Home Exército Brasileiro O LMV em detalhes – parte 5

O LMV em detalhes – parte 5

8632
41
Durante a intervenção federal no Rio de Janeiro o Exército não possuía um veículo blindado de quatro rodas. As operações do tipo GLO (Garantia da Lei e da Ordem) demonstraram a necessidade de tal veículo. FOTO: EB

Os primeiros “Linces”

por Guilherme Poggio

No ano de 2018 o Exército Brasileiro (EB) foi acionado para atuar na intervenção federal no estado do Rio de Janeiro. O objetivo era amenizar a grave situação da segurança interna naquele estado. O decreto restringia os efeitos da intervenção somente à área de segurança pública e foi assinado em fevereiro.

Para a execução da missão o EB empregou os meios que dispunha na época e que eram mais adequados para o momento e para o ambiente de atuação. Dentre estes meios estava a viatura de Transporte Não Especializado (VTNE) 3/4 t Agrale Marruá Cargo. Este foi um tipo de veículo largamente utilizado para o transporte de pequenas frações de militares entre um ponto e outro. Constatou-se, no entanto, a vulnerabilidade deste veículo em vários episódios de ataques contra militares.

Para contornar este problema o Exército acionou o Arsenal de Guerra do Rio (AGR) e elaborou um projeto de blindagem para a viatura Marruá Cargo. Foram então concebidos kits de blindagem com emprego de aço balístico. No entanto, essa iniciativa veio tarde e em pequena quantidade: as últimas unidades de um lote de cinco chegaram algumas semanas antes do término da intervenção, cujo mandato executivo encerrou-se no dia 31 de dezembro daquele ano. Cabe destacar que a empresa Agrale já havia desenvolvido uma versão do Marruá com blindagem, mas em função da urgência optou-se pela “solução caseira”.

Versão do Agrale Marruá blindada. Este veículo não foi adquirido pelo EB e nem por forças policiais do RJ. O Exército acabou optando por outras soluções.
Uma das soluções emergenciais adotadas para as missões GLO foi a instalação de blindagens em veículos Agrale Marruá já existentes no inventário do EB. FOTO: EB

Diante da urgência da situação, o Gabinete de Intervenção Federal decidiu adquirir, em caráter emergencial, veículos blindados IVECO LMV Lince versão K2 de segunda mão do Exército Italiano. Em agosto de 2018 o Boletim do Exército nº 32 divulgou que um grupo de militares do EB estava na Itália negociando a aquisição de um lote desses.

Na equipe que seguiu para a Itália estavam dois militares da DMat (Diretoria de Manutenção), responsável pelo processo de aquisição dos veículos. É interessante observar que tal aquisição envolveu uma negociação direta entre governos (italiano e brasileiro) e não havia relação nenhuma com o programa da VBMT-LR, que também definiu o LMV da IVECO como vencedor.

Aliás, o veículo escolhido no programa VBMT-LR é bem distinto destes adquiridos em caráter emergencial pelo gabinete de intervenção federal. Há diferenças externas notáveis que não se resumem à pintura somente. É possível notar a ausência da terceira dobradiça nas portas blindadas (veja detalhes sobre este assunto aqui), configuração de painel de instrumentos diferente (o VBMT-LR será customizado segundo critérios do EB e os Lince K2 vieram com a configuração do painel italiano) e ausência de tropicalização (tanto no aspecto do motor como da suspensão).

Militares brasileiros em treinamento na Itália. FOTO : EB

Concluídos os trâmites para a aquisição dos veículos um grupo de militares do 15º Regimento de Cavalaria Mecanizado – Escola (R C Mec (Es)) e do 1º Batalhão de Engenharia de Combate (1º BE Cmb (Es)) viajou para a Itália para realizar os cursos de operação e de manutenção do veículo no final de setembro de 2018.

Dos dezesseis LMV Lince adquiridos, quatro foram recebidos ainda em novembro de 2018, quando o Gabinete de Intervenção Federal atuava no Rio de Janeiro. Todos os veículos foram encaminhados ao 15º R C Mec (Es). Lá foram elaborados os procedimentos operacionais (em conjunto com o Centro de Adestramento Leste) para seu emprego em ações do tipo GLO (Garantia da Lei e da Ordem). O primeiro adestramento de emprego de frações utilizando o Lince ocorreu nos dias 03 e 04 de dezembro de 2018.

Militares do EB realizando adestramento com o LINCE K2 no Rio de Janeiro. Observar o padrão de pintura típico do Exército Italiano.- FOTO EB

É curioso observar que a evolução do processo de decisão e aquisição de material, neste caso, guarda semelhanças com aquele enfrentado pelas tropas norte-americanas no Iraque e no Afeganistão. Primeiramente notou-se a inadequação do material frente ao problema. Em segundo lugar optou-se pela blindagem de veículos que já faziam parte do inventário e por fim adquiriu-se um veículo cujo projeto já nasceu para receber blindagem.

Para ler os textos anteriores clique nos links abaixo

Nos textos seguintes o “Forças Terrestres” trará mais informações sobre o projeto do LMV.

O editor Guilherme Poggio viajou a Sete Lagoas a convite da IVECO/CNH.

Subscribe
Notify of
guest
41 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
RoDrIgO
1 ano atrás

Belíssimo veículo, interessante notar na imagem 6 o IA2 7.62 (ao que parece).

Talisson
Talisson
Reply to  RoDrIgO
1 ano atrás

A coronha parece ser também telescópica. É uma boa evolução, pois a falta desse recurso era uma deficiência do IA2, inclusive no 5,56mm.

Saindo mais ainda do assunto, ontem estive olhando lado a lado os carregadores 5,56mm do Imbel IA2 e do Taurus T4. A robustez (e a possível durabilidade) do Imbel frente ao Taurus é gritante. Ponto pra Imbel….

João Adaime
João Adaime
1 ano atrás

Poggio, o que será feito deste lote pioneiro?

João Adaime
João Adaime
Reply to  Guilherme Poggio
1 ano atrás

Grato Poggio

Rafael
Rafael
1 ano atrás

O nosso LMV vai ter blindagem no capô?

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Rafael
1 ano atrás

A blindagem já foi assunto de uma das partes anteriores.

Carvalho
Carvalho
1 ano atrás

Comparem esta matéria (com elementos do 15 RCMec) com a anterior, sobre a instrução do 12 RCMec.

No 12 RCMec a instrução tem caráter nitidamente defensivo – bloqueio e ação retardadora. Nestas situações se escolhe a posição, livrando campo de tiro com os marruas em posição desenfiada.

No 15 RCMec, o LMV permite investir ofensivamente em uma localidade urbana, usando a viatura como anteparo.

O LMV irá permitir à Cavalaria utilizar os elementos exploradores como reforço ao GC, utilizando viaturas blindadas, o que não era possível com o Marruá.

Francisco Herês
Francisco Herês
1 ano atrás

Percebe-se que nossas forças militares perdem tempo e dinheiro adquirindo carros de passeio pintados de verde, que nunca vão ser militares, e na hora que o bicho pega é que eles querem dotá-lo de blindagem, como os Marruás. Não é por que é nacional que deve ser comprado, se for um lixo como esse marruá nem deveriam gastar dinheiro, se já tivessem partido desde o início para os LMV da Iveco, teriam economizado dinheiro do contribuinte. Infelizmente quem gasta mal acaba gastando duas vezes, é por isso que o orçamento nunca chega.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Francisco Herês
1 ano atrás

Francisco, Não creio que o Marruá possa ser considerado lixo, ele atendeu à missão de reconhecimento tático como ainda era pensada na virada dos anos 1990-2000, e cumpre diversas outras missões como 4×4 leve padrão. E a cronologia dos fatos, assim como os custos envolvidos, não corroboram seu comentário. O desenvolvimento do Marruá precede o do LMV da Iveco. As maiores aquisições do Marruá foram feitas pelo EB quando as primeiras entregas de produção do LMV mal começavam a ganhar ritmo lá fora. A expansão da Iveco no Brasil para produzir veículos militares só veio depois disso, com o contrato… Read more »

Caio
Caio
1 ano atrás

Hoje Agrale ja tem um marrua nlindado de fábrica, e não essa gambiarra deprimente que foi feita a pouco tempo. Se o preço permite acho que ele poderia pelo menos ser adotado pela força nacional e polícias locais como a do próprio RJ, já que o lince é muito caro e adequado para situações piores, que AINDA não chegamos em território nacional.

lucasbega@outlook.com
Reply to  Caio
1 ano atrás

Você vá morrer falta seu guerra rio míssil rgp aí 47
Isso feriado ou morreu
Iveco lmv blindado graças melhor

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  lucasbega@outlook.com
1 ano atrás

Lucas Rousseff kkkk

Marcos
Marcos
Reply to  lucasbega@outlook.com
1 ano atrás

O EB está testando uma nova criptografia? Que idioma é esse?

OSEIAS
OSEIAS
Reply to  lucasbega@outlook.com
1 ano atrás

você só pode ser presidiário dando opinião de dentro de uma cela.
sem mais.

paulop
paulop
Reply to  Caio
1 ano atrás

Caio: penso que o Agrale Marrua blindado, com algumas melhorias, tal como proteção contra IEDs e kits removíveis de blindagem, poderia ser uma boa opção para as unidades da cavalaria mecanizada das Forças de Emprego Geral, que possuem um caráter mais defensivo do que ofensivo. Um upgrade negociado entre o EB e a Agrale poderia substituir aqueles veículos fracos que os exploradores possuem e dota- los de algo mais seguro.
Abraço.

Bardini
Bardini
Reply to  paulop
1 ano atrás

“Agrale Marrua blindado, com algumas melhorias, tal como proteção contra IEDs e kits removíveis de blindagem”
.
No mundo real, o que você quer é um novo projeto, pq não é só balançar uma varinha mágica na frente de um Marruá, recitar palavrinhas mágicas e bummm: surge um kit milagroso para proteção contra IEDs e pontos para placas de blindagem…
.
“que possuem um caráter mais defensivo do que ofensivo”
.
Vocês viajam demais. Demais…

paulop
paulop
Reply to  Bardini
1 ano atrás

“No mundo real, o que você quer é um novo projeto”: pois que a Agrale se movimente e busque este nicho de mercado. Associe-se com outras empresas nacionais ou estrangeiras (entendo que o fator principal gira em torno de $$$). Caro Bardini: não convém ao EB, com seu orçamento reduzido, inclusive, equipar todas as unidades com LMV, já que estamos no assunto. Conforme já foi exposto por um colega comentarista, só para a cavalaria mecanizada e outras funções o EB precisaria de aproximadamente 600(!) LMV. Custando 1.000.000 cada, em média, não sei se vamos ter 600.000.000 pra equipar todas as… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  paulop
1 ano atrás

Acho que tu vive em uma realidade paralela, pq no Brasil não deve ser… . “pois que a Agrale se movimente e busque este nicho de mercado” . Se tu fosse da diretoria, tu toparia torrar dinheiro do bolso da ENCOSTADA da Agrale, pra bancar um extenso programa de Pesquisa e Desenvolvimento, somando a capacitação de pessoal e linha de produção para dar origem a um produto novo, emaranhado em incertezas, que teria de além de funcionar, ser “barato”… para no final das contas atender um Exército que NUNCA consegue manter os planejamentos de investimentos de um MALDITO ANO PARA… Read more »

Canarinho
Canarinho
Reply to  Bardini
1 ano atrás

A coisa podia ser feitas em etapas Bardini, primeiro o exercito poderia contratar o desenvolvimento do produto – tal qual a forca aérea fez com a embraer no caso do KC – e posteriormente assinar contratos para a aquisição em lotes. Tudo feitos em etapas, sem descapitalizar a agrale.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Caio
1 ano atrás

o Marrua Blindado acho que e uma ótima opção paras forças policiais e a força nacional (por causa principalmente de seu custo de aquisição e manutenção), já para as forças armadas os requisitos são outros, nesse causo o Lince foi a melhor opção (apesar de seu custo altíssimo de manutenção)

Bardini
Bardini
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

“por causa principalmente de seu custo de aquisição e manutenção”
.
Caro e com um projeto de confiabilidade medíocre…
.
“já para as forças armadas os requisitos são outros, nesse causo o Lince foi a melhor opção”
.
Só o tempo dirá se foi “a melhor opção”. No momento, é apenas a opção mais fácil de justificar…

jurandir
jurandir
1 ano atrás

Qual a opiniao de quem usou o lince no rio de janeiro?

Tomcat4.0
Tomcat4.0
1 ano atrás

Interessante o Marruá blindado na foto acima(não a gambiarra horrível). Bem que poderia ser adquirido pra uso policial ,principalmente contra estes grupos que explodem bancos e tal.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

Alguns estados já adquiririam para suas forças policiais (se não me engano Santa Catarina e Goiás).

rdx
rdx
1 ano atrás

O LMV não é capaz de substituir o Marruá em missões GLO. Observem quantos soldados os Marruás da foto estão transportando.

Na minha opinião, o blindado ideal para transportar um GC com proteção em favelas é o Guarani.

Carvalho
Carvalho
Reply to  rdx
1 ano atrás

rdx Em qualquer dos casos, um blindado, seja um LMV ou Guarani, nunca irá atuar sozinho. Você precisa sempre garantir flancos, eixos secundários e mesmo, dispor de uma reserva para acionamento em caso de combate. Ou seja, é importante ter condições de desbordamento. Isto pode acontecer tanto em manobra convencional quanto dentro de uma favela. Sendo assim, os LMVs fazem a sondagem e os desbordamentos, com os Guarani transportando o GC para a ação principal. Cada macaco no seu galho. A ação de patrulha é típico de emprego para o LMV. Voce pode ter até 4 homens em condições de… Read more »

rdx
rdx
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

Carvalho, eu respeito a sua opinião mas continuo achando que o LMV é inadequado para operações em áreas de alto risco, pelos seguintes motivos: 1. Não tem blindagem do motor 2. Tem muita superfície com vidro. 3. Não tem espaço interno para transportar prisioneiros, mortos/feridos e materiais apreendidos. Na minha opinião, um blindado para combate urbano precisa ser capaz de resgatar a guarnição de outro LMV pedido em combate. 4. Não tem espaço adequado para receber uma REMAX, por exemplo. 5. A doutrina é muito bonita mas na prática uma guarnição com 04 soldados tem pouca utilidade numa área de… Read more »

Carvalho
Carvalho
Reply to  rdx
1 ano atrás

Ok. Mas apenas aponto o seguinte:
4. Há previsão de instalar remax nos LMVs
5. Numa área de alto risco não haverá apenas 4 soldados operando isoladamente. Ao contrário, 8 fuzileiros em duas LMVs terão muito mais facilidades de desbordar e progredir do que um GC em um Guarani.

rdx
rdx
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

O LMV com uma REMAX seria uma excelente plataforma de apoio de fogo.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Guilherme Poggio
1 ano atrás

Na verdade Poggio….1 motorista + 4 fuzileiros.
Não sei exatamente os procedimentos que estão sendo adotados, mas a princípio o motorista não desembarca, até para prover proteção (como na foto).

rdx
rdx
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

O EB emprega patrulhas com 08 homens?

Alexander
Alexander
Reply to  rdx
1 ano atrás

1. Considerar o conceito de célula de sobrevivência do projeto. 2. Esse vidro tem uma blindagem muito boa, testado na prática. 3. Na verdade ele tem um espaço bom na “mala” aonde dá pra levar prisioneiros sim (com pouco conforto e sem proteção blindada). 4. Na verdade ele tem totais condições de receber uma Remax, é só arrancar a torreta e colocar outra. Toda a adaptação de parte elétrica e afins já está na viatura. 5. Relembrar que a viatura comporta na verdade 5 militares e isso seria, na média, o efetivo de uma esquadra dentro de um GC dentro… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  rdx
1 ano atrás

Mas pra esse cenário que tu tais imponto, o que você precisa nesse tipo de missão é de no mínimo um M1117 ASV…

rdx
rdx
Reply to  Bardini
1 ano atrás

É a VBTP policial do US Army

Bardini
Bardini
Reply to  rdx
1 ano atrás
Alexander Lima
Alexander Lima
1 ano atrás

Os militares da foto do adestramento não são do 15° R C MEc (Es), são da Bda Pqdt. Dependendo das vielas das favelas o Urutu tinha mais mobilidade e capacidade de infiltração do que o Guarani, que se diferencia pela maior proteção blindada. A Marruá Cargo foi utilizada para transporte de 1 (um) GC completo ou uma esquadra por vtr e quando chegaram as Lince foi utilizado com uma viatura por esquadra.