segunda-feira, junho 27, 2022

Saab RBS 70NG

Inapto para a tarefa: Exército Russo não foi moldado para combater na Guerra na Ucrânia

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

por MICHAEL KOFMAN e ROB LEE

A invasão da Ucrânia pela Rússia foi uma operação militar desastrosa, desde as suposições de Moscou sobre uma vitória fácil até a falta de preparação, planejamento ruim e emprego da força. Menos atenção tem sido dada, no entanto, à estrutura da força russa e questões de mão de obra como um elemento crítico agora moldando os resultados desta guerra. Os planos raramente sobrevivem ao primeiro contato com um oponente e os militares invariavelmente precisam se adaptar, mas as escolhas de estrutura de força estratégica podem ser decisivas. A estrutura da força revela muito sobre as forças armadas e suas suposições sobre quais guerras planeja lutar e como planeja combatê-las.

Alguns dos problemas mais significativos enfrentados pelas forças armadas russas são o resultado de escolhas e trocas conscientes. Essas decisões ajudam a explicar muitas das lutas observadas que as forças armadas russas tiveram em operações de armas combinadas, combates em ambientes urbanos e tentativas de manter o terreno. A extensão total das fraquezas de pessoal da Rússia tornou-se clara durante esta guerra. Do jeito que está, os militares russos têm escassez de mão de obra – especialmente infantaria. Os militares russos também se comprometeram ao estabelecer uma força de mobilização parcial. Consequentemente, o exército russo foi otimizado para uma guerra curta e aguda, sem a capacidade de sustentar um grande conflito convencional em níveis de força humana de “tempo de paz”.

O melhor ou o pior dos dois mundos?

Para entender por que isso aconteceu com um dos maiores exércitos do mundo, devemos começar examinando as principais compensações feitas no design da força russa. As sucessivas reformas militares russas desde a queda da União Soviética procuraram abandonar o antigo exército de mobilização pesada de conscritos, consolidando formações e equipamentos, convertendo uma herança soviética pesada em uma força permanente menor. As forças armadas russas eram compostas principalmente de recrutas, que eram recrutados duas vezes por ano, e militares contratados – considerados “profissionais alistados” que se voluntariaram por vários anos de serviço. A Rússia se concentrou em tornar os militares contratados a maioria de suas forças armadas. Junto com os Estados Unidos, a Rússia passou a acreditar que um exército menor, mas melhor equipado e treinado, poderia lidar com uma série de conflitos. Esse processo ocorreu em grande parte entre 2008 e 2012.

Os militares russos então reverteram algumas dessas reformas a partir de 2013, não apenas porque várias se mostraram profundamente impopulares, mas também porque a força foi considerada pequena demais para uma guerra regional ou em grande escala contra um oponente superior. Assim, as forças terrestres adotaram uma estrutura de força mista, com divisões e brigadas, aumentando a estrutura geral da força .

A abordagem de pessoal para brigadas e divisões era a mesma. A Rússia regrediu para uma força de mobilização parcial, esperando ter o melhor dos dois mundos: mais forças e equipamentos, pessoal e custos reduzidos, além da capacidade de gerar poder de combate substancial em curto prazo. Os militares procuraram ter uma força de alta prontidão dentro da antiga abordagem soviética de grandes formações que exigiam um grau de mobilização. Ele também lutou para conciliar a manutenção de cerca de 250.000 recrutas nas forças armadas, com sua adequação geralmente pobre para operações militares e restrições políticas em empregá-los em conflitos.

Os militares russos acabaram adotando uma estrutura de força que poderia ser desdobrada como grupos táticos de batalhão, ou como toda a formação, como um regimento ou brigada. Os grupos táticos de batalhão eram formações de armas combinadas organizadas por tarefas com relações de treinamento habituais, centradas em torno de um batalhão de manobra dentro de um regimento ou brigada. Esperava-se que eles tivessem maior prontidão em termos de equipamento e mão de obra e ser capaz de implantar em curto prazo. Essas formações eram compostas por infantaria, cavalaria, artilharia e meios de apoio. O grupo tático do batalhão (BTG) não era um desenvolvimento recente, mas tornou-se um parâmetro dentro das forças armadas russas para medir a prontidão e a capacidade da força de gerar unidades em curto prazo. Em teoria, isso oferecia flexibilidade, embora como isso funcionaria na prática em grande escala permanecesse uma suposição. Como esta guerra demonstra apropriadamente, o que um exército pode fazer com 10 batalhões em uma guerra limitada não pode necessariamente ser replicado com mais de cem em uma operação militar complexa e de grande escala.

O que isso rendeu na prática? Como uma força de prontidão em camadas, as formações terrestres russas (incluindo a infantaria aerotransportada e naval) tinham entre 70% e 90% do seu efetivo total. Consequentemente, uma brigada de 3.500 homens pode ter apenas 2.500 homens em tempo de paz. Ao contabilizar 30 por cento de recrutas que provavelmente estariam na unidade, isso significava que não mais de 1.700 seriam considerados destacáveis. Se os níveis de prontidão reais estivessem sendo preenchidos, ou se houvesse um número insuficiente de militares contratados para preencher dois grupos táticos de batalhão, o número real de forças disponíveis seria ainda mais reduzido.

O comando de nível operacional da Rússia no campo de batalha é geralmente o Exército de Armas Combinadas. Os exércitos são compostos por brigadas, divisões e unidades de apoio que são designadas pelo Distrito Militar. Os exércitos variavam em tamanho, mas o efeito resultante é que várias dessas formações tinham uma força permanente mais próxima de 1,5 a 2 brigadas. As divisões aerotransportadas também reduziram a força humana na prática em relação aos seus níveis autorizados de força final. Com o tempo, a força foi se espalhando cada vez mais fracamente. O hardware estava lá, mas as pessoas não. As deficiências encorajaram os oficiais militares russos a recorrerem a formas habituais padronizadas pelos manuais tradicionais.

Os militares russos são adequados para campanhas curtas e de alta intensidade, definidas por um uso pesado de artilharia. Por outro lado, é mal projetado para uma ocupação sustentada, ou uma guerra de desgaste, que exigiria uma grande parte das forças terrestres da Rússia, que é exatamente o conflito em que se encontra disponível para ajustar facilmente ou para alternar as forças se uma quantidade substancial de poder de combate ficar presa em uma guerra. Sua grande suposição era que, no caso de uma crise com a OTAN, a liderança política autorizaria a mobilização para aumentar os níveis de tripulação e implantar formações com pessoal.

Entra a “operação especial” de Putin, que significava lançar uma grande guerra na Europa, contra o segundo maior país do continente, com uma força operando em níveis de contingentes em tempo de paz. Putin assumiu que a Ucrânia se renderia rapidamente, e uma operação de mudança de regime poderia ser conduzida sem a necessidade de planejar e organizar uma grande guerra. O desastre resultante, que será estudado nas próximas décadas, procede do cruzamento de terríveis pressupostos políticos russos com os das forças armadas sobre as forças que seriam disponibilizadas para uma guerra dessa escala (como concebida no projeto).

Revisitando o Grupo Tático do Batalhão

Após a invasão inicial da Rússia com ofensivas contra a Ucrânia em 2014 e 2015, os militares russos priorizaram ter grupos táticos de batalhão de prontidão mais permanentes, exclusivamente operados por soldados e oficiais contratados. Desde 2016, cada regimento ou brigada deveria ser capaz de formar dois grupos táticos de batalhão com apenas oficiais e soldados contratados, enquanto os recrutas compunham o terceiro batalhão. Na prática, a situação variava entre as unidades, dependendo do nível geral de prontidão. De acordo com o chefe do Estado-Maior General Valery Gerasimov, a Rússia tinha 66 grupos táticos de batalhão em 2016, com planos de aumentar rapidamente o número para 96 ​​até o final do ano, 115 em 2017 e 126 em 2018. Shoigu disse que a Rússia tinha 136 grupos táticos de batalhão em 2019 e 168 em agosto de 2021 . Estes devem ter entre 700 e 900 militares , mas como o número oficial de grupos táticos do batalhão estava aumentando rapidamente, o número de soldados servindo sob contrato estabilizou, e o número de recrutamento anual permaneceu praticamente inalterado nos últimos quatro anos. Consequentemente, as representações contemporâneas do tamanho e composição típicos do grupo tático do batalhão russo eram imprecisas.

Os militares russos estabeleceram uma meta de atingir 425.000 soldados contratados até 2017 e, posteriormente, atingir 499.200 até 2019. Em vez disso, de acordo com autoridades russas, atingiu 384.000 em 2016, 394.000 em 2019 e 405.000 em 2020, que foi a última vez que um número foi registrado e divulgado publicamente. Como o Ministério da Defesa continuou liberando os mesmos números de soldados contratados por vários anos consecutivos, ficou evidente que eles provavelmente estavam diminuindo. O delta entre os números oficiais e os efetivos contratuais foi objeto de debate nos círculos analíticos.

Parece que as forças armadas russas atingiram essa meta reduzindo o número de pessoal em cada batalhão, incluindo o número em cada companhia, o que teve um efeito significativo nas operações na Ucrânia. Houve dois resultados importantes desta decisão. Primeiro, as formações de manobra ofensiva da Rússia, assumindo cerca de 125 a 130 grupos táticos de ataque, conforme divulgado por fontes oficiais dos EUA, eram na prática muito menores quando consideramos sua força real. Essa força foi de aproximadamente 80.000 em tamanho total, sem incluir auxiliares e outros elementos de apoio (o tamanho total da força provavelmente excedeu 100.000). Em segundo lugar, essas formações foram fortemente ponderadas para artilharia, cavalaria, apoio e logística em vez de infantaria motorizada e a disponibilidade de unidades desmontadas. O efeito sobre a capacidade da Rússia de operar em terreno urbano, apoiar a cavalaria com infantaria desmontada e controlar terreno foi profundo. Também havia escassez de pessoal-chave, de apoio a logística, e a força era muito mais frágil do que muitos (incluindo nós) supunham.

Com base em documentos capturados publicados pela Ucrânia e listas de pessoal credíveis que parecem ter sido divulgadas por meio de hacks, parece que a Rússia decidiu mudar sua tabela de organização para unidades de infantaria motorizadas, reduzindo o número de soldados. Em vez de 539 ou 461 efetivos para batalhões de fuzileiros motorizados, a nova tabela de organização para batalhões de fuzileiros motorizados parece ser de aproximadamente 345. No entanto, mesmo com este T/O reduzido, muitos batalhões russos parecem estar apenas em 2/3 ou 3/4 de força, muitas vezes tendo apenas 230 a 280 soldados. A nova força autorizada para uma unidade de fuzileiros motorizados parece ser de aproximadamente 75 a 76, em vez de 101 ou 113 como antes, e apenas 22 para pelotões. Pelotões de fuzileiros motorizados anteriores tinham 30 ou 32 homens com três esquadrões de oito ou nove homens e um quartel-general de pelotão.

Fonte de dados: Henry Schlottman (com base em documentos vazados)

O novo pelotão de fuzileiros motorizados tem três esquadrões de sete soldados sem um quartel-general de pelotão. Apenas o comandante de pelotão não faz parte de um dos esquadrões, e o primeiro esquadrão é liderado pelo vice-comandante de pelotão. Um esquadrão de sete homens significaria que cada veículo BMP ou BTR teria quatro desmontagens disponíveis, sem incluir a tripulação orgânica de três homens. Mas muitos desses esquadrões têm apenas cinco ou seis soldados. Na prática, isso significa que muitos esquadrões de fuzileiros motorizados russos têm apenas soldados suficientes para operar seus veículos, mas não para desmontar e lutar a pé. De fato, houve casos em que BTRs e BMPs russos tinham apenas três tripulantes, sem desmontagens. Como resultado dessas reduções e problemas de tripulação, muitos pelotões russos enviados para a Ucrânia estão mais próximos do tamanho de um esquadrão do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, que atualmente possui 13 militares e com planos para elevar para 15, e muitos batalhões russos são do tamanho de uma companhia reforçada de fuzileiros navais com 182 fuzileiros navais e marinheiros mais apoio, etc.

Com anexos, o tamanho de muitos desses grupos táticos de batalhões baseados em um batalhão de fuzileiros motorizados está entre 400 a 600 pessoas, bem abaixo do número de 700 a 900 que foi relatado por oficiais russos. Por exemplo, os dois batalhões enviados para a Ucrânia pela 138ª Brigada de Fuzileiros Motorizados supostamente tinham 310 e 226 pessoas, e os grupos táticos do batalhão formados por esses batalhões tinham 666 e 499 pessoas, respectivamente. Documentos capturados indicam que este é um problema para unidades em diferentes distritos militares – o Distrito Militar do Sul parece ser o mais bem colocado, mas suas unidades ainda sofrem com esse problema – e com defesa costeira e até unidades aerotransportadas também.

Há também uma variação substancial no tamanho dos grupos táticos do batalhão implantados na Ucrânia. Alguns são 900, mas muitos têm metade desse tamanho, o que significa que o número divulgado ou atualizado regularmente por vários oficiais de defesa é relativamente limitado ou irrelevante ao avaliar o poder de combate terrestre da Rússia na Ucrânia. Na prática, os grupos táticos do batalhão podem ter variado tanto como 350 a 900 em pessoal, e algumas unidades não foram desdobradas como grupos táticos de batalhão, mas como regimentos inteiros com suas unidades de sede. Nesses casos, a artilharia e outros ativos regimentais ou de divisão nem sempre estavam ligados aos grupos táticos do batalhão, mas em um nível mais alto, reduzindo ainda mais o tamanho dessas unidades. De fato, o alto número de comandantes de regimentos e brigadas que foram mortos na Ucrânia é uma indicação de que as unidades russas estão lutando como regimentos ou brigadas e não necessariamente com grupos táticos de batalhões independentes. Outra razão para a variação é que brigadas e regimentos poderiam criar um grupo tático de batalhão, mas o segundo era frequentemente curto, revelando uma escassez de mão de obra disponível.

Onde está a infantaria?

Outro problema é que os grupos táticos do batalhão com maior número de soldados possuem uma maior parcela de unidades de apoio, como artilharia, defesa aérea, engenheiros ou guerra eletrônica, para manobrar as companhias (por exemplo, infantaira motorizada ou blindada). Dependendo da tarefa, essas outras unidades são importantes, mas a menor participação de companhias de manobra para apoiar as unidades significa que essas formações são menos capazes de manobrar ou tomar terreno. Os grupos táticos de batalhão formados por batalhões de carros de combate normalmente têm menos pessoal porque estes batalhões têm apenas uma tabela de organização de 151, então eles são ainda menores por causa do componente de infantaria motorizado reduzido. De fato, parece que a Rússia também mudou a tabela de organização e equipamento dos regimentos de carros de combate, em alguns casos reduzindo seu batalhão de fuzileiros motorizados a uma única companhia. Isso significava que um regimento blindado não poderia formar dois grupos táticos de batalhão de força total, uma vez que cada grupo tático de batalhão blindados deveria ter pelo menos uma companhia de fuzileiros motorizados. Como exemplo, o 1º Regimento Blindado da 2ª Divisão de Fuzileiros Motorizados da Rússia tinha apenas uma única companhia de fuzileiros motorizados com 70 homens, o que é claramente insuficiente.

O resultado final é que os militares russos implantaram formações de manobra com pouca infantaria desmontada disponível, mas ainda trouxeram muitos de seus veículos blindados com eles. Essa situação começa a se assemelhar aos problemas enfrentados pelas forças russas em Grozny-1995: toneladas de metal, pouca mão de obra. Unidades de carros de combate russos requerem apoio de infantaria para várias situações, e infantaria desmontada é crítica ao lutar em ambientes urbanos ou tomar ou manter terreno. Carros de combate e veículos blindados são vulneráveis ​​sem infantaria para protegê-los de equipes anticarro, entre outras ameaças. Ao trazer infantaria mínima, os batalhões de fuzileiros motorizados estão sofrendo das mesmas vulnerabilidades que as unidades de carros de combate. A alta proporção de veículos blindados para soldados em muitas unidades russas provavelmente também explica muitos dos veículos que foram abandonados pelas forças russas durante o início da guerra. A falta de tropas de fuzileiros motorizados orgânicos também ajuda a explicar o mau desempenho de muitas unidades blindadas russas, que eram vulneráveis ​​a emboscadas por equipes anticarro ucranianas leves armadas com armas como Javelin, NLAW e Stugna-P. O problema foi agravado pelas perdas entre os componentes de infantaria nas primeiras semanas da guerra.

People look at the gutted remains of Russian military vehicles on a road in the town of Bucha, close to the capital Kyiv, Ukraine, Tuesday, March 1, 2022. Russia on Tuesday stepped up shelling of Kharkiv, Ukraine’s second-largest city, pounding civilian targets there. Casualties mounted and reports emerged that more than 70 Ukrainian soldiers were killed after Russian artillery recently hit a military base in Okhtyrka, a city between Kharkiv and Kyiv, the capital. (AP Photo/Serhii Nuzhnenko)

Os militares russos carecem especialmente de forças de infantaria leve suficientes para muitas das situações que enfrentou na Ucrânia. Mesmo com unidades de infantaria motorizada, aerotransportada ou naval, os veículos blindados são orgânicos em todos os níveis. Assim, pelotões ou companhias inteiras, incluindo suboficiais e oficiais, não podem desmontar como unidades coesas porque têm que guarnecer os veículos em situações em que unidades de infantaria leve com uma unidade móvel de apoio possam ser preferíveis. Os batalhões aerotransportados enfrentam o mesmo problema. De fato, as pesadas perdas sofridas por unidades aéreas perto de Kyiv nas áreas de Bucha, Irpin e Hostomel podem ser parcialmente resultado dessa falta de infantaria. A Rússia está compensando essa escassez de infantaria em unidades de fuzileiros motorizados apoiando-se fortemente em sua infantaria naval, bem como em forças de milícias separatistas, que fizeram a maior parte dos combates em Mariupol. Indiscutivelmente a infantaria naval russa, um pequeno componente de suas forças armadas, tem sido o elemento de melhor desempenho dentro da força terrestre, mas também sofreu grandes perdas. Milícias mobilizadas de Donetsk e Luhansk também foram enviadas para regiões além do Donbas, e os grupos militares privados da Wagner desempenharam um papel crítico nos combates. De fato, é justo perguntar se alguns destacamentos de Wagner e unidades de prontidão permanente separatistas são de fato mais elitistas e capazes do que as unidades regulares de fuzileiros motorizados russos, pelo menos quando operam como uma força desmontada.

Milícias mobilizadas de Donetsk e Luhansk também foram enviadas para regiões além do Donbas, e os grupos militares privados da Wagner desempenharam um papel crítico nos combates. De fato, é justo perguntar se alguns destacamentos de Wagner e unidades de prontidão permanente separatistas são de fato mais elitistas e capazes do que as unidades regulares de fuzileiros motorizados russos, pelo menos quando operam como uma força desmontada.

A Rússia também compensou com a implantação de unidades da Guarda Nacional da Rússia ( Rosgvardia ) para servir em um papel de infantaria leve. Estes incluíam unidades spetsnaz semelhantes às equipes da SWAT da polícia e a polícia de choque da OMON. Embora Rosgvardia seja uma organização paramilitar, suas unidades não são treinadas ou equipadas para uma guerra convencional, e muitas tropas de Rosgvardia invadiram a Ucrânia em caminhões da polícia de choque com pouca ou nenhuma blindagem. Nesta fase, os militares russos estão lutando por mão de obra em qualquer lugar que possa obtê-la, particularmente para preencher a escassez endêmica de infantaria em relação ao equipamento. A Rússia invadiu a Ucrânia com grupos táticos de batalhão de baixa força, que então sofreram o impacto das baixas.

Os militares russos provavelmente teriam se saído melhor com menos, mas grupos táticos de batalhão totalmente tripulados. Parece que as forças russas mais uma vez chamaram soldados contratados ou oficiais de diferentes batalhões para formá-los logo antes da invasão, mas as unidades funcionam melhor quando têm a oportunidade de treinar juntas, desenvolver procedimentos operacionais padrão e construir coesão. Também parece claro que muitos regimentos e brigadas russos só poderiam colocar em campo um batalhão de força total, em vez de dois, como afirmaram as autoridades russas. Curiosamente, uma das fraquezas previamente identificadas dessas formações era que elas não tinham uma equipe suficiente para executar adequadamente o comando e o controle sobre os numerosos anexos. Em vez disso, parece que as forças terrestres russas na Ucrânia eram muito pesadas, com muitos oficiais comandando unidades menores sem soldados de infantaria suficientes.

O fato de que a força russa estava se espalhando pouco, reduzindo a prontidão para obter novas divisões e regimentos, era conhecido na comunidade analítica. No entanto, a extensão dos problemas não era aparente até a guerra. As evidências apontam para duas conclusões iniciais. Algumas dessas mudanças e reduções foram relativamente recentes, provavelmente nos últimos três anos, e partes das forças armadas russas estavam exagerando sistemicamente a prontidão. Consequentemente, a liderança militar sênior pode não saber o quão ruim era o problema, e o sigilo em torno dos planos de invasão russos dentro do sistema agravou a súbita descoberta da podridão, dando aos comandantes pouco tempo para resolver esses problemas.

A falta de oficiais não comissionados?

Muitos comentaristas se concentraram na falta de suboficiais como a principal fraqueza de pessoal das forças armadas russas. Isso não é surpreendente, pois eles aparecem com destaque nas forças armadas ocidentais. As forças armadas russas têm suboficiais contratados, mas esses soldados não têm papéis de liderança com responsabilidades e divisão de funções em relação ao comandante. Essas diferenças são importantes, mas exageradas. Por exemplo, a Ucrânia não havia construído um corpo efetivo de suboficiais na época desta guerra – era na melhor das hipóteses nascente e aspiracional. Algumas das supostas diferenças entre Rússia e Ucrânia, levantadas no discurso popular, simplesmente não explicam a atuação divergente entre esses militares. Levará tempo para ter uma conversa mais informada sobre o que importava e o que não importava nesta guerra.

Em vez disso, o maior problema de pessoal é a falta de contratos privados. De fato, as companhias de tamanho reduzido significam que os suboficiais são menos críticos porque os oficiais estão liderando menos soldados. Em muitos casos, os tenentes russos lideraram pelotões que eram aproximadamente do mesmo tamanho de um esquadrão de fuzileiros da Marinha dos EUA de 13 homens, liderado por um sargento. Os grupos táticos de batalhão menores indicam que a Rússia não está conseguindo recrutar soldados contratados suficientes para manobrar adequadamente os batalhões. As atribuições prioritárias para militares contratados são cargos de sargentos, unidades de elite e especialidades altamente técnicas . Os recrutas não servem o tempo suficiente para serem treinados adequadamente nessas habilidades técnicas, então eles são quase exclusivamente tripulados por soldados contratados.

Como as Forças Aeroespaciais, a Marinha e as Forças de Mísseis Estratégicos da Rússia têm uma porcentagem maior de atribuições técnicas, elas recebem uma parcela maior de soldados contratados do que o exército. Dentro das Forças Terrestres, a prioridade é garantir que todos os postos de suboficiais sejam preenchidos por soldados contratados, bem como atribuições como defesa aérea, guerra eletrônica e outros operadores de equipamentos.

Unidades de elite como a infantaria aerotransportada, naval, spetsnaz, e unidades de reconhecimento também são uma prioridade mais alta para receber soldados contratados. Como resultado, os batalhões de fuzileiros motorizados não têm soldados contratados suficientes, e parece que a Rússia decidiu compensar reduzindo o número de pessoal nesses batalhões, em vez de reduzir o número de grupos táticos de batalhão de prontidão permanente. Não eram apenas soldados de infantaria. As unidades de manobra russas não tinham soldados contratados suficientes para servir como motoristas de comboios de logística e dependiam muito de recrutas. Isso significava que eles tinham um déficit de motoristas quando invadiram, o que exacerbou seus problemas logísticos.

Por que isso aconteceu?

O pensamento russo sobre estratégia e conceitos operacionais desempenhou um papel significativo nessas escolhas de design. A cultura organizacional e as preferências burocráticas não devem ser ignoradas, mas a razão pela qual as forças armadas russas foram criadas dessa maneira, em última análise, está ligada aos princípios centrais do pensamento militar russo .. Os militares têm ideias sobre que tipo de guerras provavelmente travarão, como planejam combatê-las e a melhor maneira de equilibrar capacidade, capacidade e prontidão. Embora não possamos aprofundar o pensamento militar russo aqui, as escolhas centrais não foram apenas motivadas por uma tentativa de equilibrar recursos e obter flexibilidade de força, mas também por um conjunto coerente de crenças sobre como as forças armadas russas devem se organizar para combater a OTAN. Isso impulsionou o desenvolvimento de uma força com menos infantaria e menos capacidade logística para sustentar ofensivas terrestres ou manter território.

Isso não explica os problemas que as forças armadas russas demonstram em várias áreas, desde a falta de comunicações seguras até a integração mal demonstrada de apoio aéreo, incêndios e reconhecimento no campo de batalha. Há problemas claros com competência, emprego ampliado e integração. Mas as guerras convencionais geralmente se resumem ao desgaste, onde a mão de obra e o material importam mais ao longo do tempo do que muitos outros elementos. Uma força com proteção suficiente em sua estrutura pode tentar compensar um plano terrível, recuperar-se do fracasso inicial e tentar se ajustar. Os militares russos não têm essa opção e são ainda mais limitados pelo enquadramento político desta guerra.

De fato, é uma questão em aberto se Putin pode ter tido um senso inflado da capacidade militar russa. Alternativamente, ele pode simplesmente deixar que suposições políticas de que a Ucrânia se renderia rapidamente conduzam seu pensamento. Às vezes, os militares são desonestos sobre o que podem realmente fazer, mas muitas vezes os líderes políticos simplesmente não querem ouvir os conselhos militares porque não é o que eles desejam ouvir. Muito provavelmente, o fracasso russo é uma combinação de ambos.

As questões de efetivo da Rússia sugerem que a mobilização futura enfrentará sérios problemas. Nas forças armadas russas, os recrutas são enviados para unidades onde recebem a maior parte de seu treinamento, em vez de escolas centralizadas. No entanto, os oficiais responsáveis pelo treinamento e os suboficiais das unidades de treinamento foram destacados em alguns casos ou provavelmente serão usados ​​para formar batalhões adicionais. Isso significa que o elemento remanescente para regimentos e brigadas russos pode não ter o pessoal para treinar adequadamente os recrutas que estão chegando. Quanto mais essa guerra continuar, maiores serão os efeitos disruptivos no treinamento e no recrutamento. Nesta fase, parece que a Rússia está tentando soluções fragmentadas criando batalhões de reserva com base em oficiais e suboficiais alocados ao “terceiro” batalhão provisório que permanece nas formações atuais. Essa é uma forma de mobilização parcial, mas canibaliza um importante componente de formação dessas unidades.

Tendo mobilizado mão de obra substancial e com acesso ao apoio militar ocidental, a Ucrânia agora parece posicionada para sustentar essa luta. A campanha russa fracassou não apenas porque perseguia objetivos políticos irreais, mas também porque o plano para a invasão não levava em conta as escolhas feitas na estrutura de força e as limitações que elas impunham. O emprego da força russa exacerbou as desvantagens inerentes à força que eles construíram. Atualmente, a Rússia carece de mão de obra para rotacionar as forças atuais no campo de batalha ou para conduzir novas ofensivas além da atual campanha no Donbas. No entanto, as forças russas parecem desfrutar de uma vantagem de força local no Donbas, e os desafios gerais de longo prazo levantados aqui podem não impedir o progresso russo no curto prazo. Muito é contingente, e essa avaliação não pretende ser determinista.

Os argumentos que fazemos aqui são preliminares e não pretendem prever o resultado das batalhas no Donbas, ou o curso desta guerra. No entanto, os debates contemporâneos sobre estrutura de força e estratégia militar se beneficiariam muito ao observar as escolhas que os militares russos fizeram e como eles acabaram nessa posição. Há muito a ser dito sobre a primazia das suposições políticas, que é um dos fatores mais decisivos em como as forças armadas russas foram inicialmente lançadas nesta guerra, mas, igualmente, são as escolhas estruturais que limitaram a capacidade de seus militares de se ajustar e sustentar operações de combate.

FONTE: War on the Rocks

- Advertisement -

183 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
183 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
20 dias atrás

ahahahaha Por que voltou o nick original ?

Gabriel ferraz
Gabriel ferraz
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
20 dias atrás

Meu amigo largar de ser chato, se o cara tem 50 nicks isso não é da sua conta caso a moderação do blog aceite, sem contar que isso não é errado e outra hipótese é o fato do cara ter ido tirar unas férias ou focado mais na sua vida pessoal por um tempo, você é de longe o pior cara que comenta aqui nesse blog. Parece que ama o cara pow. Se toca .

César
Reply to  Gabriel ferraz
20 dias atrás

Pela tua brabeza pelo visto vc é outro nick do desocupado, não!?

Bosco
Bosco
Reply to  César
20 dias atrás

Não duvido!
Alguém achar normal e defender que um participante tenha 50 nicks não é normal.

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  César
19 dias atrás

Certtamente outro nick do desocupado.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Gabriel ferraz
20 dias atrás

50 nicks isso não é da sua conta caso a moderação do blog aceite”

ERRADO

Isso não é só da conta dele nem apenas da moderação, mas sim da conta de todos os usuários do blog que ficam expostos a um sujeito que usa diversos nicks diferentes para ficar disseminando desinformação, meias verdades e muitas mentiras poluindo todo o site e destruindo qualquer possibilidade de uma discussão sadia.

Se você não se incomoda com isso, paciência mas o Rodrigo não é nem de longe o único que já manisfestou VARIAS vezes o descontentamento com as ações desse sujeito.

Americano
Reply to  Victor Filipe
20 dias atrás

Faço minhas suas palavras .

Rocha
Rocha
Reply to  Victor Filipe
20 dias atrás

Idem.

Jorene
Jorene
Reply to  Victor Filipe
20 dias atrás

Antonio dos Reis, o fragmentado !

PACRF
PACRF
Reply to  Victor Filipe
20 dias atrás

De acordo. Uma coisa é divergir ou contra-argumentar, e até mesmo criar sua própria narrativa sobre os fatos. Outra coisa é ficar se utilizando de NICK FANTASMA para criar um falso cenário de que existem muitas “pessoas” apoiando a carnificina que o Putin está impondo ao povo ucraniano.

Canarinho
Canarinho
Reply to  Victor Filipe
19 dias atrás

Primeiro que voces nao tem certeza se o cara de fato usa 50 nicks. Se for o caso, dele usar os 50 nicks, de tudo que ja vi ele escrever ele nao tras deseinformacao, muito pelo contrario, ja vi pessoas inclusive com ofensas e mentiras caluniarem ele. Se tem alguem compromentendo uma discussao sadia, sao muitos que o perseguem, com frases chulas e odio. Na verdade ele via de regra e educação e expõe fontes do que ele diz, entao menos, muito menos filipe.

Nei
Nei
Reply to  Canarinho
19 dias atrás

Não me venha defender um sujeito mal-intencionado igual o KINGS, sempre só causou a discórdia em suas publicações, raramente fez um comentário NEUTRO.

Carlos Alceu Gonzaga
Carlos Alceu Gonzaga
Reply to  Canarinho
19 dias atrás

Para com isso Tonho. Usar outro nick para autodefesa é o cúmulo da desfaçatez! Cria vergonha nessa cara!

Flanker
Flanker
Reply to  Victor Filipe
19 dias atrás

Perfeito!!!

Chevalier
Chevalier
Reply to  Gabriel ferraz
20 dias atrás

Que argumentaçãozinha de 5a série ein? Uii parece que ama o cara, deixa ele ser livre… ui.. Parece que quem ama o comunazinho ali é tu, já que tá se doendo e defendendo o amante.

Luis
Luis
Reply to  Gabriel ferraz
20 dias atrás

você é de longe o pior cara que comenta aqui nesse blog

Prove.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Gabriel ferraz
20 dias atrás

Se te incomodou…

Problema seu..

Hank Voight
Reply to  Gabriel ferraz
20 dias atrás

Nick novo Xings!?

Andre
Andre
Reply to  Hank Voight
19 dias atrás

Já não tão novo…

Bosco
Bosco
Reply to  Gabriel ferraz
20 dias atrás

O fato de um participante ter vários nicks é uma afronta a todos e diz muito a respeito do dito cujo e da causa que ele defende.
Isso só demonstra que o sujeito em questão não tem o mínimo respeito por ninguém, inclusive pelo Galante , pelo Poggio e pelo Nunão, que se esforçam por nos trazer informação e manter o blog aberto.

PACRF
PACRF
Reply to  Bosco
20 dias atrás

Concordo, e aproveito a oportunidade para ressaltar a qualidade dos textos sobre a invasão russa publicados na Trilogia. Se a imprensa russa fosse livre, provavelmente estaríamos lendo textos mais equilibrados “do outro lado”. Infelizmente, todos sabemos que a Rússia é uma ditadura sanguinária, onde os direitos individuais não são respeitados e onde não há imprensa livre.

Oráculo
Oráculo
Reply to  Bosco
19 dias atrás

Concordo com o relator.

Atirador 33
Atirador 33
Reply to  Bosco
19 dias atrás

No começo eu achava esse Antonio Kings um cara até inteligente, não concordo com visão de mundo dele, mais respeitava e lia o que escrevia, e afirmo, ele escreve bem e tem condições de defender bem o que acredita. Porém quando ele começou o circo de mudar de nick até ai passou, mais usar outros para apoiar com comentários as próprias ideias, parei de ler os comentários dele. Essa atitude de moleque è muito chata, se não derem palco para esse cara, ele desencana, para um moleque a pior situação é o desprezo dos outros. Ou se eu estiver muito… Read more »

Avai2022
Avai2022
Reply to  Bosco
19 dias atrás

Muito bom o que você escreveu. Jah expressei que acho que a pessoa pode escrever o que quiser. Eu levo liberdade de expressão ao extremo. Mas em respeito a todos, especialmente aos editores, criar varios nicks um desrespeito total. Bobeira de quem faz isto.
Imagina o legado dele para os filhos : filho eu ficava em fórum de defesa com 500 nicks defendendo minhas ideias …

Wellington Jr
Wellington Jr
Reply to  Gabriel ferraz
19 dias atrás

Fica quieto outro Nick do Kings acha que não já sabemos a sua gráfia

Flanker
Flanker
Reply to  Gabriel ferraz
19 dias atrás

O que seria “pow”?

Luciano
20 dias atrás

A Rússia tá apanhando tanto que precisou enviar até velharias como o T-62 pra repor as perdas. Quem devia estar chorando é vc baba ovo de ditador.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Luciano
20 dias atrás

Mais perturbador do que os T-62 é aumentar o limite de idade de forma a poder obter soldados com mais de 40 anos. É um claro sinal de que os soldados voluntário que era possível entre 20 e 39 anos já foi obtido, o que significa que a partir de agora, só a convocação obrigatória resolve para se obter mais soldados.

Mafix
Mafix
Reply to  Jacinto
20 dias atrás

Fora o fato que os soldados na idade aproveitavel quando são capturados são de familias extremamente pobres e entram para o exercito procurando emprego.
Quem tem qualquer outro tipo de emprego não vai se alistar para morrer na Ucrania …

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Luciano
20 dias atrás

Engraçado você falar isso quando os Russos ativamente tentam esconder as baixas que eles sofrem do publico em geral. existem vários casos de que autoridades Russas ameaçam cancelar a pensão dos familiares dos soldados que morreram caso eles espalhem a noticia de que os membros da família deles morreram. o caso mais famoso disso é com os familiares dos mortos no Cruzador Moskva https://www.latimes.com/world-nation/story/2022-03-04/la-fg-russia-ukraine-military-casualties Eu não sei se no seu caso é a falta de conhecimento ou está ativamente sendo mal caráter. vindo de você eu posso suspeitar dos dois mas vou tentar ser didático. quando um soldado é morto… Read more »

Pablo Maroka
Pablo Maroka
20 dias atrás

Na época da URSS despachariam facilmente quase 1 milhão de soldados e um monte de armamento.

Hoje um monte de recruta e equipamentos de decadas atrás.

A russia agora vive na carcaça podre da URSS

pangloss
pangloss
Reply to  Pablo Maroka
20 dias atrás

A penúria e a corrupção da Rússia são consequência direta do legado soviético.

Hank Voight
Reply to  Pablo Maroka
20 dias atrás

Eu sempre disse isso, que a Rússia vivia da herança da URSS, mas a Putinzetes davam piti toda vez…..

parabéns!

Bosco
Bosco
Reply to  Hank Voight
20 dias atrás

Hoje sabemos que realmente o poder russo mostrado nos desfiles fariam eles ganharem qualquer disputa… na Sapucaí.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Bosco
19 dias atrás

Admiro o seu conhecimento sobre os sistemas, porem o seu conhecimento sobre conflitos deixa muito a desejar ! Entenda uma coisa, numa guerra são um conjunto de fatores que vão determinar o resultado ! Os EUA e Israel por exemplo enfretaram paises onde o poder militar real era nulo, nos paises arabes o sujeito é sargento hoje e amanhã por indicação já é coronel ou até general, analise a aproximação das forças iraquianas sobre as colunas blindadas dos EUA em 2003 e compare como os ucranianos estão combatendo as colunas russas agora, para vc ter uma noção do que os… Read more »

Nei
Nei
Reply to  Munhoz
19 dias atrás

Sim, olhe seu likes e terá resposta de quem entende de guerra.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Nei
19 dias atrás

O problema é que nem é culpa dos que não entendem!
A própria industria bélica ocidental patrocina essas teses que são feitas com informações genéricas pontuais, que são aumentadas, eles querem vender o seu peixe!
E o ocidente quer desacreditar a Rússia!
Óbvio que os Russos sofreram baixas, porém não é o que o ocidente diz e eles efetuaram muito mais baixas sobre a Ucrânia

Last edited 19 dias atrás by Munhoz
Klaus
Klaus
Reply to  Munhoz
19 dias atrás

Russos bons em guerras ? Rsrsrs sem aliados sempre foram destrambelhados …Finlândia sem URSS ? Japão levou uma surra no mar? Alemanha na primeira guerra perdeu quanto no tratado de Brest Litovski? E na segunda guerra levou um boi que tinha URSS e mais 70 aliados…

Klaus
Klaus
Reply to  Klaus
19 dias atrás

Quanto a França de Napoleão se não fosse Hannover ,Prussia ,Inglaterra etc .afff

_RR_
_RR_
Reply to  Munhoz
19 dias atrás

Caro…

Os exércitos enfrentados por Israel poderiam ser considerados tão poderosos quanto, ou mais, que as próprias forças israelenses… que por mais de uma vez lutaram contra todos ao mesmo tempo!

E os americanos sempre lutaram longe de casa… E fazem sim uma “vaga” ideia do que os russos enfrentam, haja visto a experiência no Vietnam.

Ocorre que há um diferencial de competência… que sempre superará a mera força bruta; uma lição que Israel conhece muito bem e os americanos parecem ter aprendido apenas parcialmente…

No mais, não há como fazer uma comparação em todos parâmetros.

Munhoz
Munhoz
Reply to  _RR_
19 dias atrás

Como eu disse para vc ter uma noção compare como os iraquianos enfrentaram os blindados americanos e como os Ucranianos enfrentaram os blindados russos!

Bosco
Bosco
Reply to  Munhoz
19 dias atrás

Munhoz, “Meu amigo os EUA após a segunda guerra não enfrentaram nada parecido com o que os russos estão enfrentando agora !! Quem entende de guerra sabe !” Na minha área tem um ditado que diz que tudo que se diz antes do trabalho é explicação, e tudo que se diz depois é desculpa. Fato é que a Rússia se dizia preparada para enfrentar toda a OTAN de uma vez e hoje não dá conta e inventa desculpas para enfrentar a Ucrânia ao lado que só recebe ajuda da OTAN. Ou seja, a leitura que se faz é que a… Read more »

Munhoz
Munhoz
Reply to  Bosco
19 dias atrás

Entenda uma coisa os Russos não tinham tempo pois em sua visão depois que a Ucrânia entrasse para a OTAN não daria para fazer mais nada !
Outro ponto é uma comparação com os EUA em 2003 onde 8.000 civis perderam a vida em 2 meses comparando com os cerca de 4.500 na Ucrânia até o momento, isso numa situação bem mais fácil que a da Ucrânia agora!
Está situação não seria fácil para nenhum país enfrentar, nem mesmo a OTAN se numa situação hipotética estivessem no lugar da Rússia!

Luís Carlos
Luís Carlos
Reply to  Hank Voight
20 dias atrás

Ô HMS!
Tem país que vive de herança de velhinha americana.
Dinheiro de fundo de pensão.
Se orienta rapá!

César
Reply to  Luís Carlos
20 dias atrás

Pois é, a moderação expulsa um perfil mas o xings tem vários outros como esse aqui.

RPiletti
RPiletti
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

O FSB, vê se não dá bandeira…

Andre
Andre
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

É verdade, e não são poucos, mas nenhum desses países tem ou teve a pretensão de ser grande potência global.

Tadinha da Russia, de grande potência na era soviética, rivalizando lado a lado com os EUA, a ser comparada com o Brasil, mesmo por seus mais ardorosos defensores.

Hank Voight
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Como de costume você nos apresenta mais do seu mesmo esgoto Xings ou seja, ressentimento ideológico e pior, @ntissemitismo……

Last edited 19 dias atrás by Hank Voight
Andre
Andre
Reply to  Hank Voight
19 dias atrás

Somos dois. Basta ver a dificuldade em novos projetos russos desde o fim da URSS.

Tirando o Kalibr e o Khinzal nada de realmente novo, apenas muitos upgrades da era soviética. Su-57 patinando, T-14 patinando com lama até o joelho, projetos navais então…

O aclamado Terminator não passa de um T-72 com outra torre…

rui mendes
rui mendes
Reply to  Andre
19 dias atrás

Sou totalmente contra a Rússia, mas me recuso a mentir, dizendo barbaridades, os Russos sabem muito de tecnologia militar.

Andre
Andre
Reply to  rui mendes
19 dias atrás

devem saber mesmo, o difícil tem sido transformar esse saber em um produto final.

O J20 começou seu desenvolvimento razoavelmente depois do su-57 e já está em operação há alguns anos…

Fábio Machado
Fábio Machado
Reply to  Pablo Maroka
19 dias atrás

Provavelmente, como aconteceu na repressão a primavera de praga em 1968, quando os soviéticos invadiram a Tchecoslováquia com mais de 800 mil soldados. No entanto, o problema da Rússia foi não ter se preparado para uma guerra de verdade, acreditavam que seria uma intervenção militar na província rebelde e se deram mal. Além do mais, de fato a doutrina russa sofre com certos vícios da era soviética. Devemos nos lembrar que a URSS se preparava para uma guerra contra a OTAN, com forte possibilidade de uso de armas nucleares. Por isso esse conceito de um exército blindado, a estratégia soviética… Read more »

Last edited 19 dias atrás by Fábio Machado
Fábio Machado
Fábio Machado
Reply to  Fábio Machado
19 dias atrás

Era um cenário totalmente diferente em relação ao da Guerra da Ucrânia. Em que pese, de certa maneira, já terem recebido avisos no Afeganistão e depois, já como Rússia, na Chechênia.

Reginaldo
Reginaldo
20 dias atrás

Eu ainda acho que faltou aos analistas considerarem o fator drone barato com granada pendurada, rs…

Falando sério agora, de que adianta ter gente desmontada se o problema também vem de cima e não pode ser notado?

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
20 dias atrás

“Não usar nem 20 por cento de suas forças”

Porque para usar o número que as putinetes consideram 100% seria preciso colocar um fuzil nas mãos de pilotos, mecânicos, marinheiros, operadores de ICBMs, etc. e mandá-los para combater na Ucrânia. Vocês esquecem (ou fingem esquecer) que o efetivo total de um país é diferente do número de soldados que se tem disponível para enviar à linha de frente.

Last edited 20 dias atrás by Bruno Vinícius
Luís Carlos
Luís Carlos
Reply to  Bruno Vinícius
20 dias atrás

Vc vai avisar ao Zelensky ou quer que eu avise?

Hank Voight
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Chora Xings, chora…

Nei
Nei
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Chora kings

Jacinto
Jacinto
Reply to  Bruno Vinícius
19 dias atrás

É que existe a (enganosa) idéia de que todos os soldados são combatentes, ou seja todos os soldados estão de fuzil (ou outra arma) atirando no inimigo. Mas a realidade é bem distante disso: historicamente, pelo menos desde a 2ª Guerra Mundial, a maior parte dos militares não é combatente. Em vez de fuzil na mão, estão com alocados logística (incluindo manutenção), administração, etc.. Esta proporção entre combatentes e não combatentes é conhecida como tooth-to-ratio. Na guerra do Golfo, por exemplo, os combatentes do exercito dos EUA eram algo em torno de 30% do pessoal para lá deslocado. Os outros… Read more »

Zeca
Zeca
20 dias atrás

Não desista, logo você estará lendo com menos dificuldades.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Zeca
20 dias atrás

Ler o que ja se conhece é cansativo mas para quem não importa em ler mesmo assunto deve ser um excelente exercício para formar a mesma convicção sem se importar com o conteúdo.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Nilton L Junior
20 dias atrás

ta falando por experiencia própria Nilton?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Victor Filipe
20 dias atrás

Eu já vi aqui mesmo críticas vindas da própria Rússia, mas ele acredita mais no sucesso e que tudo está correndo bem do que os próprios russos.

Luís Carlos
Luís Carlos
Reply to  Nilton L Junior
20 dias atrás

Ainda lembro do famoso ‘Bolsão de Kursk’ do impoluto Heng San.
Agora esses dois tentando explicar a surra que a Ucrânia está levando.

Andre
Andre
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Do “se eu quiser tomo Kiev em duas semanas” você se lembra?

Hank Voight
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Acho que na verdade o que eles não conseguem explicar e como a “super maquina invencível” russa comandada pelo “Super homem da KGB” está há 100 dias patinando na Ucrania não e Xings!?

Jacinto
Jacinto
20 dias atrás

Bom texto – food for thoughts. O pessoal que escreve no War on the Rock é bom. Em um texto de novembro de 2021 (FEEDING THE BEAR: A CLOSER LOOK AT RUSSIAN ARMY LOGISTICS AND THE FAIT ACCOMPLI) um deles concluiu que os russos tentariam capturar território até 90 milhas (150km) de suas fronteiras, que é o limite de sustentação logística russa. Acertaram na mosca.

 It also means that Russia is more likely to seize small parts of enemy territory under its logistically sustainable range of 90 miles rather than a major invasion as part of a fait accompli strategy.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Guilherme Poggio
20 dias atrás

Aproveita e leia também as postagens do Atlantic Council

Flanker
Flanker
Reply to  Nilton L Junior
19 dias atrás

Tava demorando. Depois que tu aprendeu essa palavra, só fala disso. E, mudando de assunto, dias desses tu usou o termo “tche”. Por acaso, tu é gaúcho?

Jacinto
Jacinto
Reply to  Guilherme Poggio
19 dias atrás

O mesmo autor e o mesmo site também têm uma análise do desempenho russo na Georgia em 2008 chamado “RUSSIAN PERFORMANCE IN THE RUSSO-GEORGIAN WAR REVISITED”. É muito interessante ver como muitos dos problemas que os russos tiveram em 2008 reproduziram-se agora em 2022. Por exemplo, o trecho abaixo, escrito em 2018 sobre o conflito de 2008 descreve os exatos mesmos problemas do conflito em 2022: “the column of the 58th Army commander stumbled into a Georgian recon unit, and the resulting fight left the commanding general wounded. Initial Russian units into the fight had little situational awareness of where… Read more »

Nilo
Nilo
Reply to  Jacinto
20 dias atrás

Pelo seu comentário, me chamou atenção, irei dar mais atenção a esse artigo, congratulações.

Oráculo
Oráculo
20 dias atrás

Excelente texto! Isso sim é uma análise bem fundamentada, não o “achômetro” que estamos acostumados a ler – na imprensa ocidental e na pró-Rússia também – e que nos ajuda a entender aonde os russos erraram feio nessa invasão. Só faço um adendo para enriquecer o debate e que foi citado no texto. O The Guardian, um jornal britânico assumidamente de esquerda, publicou numa de suas matérias que a Inteligência Inglesa afirma que o Grupo Wagner já possui aproximadamente VINTE MIL HOMENS lutando no Donbass. Se isso for verdade, e acredito que o número esteja próximo ao real, é o… Read more »

Ronilson Nogueira costa
Ronilson Nogueira costa
20 dias atrás

Tão incapaz que já está usando os portos ucranianos para exportação kkk, a mídia fica espalhando essas bobeiras e os oreia seca e iludidos acreditam coitados.

Henrique
Henrique
Reply to  Ronilson Nogueira costa
20 dias atrás

“nooooo you can’t dizer que Rússia porcamente gerida e possui um exercito ruim que não consegue fazer nada direito em um pais que é o segundo mais pobre e ta todo explodido”
.
KKKKKKKKKKKKKKKK
.
relaxa.. a Rússia ainda vai existir depois disso tudo.. só que sem essa fantasia cobre ela kkkkkkk

trjrtjrtjrtj.jpg
Luís Carlos
Luís Carlos
Reply to  Henrique
20 dias atrás

Claro que a Rússia vai existir.
Quem não vai será a Ucrânia.
Pelo menos do jeito anterior.
Será, digamos, prejudicada.

Henrique
Henrique
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Muito bom ver russetis reconhecendo que essa guerra é pra exterminar o Estado e População da Ucrânia

FTmROZPWIAAAZHb.jpg
Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  Henrique
19 dias atrás

Só para te avisar que os russos declararam que os status de Kherson e Zaporizhzya não serão mais discutidos
Ou seja, serão incorporados à Rússia

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

Lindo ver você abertamente apoiando a tomada de territórios de uma nação soberana…

Henrique
Henrique
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

Muito bom ver russetis reconhecendo que essa guerra é pra exterminar o Estado e População da Ucrânia

FTmROZPWIAAAZHb.jpg
LUIZ
LUIZ
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

E Severodnestki ja esta no controle dos russos.

Material arquivo
Material arquivo
Reply to  Ronilson Nogueira costa
20 dias atrás

Exportação = roubo da produção da Ucrânia.
Coisa de covarde!
Deixa isso acontecer no Brasil para eu ver você torcer.

Last edited 20 dias atrás by Material arquivo
Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
20 dias atrás

Tonho, pelo menos errei na questão de Mariupol e o seu exército tomou a cidade. Se os ucranianos conseguissem suprir o batalhão Azov o avanço russo teria sido dividido em dois e os ucranianos estariam em vias de capturar um exército inteiro. Faltou pouco. Os russos avançam com muita dificuldade e volta e meia perdem território ganho. Ou seja, recuam porque foram derrotados. A perda de material bélico do lado russo é completamente desproporcional às perdas ucranianas. Não tem como a rússia aguentar, estão desesperados pelo fim da guerra. As defesas russas no leste da Ucrânia serão massacradas por armamento… Read more »

Last edited 20 dias atrás by Reinaldo Deprera
LUIZ
LUIZ
Reply to  Reinaldo Deprera
20 dias atrás

Os equipamentos ocidentais que chega na Ucrânia a metade é destruída e outra parte é capturada pelas forças russas. O recuo faz parte do teatro de guerra. Várias tentativas dos ucranianos retomar território foram frustradas pelas forças russas.

Hank Voight
Reply to  LUIZ
20 dias atrás

Nick novo Xings!?

LUIZ
LUIZ
Reply to  Hank Voight
19 dias atrás

Aqui nessa trilogia nem todos são pro-OTAN/EUA/Europa.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  LUIZ
19 dias atrás

Tem você e mais uma meia-dúzia pro Rússia..

Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  LUIZ
19 dias atrás

M109A3 ucraniano.
Já chegou e já foi destruído.

https://t.me/partizan1941/24613

Hank Voight
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

Fake russo não vale Xings!

Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

‘M-113’ holandês abandonado pelos ucranianos e apreendido pelos russos.
Vem fácil, vai fácil.

https://t.me/partizan1941/24629

RPiletti
RPiletti
Reply to  LUIZ
19 dias atrás

Irã-Iraque foi isso por anos… Ucrânia está destruída, mas até quando o cidadão médio russo irá tolerar passar por privações?

LUIZ
LUIZ
Reply to  RPiletti
19 dias atrás

Pelo que tô vendo dos muitos vídeos dos russos o povo tá seguindo a vida normalmente. O Br tá mais preocupado com o povo russo que eles lá. É melhor o BR se preocupar com o povo daqui que ta sofrendo muito com vários desastres naturais e prefeitos preocupados em realizar sonhos sertanejos com dinheiro público.

Luís Carlos
Luís Carlos
Reply to  Reinaldo Deprera
20 dias atrás

A Ucrânia cavou o leste inteiro para tentar parar os russos:
Vejamos as maiores posições fortificadas que já caíram (que eu lembre):

Mariupol
Volnovakha.
Popasnaya.
Krasnaya Liman
Severodonetsk (só falta a área industrial)
Svyatogorsk.

As que estão sendo cercadas
Lisichiansk
Zolote
Bakhmut
Avdiivika
Slaviansk
Kramatorsk.

Caindo o leste, grande parte e o melhor que o Exército da Ucrânia tem será perdido.
O resto será consequência.

Andre
Andre
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Severadonetsk está resistindo firme. Muito sangue russo ainda vai escorrer por lá antes que caia.

Não esqueça dos cacetes de Kiev, Kharko e Sumy.

Flanker
Flanker
Reply to  Luís Carlos
19 dias atrás

Sujeito, tu não trabalha? Tu diz que é funcionário público, mas tu publica teu chorume em todos os horários, todas as horas! E ainda tem cara de pau de falar que não recebe para escrever teus bostejos….

Victor Filipe
Victor Filipe
20 dias atrás

na parte “os planos não sobrevivem ao primeiro contato”. Foi nessa que você parou? porque se for (e justamente por isso eu quero garantir que é nessa parte já que isso é basicamente uma REGRA nos conflitos militares e não uma ideia. Você pode planejar o quanto quiser, quando suas tropas entram em contato com o inimigo seus planos imediatamente se tornam desatualizados pois o inimigo vai responder a eles. o bom planejamento vem da capacidade de construir um plano que seja extremamente adaptativo capaz de se alterar durante a batalha para absorver a evolução do conflito. por isso que… Read more »

BENTO
BENTO
20 dias atrás

Podem falar oque quiser Putin errou!. Fora os Lunáticos Por guerra,qual soldado vai motivado para uma ‘operação especial’? Ninguém lá é burro sabem muito bem oque estão fazendo! Só esses mongoloides no conforto da sua casa veem Motivação para invadir outro país seja lá qual desculpa for. É uma agressão não interessa qual seja o motivo da Rússia. Da ao defensor uma Motivação que os russos nunca vão ter em solo Ucraniano. Esse erro vai custar Muito para a Rússia mesmo ela conquistando todos seus objetivos. A OTAN já saiu no lucro, os concorrentes do Petróleo Russo já estão se… Read more »

Satyricon
Satyricon
Reply to  BENTO
18 dias atrás

A Verdade, é que o plano de Putin era ridículamente simples: tomar Kiev em uma semana e colocar lá um governo fantoche. Não planejou-se mais nada, nem uma alternativa ou contingência. Nada O resultado (catastrófico) está aí, pra quem quiser ver. Tomaram um imenso território, mas não terão condições de mantê-lo. Os recursos atuais (financeiros, humanos, militares, econômicos, logísticos, diplomáticos, etc) estão sendo exauridos a uma taxa assustadora. Não há como o estado russo manter isso por muito tempo. A estratégia ocidental, em contrapartida, está nítida: desgastar ao máximo a Rússia. Vão fornecer exatamente o suficiente para ruir o esforço… Read more »

BENTO
BENTO
Reply to  Satyricon
17 dias atrás

Comentário Perfeito !

Victor Filipe
Victor Filipe
20 dias atrás

Se os Russos avançassem o tanto que você fica aqui propagandeando eles ja estariam chegando em Washington DC

Dito isso essa falacia de que eles estão usando apenas 20% da força deles mudou né?

Antes era 10%…

Mas só por curiosidade… se realmente é apenas 20% usado, porque eles tiraram unidades do Distrito militar Oriental, moveram por TODA a Russia e depois mandaram elas para a linha de frente?

Victor Filipe
Victor Filipe
20 dias atrás

Não se usa a palavra liberar quando estão invadindo outro pais. O termo correto é TOMARAM. fique atento a isso.

Chevalier
Chevalier
Reply to  Victor Filipe
20 dias atrás

Victor, comunista é tudo mentiroso mesmo, não adianta…
Devem ter “libertado” a vila do terrível capitalismo. Agora que estão “libertos”, vão poder usufruir da liberdade da ditadura do Putin.

Last edited 20 dias atrás by Chevalier
Chevalier
Chevalier
20 dias atrás

Tem um probleminha na tradução, onde lê-se esquadrão deveria estar esquadra. Para o brasileiro fica confuso, porque a gente fica pensando em companhia mas aí diz que o vice-líder de pelotão comanda um esquadrão, mas é uma esquadra de fuzileiros.

Chevalier
Chevalier
20 dias atrás

Parabéns cara, outrora um dos maiores exércitos do mundo concentrou tudo o que restou da sua força (tirando os nukes), forçou bastante e hoje saiu esse peidinho… conquistaram uma VILA no leste de um país miserável.
Mas a culpa é do capitalismo.

Mafix
Mafix
Reply to  Chevalier
20 dias atrás

Pelo que vi dentro da Russia o discurdo é luta contra nazista e russos mortos na Ucrania e para fora eles falam que é OTAN, duas mentiras contadas ao mesmo tempo …

Como um sabio disse : Se um comunista esta falando qualquer coisa é mentira se ele fala de novo é mentira também…. (isso serve para Russia)

Material arquivo
Material arquivo
Reply to  Chevalier
20 dias atrás

Hahahahha se usar 100% ficam sem FA.

RPiletti
RPiletti
Reply to  Chevalier
19 dias atrás

Pode ser 25% daquilo que possuem no papel…

dfa
dfa
Reply to  Chevalier
19 dias atrás

Dúvido que isso seja verdade, mas nunca se sabe…
A população do oriente russo é pobre, isolada e com um nível baixo de educação.
Por isso não me admirava nada que eles fossem combater em nome de uma falsa premissa inventada pelo Czar.
Se a coisa que não muda nas guerras é que são os pobres e os mais desfavorecidos que pagam o preço mais caro.

Last edited 19 dias atrás by dfa
Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  dfa
19 dias atrás

Só um adendo.
Os russos tem cerca de 29 mil homens parados em Izyum esperando a queda de Svyatogorsk para avançar até Slaviansk e para oeste.
Svyatogorsk caiu
Aguardemos os acontecimentos.

Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

Digo, 20 mil

George
George
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

Devem estar lá descansando. Afinal de contas está tranquilo a guerra para os outros que estão no fronte, não é Mesmo?

George
George
Reply to  Chevalier
19 dias atrás

Fonte?

Flanker
Flanker
Reply to  Chevalier
19 dias atrás

Kkkkkkkkkkkk…..”o horror que nazis tem de tropas orientais”…..como se alguém que lutou naqueles tempos estivesse vivo para ter medo de quem quer que seja ou por medo em quem quer que seja. Tu não é normal…..que barbaridade. À que ponto chega a alienação!

Last edited 19 dias atrás by Flanker
André Luís
André Luís
20 dias atrás

Morra logo, Putin! pelo amor e bem da #SlaviaKatervina e súcia-biltre anglo-saxã…. rs!
Eles não têm mais onde inventar narrativas hahahahahaha

#SlaviaKatervina

Luis
Luis
Reply to  André Luís
20 dias atrás
Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  André Luís
19 dias atrás

Estão um pouco desnorteados, digamos assim.

Kkkkkkk

Régis
Régis
20 dias atrás

Olha, o que eu interpretei do texto foi o seguinte: a Rússia até que enviou um número considerável de soldados, porém mal treinados e equipados.

Alguém disse uma vez: ” Melhor mandar para a batalha dez leões do que cem ovelhas”.

Bosco
Bosco
Reply to  Régis
20 dias atrás

Fala de Aquiles aos seus Mirmidões (no filme “Troia”)
-Mirmidões, meus irmãos de espada, eu prefiro lutar ao lado de vocês do que ao lado de um exército de milhares. Que nenhum homem esqueça o quanto somos ameaçadores… somos leões… sabem o que está lá? Além daquela praia? A imortalidade! Peguem-na… é de vocês!!!!

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
20 dias atrás

Tem um brasileiro que estava na Ucrania e ja voltou..

Vi uns trechos da participação dele em um Pod Cast…

Percebi um certo exagero no quanto ele fala que os russos são toscos…

Mas no geral, não é muito diferente do que eu mesmo vejo em videos da guerra..

Os russos tem a mão forte pela superioridade de pessoal e por consequente de material, não definitivamente a tática ou tecnológica.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
19 dias atrás

“Tem um brasileiro que estava na Ucrania e ja voltou.”

Esse brasileiro atuava como mercenário? Se atuava e já voltou significa que bobo ele não é…rsrsrs.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Maurício.
19 dias atrás

Não velho…ele deve ter ido como voluntário e ficou lá fazendo Tour de Blonde que nem os teus amigos do MBL..

Maurício.
Maurício.
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
19 dias atrás

Oi Rodrigo…rsrsrs
Quando acaba teus argumentos tu sempre vem com mbl…

Mafix
Mafix
20 dias atrás

Olha não sei se estão ganhando mas se parar para pensar voce vera que eles apenas criaram um pais vizinho que toda população sente muito ódio da Russia.

Eu considero uma derrota a curto medio e longo prazo ter um pais na sua fronteira como inimigo por decadas..

Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  Mafix
19 dias atrás

Conserte aí.
O que restar do país vizinho.
Porque a cada dia que passa ele vai ficando menor.

Henrique
Henrique
20 dias atrás

primeiro explica isso aqui…
.
“O exercito Russo esta ganhando a guerra”
.
Cara começa com 30% do território, perde 10% é chutado da tentativa de tomar a capital e agora precisa fazer uma força absurda pra pegar um cidade que nem é estratégica pra Ucrânia… por favor !!!!!!

(sem fala que se o objetivo era manter a OTAN afastada e agora ta entrando mais dois pro grupo… a Rússia perdeu miseravelmente)

Last edited 20 dias atrás by Henrique
Henrique
Henrique
Reply to  Henrique
19 dias atrás

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Henrique
Henrique
Reply to  Henrique
18 dias atrás

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK imagine ab*** do cara pra achar que o Zelensky é o errado da historia… russeti é patetico

Henrique
Henrique
Reply to  Henrique
18 dias atrás

“É melhor aceitar um acordo com os russos e salvar alguma coisa.“”

SIM é claro que ele vai acertar.. pra daqui a 5-10 anos a Rússia atacar de novo a Ucrânia com mesma desculpinha de nazxismo e otan… KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

tinha que ser russeti mesmo

Joanderson
Joanderson
20 dias atrás

O problema é que a Rússia era vista e superestimada como uma superpotência militar só igualada por EUA e China,antes da invasão pela propaganda da Rússia parecia que ela venceria com facilidade paises como França e Inglaterra se eles fizessem fronteira claro.
hj vemos que não é assim, so resta a curiosidade se os EUA fariam melhor que a Rússia.

Andre
Andre
Reply to  Joanderson
19 dias atrás

Os EUA fizeram o serviço completo. Foram mais de 10 anos de preparação, entre a Guerra do Golfo, em 1991 e a invasão do Iraque em 2003. Não apenas no campo militar como também no diplomático.

Em 2003 o outrora poderoso exército iraquiano, produzindo o T-72 sob licença e com uma ampla força de MIGs estava muito mais fraco do que em 1991. Mesmo assim, os EUA concentraram uma força ~1 milhão de homens antes da invasão e garantiram, diplomaticamente, que nem China nem Russia interfeririam.

Sem esquecer que o Iraque está a meio globo de distância dos EUA.

Joanderson
Joanderson
Reply to  Andre
19 dias atrás

Mas por o Iraque está a meio Globo dos EUA isso não dificulta ainda mais para os os americanos.

Andre
Andre
Reply to  Joanderson
19 dias atrás

não sei se entendi direto…vc disse que estar a meio globo de distância não dificulta a operação de invasão?

Joanderson
Joanderson
Reply to  Andre
19 dias atrás

Quis dizer ão contrário
Vc que deu a entender que a longa distância dos EUA e Iraque ajudava os norte-americanos.

Jorene
Jorene
20 dias atrás

BINGO ! O analista matou a charada ! Como podemos observar em vídeos e fotos, há pouca infantaria russa, seja desmontada, seja em blindados de transporte de infantaria, dando pouca proteção contra emboscadas recorrentes. Essa guerra, guardado as proporções, lembra a GUERRA DE INVERNO, entre a URSS e a Finlândia, onde atiradores finlandeses fizeram a festa contra colunas de blindados russos.

Elisandro
Elisandro
Reply to  Jorene
19 dias atrás

Bem isso. Blindados prontos para uma emboscada.

Afonso Bebiano
Afonso Bebiano
20 dias atrás

Se o Real Madrid vence o Olaria por 1 a 0, fechado na defesa para evitar o empate, a torcida fica satisfeita?
Olha a desproporção das forças.

Andre
Andre
Reply to  Afonso Bebiano
19 dias atrás

O jogo ainda está no primeiro tempo e o placar segue no zero a zero.

Jogo com jogadas perigosas dos dois lados, chances de gols para os dois times. O Olaria tem conseguido anular bem os avanços do Real Madrid e já teve bons contra-ataques.

Apesar da apaixonada torcida merengue, o jogo está longe de definido.

JuggerBR
JuggerBR
20 dias atrás

O tempo passa, soldados de ambos os lados morrem, cidades destruídas, civis chacinados, equipamento destruído e nada de solução, seja militar ou diplomatica. Putin não pode estar achando que está tudo certo. Não está, o fim dele se aproxima, e ele precisa negociar como será esse fim….

Afonso Bebiano
Afonso Bebiano
20 dias atrás

Putin pensou que nem haveria guerra. Ganharia tudo na cara feia e na mão grande.
Um Galtieri redivivo.

Hank Voight
Reply to  Afonso Bebiano
20 dias atrás

Um Galtieri careta pois ao contrario do “borracho” argentino o sociopata do Kremlin não bebe

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Afonso Bebiano
20 dias atrás

O Putin sofreu do mesmo problema que o Bush filho quando decidiu invadir o Iraque..

Só escutou quem falou o que ele queria escutar.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
19 dias atrás

Tendo a achar que vozes divergentes ao Putin tem vida curta, muito curta, no Kremlim…

Andre
Andre
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
19 dias atrás

A diferença é que o Bush filho foi melhor assessorado e os EUA se preparam bem. Mais de 10 anos de sanções ao Iraque tirou muito do poder que seu exército tinha em 1991 e os quase 1 milhão de homens concentrados na fronteira fizeram bem seu papel.

Soma-se a isso a capacidade da aviação americana e ao jogo diplomático, garantido Russia e China fora da brincadeira…em 21 dias avançaram 800km e tomaram Bagdad.

Uma grande semelhança entre as duas é que em ambas as justificativas nunca justificaram nada.

Last edited 19 dias atrás by Andre
Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Andre
19 dias atrás

E tão lá até agora tomando ferro..

O mundo certamente é muito melhor sem Saddam Hussein e família, mas deveriam ter resolvido a pendenga do Afeganistão primeiro.

Do jeito que eles fizeram só criou confusão.

Andre
Andre
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
19 dias atrás

O problema é exatamente o contrário, não estão mais lá.

Andre
Andre
Reply to  Afonso Bebiano
19 dias atrás

“Se eu quiser, tomo Kiev em duas semanas”

Bosco
Bosco
Reply to  Andre
19 dias atrás

Antes da invasão diziam que Rússia era invencível e que nunca tinha existido na história uma força igual e que os eurobambis iam se render abaixando as calcinhas melecadinhas para os vigorosos cossacos na primeira semana de guerra.
Agora… a Ucrânia está sendo ajudada pela OTAN, 40 bi, a Ucrânia não é o Iraque, a Ucrânia te 4 x mais combatentes, a Ucrânia usa escudo humano, a Ucrânia é o quinto maior exército do mundo, a Ucrânia isso, a Ucrânia aquilo…

Andre
Andre
Reply to  Bosco
19 dias atrás

Teve louco até falando da Nova Ordem Mundial….uns iludidos, coitados…

Leonid Brejnev
Leonid Brejnev
20 dias atrás

Bom mesmo é enviar a FEB, ai o bicho vai pegar, ou invadir o Afeganistão para matar civis, ai é facil, quero ver é lutar como um exercito bem preparado e equipado como o ucraniano. Sem esquecer que os soldados mais bem treinados e equipados da Ucrania estão combatendo no leste. São oito anos cavando trincheiras, agora o Wagner esta desentocando um por um.

Andre
Andre
Reply to  Leonid Brejnev
19 dias atrás

Sei não….a invasão ao Afeganistão na década de 1980 não das melhores e deu uma bela acelerada na queda da URSS.

Apesar que o desastre dessa está bem maior…as perdas nestes 3,5 meses já são equivalentes aos 9 anos de guerra no Afeganistão.

pgusmao
pgusmao
20 dias atrás

Texto interessante, mas esquece um fato muito importante, os Boinas Verdes treinaram o exército ucraniano e apresentaram um novo modelo de combate diferente do exército russo que é a maior participação de suboficiais em combate e nas decisões no campo de batalha, o que não existe no exército russo, o qual é extremamente dependente de altas patentes no desenvolvimento do combate, sendo impressionante o exército russo perder mais de 50 coronéis e 13 generais em 100 dias de guerra, fora o altíssimo número de capitães e majores.

Andre
Andre
19 dias atrás

Muito significativa a foto que ilustra a matéria.

E os putinzetes insistindo que o ataque a Kiev foi só diversionista. Tadinhos…a realidade tem sido tão dura.

Marco Antônio de Moraes
Marco Antônio de Moraes
19 dias atrás

A Rússia de Putin é uma ditadura sanguinária , massacrou 50 mil chechenos civis , também na Georgia , e exterminou civis na Síria apoiando outro ditador , agora impõe um genocídio na ucrania , desrespeitando o memorando de Budapeste sobre paz e proteção quando da entrega das armas nucleares da Ucrânia ,

PRAEFECTUS
PRAEFECTUS
19 dias atrás

Concordo com a análise!

Andre
Andre
19 dias atrás

Ganhando a guerra?

Foi chutado de Kiev, Kharkiv e Sumy. Está atolado no Donbass, praticamente nas mesmas áreas controladas por seus aliados desde 2014.

Acho que a ideia de “ganhar a guerra” ai na sua realidade é diferente a daqui.

George
George
Reply to  Andre
19 dias atrás

É aquele famoso “avenço para trás” do Putin. Não tem capacidade de atacar tudo ao mesmo tempo.

Andre
Andre
Reply to  Andre
19 dias atrás

basta olha a foto que ilustra está matéria com a rua fechada de carcaças russas às redondezas de Kiev, em primeiro de março.

Foram chutados e seus veículos viraram isso que está na foto.

Aceita que doí menos. A derrota de seus amados russos em Kiev está fartamente registrada.

Leonid Brejnev
Leonid Brejnev
19 dias atrás
Luis Carlos
Luis Carlos
Reply to  Leonid Brejnev
19 dias atrás

Já disse isso aqui antes.
Estão usando trincheiras e fortificações em tempos de drones e munição guiada.
A Ucrânia está sacrificando toda uma geração sua a troco de nada
Melhor era se acertar com os russos.
Agora é tarde

Daniel
Reply to  Luis Carlos
19 dias atrás

o doidão chegou na área