Taiwan atualizará seus tanques de batalha principais M60A3

31

Taiwan anunciou planos para atualizar os tanques de batalha principais (MBTs) M60A3 fabricados nos EUA em serviço com o Exército da República da China (RoCA).

O Ministério da Defesa Nacional (MND) de Taiwan concedeu um contrato no valor de US$ 241 milhões ao fabricante de motores norte-americano Renk America (RA) para fornecer seus motores AVDS 750 hp para modernizar a frota M60A3 em serviço com o RoCA, disse a RA ao Janes.

A RA disse que os motores AVDS são motores a diesel de 12 cilindros, turboalimentados e refrigerados a ar. A configuração mecânica dos motores é de 90° entre dois cilindros, também chamada de configuração V. A potência do motor varia de 750 a 1.200 cv.

De acordo com o Janes Land Warfare Platforms: Armored Fighting Vehicles, o M60 é produzido pela General Dynamics Land Systems e está armado com um canhão de 105 mm e tem uma tripulação de quatro pessoas. Entre 1960 e 1987, foi produzido em diversas variantes, e serviu de base para inúmeras variantes de apoio.

FONTE: Janes

Subscribe
Notify of
guest

31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Lucena
11 meses atrás

Caso haja uma guerra entre China e Taiwan ( espero que não aconteça )…antes disso acontecer … a industria estratégica de chips de Taiwan.. ( “cereja do bolo” ) …estará funcionando em solo americano … assim como muitas industrias de base alemã que saíram da Alemanha foram para os EUA…. espertos..rsrs . Taiwan necessita fortalecer muito a sua ofensiva de artilharia de costa e aérea para que os custo de uma invasão chinesa… ali bem perto deles…sejam altos …é com armas modernas se faz isso….as atualizadas Vs as modernas … é contar com a sorte… Ucrânia está ai para exemplo… Read more »

Lucena
Reply to  Lucena
11 meses atrás

Esse “triangulo amoroso” entre as duas Chinas e os EUA … rederam e redém muitas história pitorescas … uma delas é a do esquadrão gato preto ( 35° esquadrão ) .

Simas
Simas
Reply to  Lucena
11 meses atrás

Ao que parece, quem vai tomar a dianteira será a Coreia do Sul.
Essa semana a Samsung anunciou investimentos de 230 bilhões em um novo centro de fabricação de chips.
A fabricação nos EUA é caríssima e fortemente subsidiada.
Tende a ser ineficiente.

C G
C G
Reply to  Lucena
11 meses atrás

Falava-se algo parecido no inicio da invasão da Ucrânia!

Joanderson
Joanderson
11 meses atrás

Se a china quizer invadir ela consegue, a economia da china não é igual da china caso a china pare o mundo para junto, acho qui o Ocidente deixaria Taiwan pela própria sorte.

eliton
eliton
11 meses atrás

Quantos desses que o Brasil ainda tem? Não valem a pena serem modernizados tambem?
So resta ao Brasil modernizar e cuidar com carinho de tudo o que tem, porque vai precisar ficar com eles por muito mais tempo que o esperado, ja que tudo indica que a seção de tanques usados vai ficar vazia por muito tempo.

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  eliton
11 meses atrás

Não dá ideia…

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  eliton
11 meses atrás

eles precisam desses tanques, mesmo nao sendo os melhores, a gente precisa de um novo e estocar os nossos de um jeito que possibilite a reativação como tá acontecendo devido a guerra da ucrania

RDX
RDX
Reply to  eliton
11 meses atrás

Algumas fontes citam 28 M60A3 ativos. Lembrando que o EB recebeu 91 unidades do US Army na década de 90. Aliás, o EB perdeu a oportunidade (como sempre) de solucionar sua crônica deficiência em MBTs. Na verdade, o EB só passou a operar genuínos MBTs em meados da década de 90, uma vez que o M41 era um light tank. Em 1995, concorreram na licitação o Leopard 1 belga, o M60A3 estadunidense e o T72 russo. Venceu o pior, um Leopard 1 antigo e exótico (tinha a pior blindagem, nenhuma visão térmica e pouca comunalidade com o modelo alemão). Como… Read more »

Last edited 11 meses atrás by RDX
Henrique A
Henrique A
Reply to  RDX
11 meses atrás

Exatamente. Se fosse pra comprar MBT usado, que comprasse o que estivesse disponível em maior quantidade, tanto em células quanto em sobressalentes, que era o M60. Nós poderíamos ter uma frota padronizada e em relativamente grande número, mas o EB mais uma vez pisou na bola.

Felipe
Felipe
Reply to  eliton
11 meses atrás

Temos 32 ativos em Campo Grande , o total era de 91. A modernização creio não valer a pena pela pequena quantidade em estoque.

Humilde Observador
Humilde Observador
Reply to  eliton
11 meses atrás

Operacionais, devem dar para contar nos dedos. São apenas uma reserva simbólica.
A maioria foi desmanchada, outros foram doados para museus, ou ainda se transformaram em monumentos em quartéis (igual fazem com aviões).
Só uma guerra total e muito desespero por falta de meios faria o país colocá-los na ativa.
Conta que em 2012, dos 91 M60A3s originais, restavam 28.

Humilde Observador
Humilde Observador
Reply to  eliton
11 meses atrás
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  eliton
11 meses atrás

Modernizar viatura antiga só deve ser vista com bons olhos se a capacidade de fabricação de viaturas novas não conseguir entregar o contrato, ou seja, quando a operacionalidade da FT estiver ameaçada…que acho que é o caso aí

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
11 meses atrás

Detalhe que a única alteração feita nos M60 será a motorização, nada de blindagem extra e etc.

Henrique A
Henrique A
11 meses atrás

Israel tem um pacote de modernização muito interessante para os M60, o Sabra, entre muitas mudanças talvez a mais importante é a troca do canhão de 105mm original por um de 120mm.
Dependendo do quão conservados estejam os nossos M60, é uma boa opção.

Last edited 11 meses atrás by Henrique A
Satyricon
Satyricon
Reply to  Henrique A
11 meses atrás

O sabra troca a torre do M60 por uma muito semelhante à do merkava, talvez não com os mesmos equipamentos eletrônicos. É um grande avanço, lembrando que o míssil LAHAT pode ser lançado pelo canhão.
Considero-a uma opção válida ao EB.
https://www.army-technology.com/projects/sabra/

Oráculo
Oráculo
11 meses atrás

A Guerra na Ucrânia mudou a visão que muitos Exércitos tinham de MBTs de modelos mais antigos. Russos e Ucranianos comprovaram no campo de batalha que na falta de um tanque de última geração, vai com um modelo antigo modernizado mesmo. Funcionam bem, garante apoio de fogo, força blindada no front, a modernização custa 10% do valor de compra de um novo e fica pronta em 1/3 do tempo. Diante do valores milionários que custa um modelo de última geração, creio que veremos muitas notícias de modernização de MBTs de modelos antigos nos próximos anos. Aqui no Brasil então, MBT… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Oráculo
11 meses atrás

MBT novo pro Brasilistão ultrapassaria facilmente o valor do FX-2, contando com o MBT ( qualquer modelo ) + pacote de peças, munição, etc.
E não tem mais usado dando sopa, tá indo tudo pra Ucrânia.
O EB perdeu uma oportunidade de ouro de ter feito a limpa nos Leo2 nos anos 90, com o fim da Guerra Fria.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Oráculo
11 meses atrás

Antes da guerra: fabricantes fechando fornecimento de componentes antigos “forçando” as forças armadas comprarem o equipamento em linha de produção. Durante a guerra: fabricantes reabrindo fornecimento de componentes antigos pois não estão conseguindo entregar os contratos devido a alta demanda. Após a guerra??? Obs: após a grande guerra haviam muito equipamento remanescentes estocados (muito deles zero km)….aí houve os repasses (muito até de graça) e desmantelamentos em massa….mas eram outros tempos, a fabricação era diferente… Só acho que com essa guerra a doutrina precisará ser toda revisada (isso funciona, isso não)…ir as compras por um equipamento novo nesse momento não… Read more »

Jhenison Fernandez
Jhenison Fernandez
Reply to  Oráculo
11 meses atrás

sem falar que devido a esta limitação de peso, somente o Type 10 japonês no ocidente atenderia os requisitos do EB, Lembrando que o CV90 e demais não são MBT’s sendo mais apropriado como tanques medios ou até mesmo leves.

Eduardo Jardim
Eduardo Jardim
11 meses atrás

Bom dia floristas. Já está provado que equipamentos que não se encontram no estado da arte têm seu valor. Na realidade sul-americana então…vamos aos fato. 1- O Chile não faz fronteira com o Brasil, logo o Leo2A4 não será usado contra o Brasil. 2- Com a situação econômica da Argentina com o possibilidade deles iniciarem uma guerra contra o Brasil, invadindo o território brasileiro? Com quais blindados isso seria feito? 3- Quais vizinhos poderiam ameacao Brasil? Meu ponto…em relação aos vizinhos sul-americanos não é necessário equipamento no estado da arte para o Brasil manter superioridade militar. E equipamento militar de… Read more »

Henrique A
Henrique A
Reply to  Eduardo Jardim
11 meses atrás

Bom dia.

Comprar Abrams usado em lotes pequenos até substituir os Leopard 1 na razão 1:1 ou próximo disso.

Last edited 11 meses atrás by Henrique A
RDX
RDX
Reply to  Eduardo Jardim
11 meses atrás

Adquirir 150 Abrams do US Army para equipar 3 RCCs (defendo a desativação de 1 RCC, aquele que foi transferido do RJ para o RS) e substituir os poucos tanques ativos dos RCBs pelos 98 Centauros recém-adquiridos.

Last edited 11 meses atrás by RDX
RDX
RDX
Reply to  RDX
11 meses atrás

Também defendo a aquisição de um lote de M548 para apoiar os beberrões Abrams.

Henrique A
Henrique A
Reply to  RDX
11 meses atrás

Não há evidência nenhuma que um Abrams consome muito mais combustível que outro MBT da mesma classe/peso.

Rafael
Rafael
Reply to  RDX
11 meses atrás

RDX, o Abrams passou por várias atualizações na sua motorização. As principais foram: a nova transmissão da Allison (X1100); o programa TIGER, na própria turbina; a nova unidade digital de controle da turbina – EA-J7; e, principalmente, uma APU, da Marvin Land Systems.

Com tudo isso, o consumo do Abrams, em marcha lenta ou parado, ficou condizente com seus pares e adversários. E superior ao T-80.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Eduardo Jardim
11 meses atrás

“Bom dia floristas

Bom dia, Eduardo Jardim!

RDX
RDX
11 meses atrás

“A duração do serviço do M60A3 foi impressionante, abrangendo mais duas décadas e meia, de 1980 a 2005. Isso se deve a uma série de fatores que o comparam bem com o muito mais avançado M1, especialmente do ponto de vista de custo e manutenção. de vista. O telefone de infantaria na placa traseira ainda estava no M60, mas foi eliminado no M1 e posteriormente adaptado com o TUSK. Apesar de ter um desempenho inferior, o motor M60 era muito mais barato de manter, mais econômico em termos de combustível e também tinha uma temperatura mais baixa. Era, portanto, menos perigoso para a… Read more »

Heinz
Heinz
11 meses atrás

Um dos meus blindados favoritos, o histórico M60 ainda tem lenha a queimar, os turcos ainda o utilizam, e os deles são bem modernos. Creio que para o Brasil seja inviável moderniza-los, é melhor ir de MBT novo, ou vai de abrams base com pacote de modernização. Me surpreende é que os EUA ainda não enviaram centenas desses blindados que estão estocados no deserto, sem dúvidas ainda são capazes de enfrentar o T62. lembrando que no atual conflito são exceções os conflitos x1 entre blindados, na maioria das vezes eles são usados para apoiar a infantaria. Mas dependendo da distância… Read more »

Henrique A
Henrique A
Reply to  Heinz
11 meses atrás

Até onde eu sei o EUA não tem mais M60 estocado, só Abrams (lembrar que os americanos não deixam seus blindados enferrujando e chamam isso de “reserva” como os russos fazem, eles aplicam cuidados constantes com os MBT na reserva).