segunda-feira, setembro 27, 2021

Saab RBS 70NG

A modernização da tropa blindada – Parte I:
O futuro chegou!

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A partir do ano 2000 o Exército Brasileiro passa por uma acelerada atualização dos seus meios de combate blindados: adquirindo novas viaturas como a Leopard 1 A5, modernizando blindados já adotados como os M113 e desenvolvendo novos blindados como o Guarani. Neste texto vamos citar os dois blindados de combate mais relevantes e modernos que a Força Terrestre possui. O carro de combate Leopard 1A5 que é o blindado com maior poder ofensivo da frota brasileira e a Viatura Blindada de Transporte de Pessoal sobre rodas Guarani.

Leopard 1A5

Leopard e M113 do EB
Leopard e M113 do EB

O Leopard 1A5 é o estágio evolutivo do blindado alemão Leopard 1A1. O blindado recebeu aperfeiçoamentos na capacidade de combate noturno e sob mau tempo; também  teve aperfeiçoado a sua capacidade de efetuar disparos contra alvos em movimento, garantindo assim maior mobilidade e flexibilidade no campo de batalha.

O comando do Exército Brasileiro vislumbrou a necessidade de substituir os carros de combate Leopard 1A1, já em obsolescência, na primeira década do ano 2000, incorporados em 1993 estes carros de combate representavam a espinha dorsal da força de blindados brasileira.

A escolha lógica foi pelo substituto do modelo Leopard 1A1, com a aquisição de um lote de carros de combate usados em bom estado de conservação da família Leopard, modelo no qual já tínhamos experiência nas tarefas de manutenção e operação do conjunto mecânico, além do próprio emprego do novo carro de combate, que tem a mesma mecânica e trem de rolamento do anterior.

Então, em 2006 foram iniciadas tratativas para aquisição de mais de duas centenas deste modelo, incluindo neste pacote também veículos de serviço. Foram adquiridos 250 carros de combate Leopard 1A5 do Exército Alemão, que dispunha de uma grande quantidade destes blindados armazenados, que foram desativados quando da introdução dos novos Leopard II. A compra incluiu a contratação de todo o suporte técnico e garantia de fluxo de peças de reposição com o fabricante original do modelo da Krauss-Maffei, possibilitando assim manter altos índices de disponibilidade e operacionalidade.

A versão 1A5 adquirida pelo Brasil é a mais moderna da família Leopard 1 produzida, empregando sistemas eletrônicos desenvolvidos para serem usados no sucessor Leopard II. Estes sistemas permitem ao veículo uma sobrevida nos campos de batalha modernos. Destaca-se no conjunto o controle de tiro, que é baseado em um computador de tiro com mira integrada e telêmetro laser, aparato que substitui os sistemas ópticos mais antigos. Seu computador de controle de fogo pode calcular soluções de tiro contra alvos distanciados em até 4 km de distância, e como diferencial este sistema permite ao carro se mover por terreno irregular com o canhão se mantendo apontado para o alvo, possibilitando o disparo em movimento com alta probabilidade de acerto no primeiro tiro. Os carros de combate adquiridos  pelo Exército Brasileiro apresentam reforços em sua proteção balística, através de placas de blindagem na torre e o habitáculo do veículo, protegido para condições de ambiente QBRN (químico, biológico, radiológico e nuclear).

Os primeiros dez carros chegaram ao Brasil em 2009, sendo distribuídos entre os Arsenais de Guerra do Rio de Janeiro e São Paulo, Escola de Material Bélico, Parque Regional de Manutenção 3 e Centro de Instrução de Blindados, no intuito de desenvolver os processos de nacionalização de componentes, treinamento de mecânicos e desenvolvimento de manuais de operação.

O segundo lote, composto por 70 carros, chegou ao Brasil no mesmo ano do primeiro lote, sendo distribuído na ordem de 26 carros para o 1º Regimento de Carros de Combate (1ºRCC), 26 para o 4º Regimento de Carros de Combate (4º RCC) e 14 para 3º Regimento de Carros de Combate (3º RCC) e 4 carros para o Centro de Instrução de Blindados (CIBld). Mais dois lotes foram recebidos entre 2010 e 2012, distribuindo mais carros para as unidades descritas anteriormente e também passando a dotar o 5º Regimento de Carros de Combate (5º RCC), substituindo os Leopard 1A1 e M-60 Patton. A adoção deste modelo elevou o patamar operacional da arma blindada do Exército Brasileiro.

O Guarani

A Viatura Blindada de Transporte de Pessoal (VBTP) – Guarani é um veículo projetado e produzido no Brasil. Desenvolvido a partir de pesquisas empreendidas pelo Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército, a família de blindados Guarani está sendo produzida em parceria com a empresa italiana IVECO.

O Guarani é um moderno e poderoso instrumento para operações militares de ataque, defesa, patrulhamento, missões de paz e Garantia da Lei e da Ordem.

O carro substituirá os blindados Urutu, que estão em operação há quase 50 anos nas Forças Armadas. Com capacidade para 11 homens – sendo nove combatentes, um atirador e um condutor, o Guarani contém, além de ar condicionado, uma série de inovações tecnológicas: baixa assinatura térmica e radar – dificultando sua localização pelos inimigos; proteção blindada para munição perfurante incendiária e minas anticarro; navegação por GPS; freios ABS; visão noturna; motor de 383 cv, com velocidade máxima de 100 km/h; sistema de gerenciamento de campo de batalha e sistema de consciência situacional.  As primeiras unidades foram entregues em 24 de março de 2014 ao 33º Batalhão de Infantaria Mecanizado, sediado em Cascavel no Paraná. Serão distribuídos para as tropas de cavalaria e de infantaria mecanizadas.

O Guarani também possui capacidade anfíbia, impulsionado por hélices traseiras. Suas torres podem ser equipadas com canhões de munição de 30mm, além de metralhadoras .50 e 7,62mm remotamente controlados. É projetado para atingir alvos aéreos e terrestres.

A VBTP Guarani representa um grande esforço de modernização da arma de blindados do Exército Brasileiro e um significativo aumento no poder de combate das tropas mecanizadas da Força Terrestre.

DIVULGAÇÃO: 3ª Divisão de Exército

- Advertisement -

152 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
152 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carvalho
Carvalho
4 meses atrás

O futuro chegou ???
Leo 1 A5

Jacinto
Jacinto
Reply to  Carvalho
4 meses atrás

Achei estranho, mas esta é somente a parte I – que em geral contém o histórico da situação atual. Vamos ver o que vem na partes seguintes

Claudio Pepe
Claudio Pepe
Reply to  Jacinto
4 meses atrás

Parte II – O futura continua!

Jacinto
Jacinto
Reply to  Claudio Pepe
4 meses atrás

Lamentavelmente, é o que promete ser. Mas vamos dar uma chace

Luís Henrique
Reply to  Carvalho
4 meses atrás

hahahahaha
O Passado chegou, ficaria melhor.
No século 21, o EB encomendou e recebeu um mBT (m minúsculo) da década de 60 com uma modernização da década de 80 do século passado.
Um mBT que vira peneira caso seja atingido por 30 mm (calibre disponível em todos os exércitos da américa do sul, até em jipes e blindados leves).

Matheus
Matheus
Reply to  Luís Henrique
4 meses atrás

Não sabia que uma guerra é igual ao WarThunder.
Acha que vão enfiar os Leopard na linha de frente sem nenhum apoio?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Matheus
4 meses atrás

Claro. Você está correto. Com inteligência e taticas os Leo 1A5 serão invencíveis. Por algum motivo as potencias militares mundiais não entenderam assim e partiram para MBTs com maior nível de sobrevivência lá na década de 80 do século passado.
Nosso EB que esta certo.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Matheus
4 meses atrás

apoio de quem cara? apoio do que?
kkkkkkkkkkkk
não sou de ficar criticando o leo brasileiro, apesar de estarmos sim, bem atrasados.

Mas falar que o futuro chegou, mesmo na década passada ou retrasada, é forçar muito a barra

Wagner
Wagner
Reply to  Matheus
4 meses atrás

Claro, MBT’s com cobertura dada por aeronaves de apoio aproximado, sistemas de defesa aérea de medio alcance, negacão do espaço aereo aos inimigos pela força aérea e uso maciço de drones. Opa, pera aí, vc estava falando do Brasil! Foi mal, li errado e pensei que era dos EUA. No BR não há cobertura alguma para MBT, sorry.

Andrigo
Andrigo
Reply to  Carvalho
4 meses atrás

Futuro do pretérito…

Teropode
Reply to  Carvalho
4 meses atrás

Parte 1

Wagber
Wagber
Reply to  Carvalho
4 meses atrás

Falar que Leopard 1 é futuro é o mesmo que o Pujol lançar o projeto “Nova VELHA Couraça” só para refazer a “funilaria” dos blindados.
É zombar da inteligência das pessoas.
Mas enfim, da-lhe picanha e cerveja.

Wagner
Wagner
Reply to  Wagber
4 meses atrás

Mas tem que ser friboi, hein? E por favor nao me venha com iskin ou iskol, tem que ser rraineken ou estela artoá.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Carvalho
4 meses atrás

” A partir do ano 2000 … uma acelerada atualização dos seus meios de combate blindados…”?

Se estão dizendo…

Henrique
Henrique
4 meses atrás

Façamos um exercício hipotético: como poderíamos desmobilizar OM e dispensar pessoal para que o montante de investimento cresça com o atual orçamento, assim possibilitando que material obsoleto seja substituído ou faltante seja adquirido? É possível dispensar oficiais e sargentos? Qual o nível de conscritos na FAB e na MB? Se não fizermos isto, temos duas opções:

1) fica do jeito que está e que sempre esteve, FFAA sucateadas, com armamento e equipamento obsoleto, em falta ou com baixa disponibilidade

2) aumenta o orçamento, tirando de algum lugar (educação?) pros mágicos 2% do pib (que político iria bancar isso?)

Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Uma medida do Poder Executivo que dispensasse pessoal da ativa geraria uma enxurrada de ações judiciais na Justiça Federal. E toma mais custo ao erário.

Afim de diminuir o impacto com pessoal, as FAs começaram a fazer seleções simplificadas de Oficiais temporários nas áreas administrativas e de intendência, que passados 8 anos de serviço, são postos na reserva não remunerada.

Henrique
Henrique
Reply to  Pedro Bó
4 meses atrás

Mas isso é uma solução meia boca, o que deveria ser feito é diminuir o número de oficiais junto com o efetivo, provavelmente acabar com SMO e instaurar o serviço voluntário por meio de concurso e na base de contratos. Nos anos 80 o exército francês tinha um efetivo de mais de 300 mil, hoje eles tem pouco mais de 100 mil, enquanto o EB nos 80 tinha 190 mil e hoje tem 200 mil.

Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Serviço Militar Obrigatório é totalmente anacrônico.

camargoer
Reply to  Pedro Bó
4 meses atrás

Caro Pedro. As forças armadas convocam cerca de 90 mil jovens por ano para o serviço militar ao custo de R$ 1 bilhão (cerca de 1% do orçamento). Pode ser anacrônico mas não tem qualquer impacto financeiros sobre o orçamento. O problema são os militares de carreira, principalmente do EB que responde a 60% do efetivo militar.

Padilha
Reply to  camargoer
4 meses atrás

Da onde que tu tirou que 60% do EB é de carreira? Efetivo de carreira do EB não passa de 30% KKKKKKKK Única força que tem mais pessoal de carreira do que conscrito é a FAB, das 3, quem menos tem pessoal de carreira é o EB.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Existe um recurso, utilizado tanto no setor público quanto privado, chamado PDV (Programa de Demissão Voluntária). Para que seja efetivo, deve ser oferecido ao empregado as verbas rescisórias somados a vantagens e valores extras de modo a tornar mais interessante a quebra contratual entre as partes, por parte do empregado. 

Tomcat4,2
Reply to  MMerlin
4 meses atrás

No caso somente tem bons resultados quando são PDVI’s ,o “I” é de incentivo pois pra galera largar o osso é foda e mesmo com incentivo muitos não saem(e falo por experiência pois sou concursado aqui em MG na Copasa ).

MMerlin
MMerlin
Reply to  Tomcat4,2
4 meses atrás

Concordo. Mas, infelizmente, a curto prazo acredito ser a única opção. Demanda um investimento razoável no processo (principalmente devido as incentivos) mas garante uma saída mais harmônica sem envolver questões jurídicas como mencionado acima.

Luís Henrique
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Para pensar: Caso o custo com pessoal ativo caia dos atuais R$ 28,6 bi para, digamos R$ 20 bi (30% de redução do efetivo), o que garante que esses R$ 8,6 bi seriam Acrescidos no orçamento para aquisições e investimentos? Ou o congresso, simplesmente iria Reduzir ainda mais o orçamento militar em 8,6 bi? Precisa ser “ensinado” para os deputados e para a sociedade que R$ 50 bi vão para inativos e pensionistas, portanto o orçamento das forças armadas não é tão grande como a maioria pensa. Façam uma nova reforma na previdência militar, colocando o pagamento dos inativos no… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Luís Henrique
4 meses atrás

se colocassem os novos militares no INSS já seria bom, pelo que eu sei, eles não estarão, outro ponto é informatizar o que for possível, fechar algumas bases militares redundantes, reduzir o efetivo, não sei se seríamos uma grande potência militar, mas seríamos em alguns anos uma força de respeito.

camargoer
Reply to  Carlos Campos
4 meses atrás

Olá Carlos. Seria necessário limitar o valor da aposentaria ao teto do INSS, assim como ocorre aos funcionários públicos concursados do executivo federal. Aqueles que tiverem interesse em valores maiores, poderão fazer seus planos de aposentadoria complementar. A médio prazo, é umas das soluções.

Tomcat4,2
Reply to  Luís Henrique
4 meses atrás

Boas colocações e acredito que separar as coisas e adicionar os aposentados e pensionistas no INSS já seria um salto ornamental e daria outra cara para a questão orçamentária das forças armadas.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Tomcat4,2
4 meses atrás

E daí quem paga INSS pagar essa conta? Isso tem que ser a partir dos novos egressos nas F.A.

Flanker
Flanker
Reply to  Tomcat4,2
4 meses atrás

No mesmo dia em que os aposentados e pensionistas das FFAA passassem a receber pelo INSS, o dinheiro do MD destinado ao pagamento deles hoje, iria junto com eles para o INSS.

camargoer
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Olá Henrique. 3) estimulando a atividade econômica, de tal modo que a porcentagem do PIB continuem em 1,3% mas o valor absoluto aumente.

Henrique
Henrique
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Caro Henrique, basta fazer como na maioria das FAs de primeiro mundo desvinculando verbas de soldo e custeio das verbas de material e operação. O problema é que no Brasil se joga tudo na mesma sacola e há sempre a “desculpa” de não haver recursos. Recursos tem, tem pra lagosta ao molho de manteiga e todas as atrocidades que vemos no legislativo e judiciário, basta organizar o orçamento da forma correta. Uma pena que não vemos os “ministros” militares se movendo para resolver isso.

Pedro Bó
Pedro Bó
4 meses atrás

A segunda imagem, com os Leo 1A5 e os M-113, parece ter saído de um livro sobre a Guerra Fria.

Aliás, quais seriam as opções mais plausíveis no mercado, novas e usadas, caso o EB resolvesse aposentar os M-113?

Henrique
Henrique
Reply to  Pedro Bó
4 meses atrás

Não existe nada novo no mercado com o preço pra substituir um a um os M-113. O EB tem duas opções: desmobiliza OM e pessoal e compra menos mas algo mais moderno e capaz ou continua esticando a vida do M-113 até soltar pecinha.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Henrique
4 meses atrás

O caminho natural seria pegar alguns Bradley.

camargoer
Reply to  Heinz Guderian
4 meses atrás

Caro Heinz. Qual o ganho real em substituir o M113 pelo Bradley considerando que eles estão sendo modernizados? O custo de modernização do M113 foi um desperdício? O custo de aquisição dos Bradley seria mais barato ou mais caro do que a modernização dos M113?

Oráculo
Oráculo
Reply to  camargoer
4 meses atrás

O US. Army está no meio de um programa para substituir os Bradley.

Em menos de 10 anos vai ter uns 5 ou 6 mil Bradleys a disposição de países aliados via FMS.

Quase certeza de que o EB se abraça neles.

Blind Man´s Bluff
Blind Man´s Bluff
Reply to  Oráculo
4 meses atrás

Talvez nao. O exercito americano ainda precisa substituir seus M113. O substituto já foi escolhido e é justamente o Bradley sem torre em diferentes versoes (AMPV).

Resta saber se vao comprar tudo novo ou “modernizar” o estoque existente.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  camargoer
4 meses atrás

Caro camargoer, quando eu falei em ser o caminho natural, me referi a família de blindados, já que o bradley é uma baita evolução ao M113. O ganho seria um blindado mais parrudo e com maior poder de proteção e fogo.
Mas claro, já que a modernização dos M113 foi feita, o jeito é utilizar eles mais um pouco.
Os bradleys poderiam vir por FMS, mas como todo equipamento mais recente, custaria mais recursos. Espero que tenha compreendido. Eu entendi o que você quis passar. Obrigado camarada.

Blind Man´s Bluff
Blind Man´s Bluff
Reply to  Heinz Guderian
4 meses atrás

Sao veiculos diferentes para funcoes diferentes. O M113 é um APC, um “battle taxi” que leva a infantaria até a batalha e volta para a retaguarda. Já o Bradley é um IFV, um veiculo de combate de infantaria. A funcao do IFV é apoiar os carros de combat pesados com infantaria com mobilidade similar a dos CC e proteçao e poder fogo adequado. Os APCs sao insubstituiveis. Já os IFVs; depende da força de carros de combate. Os guaranis com uma torre remota de 30mm e blindagem adicional, com limitacoes, pode executar a tarefa de IFVs em apoio direto aos… Read more »

Last edited 4 meses atrás by Blind Man´s Bluff
Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Blind Man´s Bluff
4 meses atrás

eu entendi, mas aqui no Brasil os M113 acompanham os Leo, eles meio que são APC e IFV, por isso que falei que o bradley seria uma evolução natural, entende?
Mas obrigado pela explicação.

Teropode
Reply to  Heinz Guderian
4 meses atrás

Concordo com vc , porém sou favorável a uma força blindado de dois níveis , isto economizaria recursos na aquisição e manteria a força equilibrada , continuaria com os 1A5 , M113 e paralelo montaria uma força mais moderna porém modesta na quantidade ( até a situação financeira melhorar ), a força ALFA com Leopard 2 e Bradleys modernos e Centauros . Sem paixões e achismos , tudo dentro de uma realidade econômica , apoio da indústria local e mantendo a doutrina adquirida apartir de 2000 .

Last edited 4 meses atrás by Teropode
IgorCav
IgorCav
Reply to  Henrique
4 meses atrás

Seria interessante mantermos a família de blindados o qual nós já estamos acostumados. Nesse caso, ( Em um universo utópico orçamentário ), eu recomendaria o Puma. Sonho dos sonhos rs.

Flanker
Flanker
Reply to  Henrique
4 meses atrás

O único blindado de transporte de tropa, sobre lagartas, do Exército Australiano é o M113, do qual eles possuem mais de 400 unidades e operam em conjunto com algumas dezenas de M1A1 Abrams. Sobre rodas eles tem quantidades consideráveis de ASLAV, PMV-M, entre outros. Mas, sobre lagartas, eles mantém o M113 ao lado dos Abrams.

Ramon
Ramon
Reply to  Pedro Bó
4 meses atrás

A palavra aposentar o M-113 provoca muitas risadas lá no comando, cara M-113 aqui vai continuar até uns 2040- 2050 acabaram de passar por modernização, trocaram praticamente tudo, e ainda adquiriram a versão de comando dele, então gostando ou não o M-113 vai ficar aí por muito tempo ainda juntamente com o Léo 1a5 que tudo indica vai passar por um processo de modernização

Tomcat4,2
Reply to  Ramon
4 meses atrás

Exatamente Ramon, os M-113 estão basicamente novos, totalmente revitalizados e até o motor é novo, painel de instrumentos e etc. Vão carregar o piano por no mínimo mais uns 15 a 20 anos, o que dá tempo para se desenvolver ou adquirir seu substituto.

camargoer
Reply to  Pedro Bó
4 meses atrás

Olá Pedro. Concordo que o M113 é antigo, mas está passando por um processo de modernização. Então, qual seria a necessidade real em substitui-lo? Ele não tem atendido a missão proposta? Há problemas de sobressalentes?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  camargoer
4 meses atrás

Ele poderá e deverá permanecer em serviço por muito tempo ainda. E tem sim muita utilidade. Mas em conflitos de media e alta intensidade, carece de blindagem. Sua sobrevivência no campo de batalha é muito baixa, colocando as tropas em grande risco.

Deve ser utilizado como segunda linha. Longe da linha de frente.

Algo com maior nível de sobrevivência deve ser adquirido para andar junto com os futuros MBT.

Uma escolha mais racional seria o Kaplan MT como MBT, com tot e 100% fabricado aqui e uma versão VBCI e APC da mesma família.

Salim
Salim
Reply to  Luís Henrique
4 meses atrás

Lembro que a resistência a ied e quase nula, e para esta deficiência não tem reforma que de jeito. O mesmo se aplica ao urutu que está sendo substituído pelo Guarani ( embora resistência Guarani a meu ver ser baixa, ied até 6 kg. )

Hcosta
Hcosta
Reply to  Pedro Bó
4 meses atrás

Por algum motivo muitos países já substituíram os 113 e muitos são utilizados como apoio e não na linha da frente algo que se compreende pela sua famosa e insuficiente blindagem. A maior parte dos blindados médios em lagartas, utilizados atualmente, são uma grande melhoria em relação aos 113 mas são muito mais caros. Se quiserem utilizar a IVECO tem o Dardo, entre outras muitas opções. Os 113 estão a ser modernizados. Ou continuam a ser utilizados na linha da frente e com os riscos que isso acarreta ou são utilizados como apoio a outros blindados, normalmente um MBT e… Read more »

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Pedro Bó
4 meses atrás

“Aliás, quais seriam as opções mais plausíveis no mercado, novas e usadas, caso o EB resolvesse aposentar os M-113?”

Caro amigo Pedro Bó….para substituição dos m-113 de uma forma inteligente, precisa levar em consideração que a viatura precisar ter força suficiente para acompanhar os carros de combates em deslocamento de uma força tarefa….uma boa técnica para efeitos de comparação, seria analisar a relação peso x potencia de ambas…ou seja….(ao meu ver) 1º precisa decidir comprar o carro de combate para os RCC, só então depois disso levantar qual seria os possíveis substitutos dos M-113 nos BIB

Last edited 4 meses atrás by Rafaelvbv
Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
4 meses atrás

O futuro chegou 30 anos atrasado.

Teropode
Reply to  Defensor da liberdade
4 meses atrás

Tá mais …. nestes 30 anos uma força moderna não foi necessária, não fomos atacados , então o tal atraso possui uma irrelevância gigantesca , porém , todavia , não se pode acreditar que os próximos serão tranquilos , o mundo tá mais apertado e os recursos naturais estão no limite , repare que só há terras para serem conquistadas na América do sul e na África , o resto ou tá ocupado ou os donos estão sentados sobre ogivas nucleares , o jeito é pilhar os manés.

Guacamole
Guacamole
4 meses atrás

Chegou aonde cara pálida?

Isso é alguma piada ou o Forte vai dar a notícia de um novo tanque para o Brasil na parte 2 dessa notícia???

Editado: tenho pena do autor.
Nossa forças estão tão a míngua que o autor precisa escrever “sobre nada” senão o site para.

Last edited 4 meses atrás by Guacamole
PCOA
PCOA
Reply to  Guacamole
4 meses atrás

Tenho que concordar.

A matéria trouxe absolutamente nada.

É estagiário que chama?…

Hcosta
Hcosta
Reply to  Guacamole
4 meses atrás

Qual é o problema? Este artigo vem no seguimento de outros sobre este assunto.
Lá por não ser uma notícia bombástica isso não significa que não terá a sua importância.
Para quem gosta do assunto certamente não terá qualquer problema com este artigo.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Hcosta
4 meses atrás

Sinto muito, mas o título está sim no nível de um ClickBait da vida…

José
José
4 meses atrás

O futuro chegou?
Hoje são 06 de maio ou 1° de abril?

Victor Filipe
Victor Filipe
4 meses atrás

Os caras me fizeram um texto fazendo a compra dos velhos Leopard 1A5 parecer a compra de um Leopard 2A7…

Matheus S
Matheus S
Reply to  Victor Filipe
4 meses atrás

Kkk

Gabriel BR
Gabriel BR
4 meses atrás

Bom dia !
O motor 1500 hp made in Turkey realizou o seu primeiro teste com sucesso.
https://www.youtube.com/watch?v=cOYr5hdb9Ug
https://www.youtube.com/watch?v=J8CDjIx2W6Y

Guacamole
Guacamole
Reply to  Gabriel BR
4 meses atrás

Turquia: fazendo muito com pouco.
Deveria ser exemplo a ser seguido.

Salim
Salim
Reply to  Guacamole
4 meses atrás

Alguem acredita em produto turco alardeado por eles mesmos. Vamos ver campo Batalha, o desempenho turco na siria desabona esta alardeado capacidade.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Gabriel BR
4 meses atrás

Os alemães agora devem estar chorando, enrolaram os turcos depois disseram que não iam vender mais o motor, estão perdendo dinheiro

Tomcat4,2
Reply to  Gabriel BR
4 meses atrás

Falei tempos atrás que eles haviam desenvolvido motor pro Altay (assim como pro T-129 Atak ).

Paulo Sollo
4 meses atrás

O futuro chegou cidadãos brasileiros. E a grande novidade é que não temos mais porque esconder a verdade, afinal não dá em nada mesmo. Continuaremos a fazer vocês de trouxas, mantendo uma força alegórica ultrapassada enquanto nos refestelamos com as verbas. 80 mil cervejas com sobrepreço de 67%, 714 toneladas de picanha comprada por R$ 118,25 o quilo, fora o miolo de alcatra, lombo e filé de bacalhau, dezenas de milhares de garrafas de vinhos premium, etc. Insumos importados para a fabricação de cloroquina por um valor 167% mais alto. E dai? Ninguém mexe com nós! Somos o baluarte da democracia… Read more »

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Paulo Sollo
4 meses atrás

Se prepara pra galera que vai vir passar pano aqui.

Guacamole
Guacamole
Reply to  Paulo Sollo
4 meses atrás

O engraçado é que hoje mesmo saiu uma investigação do MP sobre o exército ter super faturado o preço dos mantimentos e desviado pelo menos 40 milhões de reais no processo.

Eu não posto o link pra não tomar ban mas a notícia é fácil de achar.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Paulo Sollo
4 meses atrás

E o engraçado mesmo é a quantidade de militar que se diz “liberal” e pede “menos Estado” ( muitos aqui chamam funcionário público de parasitas ), como se eles TAMBEM não fossem funcionários públicos, e como se o soldo deles fosse pago pela iniciativa privada, e não pelo pagador de impostos…

Diogo de Araujo
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

Cara, falou tudo!

Tomcat4,2
Reply to  Paulo Sollo
4 meses atrás

Texto muito bom mas os dois últimos parágrafos não dá pra concordar com a maior parte do que está escrito. Há erros a serem observados e punidos nas FFAA assim como em qualquer instancia pública(infelizmente) mas há muita gente que só está por ai, principalmente nos rincões do Brasil, devido a assistência dada pelas forças armadas. Generalizar nunca é o caminho. Vou boicotar e descer o sarrafo no Carrefour pelas escolhas de sua diretoria???os milhares de funcionários que carregam o estabelecimento nas costas teem culpa das escolhas de uns poucos que tomam decisões??? O trabalho de milhares perde o valor… Read more »

DanielJr
DanielJr
Reply to  Tomcat4,2
4 meses atrás

Os milhares de funcionários não tem culpa pelo o que os diretores decidem, mas o produto/serviço é o resultado do todo. Se a diretoria da Coca-cola decidir trocar o sabor do refrigerante pelo sabor de água sanitária, ninguém vai comprar e todos irão boicotar a empresa Coca-cola, não o João funcionário estoquista. Questionar o EB de forma unificada acho correto, eu não gosto de criticar o pessoal abaixo do oficialato que não tem muita escolha sobre o que fazer, a não ser em casos específicos. Agora, criticar comandante e diretor é válido sim, são eles que decidem o que acontece.… Read more »

Tomcat4,2
Reply to  DanielJr
4 meses atrás

Mas é como vc citou, o governo que impõe certos serviços de forma, inicialmente, improvisada e vai esticando como no caso dos caminhões pipa. E concordo que se critique e ou aponte comandante ou diretor (são tomadores de decisão) o que difere de se criticar a instituição como um todo.
E sendo usados como “severino” no país pra tudo que é serviço e dispondo de equipamentos bons ou ruins, eles estão cumprindo as missões, muitas vezes tirando leite de pedra justamente por serem os primeiros a sofrer pelas más decisões da ponta da pirâmide.

DanielJr
DanielJr
Reply to  Tomcat4,2
4 meses atrás

Não digo que os severinos estão fazendo mal serviço.

Minha crítica geral, fora a má administração, é sobre assumir tarefas que não fazem parte da atividade fim das FFAA. Isso vai deformando a forma como o dinheiro é gasto, muitas vezes sobrepondo atividades já realizadas por outro ministério. Parece que tudo que vai estourar muito o orçamento de algum outro ministério jogam para as FFAA.

Gabriel
Gabriel
Reply to  Paulo Sollo
4 meses atrás

Interessante teu posicionamento.

Interessante, também, você desconhecer que a quase totalidade das aquisições das FA são feitas por licitação.

Mas de qualquer maneira, já que faz afirmações, deveria fazer uma denúncia no MP.

Quem sabe, depois da denúncia no MP, procurar a imprensa livre e até partidos políticos e apresentar todos os fatos e provas, que por obviedade, deve ter.

Nós, cidadãos de bem, estamos havidos por essas comprovações que deve ter e a investigação vindoura.

Jamais voce faria afirmações tão graves, baseadas apenas em motivação ideológica, com o objetivo único de desgastar a imagem das Forças Armadas.

Certo?

Pedro
Pedro
Reply to  Gabriel
4 meses atrás

O problema é justamente a licitaçao! Ja sai como carta marcada para fazer a compra superfaturada parecer correta.

Salim
Salim
Reply to  Pedro
4 meses atrás

Ai aparece um laudo desclassificando os concorrentes baseados em nada tecnico, pronto justificou o engodo.

Paulo Sollo
Reply to  Gabriel
4 meses atrás

Você poderia evitar para si tamanho ridículo ao expor de forma tão tola e irracional suas mágoas com os fatos que repassei e sobre os quais todos estão cientes porque fartamente divulgados justamente pela imprensa que você me sugere procurar, e baseadas em denúncias e investigações que já estão ocorrendo.

Não sei se você é militar mas claramente é um negacionista passador de pano, e sua postura destoa de forma infeliz e lamentável das posturas racionais predominantes aqui, mas felizmente seu ponto de vista fora da curva é algo isolado, muito isolado.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Paulo Sollo
4 meses atrás

Pois é, e como se tudo fosse mil maravilha no propósito fundamental ainda tem a cereja do bolo, um envolvimento digno dos trapalhões na área politica

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
4 meses atrás

“O Futuro Chegou”
Aí, na primeira foto: um Leopard 1A5.
Bicho, coloca a foto de um Guarani com torre REMAX….usar a palavra “futuro” com um CC da déc. de 60 não dá…

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
4 meses atrás

Salvo uma improvável invasão anfíbia de proporções gigantescas (que só EUA, China, Rússia e talvez o Reino Unido poderiam efetivar), a descarregar tanques e demais blindados na costa para atuarem dentro do território brasileiro, os supostos inimigos para os Leo 1a5 e os Guarani são blindados argentinos, paraguaios, uruguaios e bolivianos, porque na região amazônica, o uso destes armamentos é bem mais complexo. Como estes países não tem nada nem similar, o Brasil está bem protegido com este “futuro” a que faz menção a matéria. Talvez a unica ameaça continental seriam uns tanques russos da Venezuela… mas naquele teatro amazônico,… Read more »

Gabriel
Gabriel
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
4 meses atrás

Parabéns pelo comentário sensato.

Será negativado é claro, principalmente pela turma que não teve geografia no ensino fundamental.

Pedro
Pedro
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
4 meses atrás

Em 10 anos ou melhor, 5 anos, muita coisa acontece para justificar esse tipo de pensamento!

Salim
Salim
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
4 meses atrás

A ameaça virá pela fronteira da Venezuela, guianas, colombia. Já tem bases estrangeiras nestes países, não teríamos como contrapor desembarque maciço de equipamentos e tropas nestes países. Nossa força aerea e marinha estão na década de 70 tecnologicamente e com ativos irrissorias caso alguma força estrangeira de porte tenha este intuito. EUA, países europeus, China Rússia como exemplo.

DanielJr
DanielJr
4 meses atrás

Já que todo dia quase entra em pauta esse assunto de reformas das FFAA, eu tenho uma pergunta sincera, sem piadas: Moro no interior de SP, onde em Itu possui um quartel do EB, o 2o GAC L. Em Jundiaí tem outro quartel, onde fica o 2o GAC. Ficam distantes somente 45 km um do outro. Em Sorocaba tem tiro de guerra, e fica a 35km de Itu. Porque não juntar todas essas unidades em um único local? Mesmo com reformas nos prédios e etc parece ser claramente mais eficiente nos gastos e administrativo. Mesmo que as unidades não fossem… Read more »

João
João
Reply to  DanielJr
4 meses atrás

Chegou o povo que tem ranço dos TGs… Embora, possa não parecer, a sociedade civil admira e confia muito nas instituições militares e os TGs (que tem custos insignificantes para o EB) é uma ótima ferramenta para manter esse relacionamento com a sociedade civil.

Gabriel
Gabriel
Reply to  DanielJr
4 meses atrás

Você não sabe nem a finalidade de um TG e quer propor mudança na estrutura do EB.

Mas faz o seguinte, usa essa energia e visita o Prefeito da cidade que tem um TG e faz essa proposta para ele.

Depois volta a comentar.

DanielJr
DanielJr
Reply to  Gabriel
4 meses atrás

Eu fui ver qual a finalidade de um TG. Passei perto do que eu escrevi ali acima. É um SENAI com fuzil. Não impede que a estrutura física não seja aglutinada para dentro de outra OM. Fizeram a estruturação de forma que prefeituras participem do funcionamento dos TG, e políticos nunca vão querer perder poder, então nunca irão conseguir mudar nada aí. No fritar dos ovos, novamente, outra estrutura que tem pouca relevância para a atividade fim da força no momento atual, não adianta ter um milhão de reservistas formados com 6 disparos de Mauser e na ponta de lança… Read more »

ALEX TIAGO
Reply to  Gabriel
4 meses atrás

Gabriel eu te respeito mas menos menos bem menos espaço aqui e para debates discussoes de variados temas e sua colocação foi podar o comentario do amigo vamos tentar manter a cordialidade um ambiente saudavel.

Alex Tiago

Salim
Salim
Reply to  Gabriel
4 meses atrás

Um monte oficial gordinho e sub oficial, ganhando grana e gastando. Nenhum prefeito quer perder mesmo esta fonte de recursos. Além do trabalho grátis quando da m…. justificam unidades da Forças armadas mais pelo aspecto humanitário e econômico pelo objetivo das mesmas que é defender a Pátria e nos brasileiros. Cria uma Guarda civil para atender isto: policiamento de portos , rios, auxílio médico interior, transporte políticos , transporte e assistência em casos catástrofes. Gastos em benefícios muito inferior, aposentadoria Inss, equipamentos voltados a este tipo de emergência, etc… Forças armadas não é isto não.

Teropode
4 meses atrás

Cento e vinte Leos two já garantem uma força formidável , completando os 250 1A5 .

ALEX TIAGO
Reply to  Teropode
4 meses atrás

Bom dia Teropede nossas organizações militares precisa completar os numeros em 320 unidades MBT essa e a demanda operacional e mais as unidades de ensino acredito que se caso seja tudo um modelo apenas mais umas 12 unidades

zézinho
zézinho
4 meses atrás

De volta para o futuro: leopard I nos melhores cinemas !

Glasquis 7
4 meses atrás

A partir do ano 2000 o Exército Brasileiro passa por uma acelerada atualização dos seus meios de combate blindados” ???

É sério isso?

rdx
rdx
Reply to  Glasquis 7
4 meses atrás

Verdade. A partir de 2000 a cavalaria do EB passou a operar a dupla Leopard 1A1 e M60A3 nos RCCs.

rdx
rdx
Reply to  rdx
4 meses atrás

A licitação é de 1995. Disputaram Leopard 1, M60 e T-72. O Leopard 1 venceu a licitação..na mesma época os EUA doaram 91 M60A3.

glasquis 7
Reply to  rdx
4 meses atrás

Certo mas, aonde está a “acelerada atualização” nisso?

rdx
rdx
Reply to  glasquis 7
4 meses atrás

É uma figura de linguagem (Hipérbole)

Podemos interpretar que a partir de 2000 houve uma quebra de paradigma. O EB começa a substituir o primitivo light tank M41 por genuínos MBTs com canhão L7 105 mm (Leopard 1 e M60). Além disso, a Cavalaria do EB passa a ter verdadeira capacidade de combate noturno (o M60A3 TTS possui visores térmicos). Na década seguinte, o EB começa a substituir esses MBTs pelos Leopard 1A5.

Glasquis 7
Reply to  rdx
4 meses atrás

Compreendo mas não vejo onde se encaixa a sentença “acelerada”.

Salim
Salim
Reply to  rdx
4 meses atrás

Em 1985 mataram engesa e Bernardini com proposta bem superior a isto, Osório, tamoio 3 , urutu sobre lagartas. Em 1993 compraram leo1a1 e m60, inferiores aos citados e em 2006 os leo1a5. Ninguém ta ressuscitando defunto mais EB e bem devagar. Tirando o astros e as doações de material obsoleto do exército americano, tamo na roça. 80% efetivo no sul/sudeste. Cadê Sisfrom, cadê deslocamento de unidades para fronteiras quentes região Norte e região Centro Oeste. Se contentar com isto é antipatriotico ou estar se aproveitando desta mamata.

ALEX TIAGO
Reply to  Glasquis 7
4 meses atrás

Sim em vista do que se tinha sim e verdade mas não quer dizer que foi para o estado da arte. Isso nenhum pais da regiao tem e nem esta. Infelimente

Glasquis 7
Reply to  ALEX TIAGO
4 meses atrás

Depende do que vc define como “Estado da Arte.”

ALEX TIAGO
Reply to  Glasquis 7
4 meses atrás

Hoje Leopard 2A7 e o estado da arte ou T14 se preferir o Black Phanther ou o Abrams 1A2SEP entre outros esse e o estado da Arte nos o Brasil esta na decada de 80 os Argentinos os Veneuelanos Decada de 90 e os chilenos Decada de 90 o Leo 2a4 era o estado da arte o Peru esta bem mais longe atras ate de nos Brasileiros.

Glasquis 7
Reply to  ALEX TIAGO
4 meses atrás

Vc só postou nome e nomenclatura de tanques mas, ainda não definiu o que é “estado da arte”.

Gabriel
Gabriel
4 meses atrás

O nível de informações da reportagem, divulgada pela 3DE, está exatamente compatível com o conhecimento dos muitos “ezpecialistas”, que conhecem blindado por foto de computador. Querem o que? análise tática e técnica de como seria o emprego de uma Bda Bld, dotada com Leo 1A5, contra uma Bda de um vizinho de fronteira? Se vendo foto de Bld o cara já se acha mais competente que um Cel, que estudou e trabalhou a vida toda com Bld, se tiver alguma informação de tática vai achar que pode comandar uma Bda. Melhor evitar, a quantidade de bobagens escrita seria ainda maior.… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Gabriel
4 meses atrás

Querem o que? análise tática e técnica de como seria o emprego de uma Bda Bld, dotada com Leo 1A5, contra uma Bda de um vizinho de fronteira? . Publicar algo nessa linha seria maravilhoso, em termos educativos. Levando em conta Brasil vs país Vermelho, poderiam ensinar para muitos, sem ter que citar inimigo algum: Como o EB funciona e é organizado O que é um regimento, batalhão, companhia, etc e como isso se encaixa na estrutura Quais e quantos equipamentos cada unidade deve possuir Como uma FT é mobilizada e organizada no terreno Quais as funções de cada unidade… Read more »

Last edited 4 meses atrás by Bardini
Salim
Salim
Reply to  Bardini
4 meses atrás

E isso ai Bardini, faço minha suas palavras, seria muito bom.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Gabriel
4 meses atrás

Precisa ser especialista pra saber que caso apareça um M1A2 SepV3 na região onde os Leo 1A5 estão ele poderia facilmente destruir 10 deles antes de se quer ter a pintura arranhada? que ele tem, blindagem, sensores, canhão, munição e todo o aparato de suporte imaginável vastamente superior a qualquer coisa que o EB pode pensar em por em campo? E o melhor, isso não fica so com Abrams. eu falei dele porque ele é sempre o mais lembrado, mas Bota K2 black panther, T-90MS, T-72B3, Leopard 2A6/7 e et… e o resultado é o mesmo. sim, os blindados do… Read more »

Eduardo
Eduardo
Reply to  Victor Filipe
4 meses atrás

Leopard 1A5 é literalmente peça de museu. Aqui em Porto Alegre, tem um museu militar que já tm um deles lá dentro, junto com outras velharias.

Quanto aos 5 subs, faz tempo digo que o nuclear subiu no telhado…

Flanker
Flanker
Reply to  Eduardo
4 meses atrás

Acho que o Leopard do museu é o 1A1, não o 1A5.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Flanker
4 meses atrás

Que seja, não muda tanta coisa assim.

Flanker
Flanker
Reply to  Eduardo
4 meses atrás

Não estou dizendo que o Leopard 1A5 é moderno , etc….mas, ele é beeeeem mais moderno que o 1A1.

Gilson
Gilson
4 meses atrás

A matéria não diz nada de novidades😕 e sim o que muitos já leram as mesmas coisas que editor escreveu: aaa o Guarani, veio para substituir, os Cascavel e Urutus, tô careca de saber, aaa os leopardes, veio para criar uma doutrina nova no EB, tô careca de saber. O que eu não vi ainda 😔 é o Brasil, já definiu seus MBT. Vai demorar mas quando sair aí sim vai ser uma novidade.

Leandro MAlheiros
Leandro MAlheiros
4 meses atrás

os Leopard 1A5 são um bom carro de combate e atende nossas necessidades imediatas e nos coloca com uma força substancial, mas não tem nada de futuro!… Seu projeto é de 1983 e são conversões dos 1A3 e 1A4 mais antigos. Estava na hora de pensar na versão ou na conversão para 2A6, que já não é tão atualizada mais muito mais capaz. Só depende de verba disponivel.

glasquis 7
Reply to  Leandro MAlheiros
4 meses atrás

ou na conversão para 2A6″

Como assim? São Leo 1 A5. Não há como subir eles a Leo 2 A6.

ALEX TIAGO
Reply to  glasquis 7
4 meses atrás

Eu sei que tu quer desmerecer o comentario acima rsrsrs todo mundo entendeu que o amigo escreveu errado ele quis dizer comprar o 2a6 e não elevar do 1a5 para 2a6 para com isso meu.

Glasquis 7
Reply to  ALEX TIAGO
4 meses atrás

Estava na hora de pensar na versão ou na conversão para 2A6″

Está escrito claramente Conversão, e não compra.

E não estou desmerecendo, apenas corrigindo.

Tutu
Reply to  Leandro MAlheiros
4 meses atrás

Na realidade os 1a5 vem são modernizações dos 1a1 e suas evoluções (1a1 a2, 1a1 a3), os 1a3 e 1a4 tinham uma torre diferente, o que dificultava o acréscimo de blindagem.

Glasquis 7
Reply to  Tutu
4 meses atrás

Além de que o Leo 2 é um outro tanque, muito maior e mais pesado.

ALEX TIAGO
Reply to  Glasquis 7
4 meses atrás

Ele ta de zuando vc ta caindo igual patinho sabemos que vc e fan do 2a4 rsrsrs

Glasquis 7
Reply to  ALEX TIAGO
4 meses atrás

sabemos que vc e fan do 2a4″

Sou fã do Merkava Mark IV

Me conhecem bem né:? KKK

Alex Tiago
Reply to  Glasquis 7
4 meses atrás

É deixa alguém falar que o leo2a4 é ultrapassado kkkkk mas blz eu tbm gosto apenas não é estado da arte mas é muito bom e acredito que seria uma boa evolução sair dessa tranqueira que temos hoje é ir pra algo do tipo leo2 a5 em diante seria muito bom até mesmo o 2a4 seria bom melhor que investir dinheiro em tranqueira

glasquis 7
Reply to  Alex Tiago
4 meses atrás

“É deixa alguém falar que o leo2a4 é ultrapassado “ Na verdade, o Leo 2 A4 já é um MBT defasado se considerarmos que existe o 2 A4 Evolution, o Canada opera o 2 A4 e se não me engano ja teve ofertas do kit de modernização pra A6 junto com os 20 A6 que foram comprados da Holanda. Até ao Chile foi ofertado o Kit do 2 A6 pra subir seus Leo 2 A4. O Leo 2 A 7 está disponível na Europa e versões como o Plus e o A7+ Então, o Leopard 2 A4, mesmo sendo o modelo… Read more »

glasquis 7
Reply to  Alex Tiago
4 meses atrás

Agora, disser que o Merkava Mark IV Não é um MBT em Estado da Arte, me parece um erro.

Alex Tiago
Reply to  glasquis 7
4 meses atrás

Onde escrevi isso???

glasquis 7
Reply to  Alex Tiago
4 meses atrás

“…mas blz eu tbm gosto apenas não é estado da arte mas…”

Isso não foi vc postado por vc?

ALEX TIAGO
Reply to  glasquis 7
4 meses atrás

Sim foi escrito por mim em referencia ao Leo2a4 ao qual esta no mesmo testo e referente ao outro carro não escrevi nenhuma vez o nome dele.

Glasquis 7
Reply to  ALEX TIAGO
4 meses atrás

Entendo, como eu especifiquei que a minha preferência era pelo Merkava Mark IV, pensei que se referia a este MBT. É um erro comum de interpretação devido às limitações idiomáticas que às vezes enfrento.

Sobre o 2 A4, como disse antes e vc corroborou, Está longe de ser um MBT “no Estado da Arte” ao nível mundial mas, por enquanto dá pro gasto.

ALEX TIAGO
Reply to  Glasquis 7
4 meses atrás

Concordo que o Merkava MK4 e um belo veiculo, com certeza tem varios modelos que gostariamos de ver com os nossos Exercitos este dentre eles faz parte dos tops.

Salim
Salim
Reply to  Glasquis 7
4 meses atrás

Sou fã merkava também, Israel tem mais de mil, pegava uns 200 mark3 e fazia acordo para desenvolver em conjunto o mark5 que estão desenvolvendo lá, até com parte produção Brasil para reduzir custo nas duas forças.

glasquis 7
Reply to  Salim
4 meses atrás

Seria um sonho. Mas ainda se considerando a sua operação em desertos como o do Chile.

Salim
Salim
Reply to  glasquis 7
4 meses atrás

Podia puchar o Chile pra encomendar uns 100 merkava5, ta viabilizado. Israel ja faz fora a estrutura de seus equipamentos militares.

Satyricon
Satyricon
4 meses atrás

Se analisados os conflitos mais recentes, como Nagorno/Karabath e Siria, onde MBT foram usados com grandes perdas, veremos que o grande inimigo não são outros carros de combate, mas drones e, principalmente, mísseis como o kornet russo e o javelin americano. Mesmo os venerados leopard 2 foram presas fáceis para eles. A situação se complica ainda mais quando se junta a portabilidade dessas armas, com seu custo relativamente baixo (frente aos MBT). Portanto, qualquer opção precisa, a meu ver, levar em consideração um sistema APS de defesa ativa, como o Trophy israelense, que por sinal é usado até pelos americanos.… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Satyricon
4 meses atrás

“Mesmo os venerados leopard 2 foram presas fáceis para eles.” . Onde? Tais falando daquela viagem dos turcos? Se todo mundo usar blindado de forma errada, como eles usaram, vai ser o fim do MBT de uma vez por todas, realmente. Esse seu comentário é só mais um dos muitos, que não consideram vários e vários fatores. . O blindados armênios foram destruídos por diferentes meios, incluindo os UAVs armados, loitering munitions, ATGMs, artilharia, entre outros. Legal. E o lado do Azerbaijão? Perderam alguns blindados, por conta da condição do terreno e manobra, que facilitava o uso da artilharia, ATGMs,… Read more »

Satyricon
Satyricon
Reply to  Bardini
4 meses atrás

Bardini, mesmo nações muito ricas e organizadas às vezes otimizam seus equipamentos aos cenários. Os EUA perceberam que usar F22, F35, F15, F18 e F16 pra caçar um maluco montado num camelo/caminhonete era desperdício de dinheiro, e passaram a ver o ST com bons olhos. O mercado de MBT usado tem poucas opções. Não há Leo 2 disponíveis. Challengers e Leclercs estão velhos já. Então vamos de que, M1A1? T72? É óbvio que o ideal seria algo novo, de prateleira, mas a realidade é que o EB não tem grana, nem perspectiva de tê-lo. Se tivesse não estaria modernizando defasados… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Satyricon
4 meses atrás

Tu quer modernizar M60… Tu já parou pra pensar sobre isso aí? obviamente não. . O M60 tem péssima compartimentação interna para se instalar novos equipamentos. Esse blindado armazena toda a sua munição no casco, sendo assim não existe local seguro para a tripulação. Vai deixar assim? A torre tem movimentação feita por acionamento hidráulico. Tem que desmontar tudo, comprar e colocar um novo sistema, todo eletrônico e montar novamente. Qual o custo disso? Tem que comprar sistema de controle de tiro novo. Novos sensores. Enfiar dentro disso aí o nosso sistema de gerenciamento do campo de batalha, rádio e… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Bardini
4 meses atrás

Bardini, não sei estado dos m60, porém não seria interessante converter os mesmos como lança mísseis ( tow, javelin ou outro mais capaz ) daria uma bela retaguarda aos MBTs varrendo o inimigo a cerca de 8 km. Me baseio no fato da guerra do golfo ter sido os bradley com tow, terem obtido o maior número de destruição de carros bindados/tanque. Incluo os Leo, se estiverem em boa condição.

Bardini
Bardini
4 meses atrás

A grande “revolução” ao adotar o Leopard 1A5, foi fazer um acordo de Suporte Logístico Integrado.
.
O grande erro nesse período, foi não ter adotado o Marder 1A3…

Oséias
Oséias
4 meses atrás

A cavalaria do futuro: poucos veiculos tripulados comandando centenas de pequenos veiculos terrestres não tripulados, todos lutando em rede, com um avançado sistema de computação dotado de algum nivel de inteligencia artificial fazendo a fusão de dados de centenas de sensores e dando uma visão em tempo real de todo o campo de batalha. Cada veiculo não tripulado dotado de uma duzia de pequenos misseis inteligentes, com a rede em conjunto podendo fazer chover um enxame de centenas de misseis sobre os alvos.

Fábio
Fábio
4 meses atrás

Perdoe-me o articulista, mas acho que o título mais apropriado para essa matéria seria: modernização da tropa blindada- Parte I: O Futuro Chegou?

Alexandre
Alexandre
4 meses atrás

As forças armadas do Brasil tem equipamentos compatíveis com a segunda guerra mundial , ainda assim em pequena quantidade. Nos dias de hoje nossos equipamentos bélicos são ultrapassados e poucos para um país de dimensões continentais.

rodrigo
rodrigo
4 meses atrás

Com o avanço da tecnologia dos drones. O futuro deve ser dos tanque menores, mais leves e mais rápidos… O exercito deveria focar na aquisição ou no desenvolvimento de um tanque leve. De vez em modernizar os atuais Leo1 A5.

Fábio Machado
Fábio Machado
Reply to  rodrigo
4 meses atrás

Não estamos tão atrasados assim, pelo menos a guerra do Vietnã nós já ultrapassamos.

Zergui Pfleger
4 meses atrás

A modernização de nossas Forças Armadas foi sendo colocada em segundo plano desde o governo de FHC.

Seria para investir mais no Brasil, na saúde pública, segurança, educação, infraestrutura?

Será que o objetivo do sucateamento era o de enfraquecer nossas defesas?

Ou será que tiraram recursos de todos essas áreas para institucionalizarem a corrupção?

Marco
Marco
4 meses atrás

O futuro já chegou, nós e que precisamos voltar para ele!! Estrelando ” De volta para o futuro IV “

rdx
rdx
4 meses atrás

Publicou na Grã-Bretanha a modernização dos Challenger 2. US$ 1 bi para modernizar 148 carros. Representa um corte de 35% em sua frota de MBTs.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  rdx
4 meses atrás

O que significa que o Reino Unido terá cerca de 250 Challenger 2 na reserva.
O que bate com o número de Leo 1A5 do EB. RSS.

Vamos iniciar a campanha 250 Challenger 3 para o EB.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Luís Henrique
4 meses atrás

Se o Reino Unido aceitasse doar os 250 Challenger 2 para nós e a modernização para Challenger 3 custasse o mesmo valor contratado pelo RU, o EB gastaria U$ 1,68 bi.

O mesmo valor que a Austrália vai pagar em 75 M1A2 SEPv3 e mais outros blindados, que acho que chega a 124 unidades.

Sei que é viagem. Mas 250 Challenger 3 equipariam os 4 RCC.
E os 116 Leo 1A5 que devem ser modernizados equipariam os 4 RCB.

Elden
Elden
4 meses atrás

No campo de batalha cada veículo tem sua função, mas, com os desafios da guerra moderna onde Drones provavelmente dominarão, e falando apenas do Guarani, ele terá que se adaptar ao longo dos anos para ter sua eficácia, e terá que ser equipado veículos com misseis anti-carro mesclado com canhões rápidos de 30mm a exemplo do Terminator 3, misseis anti-aéreos tipo RBS70, e por último, lançador de drones suicidas. (Não estou dizendo se o EB vai ter recurso ou não. o EB vai precisar, de quiser sobreviver num cenário de guerra moderna)

Antunes 1980
Antunes 1980
4 meses atrás

O Sr Putin tem a pronta entrega os novos modelos do moderno T-72B3M.
Baratos de manter, tecnologicamente avançados e com poder de fogo superior aos Leo2 chilenos.

Quando a desculpa do EB para material russo acabar, teremos um ganho exponencial em nossas fileiras.

https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTEj2wH6fQ1zYZJZ7zrRuHuRoXEKz2NerbGww&usqp=CAU

Last edited 4 meses atrás by Antunes 1980
Mustafah
Mustafah
4 meses atrás

E necessário lembrar que os servidores públicos não recebem suas aposwntadorias do INSS pois sensubmwtem a regime previdenciário próprio e essas constam do.orçamento de cada organismo. As FFAA através de seus Estados Maiores já poderiam pensar no fim das pensões das filhas que consomem bilhões ao ano, além do aumento das contribuição que no serviço civil e superior a 14% enquanto dos militares estão no teto de 10,5%. Outra medida antes de pedir para o aumento de verbas orçamentárias, seria a desativação de unidades no RS, MG e RJ e de Regiões Militares redundantes no Nordeste, além da negociação de… Read more »

Mattos
Mattos
4 meses atrás

Faz-se com o que dá. Durante anos esses governos tirar o devido dinheiro da defesa, deixando na mão a segurança do país. Nos protegendo as duras penas enquantos os inimigos (internos e externos) cada vez mais bem armados. Não culpem totalmente os generais, culpem os políticos de todas as tendência ideológicas.

Luiz Floriano alves
Reply to  Mattos
2 meses atrás

Em se tratando de blindados a quantidade pesa muiro. A Alemanha pensou que ter os melhores tanques bastava. Os Soviéticos e os Amaricanos inundaram o TO com carros inferiores e baratos. Foi o que se vciu. Um Tigre abatia 10 ou 12 T34, mais sucumbia perante o número de disparos que recebia. Nos estariamaos muito bem com algumas centenas de Abrams de 105 mm. ao invés destas latas qie não suportam tiro de .50. ou de 14,5mm.

Últimas Notícias

Paraquedistas russos começam exercícios em grande escala na Crimeia

SIMFEROPOL, 27 de setembro. /TASS/. Os exercícios em grande escala de um assalto aéreo com um regimento de artilharia...