drones colocou a pique a maior refinaria daquele país.

Cadillac
Cadillac
Reply to  Ted
24 dias atrás

Mas aí vc ta falando de um país que usa muito mal os equipamentos que possui. Lembra de quando eles perderam um monte de blindados novos para uns “terroristas de chinelo e ak-47”.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
28 dias atrás

Um phalanx CIWS com um sensor IR consegue neutralizar tais ameaças?

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Defensor da liberdade
28 dias atrás

Atualmente os Merkava já possuem dispositivos ativos de defesa contra uma série de ameaças (a vizinhança é bem perigosa), acho que deve ter um monte de gente em cima das “pranchetas” a desenvolver uma solução contra essa “nova” ameaça.

José
José
Reply to  Ricardo Bigliazzi
28 dias atrás

Sou seu pai biológico

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Defensor da liberdade
28 dias atrás

Conseguir consegue, o negócio é o monte de drone, por isso laser é melhor, e ele gigane pesa 6 toneados, avançar com um CIWS no campo de batalha não, existem munições que se fragmentam chegando perto do alvo, que dá para colocar em um 8×8

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Carlos Campos
28 dias atrás

Mas este laser terá um tempo para queimar o drone, e existe a Vulcan de dimensões menores que o Phalanx.

Larri Gonçalves
Larri Gonçalves
28 dias atrás

Investimentos para defesa de enxames de drones baratos no futuro próximo, seriam sistemas de guerra eletrônica, e laser para tentar detê-los e lógico desenvolver drones suicidas de baixo custo para atacar ou contra-atacar as viaturas blindadas e concentrações de tropa de infantaria, artilharia de campanha e anti-aérea é o jeito de enfrenta-los no futuro bem próximo.

Bardini
Bardini
28 dias atrás

Existe um erro muito grosseiro nessa linha de pensamento de que, por conta da introdução destas novas munições, os blindados estão “ultrapassados” e em especial os MBTs. Não estão! Nunca estiveram! . Uma coisa é um australiano emitir uma opinião criticando um programa australiano, onde um futuro IFV poderá custar coisa como 50 milhões de dólares a unidade (fabricação local + veículo + suporte logístico monstruoso). Isso só é um grande problema, PRA ELES. Outra coisa beeeem diferente disso, é pegar essa linha de pensamento e dizer que para o Brasil, blindados estão ultrapassados, sendo que um Guarani nos custa… Read more »

Last edited 28 dias atrás by Bardini
sub urbano
sub urbano
Reply to  Bardini
28 dias atrás

Exatamente, penso a mesma coisa, a infantaria vai penar mais. Um acampamento, uma posição de metralhadora, uma trincheira, uma barricada, tudo isso poder alvo de um drone suicida, basta um outro drone detectar sua posição. Tem um video de paraquedistas portugueses atacando um acampamento de guerrilheiros na Republica Centro Africana, eles detectam o acampamento com um drone e atacam com uma unidade tamanho pelotão. Se tivessem uns dois drones detonavam o acampamento sem custar a vida de um Pqd padrão europeu que custou milhares de dólares para ser treinado e equipado, fora os custos com pensões pra parente e etc.… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  sub urbano
28 dias atrás

Sub Urbano
Bom dia
Seu exemplo entra justamente no ponto que exemplifica o caso do emprego dos drones “baratos”.
Assim como os portugueses na RCA, nós utilizamos drones no Haiti e aqui no RJ.
Obviamente, no Haiti estava “começando a ideia”, pela tecnologia e disponibilidade de aparelhos da época.
Mas não se pode equiparar estes aparelhos com o combate contra um inimigo “forte em Guerra Eletrônica”.
Embora seja óbvia a vantagem, a complexidade de um conflito entre forças mais desenvolvidas não prevê tanta facilidade.
Sds

sub urbano
sub urbano
Reply to  Bardini
28 dias atrás

Outro detalhe, a galera acredita que o Brasil poderia investir em contramedidas eletrônicas para proteger aquele soldado que tem 20 disparos de FAL de treinamento. No máximo os centros de comando e controle hehe

Agnelo
Agnelo
Reply to  sub urbano
28 dias atrás

Quanto a isso, o senhor está beeeeeem desinformado quanto ao preparo dos soldados q são empregados em operações reais no Brasil.
Sds

sj1
sj1
Reply to  Agnelo
28 dias atrás

30 tiros no ano na época do FHC, duvido que mudou muito.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  sj1
27 dias atrás

Sim, de fato isso é uma realidade.

Temos ilhas de excelência, mas o grosso é deficiente.

Last edited 27 dias atrás by Alfa BR
MARCOS ALEXANDRE QUEIROZ
MARCOS ALEXANDRE QUEIROZ
Reply to  Alfa BR
26 dias atrás

E são ilhas bem pequenas

Teropode
Reply to  Agnelo
28 dias atrás

Ele é especialista em palpites de cunho ideológico .

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Agnelo
28 dias atrás

Tá bom, e minha avó é virgem. Sorte do Brasil que só tem tralha na América latina, tivesse um inimigo como o Azerbaijão você iria ver a vergonha cavalar que iríamos passar.

Agnelo iria ser o primeiro a correr quando os drones começarem a explodir os Guaranis.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Defensor da liberdade
27 dias atrás

Defensor…. pela sua escrita, dá pra perceber q vc já é um rapazinho…
Seja mais educado…
Nós, militares, não temos culpa de seu pai biológico ser um de nós, e não lembrar do nome de sua mamãe.
Agora, vai fazer seu dever de casa, vai. A profe quer ver suas letrinhas.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Agnelo
27 dias atrás

Esse lance do pai não lembrar o nome da mãe é trauma Agnelo, você passou por isso? Sinto muito por você…

Quanto a profe. tenho bem mais para mostrar que letrinhas, tenho uma DRE com 3,5 milhões em lucro….

Last edited 27 dias atrás by Defensor da liberdade
Flanker
Flanker
Reply to  Defensor da liberdade
27 dias atrás

Se no seu entender o Agnelo tem algum trauma, o seu deve ser mania de grandeza….o pobre que ganha um pouquinho de dinheiro e acha que é rico…..o “rico” que acha que Jetta é carro top ….ora, por favor! Vê se cresce…..se não tem mais idade para crescer fisicamente, cresce mentalmente e, principalmente, intelectualmente….

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Flanker
27 dias atrás

Sim, sou crescido intelectualmente para perceber que nosso exército não está preparado para enfrentar ameaça de drones, isso é bastante visível, pois ainda operamos bofors que nem radar de tiro devem ter.

Bardini
Bardini
Reply to  Defensor da liberdade
27 dias atrás

Os Bofors podem ser guiados pelo EDT FILA…

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Bardini
27 dias atrás

Mas será que terão agilidade contra um enxame de drones? Fosse um Rapidfire eu colocaria mais fé.

Bardini
Bardini
Reply to  Defensor da liberdade
27 dias atrás

CT40:
Munição: Anti Aerial Airburst – Tracer com 200 pelotas de tungstênio
.
Bofors 40 L70:
Munição: 3P com 1100 pelotas de tungstênio

Last edited 27 dias atrás by Bardini
MARCOS ALEXANDRE QUEIROZ
MARCOS ALEXANDRE QUEIROZ
Reply to  Bardini
26 dias atrás

Bofor? Tsc tsc tsc tsc tsc tsc para com isso

Bosco
Bosco
Reply to  MARCOS ALEXANDRE QUEIROZ
26 dias atrás

O Bofors 40 mm com munição air burst é sim muito bom para enfrentar minidrones. O que precisa é ser combinado com um sistema competente de alerta de ameaças,capaz de detectar minidrones (nem todo radar de alerta aéreo é capaz) e de um sistema de aquisição igualmente efetivo contra esse tipo de alvo. Há de se salientar que esses tipos de drones (grupo 1 e 2) não são detectados a distâncias muito maiores que 5.000 metros e eles não voam a mais de 1.500 metros de altura. Ou seja, bem dentro do alcance de um Bofors. Só de curiosidade, os… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
26 dias atrás

Só como curiosidade, o USA classifica os drones da seguinte forma: Grupo 1: até 10 kg de peso e que voam abaixo de 500 metros a até 200 km/h Grupo 2: entre 10 e 30 kg e que voam até a 1,5 km de altura a até 500 km/h. Grupo 3: entre 30 e 600 kg e que voam até 5 km de altura a até 500 km/h Grupo 4: acima de 600 kg e que voam até 5 km de altura em velocidades maiores que 500 km/h Grupo 5: acima de 600 kg e que voam acima de 5… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Bosco
26 dias atrás

O problema é que o Bofors que dispomos não é controlado remotamente, muito menos tem a função de atirar sozinho ao detectar a ameaça.

Art
Art
Reply to  Bosco
25 dias atrás

Exato. Munição 35mm AHEAD, 40mm BOFORS 3P (PFPPX) são feitas para alvos pequenos. Esses drones tem armas baratas e já no mercado que podem ser usadas. Precisa de um sistema de radar especifico para esse tipo de ameaça. E ainda existe o desenvolvimento de Armas Laser. Talvez poderemos ver Drones caros X Defesas antiaéreas baratas.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Bardini
27 dias atrás

Uma coisa ignorada:

Nenhum dos dois lados está sendo capaz de dar um golpe decisivo no outro, estão apenas causando atrito um no outro enquanto ganham e perdem alguns palmos de terra.

A única forma de avançar em profundidade e dar um golpe decisivo é com… blindados.

Ao meu ver o ponto seria incorporar os drones ao no conjunto de armas combinadas, não substituir blindados por eles.

Bardini
Bardini
Reply to  Alfa BR
27 dias atrás

“Ao meu ver o ponto seria incorporar os drones ao no conjunto de armas combinadas, não substituir blindados por eles.” . Sem dúvida alguma. Não tem como substituir meios blindados. O que se deve fazer é complementar e potencializar suas ações. . Uma unidade de Armas Combinadas deveria também contar com um componente forte em EW, voltado em parte ao ataque e em parte a defesa. Com EW, além de comprometer as ações de UAVs inimigos, se tem um multiplicador de forças enorme quando usado de forma ofensiva. Sistemas EW podem afetar as comunicações de um inimigo, interferindo desde os… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Bardini
26 dias atrás

O que vc acha do Koral da Turquia?

sj1
sj1
Reply to  Alfa BR
24 dias atrás

Então pra quem apenas está se defendendo os drones cumprem a função, o pepino está com os países que os querem para ataque.

Last edited 24 dias atrás by sj1
Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
28 dias atrás

Bobagem ,,, O ‘sucesso’ desses drones se baseiam mais na falta de capacidade e treinamento do inimigo do que em seu real poitencial de letalidade. É claro que ninguém nega que um ‘enxame’ de drones é algo muito difícil de se defender, mas nao é o caso desses combates … se os armenios tivessem equipados com sistemas de contramedidas eletrônicas qie bloqueassem esses drones ou equipamentos Antiaéreos,  veríamos algo bem diferente; Mas serve de exemplo para países apressarem desenvolvimentos desses equipamentos para sua defesa aérea e principalmente, temos em breve carros de combate e blindados também levando em consideração essas… Read more »

Matheus S
Matheus S
Reply to  Entusiasta Militar
28 dias atrás

Em breve não, já temos exemplos. Alguns ativos de defesa aérea já estão implementados como o chinês HQ-17, visando primariamente drones. Os russos irão implementar o Gibka-S e os americanos sob o Stryker A1 IM-SHORAD. Uma notícia que divulgaram alguns meses atrás é que os americanos estão priorizando esse ano a implementação efetiva desse Stryker, justamente pelos cenários visualizados da guerra moderna.

wagner
wagner
28 dias atrás

Na guerra Saudita x Houthis os drones se mostraram eficientes contra armamentos de ponta,claro que inteligência humana foi decisiva.O IRGC que opera no Yemem explorou muito bem as falhas sauditas.

Cristiano. de Aquino Campos
Cristiano. de Aquino Campos
28 dias atrás

A vida dos MBTs não esta facil. Alem de misseis anti-tanque, cada vez mais letais agora tem drones suicidas.
Ambos os sistemas são muito mais baratos que os seus alvos.

Matheus S
Matheus S
Reply to  Cristiano. de Aquino Campos
28 dias atrás

Nunca foi fácil. Essas afirmações de que o uso do MBT está no fim ocorrem desde quando foi inventado e usado em batalha. No começo eram granadas e metralhadoras. Depois veio a ameaça aérea com os alemães usando seus caças como apoio, o que viria ser o predecessor da doutrina de “armas combinadas”. Depois os ATGMs. E agora drones. Em todos os outros cenários, com exceção dos drones, o tanque se adaptou e “sobreviveu” no campo de batalha sempre se atualizando e melhorando o seu aprendizado, conquistando novas doutrinas, novos conceitos, novas contramedidas e etc. Os tanques ainda estão no… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  Matheus S
28 dias atrás

Prezado
Bom dia
E não se pode esquecer, q muitas das baixas q podem ser vistas são resultado do mal emprego das capacidades das forças envolvidas.
O CC devidamente combinado com a Infantaria, e, dependendo da situação, com o devido apoio de Artilharia, Engenharia e Def AAe, além de Guerra Eletrônica, torna-se cada vez mais um Meio insubstituível.

Matheus S
Matheus S
Reply to  Agnelo
28 dias atrás

O problema é que mesmo se houvesse uma capacidade AAe da Armênia, os turcos estão apoiando essa guerra de longe com o sistema de guerra eletrônica KORAL, na qual anos atrás paralisou a rede de radar de defesa aérea da Síria e sua capacidade de derrubar os drones. O que muda aqui mesmo é a capacidade de guerra eletrônica e pelo que estamos vendo, a Armênia não tem capacidade EW. Os russos colocaram em prática um veículo com capacidade de falsificar o sinal do GPS que se mostrou bastante eficaz contra drones ucranianos, e isso com uma ampla rede em… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  Matheus S
27 dias atrás

Boa tarde Matheus Esse conceito é bem atual. Os EUA tem a vantagem ($$) de poder mudar e “remudar”. Sem duvida nenhuma, a necessidade de Guerra Eletrônica e Cibernética nas Bda se faz cada vez maior. Mas eu não acabaria com as Divisões. Pra nós, não é fácil “refazer” o q acabarmos. Os EUA acabou com as AD e já voltou atrás. Quanto as Bda terem mais “naturezas” não sendo Mec ou Bld, mas um “mesclado” de tudo, também tem de se esperar muito gasto logístico. Já O conceito de FT permanente é muito bom. Acredito, q podemos adaptar para… Read more »

willhorv
willhorv
28 dias atrás

Olha….só um armamento que sature uma faixa aérea com interferência de RF de alta potência pode inibir a aproximação de um ou mais drones, interferindo em seus acionamentos e comandos.
Aliado a isso, camuflagens de ponta será o objetivo a ser atingido.
Do contrário….o campo de batalha vai ser modificado drasticamente.

Antunes 1980
Antunes 1980
28 dias atrás

Quatro coisas me chamaram muito atenção.

1) Total incapacidade no que tange a defesa aerea Armenia. Drones operando livremente e causando danos gigantescos nas linhas.

2) Armenia não utilizando nenhum drone para contra atacar as forcas Azeris. Isso demonstra o baixíssimo nivel tecnológico Armênio.

3) A guerra convencional mudou.Desde a utilização em grande escala pelos Estados Unidos contra o talibã, Israel contra terroristas árabes e agora forças Azeris contra Armênia.
Porém especialistas militares do youtube se negam a aceitar.

4) Brasil deve urgentemente criar um departamento para criar, gerenciar e sanar todos os gaps existentes nesta guerra de drones.

Last edited 28 dias atrás by Antunes 1980
Pedro
Pedro
Reply to  Antunes 1980
28 dias atrás

A Armenia derrubou entre 50 a 70 UAVs ja! Nao a toa que diminuiram muitos os ataques deles e no front Norte onde havia mais defesas AAA, o avanço do Azerbaijao foi paralisado. Os drones da Armenia eles usam para observação e vigilancia, que mostram-se muito mais uteis do que ataque no front norte.

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Pedro
28 dias atrás

Tem a fonte referente a tais afirmações?

Alfa BR
Alfa BR
28 dias atrás

Tanques ou drones? Eu digo: tanques e drones.

Foxtrot
Foxtrot
28 dias atrás

Pois é!
Aí pergunto, onde estão o Falcão, Atobá e caçador (ou se estão)?
Onde está o M.A.S 5.1 que seria a versão aérea do MSS e semelhante ao Hellfire-1?
Onde está (ou se está) a SMKB e FPG-82 ?
Com as respostas as autoridades “competentes” !

Mgtow
Mgtow
28 dias atrás

Esse conflito no caucaso mostra que perante os Drones, os tanques no campo de batalha são meros micro-ondas humanos.

Last edited 28 dias atrás by Mgtow
paulo
paulo
Reply to  Mgtow
28 dias atrás

É isso aí, Mgtow.
Exércitos bem treinados, blindados, lançadores de foguetes… não são nada perto dos drones. Apenas alvos.

Glasquis 7
Reply to  Mgtow
15 dias atrás

Bom, e vc estiver no alvo do drone tal vez, não faça sentido pra vc maas, se eu estiver no alvo, pra mim faz todo sentido, até usar misseis mas caros.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
28 dias atrás

Desde a 1a. Guerra Mundial (com o advento dos tanques) sempre foi assim.

A “blindagem” nunca superou as armas que as atacaram… pelo menos a matéria é clara que ninguém está 100% seguro, de um veículo de transporte ao “invencível” Armata.

Obs.: Pelo menos a 30 anos já são utilizadas armas antitanques que são dedicadas a infringir danos na parte superior (menos blindada) dos alvos em potencial.

José
José
Reply to  Ricardo Bigliazzi
28 dias atrás

Sou seu pai biológico

Caio
Caio
28 dias atrás

 Não faz sentido tentar atingir um drone de US$ 100.000 com um míssil de um milhão de dólares.”
Se o drone estiver ameaçando algum veículo ou infraestrutura de US$10mi parece valer mto a pena

Caio
Caio
Reply to  Caio
28 dias atrás

Aliás, não é isso que Israel faz toda semana?

Caio
Caio
28 dias atrás

Drone de US$ 100.000 vs veículo de US$ 50milhões?

Preço de um soldado (treinar, alimentar, vestir, medicar, armar, transportar, alojar, pagar salário, pagar pensao, etc) vs uma “bala” de alguns centavos?

Allan Lemos
Allan Lemos
28 dias atrás

Pergunto-me quanto tempo levará até que os drones equipados com ogivas nucleares apareçam.

_RR_
_RR_
28 dias atrás

Prezados, Uma massa blindada movendo-se rapidamente ainda é ( e continuará a ser por muitos anos ) o terror do campo de batalha… Como já bem apontado pelo Bardini mais acima, uma defesa EW e AAA competentes é o que se torna o centro dessa questão, e não o carro em si. Já nos dias de hoje, qualquer força que não estiver apta a proteger-se utilizando meios EW e AAA em caráter tático, simplesmente não poderá negar os céus de onde está, e se exporá ao risco dessas armas… Simples assim… E mais: sistemas missilísticos hoje considerados V-SHORAD logo terão… Read more »

Ted
Ted
Reply to  _RR_
24 dias atrás

Movendo se rapidamente. Kkk

Alois
Alois
28 dias atrás

Acredito que operações de saturação utilizando drones baratos, inclusive utilizando um drone maior, ou avião de comando, para coordenar os ataques, é algo muito factivel, imagine drones com cargas explosivas diferentes, para alvos diferentes, aguardando em solo, ou no ar para ataques rápidos?, isso vai fazer bom que a capacidade de GE, seja muito mais importante, sendo até usada para frações de infantaria, nasce o “especialista de infantaria de GE” como o atirador, comunicação, etc.

Bosco
Bosco
28 dias atrás

O que chamamos de modo geral de “defesa antiaérea” teve que mudar muito ao longo dos 100 anos da aviação de combate. Essa evolução se deu por conta da resposta às novas ameaças que iam surgindo. Dos aviões da PGM passando pelos dirigíveis, bombardeiros de grande altitude, mísseis V1… até os dias de hoje com as armas hipersônicas e enxames de minidrones. A atual defesa antiaérea engloba as seguintes áreas: 1- antiaérea clássica (contra aviões tripulados, grandes UAVs e helicópteros); 2- ACM (contra mísseis de cruzeiro subsônicos, supersônicos e hipersônicos); 3- C-RAM (contra foguetes, morteiros e obuses); 4- C-PGM (contra… Read more »

_RR_
_RR_
Reply to  Bosco
27 dias atrás

Boa tarde, Bosco.

Creio que este será o futuro imediato da defesa AAA a nível tático…
comment image
comment image

Por mais que as vulnerabilidades sejam evidentes ( possibilidade de ambos terem suas emissões rastreadas e utilizadas para se orientar armamento anti-radiação ), um conjunto como esse representa a melhor chance de sobrevivência para uma tropa que tem que se deslocar onde não há supremacia aérea. Aliás, até mesmo adquirir a supremacia aérea, no sentido reto desse termo, torna-se agora algo extremamente difícil a qualquer força aérea, visto esses drones poderem ser lançados literalmente de qualquer ponto e ameaçarem as forças em solo…

Bosco
Bosco
Reply to  _RR_
26 dias atrás

RR,
O Pantsir é bom mas ainda assim não deve ser apto a neutralizar a ameaça representada pelos minidrones (grupo 1 e 2). Os russos também estão desenvolvendo sistema C-UAS específicos.

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
27 dias atrás

Ainda há uma nona área de atuação da moderna AA que seriam os “sistemas de proteção ativos” que ora estão sendo desenvolvidos para a proteção individual de veículos blindados.

Pedro
Pedro
Reply to  Bosco
24 dias atrás

Professor,

Boa noite, o que você acha que vai acontecer a médio/longo prazo? Os blindados e tanques servirão apenas como força de ocupação e assaltos, após o terreno ser devidamente varrido de drones ou poderão atuar em conjunto?

Bosco
Bosco
Reply to  Pedro
24 dias atrás

Pedro,
Vai além
Nos exércitos clássicos quem domina o terreno sempre foi a infantaria. Hoje vislumbramos a possibilidade de um terreno ser ocupado por drones. Dezenas, centenas de drones em voo permanente sobre uma área ocupada poderá controla-la melhor que soldados humanos

Welington S.
Welington S.
27 dias atrás

A China já pensa dessa forma… não foi por acaso que fizeram aquele lançador de drones de ataque. Agora, imaginem aquele enxame de drones atacando um porta-aviões dos EUA ou qualquer outro tipo de embarcação americana…o estrago será enorme.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Welington S.
27 dias atrás

Já vimos as grades latarais nos MBT que servem para defesa contra RPGs. Na mesma linha veremos, em breve grades horizontais, tipo telhado ou, pior, baloes de barragem com na WWI e inicio da WWII.

_RR_
_RR_
Reply to  Luiz Floriano Alves
27 dias atrás

Luiz,

Considerando a massa e a velocidade desses bólidos quando na descendente, dificilmente haverá barreira física como a que propõe que será capaz de detê-los… Aliás, a proteção passiva tipo grelha a que se refere, tem efeitos marginais…

Contra um enxame de drones, apenas ondas eletromagnéticas poderão ter efeito real, sendo capazes de neutralizar a ameaça antes que ela se coloque em curso terminal.

Pedro
Pedro
Reply to  Luiz Floriano Alves
24 dias atrás

Uma barragem de Katyusha versão drones inteligentes, que podem manobrar e serem rápidos? Quase um jogo de vídeo game.

Caio
Caio
Reply to  Welington S.
27 dias atrás

Só precisa pedir ao inimigo estacionar o porta aviões dele próximo da praia

Gabriel BR
Gabriel BR
27 dias atrás

Existem muitas contramedidas a serem tomadas contra drones , podem ser adotados sistemas de defesa ativa e artilharia antiaérea de alta mobilidade como o pantsir para escoltar as viaturas blindadas, ou ainda sistemas de guerra eletrônica. Quanto ao guarnecimento de instalações existe o MANTIS alemão…

sj1
sj1
Reply to  Gabriel BR
27 dias atrás

Essas contra-medidas deixarão a guerra em terra caríssima, a aérea e naval ja era há muito.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  sj1
27 dias atrás

Não existe alternativa

Jefferson
Jefferson
27 dias atrás

Dessa matéria eu só tiro uma conclusão: os australianos estão bem espertos, acordados…parece ter um planejamento interessante. Aqui o planejamento é a aposnetsdoria com 50 anos, principalmente se candidatar a algum cargo após 10 anos na ativa, ir para a reserva remunerada.
Abraço!

Hélio
Hélio
27 dias atrás

deve ser buscar uma capacidade de defesa aérea rápida, resiliente e com capacidade de sobrevivência em altitudes muito baixas, que seja altamente móvel. Ele precisa ser capaz de apoiar diretamente os veículos que transportam infantaria e proteger sistemas como a artilharia autopropulsada, enquanto se defende”

O Draco da Iveco não é justamente isso? O canhão de 76mm além de capacidade antiaérea, tem clara capacidade antiblindado.

_RR_
_RR_
Reply to  Hélio
27 dias atrás

Hélio,

No complexo combate dos nossos dias, é preciso muito mais que isso… O sistema tem que ser preciso e capaz de engajar alvos múltiplos; engajar vários alvos ao mesmo tempo. Poucos se encaixam nesses quesitos hoje…

Bardini
Bardini
27 dias atrás

Demonstrador de tecnologia da BAE, sobre a plataforma do ACV: . . Um blindado com grande mobilidade e capacidade anfíbia quase no nível de um CLAnf. . Torre controlada remotamente equipada com canhão 30mm que tem capacidade de empregar munição ABM. . Um Javelin integrado a torre. (Isso aí nós deveríamos estudar com as REMAX!) . FLIR montado em um mastro retrátil. . RWS com metralhadora 7,62mm . Adição de 04 foguetes guiados de 70mm. . O blindado tem um sistema próprio C-UAV, composto por radar e arma laser. . Só digo duas coisas: isso aí é caro pra kacete… Read more »

Bosco
Bosco
27 dias atrás

Há dois conceitos diferentes relativos aos sistemas C-UAS. Um diz respeito a neutralização de ameaças isoladas e eventuais. Nesse caso a abordagem hard kill se dá por meio das seguintes armas: 1- canhão com munição de explosão no ar; 2- laser de alta energia; 3- míssil sup-ar com capacidade UAS; 4- drone anti drone Ex: Coyote 5- feixe de micro-ondas de alta energia (HPM). – Já a abordagem contra ataque de enxames se dará preferencialmente pelo uso de feixe de micro-ondas de alta energia, que pode torrar dezenas ou centenas de uma vez só desde que estejam na sua zona… Read more »

Last edited 27 dias atrás by Bosco
Wellington Góes
Wellington Góes
27 dias atrás

Com certeza as armas de energia direcionada (lasers) são o futuro das defesas antiaéreas de ponto, entretanto, face as ainda dificuldades de geração de energia suficiente no campo de batalha, as defesas de ponto com canhões rápidos ainda se fazem necessários… Versões móveis do Phalanx e Goalkeeper seriam bons nesse meio tempo… Mas o Pantsir, na minha opinião, está na vantagem… Isso mostra, também, que o Gepard, ou a versão sul coreana do mesmo conceito, ainda têm vez no campo de batalha… Se adaptados/modernizados com algum MANPAD (Igla, Mistral ou Stinger), aumenta se capacidade de defesa para uma coluna blindada,… Read more »

Last edited 27 dias atrás by Wellington Góes
glasquis 7
27 dias atrás

Nada infalível. Já existem em estudo, sistemas de cobertura pra neutralizar o ataque de Drones.

A tecnologia é assim. Hoje se cria uma arma, amanha se cria outra neutralizando e assim sucessivamente

sub urbano
sub urbano
27 dias atrás

O Irã deve estar despreocupado com essas novidades. Eles tem mais de 30 armas antiaéreas diferentes em seu arsenal. Somente de lançadores de ombro eles tem 5 modelos dentre cópias de misseis soviéticos e chineses, passando por frankensteins fabricados localmente a partir de mísseis antitanque remotorizados. Eles chegaram a copiar o RIM-66 da USNavy e adaptar para ser lançado de caminhões kkk Copiaram o S-200 também.

sub urbano
sub urbano
27 dias atrás

A unica solução seria uma arma antiaérea barata, de alta mobilidade, a nível de pelotão. Essa opção ainda não existe, o mais proximo que temos isso são metralhadoras 23mm e mísseis de ombro direcionados por um radar portátil. Alguém falou em Laser… o laser não está operacional nem a nível de Carrier Strike Group kkk Fato é que o brasil está defasado em todos os sentidos pois não tem fabricação nacional de nenhum armamento antiaéreo. A doutrina do EB é baseada em enfrentar Guerrilhas de Esquerda (veja só, essa parte não é uma crítica e sim uma constatação ok). Vejam… Read more »

Sequim
Sequim
26 dias atrás

Uma abordagem racional seria a combinação de armas sofisticadas com armamento barato. Investimento em CCs combinado com investimento em drones e outros armamentos baratos. Há na internet diversos vídeos de rifles anti-tanque. Tais rifles já se mostraram efetivos no Iraque, quando derrubaram caríssimos helicópteros Apache.

Andrenson
Andrenson
26 dias atrás

Parabéns mais uma vez para a Trilogia, Forças Armadas do Brasil e aos debatedores nos comentários, o nível de debate está ótimo, enriquece bastante o diálogo necessário para a defesa nacional, análise geopolítica deveria estar mais difundida neste país. Parabéns a todos pelo bem que fazem à nação, sei que nossas Forças Armadas tem problemas com folha de pagamento, aliás que os senhores debatem e trazem à tona críticas construtivas. Muito obrigado por existir um cantinho de bons debates em terras tupiniquins.

Sequim
Sequim
Reply to  Andrenson
26 dias atrás

Sites como a Trilogia são os chamados think tanks, lugares onde ideias são propostas, criticadas e debatidas. É um prazer fazer parte disso.

Vilela
25 dias atrás

Não faz sentido tentar atingir um drone de US$ 100.000 com um míssil de um milhão de dólares.”
se o alvo for um veículo blindado de 50 milhões ou uma estrutura estratégica faz sentido sim!
Claro que deve buscar outros meios de combater os drones, interferência de comunicação/controle deve ser mais barato…

Jacinto
Jacinto
25 dias atrás

Os taiwaneses desenvolveram um drone suicida chamado Chien Hsiang. Um único caminhão pode transportar até 12 deles (não precisa de pista de pouco ou decolagem) e com 7 kg de explosivo tem força suficiente para destruir, ou ao menos matar, os soldados em uma barcaça de desembarque. Acreditam ser uma arma que inviabiliza um desembarque anfíbio em um local com as características de Taiwan.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Jacinto
24 dias atrás

RR
Desde Faraday que a humanidade busca fazer armas com as chamadas ondas eletromagnéticas. Os raios de combate, já produzidos requerem um Jumbo ou um grande veiculo para abrigar o gerador de energia. Ainda não temos raio prático para destribuir no campo de batalha. a saturação do espectro eletromagnético tem muita utilidade, mas os IR continuam ativos. Abraço

Tiger 777
24 dias atrás

Em 1973, quando os SAM em camadas do Egito, derrubaram aviões da Força Aérea de Israel, disseram que era o fim dos ataques aéreos…
Em 1982, Israel saturou as defesas anti-aéreas Sírias com drones – fazendo com que estes gastassem todo seu estoque de mísseis.

Ted
Ted
Reply to  Tiger 777
24 dias atrás

Diante do advento dos drones a Inglaterra, membro da OTAN, potência nuclear, já estabeleceu data para desativar seus carros de combate. Mas no terceiro mundo. ……..

Bardini
Bardini
Reply to  Ted
24 dias atrás

Eles ainda estão estudando desativar os Challenger, pq não tem dinheiro pra bancar a sua modernização em conjunto com os demais programas do MoD! NÃO é por conta de UAVs…

Ted
Ted
Reply to  Bardini
24 dias atrás

SEXTA ECONOMIA DO MUNDO. Sem dinheiro para reformar alguns carros de combate?

Bardini
Bardini
Reply to  Ted
24 dias atrás

Tu claramente não acompanha porcaria nenhuma do que vem acontecendo no UK…

Ted
Ted
Reply to  Bardini
24 dias atrás

porcaria é o teu conceito de primeiro mundo. Errar é humano, persistir nele é burrice

Cadillac
Cadillac
Reply to  Ted
24 dias atrás

Vc ta por fora msm. Leia as noticias dos blogs de defesa deles e leia os comentarios tambem, a grana lá está curta para o MoD.

ScudB
ScudB
Reply to  Ted
23 dias atrás

Então, Ted , vc não e humano..

ScudB
ScudB
Reply to  Tiger 777
23 dias atrás

Amigo tiger!
Na realidade não foi assim .Quero dizer não foi nem perto de “assim”.. OU melhor : foi completamente diferente!
Vai procurar sobre trabalho do IAF para operações de 1982.
Cada um..

ScudB
ScudB
23 dias atrás

Sei que ta muito difícil de quebrar essa euforia dos videos azeris. Mas.. Ja se passaram quase 45 dias. E? Apos de “chuva” dos drones nas ultimas semanas e seca nos videos chegamos ao um ponto de que os “brabos” azeris e mercenários pro-turcos da Síria vão ter que andar com as perninhas pelas montanhas para tomar algo. Um pergunta para todos: ja chegaram a ver últimos videos e fotos deste “passeio”? Não? Sugiro procurar que logo logo passa essa sensação que drones valem tanta atenção. Para mim (e meus colegas de serviço) muito mais vale uns drones de reconhecimento… Read more »

Artsaque.jpg
Bardini
Bardini
Reply to  ScudB
23 dias atrás

Os Bayraktar vem sendo empregados muitas vezes, justamente na função de apoiar a artilharia, como você fala. E isso vai desde a artilharia de tubo até foguetes, sem contar ações com Loitering Munitions. Não passa nem perto de ser uma “porcaria”. . O que tem limitado as ações do Azerbaijão, é justamente avançar sobre um terreno montanhoso, que não comporta o emprego de uma força blindada, como no sul. Atacar esse tipo de posição, nesse tipo de terreno, seria problema pra qualquer um… E embora isso limite as ações, o Azerbaijão tem avançando, pois como você disse, já chegaram em… Read more »

ScudB
ScudB
Reply to  Bardini
23 dias atrás

Amigo Bradini! Chegaram e … só (inclusive perderam a Dizapait ontem). Sem logística , com numero graaande dos mortos já acumulado , sem nenhuma perspectiva de tomar e sem drones (pois boa parte já foi eliminada e condições de tempo limitam bastante o uso daquilo que sobrou). Uma pergunta simples: já viu essa tal “fortaleza natural” da Shusha? Ou Berdzor? ou Mrav? Vai ter que subir a pé. E nenhum drone vai ajudar a fazer isso : Bayraktar (porcaria ou não) , Anka , etc.. Já já na região vai cai a temperatura , céu nublado com nuvens “deitados” no… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  ScudB
22 dias atrás

Aí tu tocou no ponto mais interessante da questão toda: o clima limita demais a atuação dos drones. É tão perceptível que quando o tempo fecha, param de surgir vídeos.
.
Eu não dúvido do que você escreve, de que a Armenia venha a manter aquele terreno que é complexo, mas se o Azerbaijão conseguir avançar, só torna o estudo desse conflito ainda mais interessante.

ScudB
ScudB
Reply to  Bardini
22 dias atrás

Com toda a certeza Bardini! Estou acompanhando este conflito desde 1988.Tenho vários amigos da região bem próxima. Artsaque para arménios é como Kosovo para sérvios ou búlgaros : se trata de ninho cultural. Vão defender com dentes e garras. A maior parte dos videos das primeiras semanas se tratava das posições ja conhecidas , “cadastradas” e bem expostas. E mesmo assim boa parte mostra os alvos falsos , infláveis e feitos de paus e cocô.. Agora , chegou a vez de EW mostrar seus dentes. Junto com outros meios (sistemas AA e vigilância ótica e observação sonora) e tempo (aquela… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  ScudB
21 dias atrás

A cada conflito, com emprego de tecnologia, se reescrevem os manuais de táticas de combate. Só quem pode acompanhar o desenvolvimento tecnológico pode ir ao campo de batalha atual.

Andrenson
Andrenson
19 dias atrás

Olá compatriotas da Trilogia, muito boa noite senhores militares que salvaguardam nossa nação! Hj vimos a interferência de Putin no conflito, devido a derrubada do helicóptero, coincidentemente aos 45 do segundo tempo quando os azeris conquistaram shusha. Minha opinião é de que Putin resolveu derrubar seu próprio helicóptero para salvar a armênia de uma vergonhosa derrota completa. E os azeris saem ganhando ao reconquistar grande parte de nagorno karabakh. Vitória da blitzkrieg de drones turcos e israelenses. Um conflito que marca o início de uma nova era na história militar. Uma grande honra poder ter testemunhado dia a dia cada… Read more »