domingo, agosto 1, 2021

Saab RBS 70NG

Pelotões de reconhecimento da Brigada Aeromóvel se adestram em técnicas fluviais

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Paraibuna (SP) – O 6° Batalhão de Infantaria Leve (6° BIL) coordenou, com apoio da 12ª Companhia de Engenharia de Combate Leve (12ª Cia E Cmb L), o adestramento centralizado dos Pelotões de Reconhecimento (Pel Rec) da 12ª Brigada de Infantaria Leve Aeromóvel (12ª Bda Inf L Amv) em técnicas fluviais. A atividade ocorreu no período de 22 a 25 de junho, na represa da Usina Hidrelétrica de Paraibuna (SP), e teve por finalidade padronizar as técnicas, táticas e procedimentos dos pelotões nas operações ribeirinhas, além de possibilitar o desenvolvimento do espírito de corpo dessa tropa especial da Brigada Aeromóvel.

Com ênfase no adestramento das pequenas frações, foram ministradas instruções de tiro e orientação, ambas diurnas e noturnas embarcadas, patrulha ribeirinha, posto de bloqueio e controle fluvial (PBCFlu), infiltração aquática por meio da técnica denominada “espinha de peixe”, além de terem sido mostradas as características das principais embarcações do Exército Brasileiro.

Fizeram parte do adestramento os pelotões de reconhecimento dos 4º, 5º e 6º Batalhões de Infantaria Leve que, em um quadro de defesa externa, têm a missão de infiltrar em terreno hostil sob quaisquer condições meteorológicas, precedendo o assalto aeromóvel, a fim de balizar o desembarque de tropa e levantar informações sobre o terreno e o inimigo.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

- Advertisement -

23 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Agnelo
Agnelo
30 dias atrás

Muito Excelente!!

Heinz Guderian
Heinz Guderian
30 dias atrás

Excelente, me parece que aos poucos os equipamentos individuais dos soldados estão melhorando, capacetes novos, fuzis novos, e em breve um novo fardamento.

Rodrigo LD
Rodrigo LD
Reply to  Heinz Guderian
30 dias atrás

Gostaria de saber de onde saiu essa ideia do novo fardamento. O utilizado pelos PQD nos EUA não é regulamentar e nem tem previsão de ser.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Rodrigo LD
26 dias atrás

Não estamos falando do exército americano, estamos falando do nosso exército, o exército Brasileiro.

Velame
Velame
30 dias atrás

“Infiltra Reconhece Guia” AEROMÓVEL!

ALFA BR
ALFA BR
30 dias atrás

Pelotão de Reconhecimento dos Batalhões de Infantaria Leve (Aeromóvel) (1) Estrutura (a) Cmt Pel. (b) Gp Cmdo. (c) Gp Rec (03). (2) Suas atividades são planejadas e controladas pelo oficial chefe da 2ª seção, em coordenação com o S3 do Btl. (3) Sua missão básica é coletar informes e prover limitada segurança às operações desenvolvidas pela unidade. Neste contexto, as missões peculiares do Pel Rec são: (a) realizar reconhecimentos de itinerários e áreas; (b) estabelecer postos de observação e vigilância; (c) realizar limitadas operações como elemento de cobertura (basicamente, dar o alerta ante a aproximação de tropa inimiga); (d) desenvolver… Read more »

Last edited 30 dias atrás by ALFA BR
ALFA BR
ALFA BR
Reply to  ALFA BR
30 dias atrás

comment image

Kommander
Kommander
30 dias atrás

Acho incrível que farda nova, fuzil novo, capacete novo é em suma maioria para organizações do sudeste, enquanto aqui no norte o bicho pega de verdade no meio do mato e os cara continuam operando algumas relíquias. EB fala tanto da Amazônia, mas pouco ajuda seus soldados a protege-la.

IBIZ
IBIZ
29 dias atrás

Esse fuzil IA2 ainda parece uma péssima escolha do EB. Teria sido melhor fabricar sob licença aqui algum projeto estrangeiro melhor como foi com o FAL. FN SCAR, CZ BREN ou até aquele RobArms XCR seriam melhores pra equipar os soldados.

Régis
Régis
Reply to  IBIZ
29 dias atrás

Quando o Brasil compra algo de fora, reclamam que o país não desenvolve tecnologia. Quando faz alguma coisa, é lixo.

Sempre a mesma reclamação.

IBIZ
IBIZ
Reply to  Régis
29 dias atrás

Pq quando o Brasil faz uma coisa de qualidade sempre adotam algo de fora e quando adotam alguma coisa feita no Brasil, essa coisa é um lixo!

Hermes
Hermes
Reply to  IBIZ
29 dias atrás

A precisão do fuzil IA2 é muito boa. Quem já atirou com ele, sabe.

Agnelo
Agnelo
Reply to  IBIZ
29 dias atrás

Seria liberado pelo fabricante termos, sob licença, o domínio da manutenção de 1º a 4º ou 5º, dependendo da arma, escalão?
Por quanto?
Sds

rdx
rdx
Reply to  Agnelo
29 dias atrás

Provavelmente bem menos que já gastaram nos últimos 30 anos tentando desenvolver um fuzil 5,56 mm nacional. Aliás, a IMBEL fabrica há décadas o belga FAL (e domina sua manutenção até o último escalão). O EB não precisa de centenas de milhares de HK-416 ou FN SCAR. 20 ou 30 mil são suficientes para armar as nossas tropas de pronto emprego. É simplesmente ridículo ver tropas de reconhecimento com o IA-2 (Já cansei de citar as deficiências dessa arma para operações especiais) O restante pode muito bem continuar empregando o IMBEL MD-1 7,62 mm (os argentinos decidiram armar sua infantaria… Read more »

Velame
Velame
Reply to  rdx
28 dias atrás

Um atirador designado(DM) por GC com Fz 7,62 para cobrir em alcance a manobra do GC não eliminaria esse suposto problema do comprimento do cano do IA 2?

rdx
rdx
Reply to  Velame
28 dias atrás

Pode atenuar o problema… mas precisa ser um DMR verdadeiro (com até 2 MOA de precisão) e não um FAL maquiado (IA-2). Eu também trocaria a Minimi 5,56 mm pela versão 7,62 mm. A Minimi 5,56 mm chegou com 30 anos de atraso. Ela já começou a ser substituída em alguns exércitos por armas 7,62 mm (fruto das lições apreendidas no Iraque e no Afeganistão). Difícil é imaginar os nossos infantes com IA-2 5,56mm lutando contra os argentinos armados com FAL modernizado nos pampas ou os venezuelanos com AK na selva amazônica. Todo mundo sabe que a escolha de uma… Read more »

Last edited 28 dias atrás by rdx
Igor Per
Igor Per
Reply to  rdx
22 dias atrás

Eu ja atirei de Ia2 no 37 Bil, e todo mundo do meu pelotão, até o Major de Souza achou melhor ele, é mais leve e preciso que o FAL, a ergonomia também é melhor, nunca atirei de SCAR mas ja segurei e vi que é mais pesado.

Everaldo Lameira
Everaldo Lameira
29 dias atrás

É muito importante o adestramento da tropa, só falta agora melhorar os equipamentos bélico.

Foxtrot
Foxtrot
29 dias atrás

Olha primeira vez que leio sobre forças de Recon no EB.
Mas ainda se nota grande deficiência em seus equipamentos, tais como miras ópticas, micro e mini Drones, optrônicos, comunicações satelitais etc etc etc
Nossas forças de Recon, além de deverem ser uma unidade independente, deveriam cooperar com as forças Recon das outras forças e serem munidas do que há de mais moderno.
Temos que ter algo como Força Delta, Marsoc etc etc etc.

ALFA BR
ALFA BR
Reply to  Foxtrot
29 dias atrás

Esses Pel Rec são dos BIL e atuam no máximo em proveito da 12a Bda Inf L (Amv). O tipo de Rec feito por Delta e Marsoc é algo que fica a cargo do 1° BFEsp, 1° BAC…

Duas doutrinas totalmente distintas.

ALFA BR
ALFA BR
Reply to  Foxtrot
29 dias atrás

Essa é a organização e resumo da doutrina dos Pel Rec da 12a Bda Inf L (Amv): Pelotão de Reconhecimento dos Batalhões de Infantaria Leve (Aeromóvel) (1) Estrutura (a) Cmt Pel. (b) Gp Cmdo. (c) Gp Rec (03). (2) Suas atividades são planejadas e controladas pelo oficial chefe da 2ª seção, em coordenação com o S3 do Btl. (3) Sua missão básica é coletar informes e prover limitada segurança às operações desenvolvidas pela unidade. Neste contexto, as missões peculiares do Pel Rec são: (a) realizar reconhecimentos de itinerários e áreas; (b) estabelecer postos de observação e vigilância; (c) realizar limitadas… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  ALFA BR
29 dias atrás

Obrigado pelas respostas e esclarecimentos caro ALFA BR.
Porém em minha modesta opinião, precisamos de unidades exclusivas (tipo Infantes, Snipers etc) de Recon.
Com treinamento, doutrinas e centros de treinamento próprios.
Para após formados seus membros ou equipes serem distribuídos a unidades do EB.
Como disse, tipo os Maroc,s por exemplo.

ALFA BR
ALFA BR
Reply to  Foxtrot
28 dias atrás

MARSOC é Op Esp. É outra coisa, eles cumprem outras missões, incluso reconhecimento. Mas entendo o que você quer dizer. A doutrina prevê frações de reconhecimento e atiradores de precisão. Nos batalhões de infantaria é previsto uma turma de reconhecimento (pouco ao meu ver) e uma turma de caçadores (só com duas equipes, pouco também). Na prática o pessoal do reconhecimento tem sua operacionalidade prejudicada pela deficiência no treinamento e em equipamento. Também não tem a turma de caçadores na maioria das OM, até pela falta de equipamento (coisa básica como um fuzil de precisão) e pessoal capacitado. Você encontra… Read more »

Last edited 28 dias atrás by ALFA BR

Últimas Notícias

Rússia e China realizarão treinamento conjunto no exercício Zapad/Interaction 2021

A Rússia deve se juntar a um exercício militar no noroeste da China em agosto com o tema de...
- Advertisement -
- Advertisement -