Home Ajuda Humanitária Operação “Deference” – o resgate de cidadãos britânicos no deserto líbio

Operação “Deference” – o resgate de cidadãos britânicos no deserto líbio

190
0

Em uma entrevista exclusiva com o Sunday Telegraph, o brigadeiro James Bashall, comandante da Operação “Deference”, codinome para o resgate britânico, revelou que parte da missão teve que ser abortado após ameaças dos líbios.

O Brigadeiro Bashall, 48, comandante geral da Força Conjunta (JFHQ), que planejou a operação de resgate SAS, disse que se um dos aviões de transporte Hércules C-130 fosse derrubado ou forçado a pousar “a missão humanitária teria se transformado em uma crise”.

Bashall, um ex-paraquedista, disse: “Foi um momento tenso, estávamos voando para o desconhecido O Líbia já teve defesas superfície-ar formidáveis e eles ainda podem ter.

Eles certamente tinham a capacidade de abater um Hércules e se isso tivesse acontecido a operação teria ido de ser uma missão de resgate humanitário para algo muito diferente. Preocupava-me, dada a capacidade de líbios, e eu temia que eles podem não ser tão racionais como imaginávamos. Assim que a surgiu a ameaça eu disse para a aeronave voltar, não tinha escolha. Felizmente tinha dois outros aviões a caminho. Toda a operação militar envolve riscos -.. você nunca vai chegar lá para nada ”

O brigadeiro, que serviu no Iraque, Afeganistão e Irlanda do Norte, disse que sua organização que se especializou em resgatar cidadãos britânicos em países envolvidos em combate, foi convidado pelo “Foreign and Commonwealth Office” para prestar assistência em missões de evacuação de pessoal não combatente (NEO) na terça-feira, 22 de Fevereiro.

Falando a partir do centro de operações em Malta, o Brigadeiro Bashall disse: “Eu acompanhava a situação pelo noticiário, mas não tinha sido convidado a fazer nada até que terça-feira. Naquela noite nós havíamos inserido uma equipe em Malta e outra em Creta – eram oito por equipe e cada um com um conjunto de habilidades especiais. Logo na manhã de quinta-feira, despachamos uma equipe para Trípoli, que incluiu também uma equipe de infiltração rápida a partir do FCO. A equipe que estava em Creta se juntou à tripulação da fragata HMS Cumberland, que foi desviada de uma viagem de volta para o Reino Unido e se dirigiu para Benghazi. ”

Na chegada a Benghazi, a HMS Cumberland evacuou 425 civis, dos quais 119 britânicos, em duas viagens ao longo de poucos dias, mas o verdadeiro desafio para Brigadeiro Bashall e sua equipe foi tentar localizar cidadãos do Reino Unido isolados no deserto.

Para a próxima fase da missão equipes do SAS (Special Air Service) voaram para Malta em helicópteros Chinook para participar do resgate.

O Brigadeiro Bashall continuou: “O maior desafio para a minha equipe era o resgate de 150 cidadãos britânicos isolados em torno de campos de petróleo no deserto. O problema foi agravado pela dispersão e localização, além do confuso relato de onde eles estavam. Então passamos a quinta e a sexta-feira construindo uma imagem de onde eles estavam. A maioria das informações foram passadas por equipes de reconhecimento que estavam atuando em Trípoli que tinha contato telefônico e e-mail com eles. Então começamos a ter uma visão de onde as pessoas estavam no deserto . No sábado eu estava confiante de que tínhamos o suficiente para lançar C-130 para o deserto e começar o resgate.”

A missão inicialmente seguiu com o planejado, com os três C-130 aproximando-se da costa líbia pela manhã do Sábado bem cedo. Bem acima dos aviões de transporte uma aeronave de vigilância da RAF monitorava os acontecimentos, observando e ouvindo a qualquer sinal de que os líbios estavam prestes a lançar um ataque.

O brigadeiro continuou: “De acordo com o nosso dever de proteger os cidadãos britânicos no exterior, penetramos no espaço aéreo líbio em direção à uma série de campos de pouso 150 milhas ao sul da costa.

“Todas as aeronaves procuraram comunicação com o controle aéreo líbio para explicar o que estavam fazendo para resgatar cidadãos britânicos. As duas primeiras aeronaves não obtiveram resposta. Quando a terceira aeronave fez contato via rádio, os líbios responderam para “darmos meia volta ou seríamos interceptados.” “Foi um momento tenso. Então eu pensei em vez de arriscar, eu vou trazer a aeronave de volta. Eu não tinha certeza do que eles estavam planejando fazer, era uma ameaça vaga, mas eu esperava que eles lançassem seus jatos contra nós – derrubá-lo ou forçá-lo apousar – nós não sabemos o suficiente sobre seus sistemas para saber o que aquilo significava.

“Se eles tivessem derrubado nosso avião todo a situação teria mudado, passando de uma operação humanitária para algo muito diferente, eu olhei para o risco e tomei uma decisão em cada fase da operação, para continuar ou dar meia volta – você decide se vai ou não vai a cada instante.”

Havia agora uma possibilidade muito real de que as duas aeronaves C-130 seriam recebidas de forma hostil nos respectivos campos de pouso.

O brigadeiro acrescentou:. “A maior ameaça naquele momento era uma possível reação no solo. Não sabíamos como seríamos recebidos, porque não tínhamos certeza do quem controlando o aeródromo, se eles ainda eram pessoas ligadas a Kadafi, em um cenário confuso, em que você está caminhando para uma guerra civil, simplesmente não sabe onde reside a autoridade.

“Em alguns localidades, tivemos um contato com pessoas que utilizavam telefone por satélite e foram capaz de nos dizer quantas pessoas estavam lá e que era seguro, caso contrário, teríamos que arriscar e avaliar a situação uma vez que estivéssemos no chão. ”

Assim que o avião pousou as tropas do SAS a bordo se prepararam para uma eventual ação, esperando pelo melhor e planejando para o pior. Os soldados foram alertados de que havia o risco de alguém levar para bordo da aeronave uma bomba.

O brigadeiro Bashall continuou: “O trabalho deles (SAS) foi fazer uma avaliação da situação no terreno, verificar todos que subiam a bordo e suas identidades. Como havia o risco de que alguém levar para bordo uma bomba antes de deixá-los entrar.

“Nós permanecíamos no chão por cerca de uma hora e meia em cada local. Em alguns locais, os moradores não eram amigáveis, em todos os locais tinham pessoas com armas ao redor do aeródromo. Nós não tínhamos certeza de quem eles eram ou qual era a estrutura de comando.

“No último voo do domingo, o avião se aproximou da pista e o campo de pouso foi bloqueado. O piloto circulou e demonstrou sua intenção de pousar como forma solicitar o desbloqueio da pista. Um desconhecido no solo disparou uma rajada na direção da aeronave, um dos tipos ricocheteou no capacete do piloto – o avião subiu até uma altura segura e voltou a Malta.

“No domingo nós refinamos a nossa abordagem, porque pudemos entrevistar aqueles que haviam sido resgatados e perguntamos se eles sabiam de quaisquer outras áreas onde não havia cidadãos do Reino Unido.”

” O brigadeiro Bashall descreveu a operação como sendo “razoavelmente tensa”, mas acrescentou: “Todo mundo foi muito profissional, mas havia uma tensão porque muito do que era desconhecido – estávamos entrando no desconhecido e, nessa fase, você tem que confiar em sua equipe, eu acho. Foi uma operação fantástica de sucesso – quando você ouvir as histórias das pessoas que foram resgatadas. – eles estavam tendo um tempo muito tórrida e eles foram muito grato ”

Após a primeira missão de resgate no sábado passado, o Primeiro-Ministro falou ao brigadeiro Bashall no telefone. “Ele disse bem feito, bom trabalho e, obviamente, que foi muito bem recebido por todos aqui.”


FONTE/FOTO:
The Telegraph/UK DoD

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: Forças Terrestres

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of