Home Exércitos Iveco Defense Vehicles entrega lote final de veículos blindados leves ao Exército...

Iveco Defense Vehicles entrega lote final de veículos blindados leves ao Exército Norueguês

4154
76
Light Armoured Vehicle

BOLZANO, Itália — A Iveco Defense Vehicles entregou o último lote de 62 veículos blindados leves (LAV) à Norwegian Defence Material Agency (NDMA). A cerimônia de entrega foi realizada na sede da Iveco DV em Bolzano, na Itália, com a presença do Brigadeiro-geral Morten Eggen, chefe da Agência Norueguesa de Material de Defesa, Divisão de Sistemas de Terra.

Este pedido constitui a quarta aquisição de LAV pelas Forças Armadas da Noruega, que tem operado extensivamente o veículo em missões no exterior.

O LAV de quarta geração é um passo à frente no design do Light Multirole Vehicle. Integrou uma variedade de melhorias solicitadas pelo cliente. Essas melhorias incluem a nova linha de transmissão, que oferece um maior desempenho e um novo sistema de filtragem de ar.

O LAV também incorpora todas as lições aprendidas em campo, proporcionando mais carga útil, melhor desempenho e maior confiabilidade. O layout interno da célula da tripulação foi amplamente redesenhado para melhorar a ergonomia da tripulação e incorporar novos assentos, um painel de controle da próxima geração e um hardtop atualizado. Essas medidas têm o benefício adicional de aumentar significativamente o volume interno utilizável.

Este importante contrato de fornecimento consolida a liderança de mercado da Iveco Defense Vehicles no setor militar multimissão, fornecendo uma resposta aos requisitos atuais e futuros das forças armadas norueguesas em termos de desempenho, mobilidade e proteção da tripulação.

LMV: Sucesso das vendas

Com vendas totais de mais de 4.000 unidades para 13 países diferentes, o LMV é o veículo da Europa de escolha até à data em sua categoria. Os clientes incluem a Albânia, Áustria, Bélgica, Croácia, República Tcheca, Itália, Líbano, Noruega, Rússia, Eslováquia, Espanha, Tunísia e Reino Unido.

A Iveco Defense Vehicles é uma marca da CNH Industrial N.V., líder mundial em bens de capital listados na Bolsa de Valores de Nova York e no Mercato Telematico Azionario da Borsa Italiana. A Iveco Defense Vehicles dedica-se a oferecer soluções inovadoras de automotivos e de proteção para atender às necessidades de clientes militares em todo o mundo. A empresa fabrica veículos especializados em logística, proteção e blindagem em suas instalações em Bolzano, no norte da Itália, além de comercializar a gama comercial completa da Iveco, adaptada conforme necessário para atender às demandas do usuário militar.

FONTE: Iveco Defense Vehicles

76 COMMENTS

  1. Albânia, Áustria, Bélgica, Croácia, República Tcheca, Itália, Líbano, Noruega, Rússia, Eslováquia, Espanha, Tunísia e Reino Unido.

    E segundo alguns foi a pior escolha do EB.

  2. Até agora, oficialmente nenhum, e para o bem dos soldados, da logística e do erário público e espero que não comprem nenhum.
    Obviamente que mentes iluminadas pegarao a lista dos usuários e farao dela um mantra, acreditando que as necessidades, a doutrina, a logistica, o TO e principalmente os orçamentos de custeio tem tudo a ver com o do EB,e ainda, que devemos ” bubalinamente pagar meio milhão de euros por cada candango da Barbie tunado com motor de excursão de férias.

  3. E estas mesmas mentes Glasquis, progenitoras de taís mantras não se dão ao trabalho de ler o relatório do mod Britânico sobre a dita viatura, seus custos, sua disponibilidade e principalmente o relação custo benefício.
    Sao iluminados que ainda não conseguiram diferenciar uma cruzeta de carda de uma melancia.

  4. Juarez 7 de Fevereiro de 2018 at 17:32
    Então todos os países citados estão errado e apenas o Reino Unido está correto?
    Ou seria o Reino Unido lutando em defesa de algum veículo da BAE?

  5. Ivan BC,

    No Reino Unido há muito que a BAE não vence concorrência do British Army.

    O upgrade do Warrior, como exemplo, se não me falha a memória foi pra LM UK.

  6. Inglaterra tem o Eagle.
    Espanha tem pra seu exercito o nacional Vamtac.
    A Russia ainda nao abriu mao do seu Tiger.
    A republica Tcheca esta testando o Nmir.
    Ou seja LAV nao e nenhuma unanimidade e o fato do Brasil ter tido o Guara desenvolvido com apoio tecnico do proprio exercito e depois ser esquecido, alem do Gladiador ter sido renegado pela forca, nesta concorrencia, jogando-se no ostracismo desenvolvimento tecnico nesta area tao sensivel e no minimo lastimavel.
    O Brasil por respeito comercial no meu achismo, poderia comprar estes 180 e depois investir no seus projetos que so faltam se adequar as “exigencias” da forca.

  7. Juarez, um pouco off topic já que é outra categoria de veículo, com outro tipo de missão. A Agrale está lançando o Marruá G2, será que consertaram os inúmeros defeitos que você já elencou aqui no Forte?

  8. Isso não é viatura pra soldado do EB. Sempre fui da opinião, pega uma S10, Frontier, Amarok, blinda, coloca um reparo de metralhadora em cima e vai, sem traumas.

  9. Juarez 7 de Fevereiro de 2018 at 17:32
    Então todos os países citados estão errado e apenas o Reino Unido está correto?
    Ou seria o Reino Unido lutando em defesa de algum veículo da BAE?
    Ivan, lê novamente o meu texto e interpreta corretamente.
    Eu afirmei que os países w compraram o candango da Barbie estão errados?
    Não.
    Eu disse que para cada missão, para cada realidade, e para exército existe uma doutrina é uma realidade diferente.
    A propósito:: O veículo da se, o RG 32 foi um dos pioneiros nesta categoria é tão bom ou até em alguns quesitos e melhor que este aí e com um preço menor.

    G abraco

  10. Juarez, um pouco off topic já que é outra categoria de veículo, com outro tipo de missão. A Agrale está lançando o Marruá G2, será que consertaram os inúmeros defeitos que você já elencou aqui no Forte?
    Prezado Giovani, para averiguar isto so examinando ao vivo e a cores e testando no mundo realidade operacional, mas eu, cá com os meus botões, acho que pau que nasce torto continua torto.

  11. Bom. Se eu tiver que ir pra missao de paz na Africa. Quero ir num destes…
    Sinta-se a vontade, sugiro que você verifique antes a qualidade e a condição de armazenamento do combustível e ainda, fique longe de cursos de agua que cheguem a altura do capo, pois provavelmente você voltar num trotezito chasqueiro para o seu destino é com os pés doloridos do coturno.
    Boa sorte, vai precisar de muita lá na RCA

  12. Juarez 7 de Fevereiro de 2018 at 17:20
    “Até agora, oficialmente nenhum, e para o bem dos soldados, da logística e do erário público e espero que não comprem nenhum.”

    Logo imaginei, por isso perguntei. O que faria um veículo desenhado pra climas frios com alcance operativo curto dentro das líneas tropicais? Acho que é algo pra regiões da Europa Oriental.

  13. O que tem de errado no Iveco? A turma do faz aqui (faz me rir) queriam que o EB entrasse na onda da Avibras com o seu tupi com mecânica Renault? Não aprenderam às lições com os JPX ? Recentemente com os Agrales? Só devemos privilegiar uma indústria nacional se essa tiver know-how para desenvolver produtos que atinjam todos os padrões internacionais e não para enriquecer meia dúzia de empresários, lobistas e p o l i t i c o s. Produtos militares não são para 7 de Setembro, devem ser pensados, projetados e testados para ambientes hostis…..cuidem da blindagem pois RCA não é Haiti….do contrário, caxões cobertos com bandeira cruzarão o atlântico.

  14. Alguém sabe se o exército pretende comprar esses veículos da iveco para a missão na África, ou vão comprar algum veículo usado como Hummer?

  15. Renato Vieira 7 de Fevereiro de 2018 at 22:11
    O que tem de errado no Iveco? A turma do faz aqui (faz me rir) queriam que o EB entrasse na onda da Avibras com o seu tupi com mecânica Renault? Não aprenderam às lições com os JPX ? Recentemente com os Agrales? Só devemos privilegiar uma indústria nacional se essa tiver know-how para desenvolver produtos que atinjam todos os padrões internacionais e não para enriquecer meia dúzia de empresários, lobistas e p o l i t i c o s. Produtos militares não são para 7 de Setembro, devem ser pensados, projetados e testados para ambientes hostis…..cuidem da blindagem pois RCA não é Haiti….do contrário, caxões cobertos com bandeira cruzarão o atlântico

    Renato, em outro tópico eu citei uma série de “se” s em relação a está VTR, e me perdoe, não estou com paciência de repetir novamente.
    O maior deles seguramente será a nossa impossibilidade de manter e operar está VTR com o suporte logístico que ela requer.
    Se querem gastar meio milhão de euros por unidade, então que comprem o que tem de melhor no mercado, ou seja, o Dingo II ou o MATV.
    Todo mundo no mercado militar sabe que esta possível compra do EB e um jogo de cartas marcadas. Observe que os grandes fabricantes não participaram do teatrinho feito no campo de testes do EB, porque já sabiam previamente o que iria acontecer. A BASE que tem OM bom lobby dentro da força tentou virar o jogo, mas foi alijada, mas logo em seguida foi agraciada com outros contratos para não “complicar”.
    Aprende, o Brasil e para profissionais de sacanagem e não para amadores.
    Ahhh, os caixões cobertos com a bandeira vão vir igual, com ou sem o candango da barbie.
    G abraco

  16. Olha, pessoalmente, depois da questão dos caminhões explicada a mim pelo Juarez (Constellation 6×6) e pelo que debati com outro forista sobre o porquê o EB comprou semi reboque(cavalo mecânico) Iveco Strallis(que é rodoviário,baixo e tal) no lugar do Iveco Tracker que é todo reforçado ,mais alto e tal pra serviço “fora de estrada”(que tbm faz o serviço rodoviário rindo a toa) todo reforçado, fico na dúvida agora sempre que se falar em testado pelo EB.

  17. Eis aqui o comentário do forista com quem debatia sobre a diferença dos caminhões (carretas) no EB;
    marrua 113 7 de Fevereiro de 2018 at 7:21

    deveriam ser Trakker e não Stralis, não sei porque o EB usa cavalos rodoviários ao invés de usarem os fora de estrada (cavalos canavieiros/madereiros, todos as montadoras possuem em sua linha caminhões pesados e extra pesados com características “uso misto”, basta nós olharmos para os rodo-trens canavieiros que inundam o Brasil, e trafegam com velocidades bem abaixo da legislação permitida e ninguém toma providências, nem vou me atrever em falar no peso ?!) eles tem suspensão mais ajustada para terrenos irregulares, chassis reforçados, quinta roda mais resistente, angulo de ataque maior (altura da parte frontal do chassis/radiador), filtros de ar e óleo mais robustos e cabine simples, entre outras qualidades para uso misto. Não entendo essa turma de compras das nossas forças !? Estes ainda tem teto baixo, qdo ví a foto de hoje com aquele Stralis descendo da barcaça ……é o fim da picada. (para algum desavisado, que falar que tem que ter conforto e blablabla, as cabines também são muito confortáveis dos de uso misto, pois são as mesmas do rodoviário, com exceção do acabamento interno ser de tecido mais propicio para limpeza, mas como caminhões do EB só trafega em estradas asfaltadas…..!!!)
    caros amigos:Camargoer e Tomcat3.7, os Trakker são bem mais altos (suspenção mais bruta com feixes de molas mais grossos e com para-choque diferenciados que não possuem saias, os Stralis são 100% rodoviários, os Trakker tb não apresentam cabines leito e nem teto alto, sem contar que mesmo que os Stralis sejam 6×4 devem possuir chamado buggie leve (aquele que é para tracionar os bi e rodo trens em rodovias), qdo falamos de 6×4 uso misto os diferenciais é são mais curto (número menor de estrias) e possui redução, o cambio também é ajustado para mais força e menos velocidade, é para trabalho pesado, o que acho que foi equivocada a “licitação” na hora da especificação do produto(importante na hora da licitação, pois qq erro ou engano não pode voltar atrás e tem que engolir o que pediu), mas, se fosse engano estes carros não foram comprados todos de uma só vez ?! deveria ter sido feito os “acertos”, quero não acreditar na falta de conhecimento do “licitador”, espero…….

  18. Vocês já pesquisaram os equivalentes do Paramount Group da Africa do Sul? Aliás, em 24 anos esse fornecedor está consolidado no mercado e atendendo países que poderiam ser nosso clientes…
    http://www.paramountgroup.com/capabilities/land
    Por que não pensar fora da caixa, buscar fornecedores alternativos com bom produtos e desenvolver nosso próprio caminho, adequado a nossas condições e bolso?

  19. Tomcat3.7

    Não trabalhei na aquisição de Vtr, mas as Vtr q levam os ASTROS são para tirar eles de Formosa e os conduzir para uma área de reunião dentro do TO, ainda longe da Zona de Combate ou para um porto para uma guerra além mar.
    Não rodará off road.
    Saindo dessa área, os ASTROS podem até ser conduzidos por estas Vtr, mas logo seguiram sozinhos “com as próprias pernas”.
    A profundidade de uma ZC é muito grande.
    Sds

  20. Brasil manda recado a Maduro: não ouse invadir a Guiana

    As Forças Armadas brasileiras têm a informação de que a Venezuela planeja tomar à força a região de Essequibo que pertence à Guiana. A ONU praticamente lavou as mãos sobre o litígio territorial.

    A ida de Raul Jungmann à Guiana, bem como ao Suriname, é um recado de que o Brasil não vai tolerar a agressão de Maduro contra qualquer país vizinho.

    Procurado pelo site, o ministro da Defesa evitou falar sobre o assunto. Mas fontes militares disseram que “a chapa está quente”.

    https://www.oantagonista.com/brasil/brasil-manda-recado-a-maduro-nao-ouse-invadir-a-guiana/

  21. Os hummer já está obsoleto,eles serve sim para as Policias militares rj,sp,mg o exercito devia comprar uma centenas é distribuir para as forças de segurança com um pouco de blindagem adicional daria uma ótima viatura de policia.Pro exercito é algo mais resistente eles do iveco tá bom tem que ver o preço, e as condições pós venda,claro que seria algumas dezenas para ir testando o bicho nem estradas esburacadas do Brasil.Gostei sim do novo hummer aquilo que é maquina Mas o EUA não vendem para nós.temos que dar sequência as reformas do cascavel,e de outros blindados leves. É muita coisa para pouco dindim.

  22. Agnelo Moreira 8 de Fevereiro de 2018 at 9:51

    Entendi, mas não seria mais útil a aquisição de semi reboque de uso mixto já que o EB para sua logística usa veículos com pegada off road. Caminhões 6×6 altos e tal. Sei que os MBT’s assim como o Astros já rodam off road tranquilo mas ter um caminhão reforçado e bruto pra transporte todo terreno deveria ser o ideal em um exército.
    Melhor ter o equipamento e não precisar de todas as suas capacidades e características do que precisar e não ter.

    Sds.
    Obs. já ouviu algo sobre interesse do EB nos heli Ah 1 Cobra a serem vendidos via FMS pelo titio Sam???

  23. nigo 8 de Fevereiro de 2018 at 9:55

    Maduro já tem olho grande por ali a tempos, nada de novo, e ele quer um conflito regional pra ofuscar a decadência e miséria em seu país devido à sua demência .

  24. O problema é que tanto Dingo II como o MATV são de categorias diferentes, muito provavelmente são mais caros de comprar, manter e operar. Se for assim então o problema nem é do LMV em si, mas o EB que esta fazendo uma concorrência com o veículos com características erradas

  25. Se fala de cartas marcadas… Então a Iveco é muito bom nisso! Domina o mercado com um suposto lixo… e os exércitos e países que o compram não devem em nada ao PT…

    O engraçado é que a BAE é sub contratada da IVECO no Lynx

    Essas reclamações no Brasil lembra choro de quem perde, ou especialista de internet.

  26. Como diz o Juarez,
    Não sei diferenciar uma cruzeta de uma melancia…
    Mas o LMV substituirá muito bem o Marruá.
    Não é mais possível admitir exploradores de PCMec andando na boleia de um jeep

    Na Cav os LMV progredirão sobre eixos rodoviários (embora a transposição de vaus realmente é um problema no Brasil, como apontado)
    Sendo assim, a robustez balística deve prevalecer sobre a mecânica.
    Creio que o LMV tem mecânica superior ao Marruá (não??)
    Se sim….progredimos para um produto melhor.

    Prefiro abandonar um LMV por falha mecanica do que perder soldados por tiros de fuzil em um marruá não blindado.

  27. Agnelo Moreira 7 de Fevereiro de 2018 at 19:15
    Johnnie
    1º, 2º e 57º BI Mtz.

    estas unidades são todas do RJ. achei que os guaranis estavam todos no oeste do Parana. a brigada do Rio foi transformada em mecanizada?

  28. Glasquis7 7 de Fevereiro de 2018 at 22:04
    Logo imaginei, por isso perguntei. O que faria um veículo desenhado pra climas frios com alcance operativo curto dentro das líneas tropicais? Acho que é algo pra regiões da Europa Oriental.

    Glasquis, veículos desta categoria são usados na Iraque, afeganistão e áfrica do sul. Não existe nenhuma relação do tipo de vtr com o clima frio.

  29. Por último, já foi dito aqui por um cmdte de Esquadrão de Cav Mec que a principal arma de um Grupo de exploradores era o binóculo termal….
    Ou seja….é preciso ver antes o inimigo para não levar tiro…daí a importancia de se substituir o marruá

  30. Nada contra o LMV e na verdade torci por ele na disputa, mas bem que poderia se investir em um produto puro sangue nacional neste seguimento, mas como já temos a planta da IVECO aqui em MG com área exclusiva pra equipamentos militares e esta já está a anos no mercado ,que o diga a matéria deste tópico, deveríamos comprar tbm os caminhões militares puro sangue da Iveco, só máquina bruta mas…….

  31. Matheus, você responder com outra pergunta: Como o EB iria escolher o Guará 4WS se a Avibras não ofereceu esse veículo na concorrência?
    Dá uma pesquisada na concorrência, quem participou e com qual veículo. Tem um monte de matérias aqui no Forte.

  32. Se fala de cartas marcadas… Então a Iveco é muito bom nisso! Domina o mercado com um suposto lixo… e os exércitos e países que o compram não devem em nada ao PT…

    Qual mercado ela domina??? Olha os números dos veículos da Bae e os pedidos de MLTV.
    4000 e um peido no espaço, acorda José. ..

    O engraçado é que a BAE é sub contratada da IVECO no Lynx
    E daí……

    Essas reclamações no Brasil lembra choro de quem perde, ou especialista de internet
    Deixa eu ver:
    Choro, especialista, uma linguagem que eu já me acostumei por aqui. O indiferente com objetivo de desqualificar o debatedor.
    Tu sabe para que lado se aperta um parafuso?
    Sabe a diferença entre um diferencial convencional em LSD
    Sabe que é um turbofil girofecatador
    Sabe o que um turbo variável?

    Não, então te prepara melhor e vem para o debate técnico comigo. Se tu tiver a humildade de querer aprender eu posso te ensinar.

    Passe bem

  33. Johnnie
    Não sei precisar quantos já tem.
    Eles estão no 33 BIMec, Cascavel -PR, 30 BIMec, Apucarana – PR, 34 BI Mec, Foz do Iguaçu – PR, 36 BIMtz, Uberlandia – MG, e os 3 Q mencionei no RJ.
    Sds

  34. Boa noite Po Juarez, infelizmente pra você eu sei! Sou piloto comercial, mas antes fiz eng mecânica pela UFF.
    Tu falou meia dúzia de… mas não explicou nada e nem fontes sobre suas afirmações, reportagem, pesquisas…
    Sendo assim, palavras sem uma matéria para corroborar, é desqualificar algo ao vento … isso até o Lula faz!
    Se a BAE é tão boa porque o panther é um LMV com mesma motorização?

    Você não é o juarez que saiu do DB?

    Boa noite.

  35. Boa noite Po Juarez, infelizmente pra você eu sei! Sou piloto comercial, mas antes fiz eng mecânica pela UFF.
    Bom, o teu caso é mais sério ainda, porque tu não sabe que não sabe, mas é corriqueiro, convivo com engenheiros mecânicos. Ou pelo menos dizem sair da academia dizendo que, mas na verdade na sua maioria esmagadora são energúmenos e analfabetos funcionais, pois não sabem se que ler uma medida de Tork corretamente
    Se eu tirar o Cel., O tablet ou o lápis top dá frente acabou o Eng porque a academia robozinhos lobotomizados apertadores de teclado.
    Se tu és piloto, e ainda se és piloto militar está te faltando uma dos mais importantes requisitos para a carreira:
    HUMILDADE.
    Vi bons pilotos perderam a vida por causa disto.
    Voltando ao tema, eu te fiz algumas provocações, tu preferiu continuar tentando me desclassificar, ao invés de debater tecnicamente, porque:
    Porque, novamente, se eu colocar um bomba de pistões axiais de fluxo variável, um bomba de palhetas, uma válvula load sensing e um caroço de abacate e pedir para ti me alcançar a nota.aba de palhetas, e provável que tu me entregue o caroço do abacate.
    Tu falou meia dúzia de… mas não explicou nada e nem fontes sobre suas afirmações, reportagem, pesquisas…
    Cidadão em outro tópico eu enumerei passo a passo todas as deficiências e questões que ao meu não são adequadas ao nosso to e ao EB.
    Estou com 54 anos, não tenho mais paciência ficar repetindo o obvio. Vá la, leia, se não entender, me pergunte, que eu com a maior das boas vontades e invocando a paciência que eu costumo não ter vou buscar forças e te explicar, ok.
    Sendo assim, palavras sem uma matéria para corroborar, é desqualificar algo ao vento … isso até o Lula faz!

    Pois, veja novamente você ao invés de colocar seus argumentos técnicos, tu me ofende,me comparando ao Lula, mas é típico da geração de vocês, que lamentavelmente são vazios de conhecimento empírico, de alma e ainda são prepotentes, mas acredite, o tempo vai te ensinar e te mostrar que senhor de todas as verdades.
    Eu aproveitar um tópico que está bem fresquinho no Aéreo sobre o 295 scraper que vocês estão discutindo.
    Faz algum tempo que eu venho alertando q está anv não cumpre a missão de carroceiro naquele TO. Quase me trucidaram, coma tropa de choque da Airbus, bom, aí o que acontece:
    Ta la a anv, não tem como tirar de lá o charuto, pois as estradas não permitem pelo difícil acesso e o pepino tá lá criado por “vocês” engenheiros que compraram um troço q errado.
    Se tivesse com um C 115 por exemplo é que brado a estrutura de sustentação do trem de pouso, os graxeiros do PAMA iriam até lá com uma empilhadeira, dois macacos hidráulicos, uma caixa da leve e outra heavy, um macarico de oxi acetileno, fariam uma inspeção visual, solidária a e trariam a anv voando para o PAMA para fazer manutenção definitiva.
    Ao contrário do mega Bambi 295 que tem estrutura de compósitos, “ui”, ligas de carbono , “aí” , tudo dimensionado para pistas top bambi by eurobambilandia, com rodovias e logística do lado., então nós temos uma anv sinistrada a 1500 km do nada, no C….u do mundo que talvez tenha que ser cortada em fatias para se tentar remontar novamente, não sei se não vai ter ir para a Espanha.
    Agora tal a o pepino deste Charuto, que devia ser enviado no R a b o de que mandou comprar esta B o S T a.
    Araribóia, os Aussies estiveram aí antes comprar sua anv de trans. media. Sabem com quem eles falaram:
    Como esquadrão e com o PAMA mantenedor da anv, pediram as TOs das células, os boletins técnicos, a diagonal de manutenção e o boleto de disponibilidade.
    Sabe qual anv eles compraram:
    O C 27, porque:
    Porque falaram com graxeiros e não engenheiros.
    Isto meu amigo não aparece no Google, nas revistas, nos sites ou nos blogs, isto é REALIDADE.
    AHH, OS Peruanos fizeram o mesmo caminho.
    O Canadá vi da Barbie II, vulgo LMV vai ser o ,295 do. EB.
    Se a BAE é tão boa porque o panther é um LMV com mesma motorização?

    Porque a Bae apenas está montando o LMV com um nome bonito para o exército britânico, e como todos nós sabemos até mesmo m e r d a pode ser replicada e precificada.

    Você não é o juarez que saiu do DB?
    Sim sou eu. Eu não sai, fui suspenso uma trocentas vezes por sinal.

    Boa noite.

  36. Carvalho

    “Não existe nenhuma relação do tipo de vtr com o clima frio.”

    Curiosa a sua colocação. No ECh, todos os blindados tiveram que ser adaptados ao clima e ao solo incluindo os CC. Por isso que os Leopard do Chile são Leopard II A 4 CHL. pois foram adaptado e preparados tanto no seu sistema de lagartas quanto na sua unidade motriz, pra conseguirem operar no deserto enfrentando variações climáticas que em princípio, os CC alemães não suportariam. Logo, seria melhorada a sua unidade motriz pra trabalhar em condições de altimetria superiores aos padrões da cavalaria alemã (que é de onde vieram os do segundo lote) e deste jeito tiveram a nomenclatura “CHL”.
    Isso sem contar as adaptações e modificações que sofreriam pra suportar a corrosão provocada pelo deserto que obrigou ao Chile a desenvolver um polímero especial pra revestimento dos seus veículos.

  37. Carvalho, deixa eu te ajudar.
    O valor sim é um inimigo mortal do desempenho e da logistica das viaturas, se foi ainda ainda acompanhado de alta umidade, e o quadro do inferno, porque:
    Porque a temperatura dos componentes sobe e por osmose de proximidade passa de um componente para outro degradando desempenho.
    Com relação ao combustível, se for o S 10 as coisas bem complicadas porque o baixo teor de enxofre que previne problemas nos injetores eletrônicos e benéfica, do outro lado ele com presença de água proveniente da. Indenização em tanques e recipientes de armazenamento desperta a proliferação de bactérias presentes na matéria viva proveniente bio diesel e ai m e r d a pega preço.
    O frio tem lá seus problemas com congelamento de tubulações de alimentação e de refrigeração, está última decresce com bom aditivos a base mono etileno glicol.
    Outro problema do calor com muita umidade e nos sistemas de purificação de admissão de ar do motor, pois a poeira gruda no filtro e satura rapidamente. O uso pré filtros turbo decantadores ajuda bastante que foi o que fizeram no LMV II depois de destruírem centenas de turbinas no Afeganistão, coisa que nos sabemos ser primária.

    G abraco

  38. Juarez sobre,
    Sobre ser robotizado ainda sou da época do lápis, papel ,régua e paquímetro… E se fosse mal nas contas de cabeça tomava uns tapas do meu velho. Tenho 33 anos, então não sou tão novo assim… graças a deus não tinhas essas leis e frescuras que se tem hj.
    E sou Piloto comercial e não militar.

    Cara, se você tem todas essas provas/ dados e argumento junta isso e protocola no MPF… Vai aos jornais. Vai fazer um favor! Comprar produto com vicio é lesivo aos nossos bolsos.
    Porque falar no mal ou bem no fórum ou Blog de um produto que vem se destacando e é difícil de achar matérias é complicado.
    Minha desconfiança não é pessoal…
    Vou dar mais uma olhada mais sobre o LMV.

  39. O comentário do Juarez em que ele elenca os defeitos do Iveco e faz comparação com outro veículo:

    Eu vi alguns aqui terem princípios orgásmicos espasmódicos quando anunciaram esta “rica jóia” e ainda quando viram o motor, que é/era o Iveco F 1D, com injeção eletrônica cammon rail de quatro cilindros puxando 182 Hps, uallllllll alguns disseram que legal, um motor comercial, usado em vans e blá blá, blá. Bom, lamentavelmente o LMV vai para guerra e não para fazer excursão LGBT na Riviera Italiana, e como sempre, o tempo, senhor de todas as verdade comprovou isto de forma implacável, pois no oriente médio aonde operou, dada a dificuldade logística de combustível, a injeção de combustível entrava em delta um dia sim e no outro também, ahhh, ainda, com duas centrais de comando eletrônico que não são seladas, quando começaram a cruzar córregos, que água deu no bico foi uma vez, não colocaram um pré filtro turbo separador de partículas sólidas e colocaram um filtro de ar comercial, piada, resultado, um turbo por mês moído pela poeira, o ar condicionado não foi preparado pra uso intenso em TO de alta poeira, seus filtros internos de difícil acesso obrigam a “vítima” a desmontar meio painel para trocar, o condensador satura e babaus, lá se foram US 5.000,00 num simples condensador.

    Bom, vamos fazer uma comparação com um veículo de geração mais antiga e de categoria “inferior”, um Hummvee da série 11.000, em relação aos itens que eu citei, na questão da blindagem ele é inferior, todos sabemos, mas vamos ao que interessa também:

    Um Hummvee vem de fábrica com um motorzinho GEP V8 6.5 turbo de injeção mecaniza com uma bomba de corpo duplo Stanadyne que engole de querosene a urina de camelo e o motor funciona, tem 190 HPs, com 1700 rpm , pouco mais de 500 nm de toque, ou seja o motor trabalha na “lenta” quase, sobra potência, sobra torque, vem equipado com um pré filtro separador de partículas sólidas de duplo estágio e decantador de poeira porque foi pensado para equipa um veículo MILITAR DE COMBATE e não uma Van de entregas.
    O veículo possui um ar condicionado com dupla filtragem, condensador equipado com hélice de inversão de sentido para limpar a colméia da poeira, novamente pensado em operar em TO difíceis e não nas estradas asfaltadas do Tirol italiano.

  40. Arariboia 9 de Fevereiro de 2018 at 16:42
    Juarez sobre,
    Sobre ser robotizado ainda sou da época do lápis, papel ,régua e paquímetro… E se fosse mal nas contas de cabeça tomava uns tapas do meu velho. Tenho 33 anos, então não sou tão novo assim… graças a deus não tinhas essas leis e frescuras que se tem hj.

    Que bom, seu pai deve ser sainha geração.

    E sou Piloto comercial e não militar.o recado continua valendo.

    Cara, se você tem todas essas provas/ dados e argumento junta isso e protocola no MPF… Vai aos jornais. Vai fazer um favor! Comprar produto com vicio é lesivo aos nossos bolsos.

    Cidadão, não tenho queda pata Celso Daniel.

    Porque falar no mal ou bem no fórum ou Blog de um produto que vem se destacando e é difícil de achar matérias é complicado.

    Mas vem destacando no que em relação a outros vetores da mesma categoria.?????

    Minha desconfiança não é pessoal…
    Vou dar mais uma olhada mais sobre o LMV.

    Tchê, e o seguinte, eu respeito a todas as opiniões, a questão é q tu entrou de sola, me adjetivou, fez ironias ao invés de debater ou perguntar, pois eu iria te explicar com toda a paciência.
    Com 33 no lombo tu és guri ainda, tem muito para aprender e a lida de “campo” vai te ensinar tudo que tu desaprendeu na academia.
    Se tiver dúvida, me fale, aproveita enquanto nos, veteranos estamos vivos e podemos passar a nossa experiência para vocês.

  41. É muito legal ver as várias colocações postadas.
    O tema original sempre acaba derivando para a situação do Brasil.
    Mas, enfim!
    Este LMV da Iveco deverá, pelo que entendi, ser adotado pelo EB. Provavelmente logo será usado na missão da ONU na República Centro Africana.
    Então, além de uniformes e coturnos inadequados, um fuzil experimental e uma Viatura Blindada (Guarani) ainda não testada de fato (espero que vá equipada com a sobre-blindagem mostrada no comercial); esta força irá equipada com um LMV bem “meia-boca”.
    Bom, se não fosse assim não seria brasileiro, não é mesmo?
    E…segue o carnaval!

  42. Um blindado 4×4 é o veículo mais importante para o EB, ao lado do Guarani 6×6 e o VBR-MR 8×8…

    Se escreve muitas inverdades a respeito do LMV.
    .
    Dizer que é um veículo que foi projetado para operar em regiões frias é a maior baboseira que já li. O LMV foi empregado até no Afeganistão!
    .
    Dizer que este 4×4 não tem blindagem e não entrega proteção… Oras, por favor. Ele tem uma blindagem bem condizente com suas 8t. Foi empregado em combate e não parece ser o “fracasso” que se propaga, segundo alguns registros:
    https://www.army-technology.com/contractors/vehicles/iveco/pressreleases/press6-7/
    .
    Vamos relembrar:
    Requisitos Técnicos para a VBMT-LR

    Guarnição – 5 pessoas
    Configuração 4×4 ou 4×2 com acionamento 4×4 de dentro da cabina

    Carga – 2000 cartuchos 7,62mm x 51
    1000 cartuchos .50
    200 granadas calibre 40
    Nota; não necessita ser cumulativo

    Interior – Ar condicionado (série)
    Sistema NBQ – Possibilidade de instalação
    Motor – Diesel
    Transmissão – Automática
    Pneus – Sistema central de controle de pressão

    Dimensões:
    Altura – 2,20m
    Peso em Ordem de Marcha – 8.000kg
    Capacidade de Carga – 1.000kg

    Performance:
    Transposição Vau 0,8 m
    Velocidade Máxima 90km/h

    Proteção:
    Lançador de granadas fumígenas

    Proteção Padrão OTAN STANAG 4569
    .
    O LMV atendeu estes requisitos… Onde esta a porcaria do problema???
    .
    O nosso primeiro lote viria para missões de paz. Para o futuro, comentou-se que se pretende ter uma versão “BR”, que facilitaria a logística…
    .
    O problema é que o LMV é caro???
    Caro é pagar mais de 200 mil em Marruá… Quem paga isso, não pode abrir o bico por conta do preço de um LMV.

  43. Bardini

    “Dizer que é um veículo que foi projetado para operar em regiões frias é a maior baboseira que já li. O LMV foi empregado até no Afeganistão!”

    KKK O Afeganistão é frio meu chapa, deveria fazer uma auto-analise KKK
    Hoje Kabul amanheceu com 1 grau. Só pra deixar você por dentro da temperatura do local então, disser que foi usado no Afeganistão como justificativa de que opera fora de locais frios é uma ignorância.

    Tem gente que só critica pra dar uma de bom sem nem mesmo ter base no que posta.

    Na segunda Guerra Mundial os Russos tiveram que apelar pra velhos tratores pois só eles conseguiam operar em climas frios.

    Me conta, pra que serviria um sistema de aquecimento interno da cabine de um blindado que opera no Equador ou me diz, os Guarani da Iveco vem com aquecimento pros operadores ou com algum sistema anticongelante do combustível?

    Clima, temperatura e altimetria são sim fatores determinantes no projeto de um Blindado assim como peso e tipo de lagartas.

  44. Não senhor Bardini. Caro e pagar 200 mil reais por um Marruá ,e mais ainda, é pagar meio milhao de euros pelo Candango Barbie, o LMV.
    ” Versão BR”, kkkkkkkkkkk quem vai montar uma fábrica em Banarnia setentrional com carga tributária em cascata, custos trabalhistas impagáveis para produzir 1000 jipinhos, só trouchas né ou fazer que nem Faz de Conta Copter, e cobrar pela Tot do candango e cada um vai custar dois mihoes de dólares.
    “A porcaria do problema esta que o custo OPERACIONAL desta van de turismo gay está pelas tabelas e se os ingleses estão reclamando, imagina o que deve ser.
    Obviamente como deves ter uma grande experiência com vtrs militares e mais ainda, deves ser PHD em sistemas de blindagem, pega os ROPs do EB joga ao Léo para tentar desclassificar qualquer um que contrarie os teus fartos conhecimentos baseados em tuas trocentas mil horas de Google na internet.
    Se tu desser os degraus da humildade, e, realmente quiseres aprender alguma coisa sobre vtrs militares com características off road, DNA militar eu posso te ajudar, caso contrario, continue a jogar dados ao leu e tentar convencer leigos, pessoas com capacidade discernimento, não convencera.

    G abraco

  45. Brardini

    “Dizer que é um veículo que foi projetado para operar em regiões frias é a maior baboseira que já li. O LMV foi empregado até no Afeganistão!”

    O Afeganistão é frio meu chapa. Hoje Kabul amanheceu com 1 grau. Disser que determinado blindado não opera no frio e usar o Afeganistão como proba de isso é uma burrice e uma ignorância sem tamanhos.

    Blindados que operam em climas frios precisam de sistemas de aquecimento pra seus tripulantes assim como pra manter descongelados todos os seus fluídos. Um Guaraní, do jeito que está operando no Brasil não conseguiria operar na região de Magallanes no inverno nem conseguiria ser efetivo na região do Altiplano Bolíviano devido à falta de poténcia.
    Clima e altimetria, entre outros, também são fatores importantes na hora de projetar um blindado.

  46. Um blindado 4×4 é o veículo mais importante para o EB, ao lado do Guarani 6×6 e o VBR-MR 8×8…

    Seta mesmo?? Aonde tu leu isto????

    Se escreve muitas inverdades a respeito do LMV.

    Concordo,principalmente sobre coisas que ele não faz e não é.
    .
    Dizer que é um veículo que foi projetado para operar em regiões frias é a maior baboseira que já li. O LMV foi empregado até no Afeganistão!

    Ótima está cotação sobre o Afeganistão. Ti sabes o que aconteceu com eles la:?????
    Não sabe?
    Vou te contar:
    Pilhas de motores, turbinas e flautas injetoras fundidas e imprestáveis, centenas de veículos inoperantes e tripulações respostas ao fogo porque o candango quebrou no meio do turumbamba de balas.Dezenas de soldados que perderam dedos, mãos,pés e pontos em explosões.
    .
    Dizer que este 4×4 não tem blindagem e não entrega proteção… Oras, por favor. Ele tem uma blindagem bem condizente com suas 8t. Foi empregado em combate e não parece ser o “fracasso” que se propaga, segundo alguns registros:
    https://www.army-technology.com/contractors/vehicles/iveco/pressreleases/press6-7/

    Ele não foi um fracasso, ele é caro de comprar e de operar por aquilo que custa, tem coisa melhor no mercado e que custa menos.
    .
    Vamos relembrar:
    Requisitos Técnicos para a VBMT-LR

    Guarnição – 5 pessoas
    Configuração 4×4 ou 4×2 com acionamento 4×4 de dentro da cabina

    Carga – 2000 cartuchos 7,62mm x 51
    1000 cartuchos .50
    200 granadas calibre 40
    Nota; não necessita ser cumulativo

    Interior – Ar condicionado (série)
    Sistema NBQ – Possibilidade de instalação
    Motor – Diesel
    Transmissão – Automática
    Pneus – Sistema central de controle de pressão

    Dimensões:
    Altura – 2,20m
    Peso em Ordem de Marcha – 8.000kg
    Capacidade de Carga – 1.000kg

    Performance:
    Transposição Vau 0,8 m
    Velocidade Máxima 90km/h

    Proteção:
    Lançador de granadas fumígenas

    Proteção Padrão OTAN STANAG 4569
    .
    O LMV atendeu estes requisitos… Onde esta a porcaria do problema?
    A ” porcaria do problema esta nos defeitos apresentados em operação, nos custos de aquisições e principalmente nos custos operacionais. Se os Ingleses estão reclamando, imagine o que deve ser.
    .
    O nosso primeiro lote viria para missões de paz. Para o futuro, comentou-se que se pretende ter uma versão “BR”, que facilitaria a logística…

    Lote “BR” com os impostos em cascata mais caros do mundo, com os custos trabalhistas na estratosfera para produzir mil jipinhos.??
    Qual o planeta que tu habita, Bardini..?
    .
    O problema é que o LMV é caro???
    Caro é pagar mais de 200 mil em Marruá… Quem paga isso, não pode abrir o bico por conta do preço de um LMV.
    Mais caro ainda é paga quase meio milhão de euros por uma bosta cheia de problemas e com custos operacionais impagáveis.
    Evidentemente, Bardini que eu não vou contrariar tua “vasta experiência com vtrs militares”, bem como tuas trocentas mil horas de internet e ser PHD em blindagens militares.
    Se, é tão somente se, um dia, tu pretender desser os degraus da humildade, eu posso te explicar como isto funciona.

  47. Fiat Group dominando o mercado de veículos leves. Os pessimistas de plantão só colocam defeitos inexistentes neste projeto. O Exército Brasileiro selecionou o veículo blindado LMV (Light Multirole Vehicle) da Iveco Defence como o vencedor do programa Viatura Blindada Multitarefa Leve Sobre Rodas (VBMT -LR), informou o Escritório Projetos do Exército (EPEX) ao IHS Jane em 14 de abril de 2016. São 32 unidades que logo estarão sendo testadas na missão de paz no continente africano.

  48. Cidadão dá uma olhadinha nos números da AM General, da Oshkosh e depois compara com os da Italianos e em segui da agente conversa. Não vo postar se não tu vai ficar com vergonha do que escreveu.
    “São 32 unidades que logo estarão sendo testadas na missão de paz no continente africano.
    Devia estar escrito assim:
    São 32 fazedores de defuntos…..

  49. Juarez,
    É sério mesmo esta informaçã que trata de pilhas de centenas de veículos inoperantes, dedos, pés e mão secando no deserto?
    Qual o link da matéria? Ou é relatório interno?

    Abraço

  50. “kkkkkkkkkkk quem vai montar uma fábrica em Banarnia setentrional com carga tributária em cascata, custos trabalhistas impagáveis para produzir 1000 jipinhos, só trouchas né ou fazer que nem Faz de Conta Copter, e cobrar pela Tot do candango e cada um vai custar dois mihoes de dólares.”
    .
    Complexo Industrial de Sete Lagoas tem espaço.
    .
    No mais, tu não manda porcaria nenhuma na decisão. Ache bom ou ache ruim é achismo, a decisão cabe ao do tal do “Exército pé no chão”.
    .
    No mais: “In EB we trust”
    Engula essa…

  51. Juarez,
    Outro ponto:
    Tenho dito aqui que, por uma questão de cenários emergentes, devemos priorizar a Inf Mtz, mesmo à custa de bgdas bld de cavalaria.
    Sendo assim, o MLV (ou qualquer outra vtr desta categoria) é muitíssimos importante, dando um novo apronto para nossas formações

    A propósito, nas matérias sobre a VeneZuela identifiquei uma vtr similar nacional. Conhece?

    Abraço

  52. “Operando em capacidade máxima, a fábrica poderá entregar até 200 unidades do blindado por ano. No futuro, a unidade poderá fabricar novos modelos da gama da Iveco que já são campeões de venda na Europa, como o jipe multifuncional LMV, com mais de 4.000 unidades comercializadas a países como Itália, Reino Unido, Espanha, Bélgica e Áustria.”
    .
    https://www.iveco.com/brasil/institucional/pages/veiculos-de-defesa.aspx
    .
    Pode falar o que quiser do LMV… O EB fez a Iveco instalar uma fábrica para 200 Guarani/ano baseado em um planejamento furado e não pode sustentar essa escala. Agora aguenta LMV.

  53. Helio, aquilo nem chassi integral tem. Adotaram um pivoteameto das rodas traseiras para reduzir o raio de giro. Tchê, aquilo é de uma complexidade tal, uma demanda extra de manutenção e custo benefício pífio. Tem uma foto na forunslândia que mostra o veículo por baixo. Tem flexíveis por toda a parte infeirior do veículo exposto, amarrados com espaguete, u troço medonho. O intercooler lá na frente, exposto e perto do solo, em fim, esquece, aquilo simplesmente é “no starter”.

    G abraço

  54. Carvalho 11 de Fevereiro de 2018 at 18:03

    Juarez,
    Outro ponto:
    Tenho dito aqui que, por uma questão de cenários emergentes, devemos priorizar a Inf Mtz, mesmo à custa de bgdas bld de cavalaria.
    Sendo assim, o MLV (ou qualquer outra vtr desta categoria) é muitíssimos importante, dando um novo apronto para nossas formações

    Ok Carvalho, mas não podemos quebrar o orçamento do EB por causa disto, e a propósito:
    Qual é a missão deste veículo na inf mtz?
    Aí eu te pergunto:

    O Guarani aguenta um IED de uns 8 ou 9Kg, sem arrancar dedos, pés e pintos” dos soldados dentro da vtr??????

    A propósito, nas matérias sobre a VeneZuela identifiquei uma vtr similar nacional. Conhece?
    Já vi, um tal Piura, Miura, sem lá nome, outra bosta feita a facão.

    Abraço

  55. Carvalho 11 de Fevereiro de 2018 at 17:54

    Juarez,
    É sério mesmo esta informaçã que trata de pilhas de centenas de veículos inoperantes, dedos, pés e mão secando no deserto?
    Qual o link da matéria? Ou é relatório interno?

    Abraço
    Sim, meu querido tem fotos na net de soldados que perderam dedos, pés e até dedos nas mãos nos candangos da barbie, e com relação aos problemas técnicos tu jamais vai encontrar na “imprensa exxxpecializada” porque este tipo de info não roda fonia aberta.
    Tem “expert” fazendo comparações do tipo:

    “Os Hummvee em Mogadíscio se tornaram piras e caixões.”

    Claro que se tornaram pois atirara neles pedras , paus, entulhos, 7,62, .50, 30mm, RPGs, ATGMs e tudo que aquela tigrada tinha a disposição.
    Estas mesmas mentes iluminadas acreditam que o LMV iria sobreviver a isto como se fosse o bug do Batman.

    g abraço

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here