Fedir Bovkun escapou por pouco da morte quando soldados alemães massacraram centenas de pessoas durante a Segunda Guerra Mundial aqui ao longo da fronteira com a Bielorrússia.

Bovkun tinha 6 anos quando os alemães conduziram os aldeões para um celeiro e incendiaram-no em represália aos ataques dos guerrilheiros ucranianos. Embora vários membros da família de Bovkun tenham morrido, ele e sua mãe lutaram pelas chamas e se esconderam em um campo de centeio próximo.

Sua esposa, Maria, também sobreviveu ao massacre de julho de 1943. Ela tinha apenas 2 anos de idade e por isso só se lembra de histórias de como uma tia a agarrou e fugiu para a floresta.

Agora, os Bovkuns temem um novo ataque militar, desta vez da Rússia e de mercenários do Grupo Wagner que se mudaram para a Bielo-Rússia , cuja fronteira fica a menos de três quilômetros de sua aldeia. O ataque de míssil mortal de sábado em um teatro em Chernihiv (ver vídeo abaixo) foi um lembrete de que mesmo áreas relativamente calmas ao longo da fronteira norte da Ucrânia, e em outros lugares, são vulneráveis ​​a ataques russos a qualquer momento.

https://twitter.com/clashreport/status/1692867943120441444

“Já conhecemos a sensação de tal provação”, disse Fedir Bovkun, 86, durante uma longa entrevista, junto com sua esposa, em sua casa no mês passado. “Já passamos por uma guerra, passamos por ela mal com as roupas do corpo. Não queremos nada disso. Estamos com medo – porque é guerra.”

Os Bovkuns são raros sobreviventes, cujas vidas foram marcadas por duas guerras brutais em solo ucraniano. Mais de 8 milhões de ucranianos morreram na Segunda Guerra Mundial, muitos sob ocupação alemã depois que Hitler desencadeou sua blitzkrieg, ou guerra relâmpago, contra a União Soviética em junho de 1941.

Desde que o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou a invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022, as baixas militares combinadas chegaram a mais de 360.000, de acordo com uma avaliação divulgada pela Casa Branca em maio.

As vítimas civis na Ucrânia ultrapassaram 26 mil, incluindo 9.400 mortos e mais de 16.600 feridos, segundo dados das Nações Unidas até 30 de julho.

Além de terem vivido duas grandes guerras, os Bovkuns também resistiram a outras dificuldades, incluindo a vida numa quinta colectiva soviética sob o domínio estalinista. Maria, que era filha única durante a Segunda Guerra Mundial, perdeu um irmão mais novo em um acidente na fazenda. A única filha dos Bovkuns morreu de doença.

Seus dois filhos sobreviventes, que emigraram para os Estados Unidos anos atrás, os exortaram a deixar a Ucrânia. Mas nenhum dos dois está preparado para tal viagem.

Kopyshche, a aldeia onde passaram a maior parte das suas vidas, é a sua casa. O local é cercado por três lados pela fronteira bielorrussa e por uma densa floresta, em uma região onde famílias dos dois países há muito misturam suas línguas, vidas e negócios.

Quando as forças russas invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, alguns dos cerca de 1.000 residentes da vila fugiram para a floresta – assim como seus predecessores haviam feito mais de sete décadas antes.

Em 13 de julho de 1943, ocupantes alemães mataram 2.887 aldeões, incluindo 1.347 crianças, de acordo com a página do Facebook do Museu de História da Aldeia Kopyshche e outras fontes históricas. O museu diz que os alemães também destruíram 570 casas em retaliação aos ataques partidários. Às vésperas da Segunda Guerra Mundial, a população da vila era de cerca de 3.000.

Sob a ocupação alemã, a área fervilhava de atividade partidária. Dois dos cinco irmãos de Fedir lutaram em suas fileiras, disse ele, incluindo um que se juntou aos “banderitas”, um grupo de guerrilheiros nacionalistas ultradireitistas liderados por Stepan Bandera.

“Os alemães tinham menos medo da linha de frente do que dos guerrilheiros”, disse Fedir.

Fedir, que era um dos sete filhos, tem lembranças vívidas do dia em que os alemães quase destruíram a aldeia. Bem antes do amanhecer de 13 de julho de 1943, soldados alemães começaram a cercar os moradores, incluindo sua mãe, um irmão e duas irmãs, disse Fedir. Uma de suas duas irmãs, que havia se mudado para casa depois que seu marido partiu para o serviço militar, foi levada com seus dois filhos pequenos.

“Eles nos cercaram, conduziram todos para o celeiro, onde já havia outros”, lembrou Fedir. “Ao nos aproximarmos do celeiro, já se ouve barulho vindo de dentro, gritos e choro.”

Um aldeão idoso, preso lá dentro, gritou que eles tinham que arrombar as portas ou seriam queimados vivos, lembrou Fedir.

“E eles já haviam incendiado o celeiro e cercado para que ninguém pudesse sair”, disse ele.

Quando os aldeões conseguiram arrombar uma porta, Fedir saiu e correu. Uma de suas irmãs também escapou, mas foi baleada a menos de 300 pés do celeiro, disse ele. Outros membros da família presos lá dentro, incluindo dois primos jovens, morreram nas chamas.

Mas sua mãe, Pelagia, também escapou, junto com um menino de sua idade. Eles correram para um campo de centeio próximo, correndo e se esquivando através de grãos que estavam altos o suficiente para serem colhidos. Eles ficaram no campo enquanto os alemães, alguns a cavalo, perseguiam e atiravam em outros aldeões que haviam escapado, disse Fedir. Mais tarde, ele e sua mãe entraram na floresta.

O pai de Fedir também sobreviveu, com uma curiosa reviravolta. Por ser muito velho para servir no exército soviético ou com os guerrilheiros, ele pastoreava vacas fora da aldeia, disse Fedir. Mas seu pai também foi avisado da atrocidade.

Um dos irmãos de Fedir soube que a sua aldeia e outras duas eram alvo de extermínio. Ordens escritas foram encontradas na mochila de um oficial alemão morto, disse Fedir, e seu irmão levou o aviso ao pai. Mas com a aldeia já cercada, o pai de Fedir sentiu que era muito perigoso voltar e permaneceu na floresta enquanto a aldeia ardia.

O pai de Maria Bovkun escapou da represália em massa porque estava lutando com os guerrilheiros, disse ela. Ela não tem certeza de como sua mãe sobreviveu. A mãe dela pode ter sido poupada porque ela também estava pastando as vacas fora da aldeia naquela manhã, disse Maria.

Mas Maria só está viva porque uma tia que pensava rápido e que vivia com a sua família na altura ouviu a rusga enquanto ela estava a decorrer, disse Maria. A tia agarrou a filha e Maria – todas mal vestidas – e fugiu para a floresta.

Depois da guerra, Fedir e Maria viveram num kolkhoz, ou fazenda coletiva soviética. O trabalho na fazenda era difícil e a vida soviética em geral era repressiva sob Stalin e o Partido Comunista.

“As pessoas tinham tanto medo da festa quanto da guerra”, disse Fedir.

Fedir, que dirigia um trator e fazia outras tarefas, rompeu dois discos nas costas que ainda causam dores intensas. Seu pagamento diário era de cinco copeques ou 200 gramas de pão, e suas roupas estavam cheias de remendos e buracos, disse ele. No entanto, ninguém ousou reclamar.

“Você nunca poderia dizer que vive uma vida ruim do jeito que vive – mesmo que não tenha roupas ou sapatos – mas você tem que ficar quieto porque é a fazenda coletiva”, disse Fedir.

A ameaça de punição também era onipresente, mesmo para as menores infrações, disse ele. As pessoas que catavam o milho que havia sido deixado para trás nos campos após a colheita corriam o risco de serem presas.

“É só uma espiga de milho. Caiu no chão. Mas você não pode tomá-lo”, disse ele.

Fedir viajou depois da guerra, vivendo durante algum tempo no Cáucaso, mas Maria nunca saiu da região. O casal se casou em 1961. Até mesmo visitar os filhos nos Estados Unidos é difícil.

“Você tem que voar 10 horas de avião e depois dirigir mais 10 horas até a casa deles”, disse Maria. Ela disse que também é difícil para os filhos visitá-los, porque eles têm famílias numerosas.

No entanto, eles se preocupam com um ataque russo, principalmente desde que os combatentes do Grupo Wagner de Yevgeniy Prigozhin se mudaram para a Bielo-Rússia logo após um motim abortado contra a liderança militar da Rússia em junho. A presença de Wagner levou a Ucrânia e a Polônia a fortalecer suas defesas fronteiriças.

“Estou com medo”, disse Maria. “Tenho medo de me deitar para dormir, pensando se devo levantar de novo ou ficar deitado lá, porque os foguetes estão voando e podem atingir a casa e você morreria.”

FONTE: Washington Post

Subscribe
Notify of
guest

18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
10 meses atrás

Tenho certeza, eu garanto e bato o pé
Aposto com quem quiser
Quem tem… tem medo

Jose
Jose
Reply to  Renato de Mello Machado
10 meses atrás

Daquele covardão russo anão do Kremlim pode-se esperar tudo…

orivaldo
orivaldo
Reply to  Renato de Mello Machado
10 meses atrás

EDITADO

Heitor
Heitor
10 meses atrás

Os ucranianos desembarcaram na Criméia.

RDX
RDX
10 meses atrás

A História se repete. Aliás, o regime Putin tem muitas semelhanças com o nazismo.

AMX
AMX
10 meses atrás

“A Rússia está entrando na Ucrânia pra desnazificá-la…”
Dâ!

Nuno Taboca
Nuno Taboca
10 meses atrás

Eles tem muita razão.

Os russos invasores não se diferem em nada dos nazis. Expansionismo, desrespeito aos direitos humanos, internacionais, soberania e determinação dos povos.

Uma corja sem escrúpulos. Os moradores tem muita sorte ainda. O quão mais longe dos russos , e seus apoiadores,melhor.

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Nuno Taboca
10 meses atrás

Todos os países do mundo, em todas as eras já fizeram isso. Brasil na guerra contra o Paraguai, Estados Unidos na suas invasões/intervenções, união soviética, França, romanos…a lista é interminável … não tem pais bonzinho ..

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Antunes 1980
10 meses atrás

E ai ?
Pq se fez um dia, existe desculpa pra sempre para quem passar a faze-lo ?

AMX
AMX
Reply to  Antunes 1980
10 meses atrás

Nossa…
senso de proporção zero!
Ademais, o Brasil foi invadido primeiro. Ignorar isso é uma ignorância.

Nativo
Nativo
10 meses atrás

Não sei como o neonazismo prolifera na Europa com tantos massacres feitos pelos nazista sobre eslavos, espanhóis( em apoio ao franquismo), tantos bombardeios destruidores sobre os ingleses. E muita ignorância ou burrice mesmo.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Nativo
10 meses atrás

neonazismo toma muitas formas e apela aos instintos mais básicos como o medo ou a narrativa da superioridade moral, racial, etc…, nacionalismo, nós contra o mundo e o mundo contra nós e por aí fora.

Sempre existirão este tipo de “movimentos”.
Mas ao contrário do que a propaganda Russa insinua o neonazismo, e os movimentos semelhantes e quase todos apoiados por Moscovo, são uma minoria.

Vitor
Vitor
Reply to  Nativo
10 meses atrás

20 milhões de soviéticos mortos… os russos tem razão aço em cima dos banderas .. país sério faria a mesma coisa vide Israel. Ou você faz hoje ! Ou pode ter o destino do passado .

Hcosta
Hcosta
Reply to  Vitor
10 meses atrás

Infelizmente Putin começou tarde com a desnazificação. Vamos ver se, depois do derrube do avião da Wagner, ele continua esse processo…

E, já agora, Estaline deveria ter o mesmo tratamento que Hitler… Se formos analisar quem matou, diretamente, mais cidadãos do seu país…

DanielJr
DanielJr
10 meses atrás

Esse é um dos motivos para que as pessoas possam ter a oportunidade de ter fuzis e outros equipamentos para coleção e esporte. Elas acabam evoluindo técnicas e táticas diversas, ter familiaridade com situações adversas. Em caso de necessidade, podem se organizar para se defender ou fugir de forma organizada.

Felipe
Felipe
10 meses atrás

EDITADO

Arthur
Arthur
10 meses atrás

Muito simples, tedioso até: os einsatzgruppen novamente irão cercar a vila, prender os moradores e os levarão para um barranco onde os fuzilarão…