Home Exército Brasileiro Vídeo: Leopard 1A5 do Exército Brasileiro

Vídeo: Leopard 1A5 do Exército Brasileiro

9448
39

Potência de Fogo Leopard 1A5 – Exército Brasileiro from Luciano Souza on Vimeo.

Incríveis imagens dos carros de combate Leopard 1A5 do Exército Brasileiro em exercício de tiro real. Parabéns ao produtor do vídeo pela excelente qualidade. Que venham mais vídeos assim.

39
Deixe um comentário

avatar
39 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
HIDERALDOalexandrefontoura2013SoldatReinaldo DepreraAntonio Carlos Jr Zamith Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano
Visitante
Luciano

Realmente, excelente qualidade do video. Digam-me, um Plt de CC no Brasil é formado por 3 ou 4 unidades?

Marcelo Bardo
Visitante
Marcelo Bardo

Muito bacana!!!

Ricardo
Visitante
Ricardo

As imagens foram feitas no Brasil mesmo? Com nossos equipamentos? Pode parecer estupida a pergunta mas explico, os videos de divulgação que o exercito geralmente sai por ai são até que bem filmados, no entanto, não são muito divertidos ou interessantes, gostei muito, só queria ver os alvos atingidos ou algumas sucatas destruídas. Parabéns pelo vídeo!

Juarez
Visitante
Juarez

Esta região de Saicã, junto a fronteira, lembra muito as estepes Russas.

G abraço

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Pergunta : aos 11 segundos, quando se mostra a munição, algumas são azuis outras pretas, qual a diferença ?

Bardini
Visitante

Se não estou falando bobagem… A azul é a munição de treino: M724A1 105mm TPDS-T que simula a preta, que é uma M392A2 105mm APDS-T.

Eduardo Primo
Visitante
Eduardo Primo

Alguém sabe se o EB passou a contratar profissionais de foto e filme para suas imagens de divulgação ou como foi este caso? Porque o trabalho resultante desta (aparente) contratação de um profissional de vídeo e fotografia é muito superior aos dos demais vídeos produzidos anteriormente pelo EB. Para nós amantes das armas e militaria parece ter faltado coisas como a típica imagem de acerto nos alvos, antes, durante e depois, imagens em baixa velocidade do momento do disparo e/ou do impacto, etc. Mas acho que com o feedback do vídeo e de outras filmagens isso vai se arrumando.

Renato B.
Visitante
Renato B.

me parece um excelente uso de drones.

Emerson R.B
Visitante

Excelente vídeo,mas como o colega disse ali em cima, eu gostaria de ver alguma sucata sendo atingida.

Por acaso a Alemanha vende o Leopard 2?Ou só vende o 1 mesmo?

Antonio Abel
Visitante
Antonio Abel

Excelente! Tomara que venham mais! Impressionante a qualidade das imagens do drone e todo o mais também.

W.K.
Visitante
W.K.

Luciano.

No Brasil, cada pelotão de CC é composto por 4 unidades.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Ricardo, são sim, no CISM. Muito bati perna ali. Aparentemente atira da crista que ia pra torre da patrulha, e contra a “manga de segurança” . Bardini estas correto quanto as corres. Nossa munição é de origem inglesa. Emerson resultados dos disparos podem ser vistos em um M-41 que está no museu militar de Panambi-RS na KM 430 da BR 285, onde há também dois canhões L7. Não há sucatas ali, porque está sendo utilizado o polígono de tiro onde foi construída uma estrutura, inclusive com alvos móveis, para os disparos. O CiSM fica a 5 km do centro de… Read more »

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

seria possível instalar um par de Iglas em cada tanque ??? um de cada lado….

Bardini
Visitante

Colombelli 23 de agosto de 2016 at 15:33
.
Aquelas munições Flecha, Múltiplas Finalidades e Contra Infantaria da Engepron foram pra frente ou não deram em nada?

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Que eu sei so munições e artilharia vingaram. Inclusive creio que eles produzem as dos L-118 do CFN e do EB. A flecha chegou ser produzida no Brasil no fim dos anos 80 e início dos 90 ( não lembro quem produzia), mas acho que não teve escala pra linha de produção. No caso era de 90mm. Wwolf, até dá, mas não é o caso. Não tem radar de busca, a busca visual seria dificil e ademais, tem os Gepard pra fazer esta função. Num CC, arma de choque, não tem muito sentido por coisas expostas por foral pois estariam… Read more »

Carlos Crispim
Visitante
Carlos Crispim

Muito bom o vídeo, qualidade de primeiro mundo, excelente, parabéns!!!!! Nestas horas a gente queria muito que o Brasil tivesse um Leo2, os tripulantes mereciam um tanque de primeira linha, os soldados mereciam isso, não fosse tanta roubalheira, bem, voltemos à realidade…

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Quero chamar a atenção pra um fato interessante que é o “efeito barro”. Por volta do segundo 50 vemos um carro que esta enlameado de forma que sua cor muito se aproxima do meio circundante, amainando o tom mais escuro do carro que o salienta demasiadamente no campo. Sua\ camuflagem foi concebida pro cenário europeu.

junior
Visitante

Se não tivesse o logo do EB e o militar brasileiro carregando o tanque não diria que isso é no Brasil rsrs a qualidade ficou excelente e com uso de câmeras em diferentes ângulos e de drone.

Juarez
Visitante
Juarez

Colombeli, achei o local muito parecido com Saicã, perto da pista de pouso, apesar de que não é tão longe dali.

G abraço

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

Colombelli,
grato pela resposta.
Alguém saberia informar se ha algum tipo de competição entre CC dos diversos regimentos do EB nos moldes das “olimpíadas russa” ??

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Juarez, o começo é no CISM, inclusive dá pra ver Santa Maria ( da Boca do Monte) ao fundo, mas a segunda parte fico em dúvida mesmo se não é no Barro Vermelho, no Saicã. O local se for no CISM é parecido com uma área perto do “Gravatás”.

Wwolf, agora com os simuladores até será possivel isso, mas não fisicamente, pois temos relativamente poucas unidades ( 4 Rcc e 4 RCB) e os gastos para logistica de reunião seriam muito altos. E a guarnição fazer teste com outro carro que não o seu dá diferença.

joao moita
Visitante
joao moita

Belissimo video!!!

Marcelo Silveira
Visitante
Marcelo Silveira

Colombelli, boa tarde!

Uma duvida me paira sobre a “idéia matuta” gostaria se possivel de seu parecer já que tens maior entendimento sobre o assunto!

Não seria viavel a troca de UMA das metralhadoras MG-3 7.62mm co-axial, por uma .50 para apoio de fogo segundário? Desde já tchê um cinchado quebra costela.

Ivan da Silveiraa
Visitante
Ivan da Silveiraa

Boa noite!

Ótimo vídeo, parabéns a equipe envolvida!

Abraço!

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Marcelo, meu xará, creio que a opção pela .50 ao invés de um 7,62mm depende antes de mais nada do tamanho da torre. A opção pela M2 reduz muito a quantidade de munição disponível, mas tem um pequeno aumento de alcance e um significativo aumento de pode de fogo, já que uma .50 tem ao menos 6 vezes a energia de um projétil 7,62. Estando as duas armas em plataformas relativamente estáveis e com apoio da mira do carro, a diferença de alcance é reduzida de uma pra outra. Creio que no caso do Leopard não vale a pena a… Read more »

francisco
Visitante

seria bom ver os tiros em sucatas e em movimento.

Antonio Carlos Jr Zamith
Visitante

usado belga serve para invadir a Bolívia e esmagar a pelegada do PT.

Luciano
Visitante
Luciano

W.K
Obrigado

Luciano
Visitante
Luciano

Quanto a metralhadora da torre…muitos CC há tinham como arma antiaérea uma .50 e ainda a utilizam para este fim. Qual a eficácia deste armamento hoje em dia nesses veiculos? Ainda são uteis ou tornaram-se armamentos secundários ao canhão principal, para uso contra infantaria, veículos e afins?

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Luciano. o uso da .50 como arma AA faz o Merkava me parece muito ineficiente. A .50 não é uma arma inútil contra aeronaves, mas na era das bombas inteligentes e dos ataques noturnos sua eficácia é reduzida não mais se justificando para esta finalidade. Hoje se pode dizer que se cuida de uma opção de “maior energia” para o fogo de apoio quando o carro permite espaço para a arma.

Luciano
Visitante
Luciano

Sim, dai por exemplo a possibilidade do uso de misseis disparados por canhões de alma lisa, por exe. Mas e no caso das torres automatizadas com aparelhos de pontaria óptica e auxilio de computadores de mira e outros apetrechos nesse sentido, seria possivel defesa AA contra aeronaves de menores velocidades, como turboélices sem armas guiadas?

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

Parabéns ao Exército Brasileiro que, pelo visto, deixou (contratou?) um profissional da iniciativa privada para fazer o que a iniciativa privada faz de melhor: Prestação de serviço com qualidade para competição no mercado.
Parabéns ao Luciano Souza pela qualidade na produção e edição do material.

Save Ferris!

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Luciano até é possivel, O problema é que estas aeronaves de menor velocidade, e no caso o helicoptero é o exemplo magno, dispõe, hoje, ou de misseis com alcance superior ao da metralhadora ou com canhões igualmente de alcance superior em calibre até 30mm. Desta forma, a colocação de parafernalha eletrônica que permitisse o fogo preciso contra alvo em movimento no CC pode não ter o efeito desejado de eficiência, pois o adversário se manteria a uma distância segura e ainda em condições de nos engajar. Os misseis hoje utilizados no tubo do canhão são todos AC. A arma AA… Read more »

Luciano
Visitante
Luciano

Compreendo, mas tinha pensado em alvos de oportunidade e nao necessariamente ter isso como real armamento de defesa, como nos anos 40 o foi. Quanto os misseis disparados pelo tudo….seria tão complicado ter misseis AA, de curto alcance, com guiagem própria ou pelo próprio carro (o radar do Armata permitiria algo assim?) ou “iluminado” por terceiros (como o radar Saber M60)?

Luciano
Visitante
Luciano

*aos

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Luciano, misseis AA costumam ser maiores ( mais longos) que os AC e seria um tanto dificil (não impossivel) conceber um para ser lançado de um tubo de canhão, mas custo benefício não compensaria. Muit mais pratico como eu disse, ter equipes específicas pra esta função. Ja quanto a .50 ela ainda continua sendo arma AA contra alvos de oportunidade (de baixa performance a arma), mas a colocação de parafernalha eletrônica de pontaria com esta finalidade seria cara e com custo benefício não compatível. Nada impede contudo que um software adequado possa tornar torres como a REMAX posta com outra… Read more »

Soldat
Visitante
Soldat

Muito bom o vídeo.

Acredito que se por acaso a Alemanha não puder vender os Leopard mais avançados ou Brasil não tiver dinheiro para isso deveria pelo menos investir em mais Leo 1 e mais Guepards.

Brasil acima de tudo e de todos…..

alexandrefontoura2013
Visitante

“Antonio Carlos Jr Zamith 24 de agosto de 2016 at 23:02

usado belga serve para invadir a Bolívia e esmagar a pelegada do PT.”

Usado belga? A que você se refere?

HIDERALDO
Visitante
HIDERALDO

Nos anos 1990 participei de muitos exercicios tanto no CISM em Santa Maria, como no estande Barro Vermelho em Rosário. Naquela época ainda eram os M41 canhão 90 mm. Mesmo assim era um belo estouro. Algumas vezes o B Log ia na OM para realizar tiro tecnico e éramos escalados para realizar o tiro junto dos inspecionadores. Se os velhos M41 já davam aquele estouro e um coice violento inagino esses leopard…