Home Blindados Coreia do Sul oferece o tanque K2PL à Polônia

Coreia do Sul oferece o tanque K2PL à Polônia

3878
107

A Hyundai Rotem, uma das maiores fabricantes de defesa da Coreia do Sul, revelou o modelo do tanque de batalha principal (MBT) K2PL, chamado Wilk (Lobo), na feira da indústria de defesa MSPO 2020 na Polônia.

A empresa sul-coreana está oferecendo parceria com o governo polonês para produzir em conjunto mais de 800 tanques de batalha principais K2PL para substituir os tanques T-72 e PT-91 de projeto soviético.

“A previsão é que a licitação oficial do projeto seja anunciada no primeiro semestre deste ano e com certeza participaremos do processo. O projeto total está dividido em duas etapas para produzir um total de 800 tanques”, disse um funcionário da Hyundai Rotem.

“Estamos abertos à cooperação com empresas polonesas, como o grupo estatal líder PGZ. O tanque seria produzido na Polônia e nós forneceríamos nossa tecnologia às fábricas polonesas”, disse Lee Han-Soo, gerente sênior da equipe global de vendas e marketing de defesa da Hyundai Rotem, à Defense News na feira da indústria de defesa MSPO. “A produção deste tanque começou há alguns anos e nossa tecnologia é de ponta em comparação com os produtos de nossos rivais.”

A nova versão do tanque K2 tem uma torre ampliada com blindagem frontal e lateral aprimorada, e também um casco alongado com blindagem lateral e talvez frontal aprimorada, de acordo com o especialista militar polonês Damian Ratka.

Ele também acrescentou que a estação do motorista do K2PL fica no meio da frente do casco. Isso fornece melhor visibilidade e para o motorista é mais fácil entrar e sair. Também provavelmente significa armazenamento de munição mais seguro.

Para melhor proteção contra ameaças de granadas propelidas por foguete, a parte traseira do casco do tanque é equipada com armadura do tipo wire cage. Um sistema de proteção ativa também é aplicado ao tanque para conter mísseis guiados antitanque (ATGM).

O K2PL é uma evolução do K2 Black Panther

A Hyundai Rotem pretende participar de uma licitação para o projeto de modernização técnica do Exército Polonês para tanques de batalha no valor de US$ 8,85 bilhões. Se a empresa ganhar o pedido ainda este ano, será a primeira exportação de tanques de guerra da empresa.

Funcionários da Hyundai Rotem se reuniram com funcionários poloneses várias vezes para explicar os detalhes das qualificações e funções do K2 Black Panther. Em 2008, a empresa sul-coreana venceu uma licitação para vender tanques K2 ao governo turco derrotando a Alemanha, um dos maiores fabricantes de tanques do mundo.

Subscribe
Notify of
guest
107 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio Moreno
Claudio Moreno
2 meses atrás

Bom dia de sábado a todos os Senhores camaradas do Forte e da Trilogia!

É incrível, pensar que o Brasil na década de 50 chegou até doar equipamento militar de segunda mão aos Sul Coreanos!

Hoje é perigoso até a Coreia do Norte, nos doar equipamentos. Não por que nossa indústria não seja competente, mas sim os governos (digo todos).

CM

Teropode
Reply to  Claudio Moreno
2 meses atrás

Há 3 grandes motivos para isso , o primeiro é que o Brasil de modo geral foi beneficiado por ter solo fértil e grandes reservas de minerais , isto causou um certo comodismo em relação ao desenvimento do setor 2 , a segunda causa é a nossa falta de pragmatismo somada a uma divisão ideológica burra e submissa que travou a possibilidade de uma aliança estrategica com um player , a terceira causa é a corrupção sistêmica que consome os recursos destinados a educação , segurança e incentivos fiscais . Portanto ficaremos no quase e com muita sorte se não… Read more »

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Teropode
2 meses atrás

Concordo. E há outros grandes motivos para isso, sejam decorrentes dos que você apresentou ou não. 1) Mão de obra cara e desqualificada, no geral; 2) Sistema educacional negligenciado e vilipendiado, não só pela corrupção, mas, principalmente, pela incompetência, pela burocracia e pelas, como bem dito por você, brigas ideológicas burras. 3) Produção cara, diante da elevada carga tributária, do sistema precário de logística etc. 4) População sem instrução que não cobra seus governantes e não entende que investimento em tecnologia, desenvolvimento e inovação é de primeira ordem de importância. Enfim, são várias razões que relegaram nosso país a um… Read more »

Teropode
Reply to  Felipe Morais
2 meses atrás

Isso , repare que todos os 4 pontos que vc colocou estão ligados a segunda e terceira causas , eu não acredito que os descasos não sejam intencionais , que as cargas tributárias são para tapar os rombos causados pela desonestidade administrativa e com uma educação fraca dificilmente seremos celeiros de conhecimento .

Cristiano. de Aquino Campos
Cristiano. de Aquino Campos
Reply to  Teropode
2 meses atrás

Não concordo com a divisão politica ideológica, que nós impediu de fazer alianças e por isso estamos atrazados.

Cristiano. de Aquino Campos
Cristiano. de Aquino Campos
Reply to  Cristiano. de Aquino Campos
2 meses atrás

Complementando o que estava falando. O Brasil só foi governardo por um partido de esquerda, durante o PT, PSDB nunca foi de esquerda, eles são liberais como o paulo Guedes. Ou alguem aqui ja viu alguem do PSDB que não seja rico ou ligado as grandes fortunas desde o berço? Estamos nessa situação, desde a epoca da ditadura. Na verdade, desde o fim da segunda guerra mundial, pois desde então, fomos quase que sempre governados por partidos de direira, principalmente durante a ditadura que durou 20 anos, partiros de centro como o PMDB(cancer do Brasil desde sempre) e recentimente por… Read more »

Teropode
Reply to  Cristiano. de Aquino Campos
2 meses atrás

Repare que observei a condição subserviente de ambas ideologias praticadas aqui , pois a maioria dos players possuem diversidade ideológicas mas possuem uma política de estado definida , aqui não existe isto , ex : Aqui um governo não constrói a cabeceira de uma ponte porque ela foi construída por outro .

Cristiano. de Aquino Campos
Cristiano. de Aquino Campos
Reply to  Teropode
2 meses atrás

Ai sim e verdade. A cumpa do nosso atraso e nosso. Começando pelo que vota mal e exige pouco e a terminar pelos nosso lideres eleitos que se lixam para o país e seu povo.

Gabriel BR
Gabriel BR
2 meses atrás

É um preço bem competitivo para um material de tamanha qualidade.
Temos que repensar nossa preferencia por fabricantes europeus , já não está valendo a pena.

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Não mesmo, se são US$ 8,85 bilhoes para 800 tanques, da aproximadamente US$ 11 milhoes por unidade, bem acima dos US$ 8,5 pelo Leclerc, US$6,8 pelo Challenger 2, US$6.7m pelo Leopard 2A6, US$8.8 a 10m pelo Leopard 2A7 e US$6.0 pelo M1 Abrams.
Então, fazendo uma conte grosseira de padaria, o K2 ta bem mais caro que outros tanques, mas provavelmente há mais coisas nesse 8,85 bilhoes que apenas os tanques.
Isso em termos de valor, sem entrar no mérito da qualidade e tecnologia embarcada.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

Nesse preço está incluído a fabricação local do Tanque, tá barato!

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Ta barato sim, só o dobro do leopard 2a6

Tutu
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

Isso é muito variável, só Deus sabe o que vem incluso nesses contratos.

Por exemplo, a Hungria comprou 44 leopards 2a7+ por US$ 400.000.000, isso dá um custo por unidade de aproximadamente US$ 9 milhões, já o Qatar pagou US$ 2.348.000.000 por 62 unidades, dando um custo aproximado de US$ 37 milhões.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

Então pede transferência de tecnologia para os europeus para ver o preço, depois eles ainda vem e compram nossas empresas que eles próprios transferiram tecnologia, no final transferem tecnologia para eles próprios.

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  SmokingSnake 🐍
2 meses atrás

Vc tem a mesma opinião em relação ao gripen pro Brasil?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

Não mesmo ! A tecnologia embarcada do tanque coreano é uma coisa fora de série …coisa de primeira linha!

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

A tecnologia embarcada no CC coreano é algo superior à embarcada no gripen? É isso que quis dizer ou foi irônico?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Felipe Morais
2 meses atrás

Na verdade foi referente ao primeiro comentário dele a respeito da tecnologia embarcada dos MBTs ocidentais. Gripen E é outro departamento! Uma coisa completamente diferente e nem sei se tem cabimento comparar

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

A intenção não foi comparar um MBT vs Fighter, mas a transferência de tecnologia sob o argumento se esta caro ou não.

Cristiano. de Aquino Campos
Cristiano. de Aquino Campos
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

Interessante notar que tudo feito na asia em materia de defesa e mais caro que o Europeu,( o que é dificil de acreditar) e americano, exeto o quê e feito pela China.
Parece ate um acordo para evitar a concorrência.

Jorge knoll
Reply to  Cristiano. de Aquino Campos
9 dias atrás

Pelo menos evitaria a dependência americana.

Diogo de Araujo
2 meses atrás

Por que todo mundo ofereçe tudo pra polônia? Só por que todo mundo já invadiu lá? Rs

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Diogo de Araujo
2 meses atrás

kkkkkk, um cliente em potencial
mas na materia mesmo diz, eles estão pra aposentar os velhos t-72 e pt-91

Caio
Caio
Reply to  Diogo de Araujo
2 meses atrás

Na História da Europa praticamente só a Inglaterra escapou de invasões corriqueiras. Os hinos chegaram até a França e os os mongóis da roda de ouro até a Áustria.

Fabricio Lustosa
Fabricio Lustosa
Reply to  Caio
2 meses atrás

Os “hinos” da alemanha, russia, inglaterra etc… foram todos cantados em solo francês. E os mongois da “roda de ouro” eram sócios do carnê do baú da felicidade. Kkkkkkkkkkk meu deus. Hunos e horda de ouro, jovem.

Antoniokings
Antoniokings
2 meses atrás

Trump não curtiu.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Se os americanos quiserem vender para a Polônia basta oferecer o financiamento camarada que só eles conseguem fazer.

Teropode
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Há grandes chances dos Americanos abraçarem este projeto , sairá mais em conta e serão produzidos em casa , a era do Abrans tá passando .

rui mendes
rui mendes
Reply to  Teropode
2 meses atrás

A Polónia, só têm 2 MBT’s em concorrência, este K2 e o Leo2 A7.
A Polónia quer comprar os MBT’s já, pois se não fosse por isso, eles teriam esperado e entravam junto da França e da Alemanha, no desenvolvimento do novo MBT Europeu.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

A Polónia tem comprado muito armamento, aos EUA, os mais caros programas foram, os F35, depois os Patriot e em 3, os F16 blq 52+.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  rui mendes
2 meses atrás

Caro Rui,
Os EUA são o melhor amigo que um país pode ter…pode comprar produto novo com financiamento camarada …pode comprar seminovo oriundo dos estoques do US Army e Guarda Nacional modernizado com material de ponta via FMS. São muitas as vantagens !

RPiletti
RPiletti
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

M1A2 ainda é fabricado ou teria de sair dos estoques?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  RPiletti
2 meses atrás

Será aposentado em breve

Pablo Maroka
Pablo Maroka
2 meses atrás

uns bons abrams seria de bom tamanho.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Pablo Maroka
2 meses atrás

Poderiam ser os que o Iraque está se desfazendo.
E segundo algumas fontes, podem chegar um montão vindos do Egito.
A Polônia economizaria uma boa grana.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Aqueles do Egito que, recentemente, eles concentraram em uma única base e tiraram trocentas fotos com o maior orgulho do mundo?

O Egito cada vez mais se enroscando com os turcos, vão abrir mão dos Abrams? Tem certeza disso? Vão adquirir o que pra substituir assim de forma tão imediata? Os CCs mega top blaster dos chineses ou os blaster top mega russos?
Para Xings, você ta deixando de ser uma piada sem graça e virando uma completa chacota.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Felipe Morais
2 meses atrás

Segundo o Jornal ‘Defense Arabic’, o Egito está querendo o T-90MS.
O Abrams foi considerado inadequado para uso severo nas areias do deserto, segundo o Exército iraquiano.
É o chamado tanque ‘Nutella’.

Flanker
Flanker
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Imagina se não entrasse areia…..

https://www.forte.jor.br/2020/05/04/m1-abrams-versus-t-72-ural/

Estuda um pouquinho antes de escrever…..

MestreD'Avis
MestreD'Avis
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Estamos a falar do mesmo Abrams que passeou por entre esse Exército Iraquiano na DESERT Storm?
O Abrams que foi utilizado no Iraque e Afeganistão?
O Abrams que foi comprado pelo Egito, Arábia Saudita e Marrocos? Paises de selva luxuriante talvez
O Abrams que foi desenvolvido nas areias dos DESERTOS do Arizona, Califórnia e Novo México????
É inadequado para DESERTO e vai ser trocado por um tanque desenvolvido para as estepes da Sibéria e para as planicies centro europeias…
Você tem mesmo 12 anos certo?

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Os poloneses querem material novo, não usado…os egípcios não vão se desfazer dos seus Abrams e os iraquianos não servem de referência para nada, seja com material americano, seja com material russo….

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Plinio Jr
2 meses atrás

Sendo referência ou não, o Abrams foi considerado frágil demais para os deserto iraquianos.
Estão trocando para modelos russos.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Não foi isso, que se viu, nas 2 guerras do Iraque, o M1 Abrams, teve grande desempenho nessa altura, no deserto.

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

O deserto iraquiano mostrou outra história em 1991 e 2003 em que os Abrams varreram qualquer oposição iraquiana na época….os iraquianos estão mudando de fornecedor de material devido a sua postura política pró-Irã …somente isto….

Foxtrot
Foxtrot
2 meses atrás

Enquanto isso, sonhamos com um projeto denominado “nova couraça” que nada mais é do que uma montagem local de MBT importado (muito provavelmente o Leo A2 ineficiente frente a seus congêneres Russos).
Que saudades da Engesa e seus Osório!
Na verdade que saudades da visão estratégica dos militares dos anos 80.

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Nunca tiveram nenhuma visão estratégica, tanto que não compraram o Osório e por isso, sem encomendas internas, as vendas externas tornaram-se um risco. Naquela época tinham empresários que realmente sonhavam com uma Brasil “putênfia”, hoje só querem ganhar licitações fraudulentas. Fora isso, o EB é zero, até desarmamentistas nossos militares são, com exigência absurdas e descabidas para os CACs.

Last edited 2 meses atrás by Augusto Mota
gari
gari
Reply to  Augusto Mota
2 meses atrás

Fato

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Augusto Mota
2 meses atrás

Desculpe caro Augusto, mas você faz parte do grupo de CAC,s frustrados que querem fuzil para uma casta da sociedade.
Porém o Brasil não é os Estados Unidos e sabemos muito bem que quem terá dinheiro e direito a ter armamento nesses país será sempre a burguesia privilegiada, enquanto a maior parcela pobre sofrerá com os mandos e desmandos desta burguesia.
Vide exemplo da guria lá do sul que é CAC assim como seus pais.
E vejo no que deu.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Acho que não é questão de ser frustrado, é questão de que dizem que o cidadão de bem não pode nem saber como é uma arma de verdade porque pode querer sair cometendo crimes. O problema é que as pessoas que querem cometer crimes já estão com armas e fazendo esses crimes, o medo já é real. A minha cidade tá infestada de traficantes, a polícia só tem coragem de peitar o cidadão de bem, pois afinal ele não vai reagir. Mas quando chega a hora de pegar o bandido, eles não tem coragem, fingem que não tá acontecendo nada.… Read more »

OSEIAS
OSEIAS
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

De que sul você está falando???? E para com esse termo sem sentido de burguesia, porque todo pobre nesse país quer ser rico também.

Teropode
Reply to  Augusto Mota
2 meses atrás

Não é bem assim , estavam num processo da transição , portanto não seria prudente assumir este compromisso e o congresso constituinte concordou com a decisão militar , não force a barra , principalmente se desconhece oque ocorreu !

tomcat4.2
Reply to  Augusto Mota
2 meses atrás

Só pra constar o Osório não era pro EB ele era pro mercado externo, o Tamoyo sim era pro EB,conforme seus requisitos, e quando evoluiu pro Tamoyo III,o mais filé, foi deixado pra morrer na praia.

Salim
Salim
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Faço minha suas palavras. Tínhamos tudo para estar topo, ai fecharam engesa e bernadini para comprar t60 e Leo 1a1, bem piores que nacionais.

_RR_
_RR_
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Foxtrot…

A Engesa simplesmente deu um passo maior que perna… e pagou por isso…

A visão estratégica dos militares dos anos 80 não difere em quase nada do que vemos hoje… Todos bons planos, mas esbarrando na impossibilidade política e/ou financeira de serem realizados a contento…

Os anos 80, aliás, foram barra pesada, com o País decretando até moratória… E foi em dias tão nebulosos que a Engesa quis emplacar um carro de combate… Loucura…

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  _RR_
2 meses atrás

Sério RR? Não via nos anos 80 os militares comprando projetos de navios, submarinos, blindados etc, sendo que sabemos, podemos e devemos fazer aqui. Hoje a FAB gasta uma fortuna nos projetos MAR-01, A-Darter,SMKB, DPA-Vant etc e depois cancela para gastar mais de 280 milhões de euros em armamentos importados para o Gripen por exemplo. O EB compra o LMV sendo que o Guará 4WS nos atende muito bem, termina a ALAC mas não encomenda, termina o Olhar VDNX1 mas compra monóculos Lóris Gen3. A MB encomenda esse absurdo chamado CCT/Meko mesmo depois de gastar uma grana no projeto do… Read more »

_RR_
_RR_
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Foxtrot… A classe Tupi é derivada do IKL-209 alemã… Apesar do desenvolvimento do Tikuna, tornou-se um beco sem saída… O tão aclamado Osório era uma concha de retalhos, com sistemas oriundos de tudo quanto é canto… Era o oposto do que deveria ser… Compras militares em si sempre tem um peso político… Você sabe disso…. A questão não é comprar uma coisa, mas por que se compra essa coisa alinhado a de quem se compra… Mesmo que a produção do A-darter tenha sido cancelada, não significa que não poderá voltar a tona. Vale lembrar que o míssil será adquirido. Não… Read more »

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  _RR_
2 meses atrás

Eu só acho que falta nossos militares olharem um pouquinho para o lado, olharem um pouquinho além do que “querem” e ver que dá para ter algo muito bom, ou quem sabe bem melhor, se deixarem de lado as opiniões pessoais e verem que o mundo é maior que “KMW”, “IMBEL”, “França” e “USA”. Um claro exemplo é o que fizeram com o M60A3, compraram ele junto do Leo1a1 forçado pelo presidente da época, e nunca deram valor ao veículo. Comparando as capacidades do M60A3 com o Leo1A1 é possível ver que o primeiro tinha visão termal, coisa que o… Read more »

_RR_
_RR_
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Diego, Pois é… O M-60 seria a minha escolha nos anos 90 para reequipar toda a cavalaria e os RCC. Farto estoque de peças, bons programas de modernização disponíveis no mercado… Mas as escolhas estão feitas… E o jeito é seguir adiante com o que temos e observar as oportunidades que se abrem, como M1 dos estoques americanos que podem ficar disponíveis para o Brasil a preços vantajosos em futuro próximo ( é certo que os americanos tem consciência de nossa necessidade de um carro mais performante, e não irão perder a oportunidade de oferecer um carro avançado a bom… Read more »

_RR_
_RR_
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

De toda sorte, muito embora acredite que o M1 seria a escolha mais acertada ( farta fonte de peças e serviço mantenedor de primeira ordem ), tudo aparentemente caminha para a aquisição de um lote diminuto do Leopard 2 ( talvez na variante A5 ). É o que vai restar…

rui mendes
rui mendes
Reply to  _RR_
2 meses atrás

Que é tão bom como o M1A1, e com a mesma facilidade de peças e mesmo nível de manutenção.

RPiletti
RPiletti
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Que comprem prontos… de projetos vivemos desde antes eu nascer… Só de FX o que eu li de reportagens, foi de cansar, nem na faculdade eu estava e hoje tenho mais de 15 anos de formado…

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Foxtrot, esse MBT sul coreano é um dos mais caros do mercado. Imagine a grana que foi gasta para seu desenvolvimento. Será que o caminho mesmo seria uma “visão estratégia” que de novo fizesse o EB se envolver em um desenvolvimento do zero para ter encomendas pífias? Na América do Sul NENHUM país, hoje, e nos próximos anos possui grana para comprar um MBT zero bala. Argentinos, esquece. Sobraria Chilenos, Peruanos e Colombianos. Mas nenhum teria. Na América Central e do Norte não tem mercado para isso. Na África, idem. Sobraria Europa, com a concorrência de MBTs já desenvolvidos (Inglês,… Read more »

Mateus Lobo
Mateus Lobo
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Você não deve ter lido o mesmo documento que eu, pois lá consta a fabricação local de projeto estrangeiro ou desenvolvimento de um próprio, que atenda as especificações pretendidas pelo EB nas quais consta o limite de 50 toneladas. MBT moderno padrão OTAN nessa faixa temos somente o T-84 Yatagan e o Type 10, o primeiro de uma país que não temos um bom histórico de parceria e o segundo sendo extremamente caro e que dificilmente seria produzido fora do seu país de origem. Dessa forma, o caminho mais provável é que o EB desenvolva em conjunto com alguma empresa… Read more »

rui mendes
rui mendes
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Em que filme viste isso, o Léo A2 ser ineficiente, face aos MBT’s Russos?
O Léo A2, é superior a qualquer MBT Russo,
só falta ver com o Armata, quando ele entrar ao serviço em operações reais.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Fox, existe alguns vídeos de jornalistas especializados a respeito do Osório que desmistifica toda essa pompa feita para o mesmo. Bom. Era um protótipo e poderia ter sido aperfeiçoado. Mas seria impossível a Engessa acompanhar os grande fabricantes que quem concorria. Principalmente porque a grande maior parte do Osório era importado. Nem vou levar em consideração a gestão incompetente, que já era conhecida na época. A única competência reconhecia foi a habilidade em conseguir enrolar os credores e deixar uma dívida de inacreditáveis R$ 500 bilhões de reais. Mas isso não importa para alguns. O que importa é que montou… Read more »

Last edited 2 meses atrás by MMerlin
Heinz Guderian
Heinz Guderian
2 meses atrás

É disso que o EB precisa para substituir os Leopards, tanque extremamente moderno, chega da “água na boca” .

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

Então Guderian, apesar do sr. ser o idealizador da blitzkrieg baseada em cavalaria mecanizada e motorizada, o Br se encontra em situação confortável em relação a seus blindados. O principal teatro de operações com blindados é o sul, justamente onde estao estacionados a maior qtd desses veiculos, terreno plano e areas urbanas.
A argentina ta lascada com sua arma blindada, uruguai, bolivia e paraguai nem são ameaças nesse campo, colombia e venezuela ao norte estão uma area de dificil operação de tanques, logo, o br ta tranquilho nesse sentido, devia focar mais em defesa aerea para esses meios

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

Acredite , o Brasil tem uma fronteira ao norte com uma potência perigosa, nuclear e louca para pegar território nosso.

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

É isso aí, o Brasil precisa estar preparado, não interessa onde estão os inimigos, não podemos deixar pra comprar só quando estourar uma guerra, M1 Abrams é bom pra qualquer lugar do planeta, então deve ser bom aqui também, algumas centenas alocadas nos principais regimentos ia fazer qualquer um pensar duas vezes.

Salim
Salim
Reply to  Augusto Mota
2 meses atrás

Quem quer a paz fica bem preparado pra guerra.

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Augusto Mota
2 meses atrás

Augusto, é uma questão estratégica, o br está bem em termos de tanques, adquirir meios mais modernos seria ótimo, porém há areas bem mais defasadas como a defesa aérea, leia o cenário do rpilletti ora entender sobre oq estou falando

RPiletti
RPiletti
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

com uma potência perigosa, nuclear e louca para pegar território nosso”, te refere a França?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  RPiletti
2 meses atrás

Sim

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Nuclear?
Kkkkkkkkk

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

A França!

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Kkkkk
Vamos precisar de mais q o K2 então, bem mais mesmo.
Agora, voltando ao mundo real, o BR precisa de mais gepards pra proteger os CC que já possui, caso contrário, o velho pucara seria o suficiente pra eliminar uma coluna de CC K2 sem AAA.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

A loucura, é essa afirmação, isso não pega, por mais que tentem. Só qualifica quem tenta enganar os outros, com essa afirmação.

RPiletti
RPiletti
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

José, se for para ter toda uma cadeia logística, quartéis, treinamentos e afins para usarmos material da década de 60/70, ou tudo isto é desnecessário ou estamos investindo errado… Quando prestei prova para EsPCEx lá em 99/00 em um GAAAE da vida o material que lá estava já era obsoleto, hoje depois de tanta água ter passado por debaixo da ponte, o armamento principal de lá é o mesmo… Turmas e turmas sendo instruídas em algo que não é útil em um cenário de guerra atual… e nosso dinheiro vai sendo drenado…

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  RPiletti
2 meses atrás

Não entendi exatamente oq vc quis dizer, mas só confirma q o br está um caco na defesa aérea

Alexandre
Alexandre
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
2 meses atrás

Por isso que o ideal é o Brasil manter os tanques Leopard 1a5 muito bem modernizados e com um canhão de 120mm, além de demais armamentos alternativos, e uma blindagem mais reforçada.

Atualmente o EB opera 216 unidades dos tanques Leopard 1a5.

Last edited 2 meses atrás by Alexandre
JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Alexandre
2 meses atrás

Sim, 216 tanques (sem contar os outros 1a1 e m-60 q nao sei se foram aposentados) para o nosso cenário é uma força respeitável, o que falta é defesa aérea em todos os sentidos, são poucos gepards, o br precisa de sam’s moveis e fixos de longo alcance, mais defesa para bases aéreas e quarteis estratégicos.
Querer que o BR esteja pronto para enfrentar um inimigo tipo china, eua e russia é viajar na maionese

_RR_
_RR_
2 meses atrás

Belíssimo carro… Essa máquinas sul coreanas são realmente muito belas, mas… Amigos… Carros novos, pelos nossos dias, são impraticáveis, quer seja pelos recursos financeiros que não temos, quer seja pelo componente civil ( que não compreende a necessidade em específico ) e político ( que, verdade seja dita, apenas reflete essa ausência de interesse popular ). O que restará ao EB, penso, será a aquisição de um lote diminuto de carros mais próximos do estado da arte, enquanto faz o possível pelo Leo 1A5… E sei que não deveria ser assim, haja visto a própria obsolescência do Leo 1, que… Read more »

Salim
Salim
Reply to  _RR_
2 meses atrás

RR, vejo hoje, visto desvalorização cambial de mais de 30% últimos dois anos, sérias dificuldades em comprar armamento externo. Penso que desta tragédia cambial poderemos tirar algum proveito resgatando nossa capacidade industrial de equipamento militar nacional e com potencial de exportação se mantermos política externa independente.

_RR_
_RR_
Reply to  Salim
2 meses atrás

Salim, Há hoje carros M1 e Leo 2 ( variantes mais antigas, que não seria economicamente satisfatório modernizar ) a preços compensadores, logo até o ponto em que não há sentido no desenvolvimento local desse tipo de item de defesa. Talvez, com o recrudescimento dessa “nova guerra fria”, itens de defesa excedentes possam ficar mais caros, mas não penso que seria ao ponto de viabilizar o desenvolvimento em solo pátrio de substitutos. Temos que ser pragmáticos… Nossa capacidade industrial, entendo eu, deve focar-se em munições ( de todos os tipos ) e na capacidade de integração do que se precisa… Read more »

Bardini
Bardini
2 meses atrás

A alternativa mais racional para o Brasil, é abdicar de um MBT ou tank “puro sangue” e adotar uma plataforma estrangeira, providenciando uma profunda nacionalização, para dar origem tanto a um AFV equipado com canhão de 120mm smoothbore, quanto demais variantes necessárias. . Exemplo: . E o EB deveria iniciar isso, adotando o Centauro 8×8 com canhão de 120mm, para iniciar a padronização da munição e demais fatores logísticos. O foco do Centauro 8×8 deveria ser o desenvolvimento de uma torre brasileira, visando emprega-la também no futuro AFV sobre lagarta e gerar assim, economia de escala e de investimentos para… Read more »

_RR_
_RR_
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Em tese, estaria certo… Contudo, não há como negar que a estrutura em torno de um MBT “puro” é algo muito mais robusto e próprio para a evolução da proteção e do calibre dos canhões. Até considero próprio o desenvolvimento de um 8×8 partindo da plataforma do Centauro, com direito ao desenvolvimento de uma torre e itens agregados. Mas isso esbarra no Guarani, para o qual se prevê o desenvolvimento de uma viatura com canhão de até 105mm; um caminho para o qual o EB já enveredou e, tudo indica, não abandonará. Logo, o caminho lógico é a adoção de… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  _RR_
2 meses atrás

“Até considero próprio o desenvolvimento de um 8×8 partindo da plataforma do Centauro, com direito ao desenvolvimento de uma torre e itens agregados. Mas isso esbarra no Guarani, para o qual se prevê o desenvolvimento de uma viatura com canhão de até 105mm; um caminho para o qual o EB já enveredou e, tudo indica, não abandonará.” . O EB analisou a compra de um grande lote de Centauros usados, para modernizar aqui e substituir assim os Cascáveis e posteriormente, até mesmo fabricar o Centauro I sob licença, para complementar os números que são necessários ao BR. O pacote oferecia… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Bardini
Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Essa torre do Centauro II montada no Ariete, ela tem o nível de proteção (blindagem) ao menos próxima a uma torre de CC “puro-sangue”?

Bardini
Bardini
Reply to  Alfa BR
2 meses atrás

Não.
.
E basta inverter a linha de raciocínio pra entender: a torre de um MBT é bem pesada, devido a grande quantidade de blindagem que tem. Se tu aplicar uma torre com muita blindagem e consequentemente muito pesada em um 8×8, o centro de gravidade fica muito elevado e o veículo se torna muito instável.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Faz sentido num AFV derivado de um IFV, mais leve e tudo mais.

Mas por uma torre dessa num chassi de MBT “puro-sangue” não seria meio sem sentido?

_RR_
_RR_
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Bom dia, Bardini. Todo esse “plano” que descrevi acima, seria em um cenário onde não existiria o Guarani ou qualquer outro plano de reequipamento… Evidente que não haveria lógica hoje na concepção de um novo veículo para a cavalaria mecanizada… Honestamente, nunca acreditei na possibilidade do Centauro. Muito mais “fácil” seria o EB encaminhar-se para um Guarani 6×6 com uma torre munida de um canhão de 90mm de alta pressão. Aliás, isso é mais a “cara” do EB. “…e talvez até os blindados dos RCB…” Isso literalmente mataria as unidades blindadas, cuja razão de ser é utilizar-se das lagartas para… Read more »

tomcat4.2
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Na questão do Guarani 6×6 eu creio que se o EB investir em uma torre como a Torc-30 mk2 (sei que é cara pra caramba) e em munições adequadas já terá um apoio de fogo absurdo, mas tem que dar um tapa no escorpião e enfiar a mão no bolso. Uma torre como a do veículo 6×6 francês o Jaguar;comment image

Flanker
Flanker
Reply to  Bardini
2 meses atrás

A FAB tem dois grandes programas em andamento, que demandam muito aporte financeiro, o Gripen e o KC-390. O mesmo acontece na MB, com as Tamandaré e o PROSUB. O EB tem apenas um grande programa, que é o Guarani. Para mobiliar os atuais RCC e RCB, seriam necessários 328 CC. Pelos custos observados, daria um total de aproximadamente 60% do custo do programa Gripen da FAB. Deveria ser um programa prioritário do EB e do MD.

Bardini
Bardini
Reply to  Flanker
2 meses atrás

É necessário muito mais que coisa, além dos 328 VBVCC novos. É aí que está a grande questão. Não adianta investir pesado em ter um MBT moderno, sem trocar os ultrapassados M113 por novos VBCI e demais variantes. Aí é que pega… tem muita coisa pra trocar e tudo é importante. . Se for botar na ponta do lápis, a solução mais barata que existe para se ter coisa nova nos dias de hoje, seria replicar o modelo francês: utilizar um MBT “puro sangue” como o Leclerc como ponta de lança, mas de resto, ir com roda para baratear o… Read more »

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Concordo contigo Bardini, o exemplo francês é interessante para o EB, embora tenhamos uma situação tecnologica e doutrina para o uso de MBTs no século XXI, ainda acho que não podemos abrir mão deles…assim como os mesmos devem estar bem acompanhados de outras viaturas de apoio…MBTs isolados é um convite para a destruição dos mesmos…não importa qual o modelo…

Bardini
Bardini
Reply to  Plinio Jr
2 meses atrás

Eu acho que é muito fácil abrir mão de um MBT tradicional dentro do nosso TO, tanto que é o que deveria ser feito, se a intenção é continuar com uma força mais tradicional equipada com meios SL, para manter a questão da mobilidade tática. . Para ações tradicionais de choque e ocupação do terreno no nosso TO, o que descrevi antes seria um caminho bastante racional na minha visão: uma família única de blindados, onde um deles é um AFV equipado com canhão de 120mm, para executar as ações de choque. . Privilegiando-se mobilidade e poder de fogo, em… Read more »

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Não somente artilharia Bardini, seria interessante o EB investir pesado em ATGMs em especial o Spike graças as boas relações com os israelenses….assim poderia abrir mão do uso de MBTs genuínos….em seu lugar veículos mais leves e de maior mobilidade, bem equipados e bem armados….

Mateus Lobo
Mateus Lobo
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Sei lá, Bardini, entendo seu ponto de visa e concordo com a análise econômica, mas na minha humilde visão de entusiasta, não acho que um AFV substitua satisfatoriamente um MBT, tanto que os países que empregam AFVs também empregam MBTs. Vejo os dois como complementares, talvez a adoção de AFVs diminua o número de MBTs necessário.

Alexandre
Alexandre
2 meses atrás

Ofereça para o Brasil, seria excelente o nosso exército possuir um tanque desse.

Last edited 2 meses atrás by Alexandre
Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

O EB esta ( ou estava ) fazendo um estudo a respeito do próximo MBT, esse esta entre os tanques estudados?

Alexandre
Alexandre
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Não sei dizer infelizmente, mas em Junho o EB decidiu modernizar e atualizar ainda mais o Leopard 1a5, o que significa dizer que o EB passará muito mais tempo com esses tanques do que desenvolver um próximo tanque.

Andrey
Andrey
2 meses atrás

Enquanto isso ,vamos de Leo 1a5 mesmo.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Andrey
2 meses atrás

Tanques são como aviões e navios. só devemos comprar de pises com grande tradição e expertise. Ou vamos ter dores de cabeça. Falta manutenção….literatura técnica,…assistência pós venda….descontinuidades….defeitos de projeto e de conceito…e por ai vai.

Andromeda1016
Andromeda1016
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

O K2 pode não ter histórico de exportação ainda mas a Coreia do Sul como exportador de material e tecnologia bélica tem uma reputação forte. Alguns exemplos são tecnologia do K2 para a Turquia; obuseiro autopropulsado K9 para a Turquia, India, Polônia, Finlândia, Estônia e agora Austrália e possivelmente Reino Unido; avião de treinamento KT1 para a Turquia e Peru; e outros equipamentos com o KT-50, submarinos, navios, mísseis, etc. E veja que não existem referências negativas quanto a essas transações pois os coreanos cumprem o que prometem.

Andromeda1016
Andromeda1016
2 meses atrás

O sistema de proteção ativo representado na maquete é o KAPS, sistema criado pela Coreia do Sul para o K2 que ainda não foi instalado devido ao seu alto custo (Estima-se que seja algo em torno de US$ 200.000,00)

https://www.youtube.com/watch?v=AaAlaDBybZw

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Olha que eu queria essa maquete do CC kkkk

Rprosa
Rprosa
2 meses atrás

Pelos requisitos apresentados, o futuro CC do EB deveria possuir no máximo até 50 toneladas, ter proteção blindada frontal equivalente aos blindados atuais e ser equipado com um canhão de 120mm de alma lisa, sendo que pelo fato do peso o K2PL estaria fora da disputa, posto que segundo analistas o peso do K2PL deve ficar entre 55/60 toneladas, face o uso adicional de blindagem. Desta forma, o Brasil se seguir a risca as diretrizes alinhavadas deve optar por um dos novos modelos de MMBT (Medium Main Batle Tank) como o que CV90120-T da BAE Systems, o ASCOD-2 e o… Read more »

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Rprosa
2 meses atrás

Os Chalengers britânicos no EB iam ser uma coisa espetacular ! Já pensou ver esses monstrinhos no desfile de 7 de setembro?!